Con­fi­ra re­la­tos de pes­so­as que ten­ta­ram ino­var e atin­gi­ram o su­ces­so

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Éri­ka Al­fa­ro/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Ra­fa­el Na­ka­o­ka

O ca­mi­nho pa­ra o su­ces­so de quem re­sol­veu in­ves­tir nas pró­pri­as idei­as e co­lheu bons fru­tos

DEI­XAR O PRE­SEN­TE SEGURO PA­RA TRÁS NÃO É UMA TA­RE­FA FÁ­CIL. No en­tan­to, os mais bem su­ce­di­dos pro­fis­si­o­nais ti­ve­ram que li­dar com “pe­dras pe­lo ca­mi­nho”. Mui­tos pre­ci­sa­ram fa­lir di­ver­sas ve­zes até co­lo­car o pró­prio ne­gó­cio nos tri­lhos do su­ces­so. As­sim, pa­ra ins­pi­rar vo­cê, se­le­ci­o­na­mos his­tó­ri­as re­ais de quem en­fren­tou bar­rei­ras e de­sa­fi­os pa­ra al­can­çar bons re­sul­ta­dos.

SIL­VIO SAN­TOS

Aos 14 anos, o me­ni­no nas­ci­do na La­pa, no Rio de Ja­nei­ro, co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo ca­melô no cen­tro da ci­da­de. Ele ven­dia ca­pi­nhas pa­ra tí­tu­lo de elei­tor e usa­va sua voz pa­ra anun­ci­ar os pro­du­tos e atrair os fre­gue­ses.

Foi ali que um fis­cal da pre­fei­tu­ra re­co­nhe­ceu seu ta­len­to e o con­vi­dou pa­ra fa­zer um tes­te co­mo lo­cu­tor na Rá­dio Gu­a­na­ba­ra. Mas o em­pre­go não du­rou por mui­to tem­po, já que a vi­da co­mo am­bu­lan­te da­va mais re­tor­no fi­nan­cei­ro.

Pos­te­ri­or­men­te, mu­dou-se pa­ra São Pau­lo e co­me­çou a apre­sen­tar es­pe­tá­cu­los e ani­mar ca­ra­va­nas. Foi de­vi­do aos shows em cir­cos que re­ce­beu uma pro­pos­ta de ter seu pró­prio pro­gra­ma na TV. E ele lo­go per­ce­beu que po­de­ria cres­cer ainda mais. As­sim, em 1981, foi ao ar a pri­mei­ra trans­mis­são do Sis­te­ma Bra­si­lei­ro de Televisão (SBT). Atualmente, o Gru­po Sil­vio San­tos é for­ma­do por mais de 30 em­pre­sas, en­tre elas a Je­qui­ti Cos­mé­ti­cos.

OPRAH WINFREY

A apre­sen­ta­do­ra nor­te-ame­ri­ca­na te­ve uma infância di­fí­cil an­tes de al­can­çar o su­ces­so. Em­bo­ra te­nha nas­ci­do no Mis­sis­si­pi, qu­an­do ainda ti­nha pou­cos me­ses de vi­da, sua mãe se viu obri­ga­da a mu­dar-se pa­ra o nor­te do país em bus­ca de em­pre­go. No en­tan­to, Oprah pas­sou os seis pri­mei­ros anos lon­ge de sua pro­ge­ni­to­ra, mo­ran­do na zo­na ru­ral com a avó, que a en­si­nou a ler an­tes de com­ple­tar três anos, além de le­vá-la à igre­ja. De­pois, mu­dou-se com a mãe pa­ra o es­ta­do de Wis­con­sin, mas de­vi­do à lon­ga jornada de tra­ba­lho, con­vi­via pou­co com a fi­lha que sus­ten­ta­va so­zi­nha.

Aos no­ve anos, pas­sou a ser mo­les­ta­da por seu tio e pri­mos ado­les­cen­tes, de quem apa­nha­va com frequên­cia e era ame­a­ça­da pa­ra que não con­tas­se aos pais o que ocor­ria. As­sim, aos 13 anos, fu­giu de ca­sa.

Por ter ga­nha­do um con­cur­so de lo­cu­ção ao con­cluir a es­co­la, con­quis­tou uma bol­sa de es­tu­dos na Uni­ver­si­da­de do Ten­nes­see, on­de cur­sou co­mu­ni­ca­ção te­le­vi­si­va. Ela atraiu o in­te­res­se da rá­dio lo­cal (WVOL) que a con­tra­tou pa­ra trans­mi­tir as no­tí­ci­as do plan­tão. Em 1976, mu­dou-se pa­ra Bal­ti­mo­re e tra­ba­lhou em um jor­nal lo­cal. Dois anos de­pois, co­me­çou a atu­ar em um pro­gra­ma de en­tre­vis­tas, li­de­ran­do o pró­prio talk show ma­ti­nal em Chi­ca­go, em 1983. Den­tro de pou­cos me­ses, ul­tra­pas­sou seu con­cor­ren­te e, de­vi­do ao su­ces­so, foi re­ba­ti­za­do co­mo Oprah Winfrey Show. En­tre su­as en­tre­vis­tas mais mar­can­tes es­tá a com Michael Jack­son, tra­tan­do-se do se­gun­do even­to mais as­sis­ti­do si­mul­ta­ne­a­men­te da his­tó­ria da TV.

LUI­ZA HELENA TRAJANO

Em 1957, o ca­sal Lui­za Trajano e Pe­le­gri­no Jo­sé Do­na­to com­pra­ram uma pe­que­na lo­ja na ci­da­de de Fran­ca, em São Pau­lo. Com o su­ces­so, tem­pos de­pois, inau­gu­ram sua gran­de lo­ja de de­par­ta­men­to com mais de cin­co mil me­tros qua­dra­dos. Em 1976, Wag­ner Gar­cia Jr, Ono­fre de Pau­la Trajano e Lui­za Helena Trajano tor­nam-se só­ci­os. O Ma­ga­zi­ne Lui­za en­tão co­me­ça a sua ex­pan­são e ino­va­ção. Em 1981, é uma das pri­mei­ras re­des a im­ple­men­tar o sis­te­ma de com­pu­ta­ção. Pra­ti­ca­men­te uma dé­ca­da de­pois, cri­am o pri­mei­ro mo­de­lo de co­mér­cio ele­trô­ni­co do mun­do – as cha­ma­das Lo­jas Vir­tu­ais, em que pro­du­tos eram ven­di­dos por ter­mi­nais mul­ti­mí­dia sem a ne­ces­si­da­de dos

CAR­LOS WIZARD MARTINS

Pro­ve­ni­en­te de uma fa­mí­lia hu­mil­de, Car­los Martins apren­deu in­glês com mis­si­o­ná­ri­os nor­te-ame­ri­ca­nos da Igre­ja de Je­sus Cris­to dos San­tos dos Úl­ti­mos Di­as. Aos 17 anos, ape­nas com cem dó­la­res no bol­so, vi­a­jou aos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra apren­der in­glês. Ainda por meio da Igre­ja, foi en­vi­a­do em mis­são a Portugal du­ran­te dois anos. Re­tor­nou ao Bra­sil, aos 19 anos, por dois motivos: ca­sar-se com Vâ­nia e, pos­te­ri­or­men­te, re­tor­nar aos EUA pa­ra es­tu­dar. As­sim, foi pre­ci­so ter­mi­nar o en­si­no mé­dio no sis­te­ma co­nhe­ci­do co­mo su­ple­ti­vo.

Pa­ra con­se­guir se sus­ten­tar, ele da­va au­las par­ti­cu­la­res de in­glês, en­quan­to sua es­po­sa tra­ba­lha­va co­mo se­cre­tá­ria. Aos 26 anos, mu­dou-se com a fa­mí­lia pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, on­de cur­sou Aná­li­se de Sis­te­mas e Tec­no­lo­gia na Brigham Young, uni­ver­si­da­de da re­li­gião mór­mon. Na ins­ti­tui­ção, da­va au­las de por­tu­guês, mas foi pre­ci­so cor­rer atrás de um em­pre­go for­mal. As­sim, en­vi­ou cem cur­rí­cu­los pa­ra em­pre­sas nor­te-ame­ri­ca­nas que pos­suíam fi­li­ais no Bra­sil. Ape­nas uma res­pon­deu, pro­du­tos no mos­truá­rio.

Com o ani­ver­sá­rio de 50 anos, o Ma­ga­zi­ne fez uma cam­pa­nha his­tó­ri­ca no pro­gra­ma Do­min­gão do Faus­tão, dis­tri­buin­do 50 ca­sas pa­ra os cli­en­tes sor­te­a­dos e mo­to­ci­cle­tas 0 km pa­ra os vendedores. De­vi­do ao su­ces­so da re­de, a pre­si­den­te Lui­za Helena Trajano é elei­ta pa­ra pre­si­dir, em 2009, o Ins­ti­tu­to pa­ra De­sen­vol­vi­men­to do Va­re­jo (IDV), por meio do qu­al le­vou a pro­pos­ta de re­du­ção de IPI (Im­pos­to de Pro­du­tos In­dus­tri­a­li­za­dos) até o pre­si­den­te Luis Iná­cio Lu­la da Silva, de for­ma a es­ti­mu­lar as ven­das e ge­rar no­vos em­pre­gos.

An­tes de tor­nar-se pre­si­den­te do Ma­ga­zi­ne Lui­za, a em­pre­sá­ria ha­via pas­sa­do pe­los se­to­res de co­bran­ça e ven­das da com­pa­nhia.

po­rém, Car­los con­quis­tou o car­go de exe­cu­ti­vo. Um ano de­pois, foi trans­fe­ri­do pa­ra a terra na­tal. En­tre­tan­to, tu­do mu­dou qu­an­do des­co­briu o sa­lá­rio do di­re­tor e re­sol­veu que in­ves­tir em um ne­gó­cio pró­prio se­ria uma al­ter­na­ti­va me­lhor. Sem coragem pa­ra pe­dir de­mis­são e em­pre­en­der, a em­pre­sa o de­mi­tiu, mas es­sa mu­dan­ça fez com que so­nhas­se em abrir uma re­de de es­co­las, pre­pa­ran­do apos­ti­las com ex­pres­sões, ver­bos e vo­ca­bu­lá­ri­os mais usa­dos na con­ver­sa­ção diá­ria.

Em seguida, co­me­çou a ofe­re­cer apos­ti­las pa­ra ou­tros pro­fes­so­res e es­co­las. En­tão, com­prou a pri­mei­ra uni­da­de da Wizard – que, atualmente, pos­sui mais de três mil es­co­las es­pa­lha­das por to­do o Bra­sil.

Além de ad­qui­rir ou­tras re­des de en­si­no (Yá­zi­gi, Mi­cro­lins e Skill) e for­mar o Gru­po Mul­ti Edu­ca­ção, o em­pre­sá­rio tam­bém ven­deu es­te ne­gó­cio pa­ra a Pe­ar­son. Atualmente, Car­los di­ver­si­fi­cou seus ne­gó­ci­os. Em 2014, ad­qui­riu a re­de Mun­do Ver­de (seg­men­to de pro­du­tos na­tu­rais e or­gâ­ni­cos). Em 2016, abriu as pri­mei­ras lo­jas da re­de de fast fo­od Ta­co Bell em so­lo bra­si­lei­ro e, nes­te ano, com­prou 35% da Wi­se Up, re­de de es­co­las de idi­o­mas e, ao la­do das fi­lhas, lan­çou a Aloha Oils (venda de óle­os essenciais e cos­mé­ti­cos via in­ter­net).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.