Di­nhei­ro não é sinô­ni­mo de ter uma vi­da mais le­ve, se­gun­do o di­to po­pu­lar. Mas será que dá pra fa­zer de­le um au­xí­lio?

Vo­cê já de­ve ter ou­vi­do es­se ques­ti­o­na­men­to al­gu­ma vez na vi­da. Mas, afi­nal, a res­pos­ta é “sim” ou “não”?

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Éri­ca Aguiar DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do

OQUE É A FE­LI­CI­DA­DE PA­RA VO­CÊ: UMA VI­A­GEM, BUS­CAR O FI­LHO NA ES­CO­LA, COM­PRAR UMA ROU­PA NO­VA OU SAIR COM OS AMI­GOS? Se­gun­do o co­a­ch e es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças Alexandre Pra­do, es­se sen­ti­men­to po­de ser de­fi­ni­do co­mo uma vi­bra­ção in­ten­sa em que a pes­soa sen­te a vi­da em sua ple­ni­tu­de e de­se­ja que aque­la sen­sa­ção mo­men­tâ­nea se eter­ni­ze. “É uma ale­gria imen­sa por um epi­só­dio qual­quer que per­mi­te à pes­soa se sen­tir ple­na”, ex­pli­ca.

As­sim, a fe­li­ci­da­de não é al­go con­tí­nuo, pois, se as­sim fos­se, se­ría­mos ca­pa­zes de per­ce­bê-la. “Mes­mo con­si­de­ran­do a fe­li­ci­da­de co­mo al­go epi­só­di­co, ser fe­liz é es­tar aber­to a per­ce­ber os mo­men­tos do dia a dia, quão im­por­tan­tes po­dem ser e o quan­to pos­sam con­tri­buir pa­ra mais even­tos fe­li­zes”, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta.

A fe­li­ci­da­de po­de es­tar re­la­ci­o­na­da às ex­pe­ri­ên­ci­as diá­ri­as – se­ja de uma con­ver­sa, um bom pra­to de co­mi­da ou uma vi­a­gem – ou aos ob­je­tos ad­qui­ri­dos (um car­ro no­vo, a ca­sa pró­pria, en­tre ou­tros). Po­rém, será que o di­nhei­ro es­tá re­al­men­te in­ter­li­ga­do com es­se sen­ti­men­to?

ADAPTAÇÃO HEDÓNICA

No cé­re­bro, o lo­bo fron­tal é res­pon­sá­vel pe­la ca­pa­ci­da­de hu­ma­na de pen­sar so­bre o fu­tu­ro e fa­zer pla­nos. As­sim, te­mos a ha­bi­li­da­de de “pre­ver” se uma ex­pe­ri­ên­cia será pra­ze­ro­sa – mas nem sem­pre es­sas pre­vi­sões se con­cre­ti­zam. Por exem­plo, ao ad­qui­rir um car­ro no­vo, vo­cê po­de fa­zer o test dri­ve, ler di­ver­sas re­co­men­da­ções em pu­bli­ca­ções es­pe­ci­a­li­za­das, en­fim, apai­xo­nar-se pe­lo au­to­mó­vel. Po­rém, três me­ses de­pois, ele traz as pi­o­res do­res de ca­be­ça ima­gi­ná­veis de­vi­do a um pro­ble­ma de fá­bri­ca que não con­se­gue ser so­lu­ci­o­na­do com ra­pi­dez nem pe­la con­ces­si­o­ná­ria, mui­to me­nos pe­la mon­ta­do­ra. Des­sa ma­nei­ra, a ex­pe­ri­ên­cia do car­ro no­vo não é tão boa quan­to ide­a­li­za­da an­te­ri­or­men­te.

Mes­mo as­sim, so­mos ca­pa­zes de nos adap­tar a es­sa realidade. Is­so por­que, em te­o­ria, o psi­co­ló­gi­co hu­ma­no, por meio de pro­ces­sos cog­ni­ti­vos, con­se­gui­ria fa­zer com que as pes­so­as mu­das­sem su­as vi­sões de mun­do pa­ra se sen­ti­rem me­lhor com a realidade atu­al. Des­sa for­ma, a adaptação hedónica (ou fe­li­ci­da­de sin­té­ti­ca) se­ria pro­du­zi­da qu­an­do não con­se­gui­mos exa­ta­men­te o que que­re­mos.

A pes­qui­sa de­sen­vol­vi­da por Da­ni­el Gil­bert, di­re­tor do La­bo­ra­tó­rio de Psi­co­lo­gia Hedô­ni­ca da Uni­ver­si­da­de de Har­vard, co­lo­cou em prá­ti­ca es­sa ob­ser­va­ção. Os vo­lun­tá­ri­os ti­nham que enu­me­rar seis qu­a­dros do pin­tor fran­cês Clau­de Mo­net, co­me­çan­do pe­lo que mais gos­ta­vam. De­pois, o pes­qui­sa­dor di­zia que po­de­ria pre­sen­teá-los com as reproduções, mas ape­nas as de nú­me­ro 3 e 4 es­co­lhi­das. As­sim, es­co­lhi­am a ter­cei­ra. Tem­pos de­pois, o pes­qui­sa­dor so­li­ci­ta­va que re­fi­zes­se o ran­king e o qua­dro le­va­do pa­ra ca­sa se tor­na­va o se­gun­do es­co­lhi­do. Já o de nú­me­ro 4 caía pa­ra a quin­ta po­si­ção. Des­sa for­ma, as pes­so­as se adap­ta­vam, pen­san­do que o qua­dro que pos­suíam na­que­le mo­men­to era me­lhor do que o dei­xa­do pa­ra trás.

As­sim, mes­mo que não du­re to­do o tem­po pre­vis­to de ale­gria, os pes­qui­sa­do­res su­ge­rem que in­ves­tir em ex­pe­ri­ên­ci­as po­de ser me­lhor do que bens ma­te­ri­ais. Is­so por­que pro­mo­vem a fe­li­ci­da­de na­tu­ral e não a aco­mo­da­ção. E o que é ga­ran­ti­do não tem a mes­ma gra­ça pa­ra nos­sa men­te quan­to o que de­ve ser con­quis­ta­do. “Na ver­da­de, o di­nhei­ro po­de ge­rar con­di­ções ma­te­ri­ais pa­ra um am­bi­en­te mais fe­liz, mas o cer­ne da ques­tão não es­tá no di­nhei­ro – que é um meio – mas co­mo es­te é en­ca­ra­do e uti­li­za­do. O in­di­ví­duo que de­po­si­ta no di­nhei­ro sua fe­li­ci­da­de ten­de a frus­trar-se. O que o di­nhei­ro po­de pro­por­ci­o­nar po­de ser tem­po­rá­rio. O in­di­ví­duo de­ve bus­car mais o ‘ser’ do que o

‘ter’: ser um ser hu­ma­no me­lhor, com va­lo­res, princípios e cren­ças que es­te­jam aci­ma de ter, ou não, o di­nhei­ro”, ex­pli­ca Alexandre Pra­do.

RIQUEZA VS. FE­LI­CI­DA­DE

Em 2010, uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca nor­te-ame­ri­ca­na Pro­ce­e­e­dings of the Na­ti­o­nal Aca­demy of Sci­en­ces (PNAS) mos­trou que a mai­o­ria dos mo­ra­do­res dos Es­ta­dos Uni­dos com ren­da de 75 mil dó­la­res por ano eram fe­li­zes, mas a fe­li­ci­da­de do dia a dia não evo­luía con­for­me a ren­da se ele­va­va. Pa­ra o es­tu­do, fo­ram co­le­ta­dos da­dos de mais de 450 mil nor­te-ame­ri­ca­nos. Co­mo con­clu­são, os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que va­le a pena ter uma ren­da al­ta até o ní­vel em que is­so é con­for­tá­vel, ou se­ja, não atra­pa­lha ações co­mo pas­sar um tem­po com ou­tras pes­so­as, o que, ci­en­ti­fi­ca­men­te, po­de afas­tar do­res, do­en­ças e pro­mo­ver uma ava­li­a­ção so­bre a vi­da e o bem-es­tar co­mo um to­do.

“O pro­ble­ma não es­tá no ta­ma­nho da con­ta ban­cá­ria de al­guém, mas sim su­as cren­ças e va­lo­res que, no li­mi­te, im­pac­ta­rão seus com­por­ta­men­tos. Há pes­so­as que pos­su­em di­nhei­ro e que ado­tam com­por­ta­men­tos po­si­ti­vos e ou­tras que não. Da mes­ma for­ma, há aque­las ou­tras que não têm di­nhei­ro e que ado­tam com­por­ta­men­tos po­si­ti­vos ou ne­ga­ti­vos. Em ter­mos prá­ti­cos, o que ocor­re, é que há pes­so­as cu­jos va­lo­res pes­so­ais são dis­tor­ci­dos e, qu­an­do se de­pa­ram com uma cir­cuns­tân­cia es­pe­cí­fi­ca, que tal­vez as fa­vo­re­ça em de­tri­men­to de ou­tros, ado­tam com­por­ta­men­tos ne­ga­ti­vos. Se pu­der­mos ob­ser­var em nos­sa vi­da co­ti­di­a­na, pes­so­as com di­nhei­ro, ou sem ele, ado­tam com­por­ta­men­tos er­ra­dos: di­ri­gem pe­lo acos­ta­men­to, fu­ram fi­la, ofe­re­cem e acei­tam pro­pi­nas, en­tre ou­tros”, ex­pli­ca Alexandre.

Des­sa ma­nei­ra, o di­nhei­ro de­ve ser vis­to co­mo um meio, um fa­ci­li­ta­dor ou po­ten­ci­a­li­za­dor. “O di­nhei­ro não traz fe­li­ci­da­de, mas po­de apro­xi­mar vo­cê dos seus objetivos. As­sim co­mo ter saúde tam­bém po­de, ter ami­gos, bons re­la­ci­o­na­men­tos e equi­lí­brio es­pi­ri­tu­al... Não é o di­nhei­ro que nos traz fe­li­ci­da­de. So­mos nós mes­mos que nos tra­ze­mos fe­li­ci­da­de. E to­das es­sas pe­ci­nhas do que­bra-ca­be­ça po­dem aju­dar nis­so”, ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças Lu­ci­a­na Fi­aux.

“Nor­mal­men­te, uma pes­soa ver­da­dei­ra­men­te bon­do­sa e ca­ri­do­sa será ainda mais ca­ri­do­sa se ti­ver di­nhei­ro. Al­guém egoís­ta ou de­so­nes­to será ainda mais egoís­ta ou de­so­nes­to à me­di­da que pas­sa a ter mais di­nhei­ro. Uma fa­mí­lia que tem pro­ble­mas de re­la­ci­o­na­men­to pro­va­vel­men­te te­rá ainda mais pro­ble­mas ao ter di­nhei­ro. Qu­an­do o di­nhei­ro afe­ta ne­ga­ti­va­men­te o com­por­ta­men­to de al­guém, na mi­nha vi­são, é por­que es­sa pes­soa já ti­nha uma ten­dên­cia a se com­por­tar da­que­la for­ma”, con­clui Lu­ci­a­na.

“O que o di­nhei­ro po­de pro­por­ci­o­nar po­de ser tem­po­rá­rio. O in­di­ví­duo de­ve bus­car mais o ‘ser’ do que o ‘ter’: ser um ser hu­ma­no me­lhor, com va­lo­res, princípios e cren­ças que es­te­jam aci­ma de ter, ou não, o di­nhei­ro” Ale­xan­dro Pra­do, co­a­ch e es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças

Alexandre Pra­do, co­a­ch e es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças; Lu­ci­a­na Fi­aux, es­pe­ci­a­lis­ta em fi­nan­ças. CON­SUL­TO­RI­AS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.