OLHAR PA­RA SI MES­MO

A au­to­crí­ti­ca é ca­paz de ser bas­tan­te be­né­fi­ca, da mes­ma ma­nei­ra que po­de ser des­tru­ti­va. Co­mo se equi­li­brar nes­sa li­nha tê­nue?

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA Fa­bio To­le­do/Co­la­bo­ra­dor DESIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do

Des­cu­bra co­mo é pos­sí­vel li­dar bem com a au­to­crí­ti­ca cons­tru­ti­va na ro­ti­na diá­ria

MUITAS LENTES PERMEIAM A SOCIEDADE, CA­DA UMA COM SEU GRAU DE REFRAÇÃO ESPECÍFICO QUE DETERMINA VISÕES DIFERENTES DE VÁ­RI­OS ÂNGULOS SO­BRE ALGO OU ALGUÉM. Nos olhos de ca­da um es­tá uma de­ter­mi­na­da sen­ten­ça so­bre vo­cê, as­sim co­mo vo­cê aca­ba ten­do um con­cei­to es­ta­be­le­ci­do so­bre o ou­tro. Mas en­tre lentes e mais lentes, o que po­de ser mais im­por­tan­te pa­ra o in­di­ví­duo é o es­pe­lho. Sim, ob­ser­var-se e se ava­li­ar pa­ra ob­ter seu pró­prio ve­re­di­to é um ele­men­to im­por­tan­te pa­ra ser con­fi­an­te e su­pe­rar de­sa­fi­os.

O mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia pe­la Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, Mar­tin Port­ner, co­men­ta que a au­to­crí­ti­ca é uma qua­li­da­de pes­so­al que po­de agir mui­to fa­vo­ra­vel­men­te ao cres­ci­men­to dos re­cur­sos da men­te. “Por exem­plo, po­de­mos tor­nar nos­sas ações pes­so­ais mais ágeis, de­sen­vol­ver um em­pre­en­de­do­ris­mo am­bi­ci­o­so e cor­ri­gir er­ros de per­cur­so”.

Po­rém, as­sim co­mo os es­pe­lhos tam­bém pos­su­em su­as dis­tor­ções, na au­to­crí­ti­ca, exis­te uma li­nha tê­nue en­tre se ava­li­ar pa­ra me­lho­rar e se au­to­sa­bo­tar pa­ra de­sa­cre­di­tar no pró­prio po­ten­ci­al. A re­la­ção en­tre es­ses ex­tre­mos é tão pró­xi­ma que mui­tos não com­pre­en­dem a im­por­tân­cia da re­fle­xão pes­so­al.

Qu­er um exem­plo? Em se­tem­bro de 2016, a Ac­ti­via, li­nha de la­ti­cí­ni­os per­ten­cen­te à Da­no­ne, em par­cei­ra com o Go­o­gle e a Glo­bal WebIn­dex, di­vul­gou uma pes­qui­sa com 15 mil mu­lhe­res de 15 paí­ses e cons­ta­tou que 58% de­las ve­em a au­to­crí­ti­ca co­mo de­ses­tí­mu­lo. Por­tan­to, mais do que de­sen­vol­ver um pen­sa­men­to au­to­crí­ti­co, é pre­ci­so sa­ber os li­mi­tes, a fim de per­ma­ne­cer em uma ava­li­a­ção cons­tru­ti­va de si. “A au­to­crí­ti­ca cons­tru­ti­va pro­pi­cia cres­ci­men­to, já que con­se­gui­mos en­xer­gar os pon­tos que pre­ci­sa­mos me­lho­rar e, pa­ra­le­la­men­te, re­for­ça­mos o que te­mos de úni­co e ex­clu­si­vo. Em con­tra­par­ti­da, a au­to­crí­ti­ca des­tru­ti­va li­mi­ta o ser, pa­ra­li­sa as ini­ci­a­ti­vas e cris­ta­li­za ca­rac­te­rís­ti­cas al­ta­men­te com­pro­me­te­do­ras”, ana­li­sa a psi­co­te­ra­peu­ta Si­mo­ne Mi­ran­da Ro­sa.

Mar­tin Port­ner tam­bém ci­ta o tra­ba­lho da pes­qui­sa­do­ra Kelly McGo­ni­gal, da Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, a qual des­co­briu que a au­to­crí­ti­ca po­de re­al­men­te ser mui­to mais des­tru­ti­va do que útil. “O sis­te­ma men­te-cé­re­bro ra­ra­men­te aci­o­na a au­to­crí­ti­ca com es­sa be­ne­vo­lên­cia to­da. Mais co­mum é es­cu­tar­mos uma voz in­te­ri­or que nos diz ‘fra­cas­sei de no­vo’ ou ‘eu não pres­to mes­mo’ e ‘nun­ca vou con­se­guir’. Is­so acon­te­ce por­que a au­to­crí­ti­ca es­tá co­nec­ta­da ao sis­te­ma de alar­me – aci­o­na­do sem­pre que as coi­sas não vão bem, ou de for­ma di­fe­ren­te da­que­la que gos­ta­ría­mos – cha­ma­do amíg­da­la ce­re­bral. Es­ta, qu­an­do aci­o­na­da, re­a­ge de ma­nei­ra ‘8 ou 80’ e ra­ra­men­te com eva­sões in­ter­me­diá­ri­as”, ex­pli­ca.

DANDO UMA CHANCE À AU­TO­CRÍ­TI­CA

Já é pos­sí­vel no­tar a di­fi­cul­da­de de man­ter a au­to­crí­ti­ca fun­ci­o­nan­do de ma­nei­ra po­si­ti­va. No en­tan­to, exis­tem alguns pas­sos a se se­guir que po­dem au­xi­li­ar nes­te pro­ces­so. Pri­mei­ra­men­te, é pre­ci­so com­pre­en­der que exis­tem vá­ri­as re­fle­xões pos­sí­veis a se­rem fei­tas por nós, pois pos­suí­mos jul­ga­men­tos an­te­ri­o­res e po­de­mos fa­zer sur­gir ou­tras idei­as mui­to pos­si­vel­men­te. Is­so mui­to tem a ver com o au­to­co­nhe­ci­men­to. “Se não sa­be­mos quem so­mos e pa­ra on­de es­ta­mos in­do, a ten­dên­cia é que con­teú­dos in­cons­ci­en­tes nos do­mi­nem. Po­de­mos nos con­si­de­rar in­fe­ri­o­res de­mais, ou ex­ces­si­va­men­te vai­do­sos, e am­bos os ex­tre­mos le­vam a equí­vo­cos”, pon­tua Si­mo­ne.

As­sim que é no­ta­da a ga­ma de op­ções em nos­sas re­fle­xões, é pre­ci­so tra­ba­lhar a au­to­crí­ti­ca. Uma ma­nei­ra su­ge­ri­da pe­lo blog Run­run.it é a de ela­bo­rar uma crí­ti­ca com dois pon­tos po­si­ti­vos e um ne­ga­ti­vo. “Ser ca­paz de per­ce­ber a si mes­mo por meio de prós e con­tras co­e­ren­tes é sim uma es­tra­té­gia que, in­clu­si­ve, po­de ser aper­fei­ço­a­da com trei­no”, re­la­ci­o­na um dos tre­chos do tex­to.

En­ten­der as di­fi­cul­da­des e o mo­men­to tam­bém é ne­ces­sá­rio pa­ra uma au­to­crí­ti­ca cons­tru­ti­va e po­si­ti­va, ou se­ja, acei­tar o er­ro, re­co­nhe­cer ter fei­to o pos­sí­vel no mo­men­to e apren­der com a fa­lha pa­ra po­der me­lho­rar. Ou­tro pas­so se­ria o au­to­con­tro­le emo­ci­o­nal, ca­paz de evi­tar que a au­to­crí­ti­ca aci­o­ne es­tru­tu­ras ce­re­brais res­pon­sá­veis pe­la fú­ria, ge­ral­men­te vol­ta­da em cul­par ou­tra pes­soa pe­lo er­ro. “O pro­ble­ma é que, no de­cur­so da ira, de­ter­mi­na­dos se­to­res cog­ni­ti­vos do cé­re­bro – ne­ces­sá­ri­os pa­ra re­a­va­li­ar a si­tu­a­ção sob crí­ti­ca – são fe­cha­dos. Por­tan­to, pen­sa­mos me­nos. Nes­se ca­so, a au­to­crí­ti­ca li­te­ral­men­te nos dei­xa na mão”, aler­ta Mar­tin Port­ner.

Se é di­fí­cil man­ter uma au­to­crí­ti­ca po­si­ti­va sem trans­gre­dir a li­nha que a se­pa­ra da au­to­sa­bo­ta­gem, co­mo se­ria pos­sí­vel cri­ar um me­ca­nis­mo mais se­gu­ro que per­mi­ta fa­vo­ra­vel­men­te o cres­ci­men­to dos re­cur­sos da men­te tal qual o po­ten­ci­al da au­to­crí­ti­ca? Port­ner su­ge­re a au­to­con­des­cen­dên­cia.

AUTO... O QUÊ?

Is­so mes­mo! O po­der da au­to­con­des­cen­dên­cia é vis­to pe­lo neu­ro­ci­en­tis­ta co­mo não ape­nas uma ideia, mas algo re­al. Is­so tem a ver com o aci­o­na­men­to de um po­de­ro­so sis­te­ma de cui­da­do, ca­rac­te­rís­ti­ca dos hu­ma­nos, a fim de acal­mar nos­sa pró­pria frus­tra­ção. “Uma ma­nei­ra sin­gu­lar pe­lo qual o cui­da­do fun­ci­o­na é pe­la li­be­ra­ção de oxi­to­ci­na. Pes­qui­sas in­di­cam que o au­men­to dos ní­veis des­se hormô­nio no cé­re­bro ati­va sen­ti­men­tos de con­fi­an­ça, cal­ma, se­gu­ran­ça, ge­ne­ro­si­da­de e co­ne­xão, além de fa­ci­li­tar a ca­pa­ci­da­de de sen­tir ca­lor e com­pai­xão por nós mes­mos”, elu­ci­da Port­ner.

De acor­do com pes­qui­sa di­vul­ga­da pe­la Uni­ver­si­da­de do Te­xas, a au­to­con­des­cen­dên­cia (ou AC) tam­bém re­quer o es­ta­do de mind­ful­ness – es­tar aten­to ao seu cor­po, men­te e sen­ti­men­tos no mo­men­to pre­sen­te, de for­ma a cri­ar uma sen­sa­ção de cal­ma­ria. Por meio des­se con­jun­to, é pos­sí­vel no­tar que a voz crí­ti­ca em nos­sa men­te não es­tá re­al­men­te ten­tan­do nos pre­ju­di­car, mas sim nos co­lo­car de vol­ta aos tri­lhos. Mar­tin Port­ner res­sal­ta: “A AC é uma for­ma de pen­sar ‘cer­to, eu po­de­ria es­tar en­ver­go­nha­do de ter fa­lha­do, mas vou le­van­tar a ca­be­ça e ten­tar de no­vo’”.

“A au­to­crí­ti­ca cons­tru­ti­va pro­pi­cia cres­ci­men­to, já que con­se­gui­mos en­xer­gar os pon­tos que pre­ci­sa­mos me­lho­rar e, pa­ra­le­la­men­te, re­for­ça­mos o que te­mos de úni­co e ex­clu­si­vo” Si­mo­ne Mi­ran­da Ro­sa, psi­co­te­ra­peu­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.