MAIS PER­TO DOS SEUS SONHOS

Sa­ber quais são os seus ob­je­ti­vos de vi­da e ter fo­co pa­ra con­quis­tá-los po­de fa­zer com que os re­a­li­ze mais rá­pi­do

Ciencia em foco - - ÍNDICE -

Apren­da a as­su­mir as rédeas da pró­pria vi­da, fo­car em seus ob­je­ti­vos e cons­truir um fu­tu­ro me­lhor

PARE E REFLITA POR ALGUNS MI­NU­TOS: QUEM É VO­CÊ? Co­mo vo­cê se de­fi­ni­ria em re­la­ção a sua per­so­na­li­da­de e ao uni­ver­so pro­fis­si­o­nal? Da­qui a cin­co anos, on­de vo­cê es­ta­rá? Quais são seus prin­ci­pais de­fei­tos e qua­li­da­des? Ho­je, o quê mais o in­co­mo­da em sua vi­da? A au­to­a­ná­li­se pro­fun­da é o pri­mei­ro pas­so – e tal­vez o mais di­fí­cil – pa­ra quem deseja mu­dar de vi­da. Afi­nal, é pre­ci­so sa­ber mui­to bem on­de vo­cê es­tá e on­de qu­er che­gar.

No best sel­ler O Po­der da Ação, o mas­ter co­a­ch Pau­lo Vi­ei­ra – cri­a­dor do Mé­to­do de Co­a­ching In­te­gral Sis­tê­mi­co, com mais de um mi­lhão de se­gui­do­res no Fa­ce­bo­ok – res­sal­ta que mu­dar a ati­tu­de é im­por­tan­te pa­ra al­te­rar os ru­mos da pró­pria vi­da e os re­sul­ta­dos ob­ti­dos. Mas ele lem­bra que, ao lon­go da tra­je­tó­ria, re­ve­zes, que­das e pro­ble­mas são re­cor­ren­tes.

VENCENDO A ZONA DE CONFORTO

“Zona de conforto é o lu­gar on­de en­con­tra­mos des­cul­pas pa­ra não fa­zer o que sa­be­mos que de­ve­mos fa­zer”, con­cei­tua Pau­lo Vi­ei­ra em seu li­vro. Só que a úni­ca fer­ra­men­ta pa­ra mu­dar es­sa si­tu­a­ção é a ação di­re­ci­o­na­da pa­ra as me­tas, ob­je­ti­vos e de­se­jos, mes­mo que as “his­to­ri­nhas” – ou se­ja, as des­cul­pas – tra­gam conforto. Por exem­plo, se vo­cê pos­sui há­bi­tos ali­men­ta­res ruins, po­de jus­ti­fi­cá-los com a fal­ta de tem­po de­vi­do ao rit­mo do tra­ba­lho. No en­tan­to, es­ta é ape­nas uma for­ma de se en­ga­nar e pos­ter­gar o pro­ble­ma que, no fu­tu­ro, po­de pro­vo­car do­en­ças car­día­cas ou ou­tras pa­to­lo­gi­as que sur­gem com o so­bre­pe­so.

Es­ses “con­tos” ata­cam a au­tor­res­pon­sa­bi­li­da­de, eli­mi­nan­do a au­to­no­mia do au­tor das ações, dei­xan­do-o re­fém da si­tu­a­ção.

Aos pou­cos, aca­bam ga­nhan­do mais pe­so emo­ci­o­nal. Por is­so, Vi­ei­ra su­ge­re cin­co pas­sos pa­ra sair des­sa re­a­li­da­de:

1. Iden­ti­fi­car em quais áre­as da vi­da vo­cê es­tá ob­ten­do re­sul­ta­dos ruins;

2. Re­co­nhe­cer quais re­sul­ta­dos in­de­se­ja­dos são es­ses;

3. Pa­ra ca­da con­sequên­cia ne­ga­ti­va, no­tar quais “his­to­ri­nhas” cos­tu­ma con­tar pa­ra jus­ti­fi­car, ex­pli­car ou se des­res­pon­sa­bi­li­zar;

4. Iden­ti­fi­car as ca­te­go­ri­as (men­ti­ro­sa, brin­ca­dei­ra ou ver­da­dei­ra que pre­ci­sa ser su­pe­ra­da), com­por­ta­men­tos lin­guís­ti­cos (dar ex­pli­ca­ção re­al, jus­ti­fi­car o ocor­ri­do, exi­mir-se da res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre o re­sul­ta­do, fe­char os olhos pa­ra o pro­ble­ma ou ti­rar o fo­co do as­sun­to in­de­se­ja­do), re­sul­ta­dos pri­má­ri­os e se­cun­dá­ri­os (o que pro­duz de ne­ga­ti­vo na vi­da de quem con­ta);

5. Con­tar uma no­va his­tó­ria, ba­se­a­da em com­por­ta­men­tos de­se­já­veis e nos re­sul­ta­dos que qu­er con­quis­tar. “Em ou­tras pa­la­vras, vo­cê pre­ci­sa cri­ar uma pro­fe­cia (au­tor­re­a­li­zá­vel) que tra­ga não só no­vos re­sul­ta­dos co­mo tam­bém no­vos com­por­ta­men­tos”, des­ta­ca o au­tor.

ASSUMA AS RÉDEAS

Nos­sa men­te é a res­pon­sá­vel por de­ter­mi­nar co­mo va­mos pro­ce­der pe­ran­te os de­sa­fi­os e o quan­to de von­ta­de ire­mos ter pa­ra cor­rer atrás de nos­sos sonhos. “Qu­an­do cri­an­ças, so­mos uma es­pon­ja. Apren­de­mos tu­do e re­pe­ti­mos, fi­xan­do o pa­drão apren­di­do no nos­so cé­re­bro. Es­ses há­bi­tos cul­ti­va­dos vão cri­an­do ‘his­tó­ri­as’ na nos­sa men­te e de­sen­vol­ven­do dis­cur­sos in­ter­nos que são as cren­ças, que po­dem nos li­mi­tar ou nos for­ta­le­cer. Se a pes­soa acre­di­ta que ela não me­re­ce ‘aque­le sonho’ ou que não é boa o bas­tan­te pa­ra con­quis­tar o que ela deseja, na­da o fa­rá acre­di­tar”, ex­pli­ca Ká­tia Nas­ci­men­to, co­a­ch e pós-gra­du­a­da em neu­ro­ci­ên­ci­as.

No en­tan­to, é pre­ci­so abrir os olhos pa­ra o fa­to de que vo­cê é o úni­co res­pon­sá­vel pe­la vi­da que tem le­va­do. Sim, é uma ver­da­de du­ra e di­fí­cil pa­ra mui­tos, mas foi vo­cê que se co­lo­cou no lu­gar on­de es­tá. Per­gun­te-se: por que qu­an­do con­quis­ta­mos uma no­ta al­ta em uma ava­li­a­ção, afir­ma­mos “eu ti­rei”? E por que qu­an­do te­mos uma no­ta bai­xa, fa­la­mos que de­ter­mi­na­do pro­fes­sor nos “deu” es­sa no­ta? As per­gun­tas da pro­va eram as mes­mas, a di­fe­ren­ça foi o quan­to vo­cê pres­tou aten­ção aos enun­ci­a­dos e a quan­ti­da­de e qua­li­da­de das ho­ras de es­tu­do.

Pau­lo Vi­ei­ra lem­bra: “A vi­da que vo­cê tem le­va­do é ab­so­lu­ta­men­te mé­ri­to seu, se­ja pe­las su­as ações cons­ci­en­tes ou in­cons­ci­en­tes, pe­la qua­li­da­de de seus pen­sa­men­tos, seus com­por­ta­men­tos e su­as pa­la­vras. Por mais do­lo­ro­so que se­ja, foi vo­cê que le­vou a sua vi­da ao pon­to em que es­tá ho­je. Sen­do as­sim, só vo­cê po­de­rá mu­dar es­sa cir­cuns­tân­cia”. É a co­nhe­ci­da au­tor­res­pon­sa­bi­li­da­de.

LEIS DA AU­TOR­RES­PON­SA­BI­LI­DA­DE

Es­sa é a ca­pa­ci­da­de que faz com que o in­di­ví­duo es­te­ja pron­to pa­ra mu­dar de vi­da e con­quis­tar seus ob­je­ti­vos de for­ma cons­ci­en­te. O au­tor de O Po­der da Ação elen­ca seis leis que po­dem aju­dar a me­lho­rar seu re­la­ci­o­na­men­to com o mun­do e fa­zer com que assuma as rédeas da pró­pria vi­da de for­ma mais fá­cil. São elas:

1. Não cri­ti­que as pes­so­as! Em vez de ma­goá-las, pro­cu­re dar uma su­ges­tão ou ideia.

2. Não re­cla­me das cir­cuns­tân­ci­as. Co­lo­que seu fo­co na so­lu­ção e não no pro­ble­ma.

3. Não bus­que cul­pa­dos. Es­sa é uma ma­nei­ra fá­cil de ti­rar a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­los

acon­te­ci­men­tos, fa­tos e re­sul­ta­dos.

4. Não se fa­ça de ví­ti­ma. Se­ja cri­ti­can­do, re­cla­man­do, co­lo­can­do-se em uma si­tu­a­ção de in­fe­ri­o­ri­da­de ou so­fri­men­to. Evi­te a ne­ga­ti­vi­da­de!

5. Não jus­ti­fi­que seus er­ros. É pre­ci­so re­co­nhe­cer que er­rou. Do con­trá­rio, não ha­ve­rá apren­di­za­do ou mu­dan­ça.

6. Não jul­gue as pes­so­as. Quan­to mais jul­ga­mos, mais cri­a­mos bar­rei­ras e nos afas­ta­mos dos ou­tros in­di­ví­du­os ao nos­so re­dor.

CONSTRUINDO UM FU­TU­RO ME­LHOR

O que vo­cê co­lhe ho­je na­da mais é do que o re­sul­ta­do do que foi plan­ta­do no pas­sa­do. “Se man­te­nho pen­sa­men­tos, sen­ti­men­tos e pa­la­vras po­si­ti­vas, co­lhe­rei ale­gri­as e con­quis­tas”, res­sal­ta Pau­lo Vi­ei­ra. As­sim, é pre­ci­so que vo­cê tra­ga a res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra si e cons­trua o pró­prio fu­tu­ro. Pa­ra is­so, a pa­la­vra prin­ci­pal é “fo­co”.

É ne­ces­sá­rio con­cen­trar su­as ener­gi­as em seus ob­je­ti­vos de for­ma a pro­du­zir mu­dan­ça e re­a­li­za­ções rá­pi­das. Mas on­de vo­cê de­ve co­lo­car o seu fo­co? O Mé­to­do de Co­a­ching In­te­gral Sis­tê­mi­co acre­di­ta que a abun­dân­cia é pos­sí­vel em to­das as áre­as, lo­go, a má­xi­ma “sor­te no jo­go, azar no amor” não é vá­li­da. É pos­sí­vel equi­li­brar e, de­pois, po­ten­ci­a­li­zar to­dos os se­to­res da vi­da.

“O me­lhor pa­ra nos­sas vi­das de­ri­va­rá di­re­ta­men­te da per­cep­ção da­qui­lo que sa­be­mos e co­nhe­ce­mos e de co­mo nos­sa ba­ga­gem in­te­ri­or da­rá con­ta de nos aju­dar a re­a­li­zar nos­sos sonhos. O que de­no­mi­na­mos ‘ra­zão’ na­da mais é do que a ava­li­a­ção en­tre aqui­lo que que­re­mos re­al­men­te e aqui­lo que pos­suí­mos de fa­to pa­ra re­a­li­zar nos­sos sonhos. Es­te ‘que­rer re­al­men­te’ de­pen­de de vá­ri­os fa­to­res que in­flu­em nas nos­sas de­ci­sões: nos­sas ca­pa­ci­da­des, va­lo­res e ob­je­ti­vos.

A ca­pa­ci­da­de de re­a­li­zar, em pes­so­as que in­ves­tem no pró­prio au­to­co­nhe­ci­men­to, é imen­sa e pas­sí­vel de cres­cer ain­da mais. Não po­de­mos, cla­ro, des­co­brir que po­de­mos su­bir nu­ma mon­ta­nha e sair vo­an­do. Mas po­de­mos per­fei­ta­men­te des­co­brir que pos­suí­mos a ca­pa­ci­da­de de de­sen­vol­ver no­vas ma­nei­ras tec­no­ló­gi­cas de vo­ar”, ex­pli­ca Ma­da­le­na Fe­li­ci­a­no, co­a­ch de car­rei­ra.

Des­sa ma­nei­ra, pa­ra ser uma pes­soa fo­ca­da, é pre­ci­so iden­ti­fi­car o fa­tor dis­tra­ção, aqui­lo que per­mi­te que vo­cê olhe na di­re­ção opos­ta a su­as me­tas e ob­je­ti­vos. Uma agen­da po­de ser uma ma­nei­ra fá­cil de aju­dar a or­ga­ni­zar seus pla­nos com itens diá­ri­os ou mes­mo um pla­ne­ja­men­to de me­tas anu­ais.

Con­tu­do, vo­cê de­ve es­tar se per­gun­tan­do: o que é ide­al pa­ra mim? Pa­ra Pau­lo Vi­ei­ra, o pa­drão do su­ces­so é di­vi­di­do da se­guin­te ma­nei­ra: 10% do tem­po é de­di­ca­do ao pas­sa­do, mas sem se vi­ti­mi­zar pe­las lem­bran­ças ruins. O in­tui­to é ce­le­brar as vi­tó­ri­as an­te­ri­o­res. 25% per­ten­cem ao fu­tu­ro, ela­bo­ran­do ima­gens po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas (em me­nor quan­ti­da­de) so­bre o que ain­da acon­te­ce­rá. Já 65% de to­da a ener­gia fí­si­ca e psí­qui­ca são de­di­ca­dos à ação, re­pro­gra­man­do sua men­te e su­as cren­ças pa­ra mu­dar sua for­ma de pen­sar, se co­mu­ni­car e agir. Atu­an­do des­sa for­ma, seus sonhos es­ta­rão mais pró­xi­mos e fá­ceis de al­can­çar.

“O me­lhor pa­ra nos­sas vi­das de­ri­va­rá di­re­ta­men­te da per­cep­ção da­qui­lo que sa­be­mos e co­nhe­ce­mos e de co­mo nos­sa ba­ga­gem in­te­ri­or da­rá con­ta de nos aju­dar a re­a­li­zar nos­sos sonhos” Ma­da­le­na Fe­li­ci­a­no, co­a­ch de car­rei­ra

CON­SUL­TO­RI­AS Ká­tia Nas­ci­men­to, co­a­ch e pós-gra­du­a­da em neu­ro­ci­ên­ci­as; Ma­da­le­na Fe­li­ci­a­no, co­a­ch de car­rei­ra. FON­TES Li­vro O Po­der da Ação, de Pau­lo Vi­ei­ra (Edi­to­ra Gen­te)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.