Não acre­di­te no mi­to de que pa­ra ter cri­a­ti­vi­da­de vo­cê pre­ci­sa nas­cer com ela. Con­fi­ra di­cas pa­ra de­sen­vol­ver sua ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va

Quem tem bo­ca vai a Ro­ma. E quem tem cri­a­ti­vi­da­de vai ao mun­do in­tei­ro – e po­de cri­ar um no­vo, às ve­zes sem nem pre­ci­sar sair do lu­gar

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Nathá­lia Pic­co­li/Co­la­bo­ra­do­ra EN­TRE­VIS­TAS Éri­ca Aguiar DE­SIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do

“ÉA QUA­LI­DA­DE OU CA­RAC­TE­RÍS­TI­CA DE QUEM OU DO QUE É CRI­A­TI­VO”; “a in­ven­ti­vi­da­de, in­te­li­gên­cia e ta­len­to, na­tos ou ad­qui­ri­dos, pa­ra cri­ar, in­ven­tar, ino­var, quer no cam­po ar­tís­ti­co, quer no ci­en­tí­fi­co, es­por­ti­vo etc”: es­sas são as de­fi­ni­ções en­con­tra­das pa­ra o sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra cri­a­ti­vi­da­de qu­an­do pro­cu­ra­da no di­ci­o­ná­rio.

Com­par­ti­lhan­do da mes­ma ideia, pa­ra o co­a­ch em ges­tão e li­de­ran­ça de equi­pes, Thi­a­go Por­to, “a cri­a­ti­vi­da­de po­de ser de­fi­ni­da co­mo uma ca­rac­te­rís­ti­ca ou ca­pa­ci­da­de da men­te hu­ma­na em pen­sar de ma­nei­ra di­fe­ren­te so­bre mo­de­los pre­vi­a­men­te es­ta­be­le­ci­dos, ten­den­ci­al­men­te me­lho­ran­do ou ino­van­do par­tes des­tes mo­de­los”. E ele com­ple­ta que a nos­sa cri­a­ti­vi­da­de po­de ser a com­bi­na­ção de uma ou mais idei­as já exis­ten­tes no nos­so cé­re­bro, “mes­mo que es­tas idei­as não se­jam re­fe­rên­ci­as di­re­tas ou ainda te­nham aca­ba­do de ser co­nhe­ci­das pe­la men­te, co­mo no ca­so de al­gu­mas ins­pi­ra­ções”, fi­na­li­za o es­pe­ci­a­lis­ta.

O SER CRI­A­TI­VO

Fun­da­men­tal pa­ra o pro­gres­so hu­ma­no, a cri­a­ti­vi­da­de tem con­tri­buí­do com rup­tu­ras e trans­for­ma­ções nas mais di­ver­sas áre­as do co­nhe­ci­men­to. O ser hu­ma­no pos­sui uma ca­pa­ci­da­de na­ta de ima­gi­nar. É por meio des­sa ima­gi­na­ção que é pos­sí­vel so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas do co­ti­di­a­no e, com es­sas no­vas idei­as, cri­ar no­vos pla­nos e ob­je­tos ori­gi­nais e ino­va­do­res pa­ra vo­cê mes­mo ou pa­ra a so­ci­e­da­de em ge­ral.

O mo­ti­vo? Quem é cri­a­ti­vo con­se­gue en­xer­gar o mun­do de uma ma­nei­ra di­fe­ren­te. Além de um ra­ci­o­cí­nio mais rá­pi­do pa­ra res­pon­der às si­tu­a­ções do dia a dia, quem pensa “fo­ra da cai­xa” po­de ter tam­bém ex­pe­ri­ên­ci­as vi­su­ais úni­cas – pró­xi­mas às de pes­so­as que fi­ze­ram uso de subs­tân­ci­as alu­ci­nó­ge­nas, por exem­plo. É o que afir­ma uma pes­qui­sa fei­ta na Uni­ver­si­da­de de Mel­bour­ne, na Aus­trá­lia, e pu­bli­ca­da no Jour­nal of Per­so­na­lity Re­se­ar­ch.

O es­tu­do con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de 123 es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os. Os ci­en­tis­tas ela­bo­ra­ram um ques­ti­o­ná­rio pa­ra co­lo­car em tes­te a per­so­na­li­da­de do in­di­vi­duo a par­tir de cin­co cri­té­ri­os: ex­tro­ver­são, ama­bi­li­da­de, cons­ci­ên­cia, neu­ro­se e aber­tu­ra pa­ra ex­pe­ri­ên­ci­as – es­te úl­ti­mo, as­so­ci­a­do ao es­tu­do res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ti­vi­da­de, cu­ri­o­si­da­de e in­te­res­se em ex­plo­rar no­vas coi­sas. Em seguida, os vo­lun­tá­ri­os fo­ram sub­me­ti­dos a um tes­te óti­co sim­ples, com du­ra­ção de dois mi­nu­tos. Si­mul­ta­ne­a­men­te, eles en­xer­ga­vam com um dos olhos uma ima­gem ver­me­lha, e com o ou­tro, uma ver­de.

A par­tir dis­so, fo­ram re­gis­tra­dos dois di­fe­ren­tes tipos de re­a­ção. Na mai­o­ria dos ca­sos, as pes­so­as re­la­ta­ram ver uma cor de ca­da vez: ou se­ja, o ver­de e o ver­me­lho se al­ter­na­vam na vi­são. Es­se não foi o ca­so das pes­so­as mais cri­a­ti­vas. Pa­ra elas, as du­as ima­gens se trans­for­ma­vam em uma só – o que os ci­en­tis­tas cha­ma­ram de “per­cep­ção mis­ta”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.