Ser um tra­ba­lha­dor com­pul­só­rio traz pre­juí­zos ao pró­prio in­di­ví­duo e às pes­so­as que es­tão ao seu re­dor

Um pro­fis­si­o­nal fe­liz e com­pe­ten­te não é sinô­ni­mo de um wor­kaho­lic. A pos­tu­ra de tra­ba­lha­dor com­pul­só­rio traz pre­juí­zos ao pró­prio in­di­ví­duo e às pes­so­as que es­tão ao seu re­dor

Ciencia em foco - - INDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Bru­no Ri­bei­ro DE­SIGN Ana Paula Mal­do­na­do/Co­la­bo­ra­do­ra

EM TEM­POS MATERIALISTAS, NÃO É DE SE ESTRANHAR QUE NOS­SA CUL­TU­RA CELEBRE OS PRO­FIS­SI­O­NAIS QUE PER­MA­NE­CEM ATÉ TAR­DE NOS ES­CRI­TÓ­RI­OS – se­ja em fren­te do com­pu­ta­dor, em reuniões in­ter­mi­ná­veis, re­ce­ben­do li­ga­ções ou ela­bo­ran­do re­la­tó­ri­os. São os cha­ma­dos wor­kaho­lics (ou vi­ci­a­dos em tra­ba­lho), os quais ado­tam um es­ti­lo de de­di­ca­ção pra­ti­ca­men­te ex­clu­si­va às ati­vi­da­des ocu­pa­ci­o­nais, mui­tas ve­zes ex­cluin­do ou­tros in­te­res­ses da vi­da e, até mes­mo, as re­la­ções in­ter­pes­so­ais.

E não é pa­ra me­nos. “Pro­du­ti­vi­da­de!”, co­bram os che­fes. “Se­ja bem-su­ce­di­do”, diz a so­ci­e­da­de co­mo um to­do. Con­tu­do, al­guns pro­fis­si­o­nais não con­se­guem ter or­ga­ni­za­ção no seu dia a dia e aca­bam tra­ba­lhan­do mais tem­po pa­ra en­tre­gar o mes­mo re­sul­ta­do. E já é con­sen­so en­tre os es­pe­ci­a­lis­tas: tal pos­tu­ra traz di­ver­sos ris­cos à saú­de fí­si­ca e emo­ci­o­nal, que vão mui­to além da sen­sa­ção de de­ver não cum­pri­do ao tér­mi­no do ex­pe­di­en­te.

Aí, quan­do a equa­ção en­tre as ho­ras de tra­ba­lho re­al x ho­ras de tra­ba­lho ide­al não fe­cha, é ho­ra de re­fle­tir. Não por­que, ne­ces­sa­ri­a­men­te, vo­cê não gos­te da­qui­lo que faz. Mas é que quan­ti­da­de nem sem­pre se tra­duz em qua­li­da­de.

“Eu não acre­di­to nis­so. Pa­ra mim, tra­ba­lhar mui­to é uma dá­di­va, um si­nal de que vo­cê gos­ta do que faz e de que tem opor­tu­ni­da­des à sua vol­ta. Pen­se bem: é me­lhor se ar­re­pen­der de ter tra­ba­lha­do mui­to ou de ter de­sis­ti­do no meio do ca­mi­nho?”, in­da­ga Ga­bri­el Rey­nard, es­pe­ci­a­lis­ta em mar­ke­ting di­gi­tal e adep­to do wor­kaho­lism. Mas ele aler­ta ao com­ple­men­tar seu ra­ci­o­cí­nio: “Não sou vi­ci­a­do em tra­ba­lho por­que que­ro ga­nhar mais di­nhei­ro, pres­tí­gio ou re­pu­ta­ção. Sou por­que me dá pra­zer! Ser wor­kaho­lic só é ruim quan­do afe­ta sua saú­de ou seu con­ví­vio com fa­mi­li­a­res. Fo­ra is­so, é per­fei­to!”.

NA DO­SE CER­TA

De fa­to, o pon­to le­van­ta­do por Ga­bri­el é o cer­ne da ques­tão: o in­di­ví­duo por trás da fa­ce­ta pro­fis­si­o­nal tam­bém tem que dar con­ta dos afa­ze­res do­més­ti­cos, pre­ci­sa edu­car e brin­car com seus fi­lhos, ou mes­mo ter tem­po pa­ra cur­tir o la­zer, de­sen­vol­ver al­gum hobby e cur­tir o happy hour com os ami­gos. Tu­do is­so pa­ra vi­ver bem e, con­se­quen­te­men­te, tra­ba­lhar me­lhor.

Se­gun­do Cel­so Baz­zo­la, es­pe­ci­a­lis­ta em re­cur­sos hu­ma­nos e di­re­tor exe­cu­ti­vo da Bazz Con­sul­to­ria, não há pe­ca­dos em tra­ba­lhar es­po­ra­di­ca­men­te além de sua car­ga diá­ria, des­de que es­sa ação se­ja me­ra­men­te por ne­ces­si­da­de de ur­gên­cia e de im­pac­to es­pe­cí­fi­co.

“Pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho, aca­ba sen­do um di­fe­ren­ci­al. Mas o pro­fis­si­o­nal e as áre­as de re­cur­sos hu­ma­nos de­vem iden­ti­fi­car quan­do não há exa­ge­ros em uma ro­ti­na nor­mal de tra­ba­lho. A par­tir do mo­men­to que a car­ga ho­rá­ria co­me­ça a ex­tra­po­lar cons­tan­te­men­te, é mo­men­to de re­fle­tir. O tra­ba­lho se­rá sau­dá­vel en­quan­to não apri­si­o­na a pes­soa na ne­ces­si­da­de cons­tan­te de fa­lar e es­tar agin­do pe­lo tra­ba­lho”, ex­pla­na o es­pe­ci­a­lis­ta. “Há ca­sos em que as pes­so­as aban­do­nam a con­vi­vên­cia so­ci­al, se­ja com fa­mi­li­a­res ou ami­gos. As­sim, se tor­na um tra­ba­lha­dor vi­ci­a­do e com­pul­si­vo, mes­mo fo­ra de seu am­bi­en­te de tra­ba­lho,

cri­an­do um no­vo am­bi­en­te re­che­a­dos de te­mas so­bre seus ne­gó­ci­os. Não há si­tu­a­ção que o fa­ça se des­li­gar do tra­ba­lho”, com­ple­ta Cel­so.

RIS­COS

Aban­do­nar o con­ví­vio so­ci­al po­de ser ape­nas o pri­mei­ro es­tá­gio de uma sé­rie de pro­ble­mas fí­si­cos que po­dem vir de­pois. Afi­nal, quan­do a pos­tu­ra evo­lui pa­ra um dis­túr­bio de com­por­ta­men­to, co­me­çam a apa­re­cer ou­tros sin­to­mas: au­to­es­ti­ma exa­ge­ra­da, insô­nia, mau hu­mor, im­po­tên­cia se­xu­al, ati­tu­des agres­si­vas em si­tu­a­ções de pres­são e, mui­tas ve­zes, até mes­mo de­pres­são.

A si­tu­a­ção po­de ser tão gra­ve que es­tu­dos re­cen­tes de al­guns ca­sos clí­ni­cos apon­tam que o ví­cio no tra­ba­lho tem po­ten­ci­al si­mi­lar à adi­ção ao ál­co­ol ou co­caí­na, tor­nan­do-se uma ob­ses­são do­en­tia que pre­ju­di­ca to­do o am­bi­en­te. “Pa­ra a em­pre­sa, a si­tu­a­ção traz mais des­van­ta­gens do que van­ta­gens. Ini­ci­al­men­te po­de ser in­te­res­san­te, pois a ve­lo­ci­da­de dos re­sul­ta­dos é sa­tis­fa­tó­ria. Po­rém, há um des­gas­te emo­ci­o­nal na­tu­ral do pro­fis­si­o­nal, pois ele es­ta­rá iso­la­do e res­tri­to ao te­ma tra­ba­lho, blo­que­an­do sua so­ci­a­bi­li­za­ção, o que po­de­rá re­sul­tar em sé­ri­os trans­tor­nos fu­tu­ros pa­ra sua vi­da”, des­ta­ca Cel­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.