Quer co­me­çar uma em­pre­sa pró­pria e não sa­be qu­al ni­cho ocu­par? Se­pa­ra­mos al­gu­mas su­ges­tões de no­vas idei­as que es­tão ga­nhan­do for­ça no mun­do dos ne­gó­ci­os

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TAS Éri­ca Aguiar DE­SIGN Bru­na Rai­a­do/Co­la­bo­ra­do­ra

Ten­dên­ci­as de ser­vi­ços e pro­du­tos pa­ra in­ves­tir e ver o seu em­pre­en­di­men­to cres­cer

AR­RIS­CAR-SE EM UM NO­VO NE­GÓ­CIO NÃO É UMA TA­RE­FA FÁ­CIL, AINDA MAIS EM UM PAÍS QUE, POR MUI­TOS ANOS, APE­NAS 30% DAS PE­QUE­NAS EM­PRE­SAS SOBREVIVIAM AOS PRI­MEI­ROS DOIS ANOS EM ATU­A­ÇÃO. Em 2007, o ce­ná­rio me­lho­rou: ape­nas du­as a ca­da 10 em­pre­sas não com­ple­ta­ram es­se pe­río­do na ati­va – e di­ver­sos fa­to­res jus­ti­fi­cam es­se cres­ci­men­to, além do bom pla­ne­ja­men­to. O au­men­to do nú­me­ro de con­su­mi­do­res, da es­co­la­ri­da­de dos em­pre­en­de­do­res e a re­for­ma tri­bu­tá­ria fo­ram al­gu­mas das ra­zões. Po­rém, além dis­so, é pre­ci­so sa­ber iden­ti­fi­car quais se­to­res es­tão em al­ta ou em bai­xa. Ou, nes­se úl­ti­mo ca­so, qu­al “ter­cei­ra via” po­de sig­ni­fi­car re­sul­ta­dos po­si­ti­vos no fu­tu­ro.

MAIS PO­PU­LA­RES

O Se­brae (Ser­vi­ço Bra­si­lei­ro de Apoio às Mi­cro e Pe­que­nas Em­pre­sas) re­a­li­zou di­ver­sos es­tu­dos so­bre mais de 450 idei­as de ne­gó­ci­os, mas al­gu­mas se des­ta­ca­ram co­mo mais po­pu­la­res: chur­ras­qui­nho, be­ne­fi­ci­a­men­to de le­gu­mes (cor­te e em­ba­la­gem), bor­ra­cha­ria, cen­tro de es­té­ti­ca, lan­cho­ne­te, lo­ja vir­tu­al, ca­sa lo­té­ri­ca, sor­ve­te­ria, fá­bri­ca de pro­du­tos de cho­co­la­te, cri­a­ção de ca­ma­rão e pei­xa­ria.

Ape­sar do su­ces­so des­sas op­ções, vo­cê po­de es­co­lher ou­tras opor­tu­ni­da­des ou al­go

to­tal­men­te no­vo. Por is­so, con­sul­ta­mos es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra apre­sen­tar a ideia de seus pro­je­tos e su­ge­rir al­ter­na­ti­vas pa­ra em­pre­en­der em di­fe­ren­tes se­to­res.

TEC­NO­LO­GIA NA PAL­MA DA MÃO

O uso de te­le­fo­nes ce­lu­la­res tem au­men­tan­do a ca­da ano. De acor­do com da­dos da Ana­tel, em fe­ve­rei­ro de 2017, os bra­si­lei­ros pos­suíam cer­ca de 242 mi­lhões de ce­lu­la­res – apro­xi­ma­da­men­te uma mé­dia de 117,34 apa­re­lhos a ca­da 100 ha­bi­tan­tes. Acom­pa­nhan­do es­se mer­ca­do em cres­ci­men­to, o Gru­po PLL, as­sis­tên­cia téc­ni­ca em ce­lu­la­res, tem apro­vei­ta­do a opor­tu­ni­da­de. Des­sa for­ma, Pablo Li­nha­res, di­re­tor exe­cu­ti­vo, su­ge­re al­gu­mas ten­dên­ci­as pa­ra o se­tor: “Em 2017, já vi­mos mui­tas evo­lu­ções in­te­res­san­tes, por exem­plo, o sur­gi­men­to de ba­te­ri­as com mai­or ca­pa­ci­da­de de du­ra­ção que es­tão ga­nhan­do des­ta­que ca­da vez mais nos no­vos lan­ça­men­tos”. De acor­do com Pablo, as ba­te­ri­as de re­car­ga rá­pi­da tam­bém são uma ten­dên­cia dos no­vos lan­ça­men­tos de ce­lu­la­res.

“Da­ni­fi­car o co­nec­tor USB tam­bém ca­da vez mais dei­xa­rá de ser um pro­ble­ma. Com cer­te­za is­so já acon­te­ceu al­gu­mas ve­zes com vo­cê: pe­gar o ca­bo, ten­tar en­cai­xar na por­ta USB do ce­lu­lar, não con­se­guir, vi­rar o co­nec­tor pa­ra o la­do opos­to, ten­tar co­nec­tar de no­vo, não con­se­guir e só na ter­cei­ra vez con­se­guir o en­cai­xe per­fei­to do ca­bo USB na en­tra­da do ce­lu­lar. O pa­drão USB-C es­tá subs­ti­tuin­do gra­da­ti­va­men­te as an­ti­gas en­tra­das USB 2.0 nos apa­re­lhos An­droid (os Ipho­nes já usam es­se pa­drão). O pa­drão USB-C é ex­tre­ma­men­te ver­sá­til, já que po­de ser usa­do pa­ra re­car­re­gar o apa­re­lho e tam­bém pa­ra co­nec­tar dis­po­si­ti­vos a mo­ni­to­res HD, he­adpho­nes, flash dri­ves e HDs ex­ter­nos. Es­sas são al­gu­mas ten­dên­ci­as dos smartpho­nes que a ca­da dia es­tão se tor­nan­do mais co­muns e es­tão me­lho­ran­do ca­da vez mais o re­la­ci­o­na­men­to e a in­te­ra­ção des­ses pe­que­nos e in­te­li­gen­tes equi­pa­men­tos com seus usuários”, ci­ta Pablo.

REALIDADE VIR­TU­AL

“Mui­tos dos nos­sos cli­en­tes nun­ca vi­a­ja­ram de avião. Mui­tos se­quer en­tra­ram em um ae­ro­por­to. Por is­so, im­ple­men­ta­mos re­cen­te­men­te ócu­los de realidade vir­tu­al em nos­sos pon­tos de venda, lo­ca­li­za­dos em fa­ve­las, co­mu­ni­da­des e cen­tro po­pu­la­res com o ob­je­ti­vo de des­mis­ti­fi­car a bu­ro­cra­cia tan­to do ae­ro­por­to quan­to da vi­a­gem de avião, que­bran­do bar­rei­ras do me­do de vo­ar, prin­ci­pal­men­te pa­ra quem nun­ca pas­sou por es­sa ex­pe­ri­ên­cia”, ex­pli­ca Luiz An­dre­a­za, di­re­tor da Vai Vo­an­do, pri­mei­ra em­pre­sa a ofe­re­cer pa­ra o mer­ca­do de trans­por­te aé­reo, ro­do­viá­rio e hos­pe­da­gem os be­ne­fí­ci­os do sis­te­ma de com­pra pré-pa­ga.

O ne­gó­cio, que já em­bar­cou cer­ca de 480 mil pas­sa­gei­ros, ofe­re­ce ócu­los de realidade vir­tu­al pa­ra que, por meio de ví­de­os, os cli­en­tes pos­sam vi­ven­ci­ar o check-in, a ae­ro­na­ve, co­mo lo­ca­li­zar a ba­ga­gem na es­tei­ra e co­nhe­cer um pou­co do des­ti­no. “Nos­sa ideia é que­brar pa­ra­dig­mas, de mo­do que o nos­so pú­bli­co pos­sa se apro­xi­mar des­sa tec­no­lo­gia”, des­ta­ca Luiz. O pro­je­to foi de­sen­vol­vi­do em par­ce­ria com a Wi­re Con­sul­to­ria e GOL Li­nhas Aé­re­as In­te­li­gen­tes, com­pa­nhia pre­fe­ren­ci­al da Vai Vo­an­do.

“Acre­di­to que a realidade vir­tu­al te­rá ca­da vez mais es­pa­ço em meio ao tu­ris­mo, uma vez que pos­si­bi­li­ta a vi­vên­cia, e ser­ve, in­clu­si­ve, co­mo uma fer­ra­men­ta de venda pa­ra os agen­tes”, con­clui o di­re­tor da Vai Vo­an­do.

INO­VA­ÇÃO EM PRO­JE­TOS

“Qu­an­do co­me­cei meu tra­ba­lho em agên­cia di­gi­tal, trou­xe um jei­to de pen­sar os pro­je­tos de mui­tos anos tra­ba­lhan­do em agên­ci­as não di­gi­tais, em es­pe­ci­al da ex­pe­ri­ên­cia co­mo pro­du­to­ra grá­fi­ca: apre­sen­tei, apro­vei, exe­cu­tei e vi­rei a pá­gi­na. Pe­la na­tu­re­za dos ser­vi­ços exe­cu­ta­dos – ou pe­las prá­ti­cas de mer­ca­do – uma vez que o tra­ba­lho es­ta­va en­tre­gue, es­ta­va en­tre­gue e pon­to fi­nal”, con­ta Gi­o­va­na Gomes, exe­cu­ti­va de no­vos ne­gó­ci­os na agên­cia Full­bar

Di­gi­tal. Em pou­co tem­po, per­ce­beu que a vi­são era di­fe­ren­te em apre­sen­ta­ções de pro­je­tos di­gi­tais, prin­ci­pal­men­te em pro­je­tos que exi­gi­am um tem­po mai­or, por exem­plo, um fes­ti­val de mú­si­ca que acon­te­ce to­do ano e pre­ci­sa se rein­ven­tar e apri­mo­rar a en­tre­ga pa­ra quem com­prou o in­gres­so.

Es­se con­cei­to é cha­ma­do de be­ta con­tí­nuo. “Ele vem dos pro­fis­si­o­nais de en­ge­nha­ria de soft­ware, que es­tão acos­tu­ma­dos a fa­zer a ba­se do pro­je­to e de­pois en­trar nos ci­clos pa­ra tes­tar, ama­du­re­cer e es­ta­bi­li­zar – e as­sim se­guem in­fi­ni­ta­men­te, exa­ta­men­te co­mo nos pro­ces­sos de ges­tão. Is­so sig­ni­fi­ca que o soft­ware de­sen­vol­vi­do ja­mais es­ta­rá fi­na­li­za­do por­que a ideia é jus­ta­men­te que ele es­te­ja em ‘fa­se de tes­tes e apri­mo­ra­men­tos’ eter­nos, em um mo­do on­de é pos­sí­vel tro­car o pneu com o car­ro em mo­vi­men­to. Na prá­ti­ca, tra­ba­lhar em mo­do be­ta con­tí­nuo per­mi­te que um pro­je­to se­ja vi­a­bi­li­za­do, co­me­çan­do com um pi­lo­to que re­ce­be­rá apor­tes de me­lho­ri­as de tem­pos em tem­pos, ou é a aber­tu­ra pa­ra cri­ar no­vas fun­ci­o­na­li­da­des e apri­mo­rar as já exis­ten­tes com ba­se no com­por­ta­men­to do usuá­rio e aná­li­se de aces­sos e na­ve­ga­ção. A cor­re­ção de bugs, ajus­tes es­té­ti­cos e o de­sen­vol­vi­men­to do ze­ro de uma ver­são atu­a­li­za­da são mais al­gu­mas possibilidades e es­sa é, na ver­da­de, a gran­de fe­li­ci­da­de de tra­ba­lhar com pro­je­tos di­gi­tais: há mui­ta fle­xi­bi­li­da­de pa­ra cri­ar e cres­cer. En­tão se o seu pro­je­to tem de­sa­fi­os co­mo ‘pre­ci­sar de uma ver­são pi­lo­to’, ‘pre­ci­sar de me­lho­ri­as ao lon­go do tem­po’, ‘pre­ci­sa fa­zer um in­ves­ti­men­to me­nor pa­ra ava­li­ar de­sem­pe­nho e ris­cos’ ou ‘fi­car mui­to tem­po no ar, acom­pa­nhan­do as ne­ces­si­da­des dos usuários’, pra ci­tar al­guns exem­plos, o be­ta con­tí­nuo é um bom ca­mi­nho em ter­mos de me­to­do­lo­gia pa­ra pro­je­tos de tec­no­lo­gia a ser con­si­de­ra­do an­tes de tu­do”, ex­pli­ca Gi­o­va­na.

ASSINATURAS

Ou­tro ti­po de ne­gó­cio que es­tá em al­ta são as assinaturas men­sais ou aqui­si­ção de pa­co­tes. Nes­se sis­te­ma, é pos­sí­vel ofe­re­cer ser­vi­ços co­mo a Net­flix. “Ho­je, vo­cê pa­ga uma as­si­na­tu­ra men­sal de 20 re­ais na Net­flix e tem di­rei­to a as­sis­tir aos fil­mes que qui­ser. Con­tan­to que não quei­ra os lan­ça­men­tos, tu­do é pos­sí­vel”, ex­pli­ca Alexandre Mar­que­si, PhD em marketing di­gi­tal e re­des so­ci­ais e dou­tor em co­mu­ni­ca­ção com o mer­ca­do pe­la Uni­ver­si­da­de Me­to­dis­ta de São Pau­lo.

Pa­ra o se­tor de ves­tuá­rio e be­le­za, um dos que mais cres­cem no am­bi­en­te vir­tu­al, Alexandre su­ge­re in­ves­tir no sis­te­ma de pac­ka­ge. “Vo­cê man­da o pa­co­te de pro­du­tos. Se a pes­soa não se in­te­res­sar, ela de­vol­ve to­dos. Se ela se in­te­res­sar, fi­ca com ela”, ex­pli­ca.

A prin­ci­pal es­tra­té­gia é en­ten­der que um cli­en­te é di­fe­ren­te do ou­tro. Por is­so, é ne­ces­sá­rio ofe­re­cer um pa­co­te es­pe­cí­fi­co pa­ra ca­da e, por úl­ti­mo, fa­zer um acom­pa­nha­men­to. “Es­sas três eta­pas são im­por­tan­tes: fa­zer o di­ag­nós­ti­co do usuá­rio, ofe­re­cer uma as­si­na­tu­ra men­sal vol­ta­da pa­ra ele e, ter­cei­ro, re­ce­ber fe­ed­back, acom­pa­nhar, con­tro­lar e me­dir”, pon­tua. Se­gun­do Alexandre, “nin­guém faz di­ag­nós­ti­co e nin­guém con­tro­la, só que­rem ven­der as­si­na­tu­ra. Aí, vem a frus­tra­ção do usuá­rio e ele dei­xa de com­prar o pro­du­to ou can­ce­la a as­si­na­tu­ra”. Des­sa ma­nei­ra, o se­gre­do é fa­zer um pla­ne­ja­men­to pré, du­ran­te e pós.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.