Co­mo eli­mi­nar as ener­gi­as que po­dem atra­pa­lhar na con­quis­ta dos nos­sos objetivos? Apren­da a fo­car em si mes­mo pa­ra re­a­li­zar seus so­nhos

Nes­se mun­do de in­cer­te­zas, a úni­ca se­gu­ran­ça é a de que é pre­ci­so de­ter­mi­na­ção pa­ra al­can­çar o que é de­se­ja­do

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra DE­SIGN Bru­na Rai­a­do/Co­la­bo­ra­do­ra EN­TRE­VIS­TAS Éri­ca Aguiar

ANO NO­VO, VI­DA NO­VA! NÃO ADI­AN­TA NEGAR, TO­DO CO­ME­ÇO DE ANO ES­SE LEMA É QUA­SE UNA­NI­MI­DA­DE EN­TRE AS PES­SO­AS. Além do peso na cons­ci­ên­cia por ter co­mi­do de­mais nas fes­tan­ças, uma lis­ta de me­tas pa­re­ce es­tar pis­can­do, sem pa­rar, um aler­ta de que há uma gran­de quan­ti­da­de de pla­nos a se­rem cum­pri­dos no ano que aca­ba de co­me­çar – mui­tos sem te­rem si­dos re­a­li­za­dos du­ran­te o an­te­ri­or.

Há aque­las pes­so­as tran­qui­las que sa­bem que são 365 pa­ra co­lo­car tu­do em prá­ti­ca, po­rém, ao ver o fi­nal do ano se apro­xi­man­do no­va­men­te en­tram em to­tal de­ses­pe­ro e lem­bram-se dos pla­nos ainda sem con­clu­são e ou­tras que fi­cam apre­en­si­vas – até de­mais – a ca­da dia que pas­sa, pois, pa­ra elas, são 24 ho­ras a me­nos pa­ra cum­prir su­as re­so­lu­ções.

O fa­to é que ainda que es­ses pro­je­tos se con­cen­trem es­pe­ci­al­men­te nos úl­ti­mos di­as que an­te­ce­dem o ano no­vo, as pes­so­as es­tão cons­tan­te­men­te fa­zen­do pla­nos (se­jam em pa­péis, pla­ni­lhas, blo­cos de no­tas ou men­tal­men­te).

FO­CO

Por von­ta­de pró­pria, por ques­tão de cor­rer atrás dos so­nhos ou até mes­mo pe­la ne­ces­si­da­de de co­me­çar al­go no­vo, as cir­cuns­tân­ci­as da realidade ten­dem a for­çar as pes­so­as a tra­ça­rem me­tas pa­ra a vi­da. Co­mo é pos­sí­vel per­ce­ber, as ra­zões são as mais di­ver­sas. Con­tu­do, o ques­ti­o­na­men­to que fi­ca é: exis­te uma for­ma de­fi­ni­ti­va de re­a­li­zar to­dos os pla­nos al­me­ja­dos? A res­pos­ta é sim, exis­te. Po­rém, não se tra­ta de uma fór­mu­la má­gi­ca, mas de uma com­bi­na­ção de fa­to­res que en­vol­vem, em re­su­mo, o sig­ni­fi­ca­do de “FO­CO” – mo­ti­va­ção, de­ter­mi­na­ção, pla­ne­ja­men­to, en­vol­vi­men­to, en­ga­ja­men­to e for­ça de von­ta­de, co­mo um to­do.

Pa­re­ce cli­chê fa­lar so­bre fo­co, po­rém, é pre­ci­so. E não so­men­te no fo­co ce­go, aque­le que é vol­ta­do ape­nas pa­ra a ação que en­vol­ve de­ma­si­a­da­men­te de­ter­mi­na­ção em con­se­guir al­go e, mui­tas ve­zes, uma no­va realidade an­tes des­co­nhe­ci­da, mas tam­bém em se man­ter cen­tra­do na bus­ca por con­quis­tar as me­tas, ou se­ja, no ca­mi­nho que pre­ci­sa ser per­cor­ri­do, nor­mal­men­te, um pou­co mais de­mo­ra­do do que ou­tros sem pla­ne­ja­men­to. É uma equa­ção sim­ples: com a men­te fo­ca­da no ob­je­ti­vo, a ação te­rá seu de­vi­do re­sul­ta­do.

É nes­sa par­te, a do pla­ne­ja­men­to do pro­je­to, que a pes­soa po­de se atra­pa­lhar, pois mui­tas ou­tras possibilidades, mui­tas mais rá­pi­das, sur­gem pe­lo ca­mi­nho. Ca­be ao in­di­ví­duo fa­zer com que o cé­re­bro tra­ba­lhe a seu fa­vor.

MÃO NA MAS­SA

Va­mos co­lo­car em pau­ta a ques­tão vi­vi­da não só pe­la mai­o­ria dos bra­si­lei­ros atualmente, mas tam­bém pe­lo mun­do afo­ra – a cri­se econô­mi­ca. Uma ma­nei­ra que mui­tos acha­ram pa­ra fu­gir do de­sem­pre­go e con­se­guir au­men­tar a ren­da foi abrir o seu pró­prio ne­gó­cio. Em te­o­ria, pa­re­ce fá­cil, po­rém, ao che­gar a ho­ra de co­lo­car em prá­ti­ca, mui­tas pes­so­as se es­que­cem do fo­co ne­ces­sá­rio pa­ra a con­cre­ti­za­ção do em­pre­en­di­men­to e aca­bam não al­can­çan­do o su­ces­so ide­a­li­za­do.

O ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to so­ci­e­tá­rio, Ro­gé­rio Ague­da, lem­bra que em­pre­en­der de­man­da mui­to cui­da­do com os as­pec­tos en­vol­vi­dos na cons­ti­tui­ção e ope­ra­ção da em­pre­sa. “Se até mes­mo gran­des cor­po­ra­ções, com so­fis­ti­ca­dos de­par­ta­men­tos ju­rí­di­cos e de com­pli­an­ce, às ve­zes, se ve­em em apu­ros por não ob­ser-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.