Co­mo con­ci­li­ar as re­la­ções pes­so­ais e ao mes­mo tem­po fo­car na sua car­rei­ra? Apren­da a fa­zer is­so pos­sí­vel

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra EN­TRE­VIS­TAS Éri­ca Aguiar DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do

Con­se­guir con­ci­li­ar a car­rei­ra e sua vi­da pes­so­al, em ple­no sé­cu­lo 21, po­de não ser tão fá­cil quan­to pa­re­ce, mas é ne­ces­sá­rio

OEQUILÍBRIO EN­TRE A VI­DA PES­SO­AL E PRO­FIS­SI­O­NAL DO SER HU­MA­NO É UM DOS MAI­O­RES DE­SA­FI­OS DA SO­CI­E­DA­DE ATU­AL, prin­ci­pal­men­te, qu­an­do a bus­ca pe­lo di­nhei­ro e pe­lo re­co­nhe­ci­men­to den­tro da pro­fis­são – cer­ta ga­nân­cia ou um sta­tus pre­ten­di­do, por exem­plo – se tor­nam de­sen­fre­a­dos.

Um an­ti­go lema do po­e­ta chi­le­no Pablo Ne­ru­da faz re­fe­rên­cia a uma equa­ção sim­ples: vo­cê é li­vre pa­ra fa­zer su­as es­co­lhas, mas será sem­pre re­fém das con­sequên­ci­as. Tu­do na vi­da se re­su­me a is­so, es­co­lhas e con­sequên­ci­as. No mun­do atu­al, es­sas es­co­lhas, mui­tas ve­zes, se re­su­mem ao di­nhei­ro e ao ca­pi­ta­lis­mo. As­sim, mui­tos se sub­me­tem a tra­ba­lhar dez, 12, 14 ho­ras por dia se pre­ci­sar – e não é só no es­cri­tó­rio que is­so acon­te­ce, pois mui­tos le­vam o tra­ba­lho pa­ra den­tro de ca­sa, nas ma­dru­ga­das e aos fi­nais de se­ma­na. E a con­sequên­cia des­se ex­ces­so vem em seguida.

“Mui­tas pes­so­as se de­di­cam e se es­for­çam mui­to pa­ra te­rem su­ces­so em sua car­rei­ra, le­vam anos em bus­ca dis­so. A car­rei­ra sig­ni­fi­ca cor­rer, uma cor­ri­da sem­pre con­tra al­guém, o que ge­ra ten­são, an­gús­tia, com­pa­ra­ção cons­tan­te com os ou­tros e con­cor­rên­cia pa­ra ga­nhar dos de­mais. E nes­se tur­bi­lhão, mui­tos pro­fis­si­o­nais bem-su­ce­di­dos fra­cas­sam em sua vi­da fa­mi­li­ar e pes­so­al”, co­men­ta a es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal e de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, Mar­ce­la Ran­gel.

LIGANDO OS PON­TOS

Mas será que é pos­sí­vel con­ci­li­ar a vi­da pes­so­al e a pro­fis­si­o­nal? Co­mo fa­zer is­so? A ver­da­de é que são pe­que­nas coi­sas e ati­tu­des que fa­zem uma enor­me di­fe­ren­ça na sua qua­li­da­de de vi­da.

Pa­ra a co­a­ch de bem-es­tar Fla­via Mot­ta, o ide­al é en­ten­der que a nos­sa vi­da é com­pos­ta por qua­tro gran­des áre­as: pro­fis­si­o­nal, re­la­ci­o­nal, fí­si­ca e es­pi­ri­tu­al. E to­das elas se sub­di­vi­dem em ou­tras áre­as. “A pro­fis­si­o­nal en­vol­ve a car­rei­ra, o fi­nan­cei­ro. Já a área re­la­ci­o­nal con­tem­pla os nos­sos re­la­ci­o­na­men­tos: amo­ro­sos, so­ci­ais e fa­mi­li­a­res. Na par­te fí­si­ca, es­tá a nos­sa saúde, bem-es­tar e até a au­to­es­ti­ma. Por fim, a es­pi­ri­tu­a­li­da­de en­vol­ve o acre­di­tar em al­go mai­or, sen­do que ca­da um se co­nec­ta com ele da sua ma­nei­ra”, elu­ci­da a pro­fis­si­o­nal.

Ou se­ja, qu­an­do o fo­co se en­con­tra so­men­te no tra­ba­lho, as ou­tras três áre­as fi­cam aba­la­das, o que po­de acar­re­tar em inú­me­ras con­sequên­ci­as. O ide­al é con­se­guir o equi­lí­brio en­tre am­bas.

MU­LHER DO SÉ­CU­LO 21

Ape­sar da in­de­pen­dên­cia fe­mi­ni­na já con­quis­ta­da, mui­tas mu­lhe­res aca­bam dei­xan­do a vi­da pro­fis­si­o­nal de la­do pa­ra cui­dar da ca­sa e dos fi­lhos. Será pos­sí­vel ad­mi­nis­trar es­sas res­pon­sa­bi­li­da­des e de­di­car-se tam­bém à car­rei­ra? Pa­ra a co­a­ch Fla­via Mot­ta, o mais im­por­tan­te é res­pei­tar ca­da mo­men­to, ou se­ja, “no pe­río­do que es­ti­ver tra­ba­lhan­do, es­te­ja pre­sen­te so­men­te pa­ra is­so, sem cul­pa ou pre­o­cu­pa­ção. As­sim co­mo qu­an­do dei­xar o tra­ba­lho, re­al­men­te es­que­ça os pro­ble­mas do es­cri­tó­rio e apro­vei­te os mo­men­tos da ver­são mãe da me­lhor ma­nei­ra”.

Pa­ra con­quis­tar es­se equi­lí­brio, vo­cê vai pre­ci­sar de pla­ne­ja­men­to, sen­so de pri­o­ri­da­des e al­guns cui­da­dos que fa­cil­men­te po­dem ser in­cor­po­ra­dos à sua ro­ti­na. A es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal e de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, Mar­ce­la Ran­gel, se­pa­rou cin­co di­cas pa­ra vo­cê ter um dia a dia mais le­ve e equi­li­bra­do!

1. Li­be­re-se da cul­pa! Se vo­cê to­mou a de­ci­são de tra­ba­lhar e de ter uma fa­mí­lia é por­que vo­cê quer uma vi­da com­ple­ta. Ter apoio de uma ba­bá ou do ma­ri­do pa­ra fi­car com as cri­an­ças du­ran­te um pe­río­do do dia faz par­te.

“Qu­an­do o fo­co se en­con­tra so­men­te no tra­ba­lho, as ou­tras três áre­as fi­cam aba­la­das, o que po­de acar­re­tar em inú­me­ras con­sequên­ci­as. O ide­al é con­se­guir o equi­lí­brio en­tre am­bas”

2. Vi­ver o mo­men­to pre­sen­te é um pre­sen­te! Tor­ne o tem­po que vo­cê gas­ta com seus fi­lhos em tem­po de qua­li­da­de. Pro­cu­re, sem­pre que pos­sí­vel, ne­go­ci­ar o ho­rá­rio no tra­ba­lho pa­ra pas­sar mais ho­ras com seus pe­que­nos. E des­fru­te de fi­nais de se­ma­na in­crí­veis com eles.

3. Pla­ne­ja­men­to em ca­sa e no tra­ba­lho. Crie um ca­len­dá­rio de even­tos im­por­tan­tes e lis­ta de ta­re­fas em ca­sa e no tra­ba­lho. Or­ga­ni­za­ção evi­ta des­per­dí­ci­os de tem­po e des­gas­te de ener­gia.

4. Cui­de de vo­cê sem­pre! Vo­cê pre­ci­sa de um tem­po só seu, ter um hobby, ci­ne­ma com as ami­gas, fa­zer al­gu­ma au­la. Is­so vai aju­dar vo­cê a va­lo­ri­zar os mo­men­tos em fa­mí­lia e des­fru­tar mais de­les. Não dei­xe de pra­ti­car o seu es­por­te fa­vo­ri­to, de des­can­sar o su­fi­ci­en­te e de re­la­xar com um bom ba­nho.

5. Na­mo­re! Ar­ru­me tem­po pa­ra cur­tir com seu par­cei­ro. Agen­dem en­con­tros em um ca­fé de­pois do ho­rá­rio de tra­ba­lho ou com­bi­nem um ci­ne­ma no fim de se­ma­na. Man­ter o ro­man­ce em seu re­la­ci­o­na­men­to vai aju­dá-los a li­dar com os pro­ble­mas diá­ri­os e ser­vi­rá co­mo uma re­com­pen­sa de­pois de ho­ras tra­ba­lhan­do.

CON­SUL­TO­RI­AS Fla­via Mot­ta, co­a­ch de bem-es­tar; Mar­ce­la Ran­gel, es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal e de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.