C RIA TIVI DA DE

"A ima­gi­na­ção é mais im­por­tan­te do que o co­nhe­ci­men­to. O co­nhe­ci­men­to é li­mi­ta­do. A ima­gi­na­ção en­vol­ve o mun­do, es­ti­mu­lan­do o pro­gres­so e dan­do ori­gem à evo­lu­ção”

Ciencia em foco - - CRIATIVIDADE - Al­bert Eins­tein

Ao de­ci­dir abrir um ne­gó­cio ou co­me­çar al­go no­vo, é fun­da­men­tal ter cri­a­ti­vi­da­de, pois, na prá­ti­ca, se vo­cê uti­li­za da cri­a­ti­vi­da­de, vo­cê não tem um em­pre­en­di­men­to, lem­bra o con­sul­tor de car­rei­ras Emer­son Wesley Di­as. “A ino­va­ção é uma ideia que foi cons­truí­da e im­ple­men­ta­da que ge­ra re­sul­ta­dos. Em pa­ra­le­lo a ela es­tá a cri­a­ti­vi­da­de, uma es­pé­cie de ‘pon­ta­pé ini­ci­al’ pa­ra co­me­çar a ino­var”, com­ple­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

PRO­CES­SO CRI­A­TI­VO

O ide­al pa­ra de­sen­vol­ver tal cri­a­ti­vi­da­de e con­se­guir cer­to im­pul­so ino­va­dor é pen­sar na so­lu­ção do pro­ble­ma e não fo­car no pro­ble­ma em si. “Por exem­plo, uma coi­sa é vo­cê se per­gun­tar: ‘o que eu pos­so fa­zer nes­se mo­men­to’. O fa­to de vo­cê per­gun­tar a si mes­mo já ti­ra o fo­co do pro­ble­ma, dan­do es­pa­ço pa­ra co­me­çar a pen­sar na so­lu­ção em si”.

Pa­ra en­ten­der o pro­ces­so cri­a­ti­vo den­tro da men­te hu­ma­na, mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas usam a clás­si­ca di­vi­são em eta­pas: pre­pa­ra­ção, in­cu­ba­ção, ilu­mi­na­ção e ve­ri­fi­ca­ção. Sa­be-se que es­sas fa­ses não se su­ce­dem de mo­do li­ne­ar co­mo na te­o­ria, elas tra­ba­lham in­te­ra­gin­do en­tre si de for­ma bem com­ple­xa.

A fa­se de pre­pa­ra­ção, co­mo o pró­prio no­me diz, en­vol­ve a re­fle­xão so­bre o pro­ble­ma e os ele­men­tos que são re­le­van­tes. Ou se­ja, é o pe­río­do em que a men­te acu­mu­la in­for­ma­ções.

Em seguida, se­gue-se um pe­río­do de pau­sa, o mo­men­to da in­cu­ba­ção, em que vo­cê dei­xa de fo­car nos da­dos dis­po­ní­veis, uma vez que não en­con­tra ne­nhu­ma so­lu­ção sa­tis­fa­tó­ria.

Po­rém, sua men­te con­ti­nua tra­ba­lhan­do e pas­sa a cri­ar co­ne­xões en­tre ele­men­tos apa­ren­te­men­te pa­re­ci­dos. Es­se é o pon­to má­xi­mo da ins­pi­ra­ção, qu­an­do o cé­re­bro se ilu­mi­na e con­se­gue en­xer­gar uma saí­da pos­sí­vel pa­ra o seu pro­ble­ma, a par­tir de uma com­po­si­ção de in­for­ma­ções.

Por úl­ti­mo, há a fa­se da ve­ri­fi­ca­ção, ou se­ja, o mo­men­to de tra­ba­lhar e la­pi­dar a no­va ideia e che­car se ela re­al­men­te fun­ci­o­na.

ACA­DE­MIA CRI­A­TI­VA

É pos­sí­vel trei­nar o cé­re­bro pa­ra ser mais cri­a­ti­vo? O co­a­ch res­pon­de (pa­ra a ale­gria de mui­tos) que SIM! Con­tu­do, pa­ra ca­da in­di­ví­duo, ser cri­a­ti­vo fun­ci­o­na de uma ma­nei­ra di­fe­ren­te. Não há ne­nhu­ma re­cei­ta pron­ta nem um pas­so a pas­so per­fei­to pa­ra se­guir, mas, há mui­tos pon­tos em co­mum no com­por­ta­men­to de gran­des men­tes cri­a­ti­vas.

A pri­mei­ra di­ca pa­ra ga­ran­tir di­as mais cri­a­ti­vos à sua ro­ti­na é: qu­an­do se de­pa­rar com um pro­ble­ma, pen­se, mas pen­se di­fe­ren­te. Dê li­ber­da­de pa­ra o seu cé­re­bro. E tam­bém um des­can­so pa­ra ele – dur­ma oi­to ho­ras por di­as e, aos fi­nais de se­ma­na, não fi­que fo­ca­do no tra­ba­lho, se des­li­gue.

Cul­tu­ra con­si­de­ra­da “inú­til” po­de ser útil: me­mo­ri­zar al­guns no­mes dos per­so­na­gens da sua sé­rie ou fil­me fa­vo­ri­tos ou sa­ber de cor to­das as le­tras de pa­go­de ou axé não aju­da­rá nin­guém a ga­nhar o prê­mio No­bel, mas po­de ser o prin­cí­pio do ca­mi­nho até uma boa ideia. Seu cé­re­bro pro­cu­ra da­dos na me­mó­ria e cria as­so­ci­a­ções en­tre eles, as­sim, quan­to mais da­dos, mai­o­res são as chan­ces de sur­gi­rem co­ne­xões inu­si­ta­das e idei­as cri­a­ti­vas. A ver­da­de é que re­fe­rên­ci­as aju­dam.

• Jun­tos e mis­tu­ra­dos: ter idei­as é jun­tar os pon­tos. Mas nin­guém é cri­a­ti­vo so­zi­nho. Gran­des ca­be­ças são obras do con­tex­to em que vi­vem.

• Não dei­xe de es­tu­dar: é es­sen­ci­al bus­car re­fe­rên­ci­as e es­tu­dar so­bre tu­do o que po­de es­tar li­ga­do à sua ideia.

• Voe mais al­to: não se pren­da a cur­sos que te­nham a ver com o tra­ba­lho. Pro­cu­re por coi­sas di­fe­ren­tes, pois is­to po­de aju­dar vo­cê a au­men­tar a variedade de as­so­ci­a­ções e, as­sim, ge­rar idei­as cri­a­ti­vas.

• Apai­xo­ne-se: tra­ba­lho bom é tra­ba­lho apai­xo­nan­te: qu­an­do o fo­co em al­go é tão gran­de, a pes­soa ten­de a se fun­dir ao pro­je­to e o gran­de tru­que pa­ra is­so é sim­ples – gos­tar do que faz.

• Uma vi­a­gem ao cen­tro do mun­do: is­so mes­mo, vi­a­je, conheça ou­tras cul­tu­ras, ou­tros mo­dos de vi­ver (mes­mo que se­ja por li­vros ou pe­la in­ter­net, pro­cu­re co­nhe­cer pes­so­as no­vas.

• É di­fí­cil de acre­di­tar, mas é ver­da­de! A ci­ên­cia já pro­vou que am­bi­en­tes ba­gun­ça­dos es­ti­mu­lam a cri­a­ti­vi­da­de!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.