En­ten­da co­mo as di­fe­ren­tes to­na­li­da­des po­dem in­flu­en­ci­ar o cé­re­bro e são usa­das a nos­so fa­vor

Pre­sen­tes de to­das as for­mas em nos­so co­ti­di­a­no, vo­cê po­de se sur­pre­en­der ao des­co­brir co­mo elas in­flu­en­ci­am as nos­sas vi­das

Ciencia em foco - - INDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Vi­ní­cius Gá­li­co/Co­la­bo­ra­dor DE­SIGN Ra­fa­el Na­ka­o­ka

IMA­GI­NE UM MUN­DO SEM TO­DAS AS CO­RES. Com for­mas, tex­tu­ras, con­tor­nos e, no en­tan­to, ape­nas em pre­to e bran­co, ou com tons de cin­za. Se­ria es­tra­nho, cer­to? Afi­nal, as co­res de­sem­pe­nham um pa­pel mui­to im­por­tan­te em nos­so co­ti­di­a­no, e po­de­mos no­tar is­so com exem­plos cor­ri­quei­ros: co­mo o trân­si­to se or­ga­ni­za­ria sem o ver­de, ver­me­lho e ama­re­lo dos se­má­fo­ros? Ou en­tão, o seu ti­me de fu­te­bol sem as co­res que o ca­rac­te­ri­zam, até mes­mo ser­vin­do de gri­to pa­ra a tor­ci­da?

Ago­ra, pen­se no seu pra­to de co­mi­da pre­fe­ri­do, mas sem as co­res. A ex­pres­são “co­mer com os olhos” nun­ca se en­cai­xou tão bem em um exem­plo. Uma ma­car­ro­na­da ao mo­lho de to­ma­te con­ti­nu­a­ria sen­do de­li­ci­o­sa, mas bem me­nos ape­ti­to­sa e cha­ma­ti­va sem o ver­me­lho e o ama­re­lo. Pois é, não tem jei­to, as co­res es­tão em to­do lu­gar e são es­sen­ci­ais pa­ra nos­sas vi­das. Afi­nal, o que se­ria da mo­da sem ela? “Pre­ti­nho bá­si­co”? “Ver­me­lho che­guei”? A “cor da es­ta­ção”? Na­da dis­so exis­ti­ria.

O que pou­ca gen­te sa­be é que a in­fluên­cia das co­res em nos­sas vi­das vai além do dia a dia cor­ri­quei­ro, das rou­pas e do si­na­lei­ro. Jun­ta­men­te a ou­tros ele­men­tos vi­su­ais, tais quais a ti­po­gra­fia, o mar­ke­ting, a pu­bli­ci­da­de, o de­sign e a co­mu­ni­ca­ção vi­su­al lan­çam mão das co­res pa­ra ex­pri­mir sua es­té­ti­ca e idei­as, pro­vo­car sen­ti­men­tos, sen­sa­ções e até mes­mo con­quis­tar o pú­bli­co e ven­der mais. Pa­ra tan­to, eles ado­tam mé­to­dos e téc­ni­cas de uma área de pes­qui­sa de­no­mi­na­da psi­co­lo­gia das co­res.

Fi­cou cu­ri­o­so pa­ra en­ten­der me­lhor co­mo tu­do is­so funciona, ago­ra que des­co­briu que a es­co­lha de uma cor vai além da ca­mi­se­ta? Fi­que tran­qui­lo, va­mos co­nhe­cer um pou­co mais so­bre tu­do is­so nas pró­xi­mas pá­gi­nas. Mas ago­ra, su­ge­ri­mos a vo­cê des­co­brir o la­do ci­en­tí­fi­co das co­res. Afi­nal, co­mo elas exis­tem e por que as en­xer­ga­mos?

A CI­ÊN­CIA POR TRÁS

Na ver­da­de, as co­res que en­xer­ga­mos são on­das ele­tro­mag­né­ti­cas cap­ta­das pe­los nos­sos olhos a par­tir de uma fon­te de luz (afi­nal, se es­ti­ver tu­do es­cu­ro, não con­se­gui­mos ver na­da, cer­to?). A luz que ilu­mi­na o nos­so pla­ne­ta e nos per­mi­te en­xer­gar tu­do é a so­lar, e sua cor, ape­sar de ima­gi­nar­mos ama­re­la ou la­ran­ja, é bran­ca.

A luz bran­ca po­de pa­re­cer sim­ples­men­te bran­ca, mas a ver­da­de é que ela é fei­ta de to­das as co­res que com­põem o de­no­mi­na­do “es­pec­tro vi­sí­vel”, ou se­ja, de to­das as co­res que o olho hu­ma­no é ca­paz de en­xer­gar. Qu­em des­co­briu is­so foi o fa­mo­so ci­en­tis­ta in­glês Isa­ac New­ton. É pos­sí­vel cons­ta­tar is­so atra­vés de um pris­ma, co­mo o da fa­mo­sa ca­pa do ál­bum The Dark Si­de of the Mo­on da ban­da bri­tâ­ni­ca Pink Floyd.

Mas afi­nal, o que is­so tu­do quer di­zer? Que to­das as co­res que en­xer­ga­mos de­pen­dem de dois fenô­me­nos: ab­sor­ção e re­fle­xão. Não en­ten­deu? Cal­ma.

Um ob­je­to ver­de só é ver­de por­que, ao ser ilu­mi­na­do por uma luz bran­ca (a luz do sol ou de uma lâm­pa­da flu­o­res­cen­te, por exem­plo) ab­sor­ve to­das as co­res do es­pec­tro vi­sí­vel e re­fle­te so­men­te o ver­de, que che­ga em for­ma de on­das ele­tro­mag­né­ti­cas aos nos­sos olhos. Já um ob­je­to bran­co re­fle­te to­das as co­res, fa­zen­do com que o en­xer­ga­mos co­mo bran­co. Os ob­je­tos pre­tos, por sua vez, ab­sor­vem to­das as co­res e não as re­fle­tem. Jus­ta­men­te por is­so são pre­tos.

A PSI­CO­LO­GIA DAS CO­RES

Co­mo di­to no co­me­ço da ma­té­ria, o efei­to das co­res em nos­so co­ti­di­a­no é mui­to ana­li­sa­do e apli­ca­do nas mais di­ver­sas áre­as. Na cha­ma­da Psi­co­lo­gia das Co­res, os es­tu­dos mos­tram que, de­vi­do à for­ma com que re­ce­be­mos e in­ter­pre­ta­mos as co­res, a es­co­lha de­las nos mais va­ri­a­dos as­sun­tos po­dem in­flu­en­ci­ar nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as.

Is­so é mui­to im­por­tan­te, por exem­plo, na ho­ra de pin­tar e de­co­rar os am­bi­en­tes de uma ca­sa. O ver­me­lho, co­mo ve­re­mos mais adi­an­te, é uma cor es­ti­mu­lan­te e in­ten­sa. Por is­so, uti­li­zar a cor em um quar­to de dor­mir po­de não ser uma boa op­ção. Is­so por­que ela po­de afe­tar o re­la­xa­men­to e o so­no. Se a sua in­ten­ção é co­mer me­nos, dis­pen­se a cor em am­bi­en­tes co­mo co­zi­nha e sa­la de jan­tar: o ver­me­lho tam­bém es­ti­mu­la o ape­ti­te e a von­ta­de de co­mer. Por ou­tro la­do, a cor po­de ser em­pre­ga­da na de­co­ra­ção de al­gum cô­mo­do on­de a cri­a­ti­vi­da­de ou a ati­vi­da­de fí­si­ca se­jam exi­gi­das.

No ca­so das rou­pas, a es­co­lha cor­re­ta das co­res po­de ser es­sen­ci­al tan­to pa­ra ex­pres­sar seu es­ta­do de es­pí­ri­to qu­an­to pa­ra ten­tar mu­dá-lo. As co­res frias, co­mo tons cla­ros de azul e ver­de, além do vi­o­le­ta, trans­mi­tem se­re­ni­da­de e le­ve­za. Já as co­res quen­tes, co­mo o la­ran­ja, ver­me­lho e ama­re­lo, es­ti­mu­lam o agir e a ener­gia.

FON­TE Ner­do­lo­gia, ca­nal no You­tu­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.