RE­CEIO, PREOCUPAÇÃO… COVARDIA?

De gran­de ne­ces­si­da­de pa­ra nos­sa so­bre­vi­vên­cia pri­mi­ti­va, o me­do muitas ve­zes é um obs­tá­cu­lo que diz mui­to so­bre nós mes­mos e nos­so en­ten­di­men­to de mun­do

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO An­ge­lo Che­ru­bi­ni/Co­la­bo­ra­dor DESIGN Ana Pau­la Mal­do­na­do

Co­mo os me­dos ex­pli­cam a nos­sa per­so­na­li­da­de e o mo­do co­mo li­da­mos com as di­fi­cul­da­des co­ti­di­a­nas

CA­PAZ DE CONGELAR SUA FALA E ATÉ DE PARALISAR SEUS MO­VI­MEN­TOS, o me­do é uma re­a­ção na­tu­ral e es­pon­tâ­nea, que te­ve pa­pel im­por­tan­te na evo­lu­ção do ser hu­ma­no. As si­tu­a­ções em que o pe­ri­go é evi­den­te le­vam a uma de­ci­são ime­di­a­ta: sair cor­ren­do, gri­tar, ou sim­ples­men­te fi­car imó­vel pa­ra evi­tar con­ta­to são ati­tu­des ins­tin­ti­vas que vi­sam im­pe­dir que o nos­so cor­po se­ja afe­ta­do pe­las ame­a­ças. En­tre­tan­to, muitas ve­zes o te­mor po­de ul­tra­pas­sar o re­ceio de es­tar em pe­ri­go e ge­rar an­gús­ti­as na vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal, po­den­do acar­re­tar em di­fi­cul­da­des.

O QUE É O ME­DO?

Se­gun­do Jo­a­na Sin­ger, psi­có­lo­ga e di­re­to­ra do Cen­tro Pa­ra­dig­ma de Ci­ên­ci­as do Com­por­ta­men­to, o me­do se ca­rac­te­ri­za por uma sé­rie de re­a­ções do or­ga­nis­mo fren­te a uma ame­a­ça. Es­sen­ci­al pa­ra a pre­ser­va­ção da nos­sa es­pé­cie, o me­ca­nis­mo po­de ter con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas. “Ain­da ho­je, o me­do nos pre­dis­põe a com­por­ta­men­tos que nos pro­te­gem de mor­te ou de le­sões a nos­sa in­te­gri­da­de fí­si­ca. En­tre­tan­to, sa­be­mos tam­bém que fre­quen­te­men­te pa­ga­mos um pre­ço al­to por es­sa he­ran­ça fi­lo­ge­né­ti­ca: sen­ti­mos me­do, muitas ve­zes, sem que ha­ja uma ame­a­ça re­al. É co­mo se res­pon­dês­se­mos por uma ‘so­bra’ bi­o­ló­gi­ca”, afir­ma a psi­có­lo­ga.

CO­MO ELE PO­DE ATRAPALHAR

É im­por­tan­te res­sal­tar que sen­tir me­do não é algo ruim, con­tu­do, em ní­veis ex­ces­si­vos, ele po­de ge­rar pâ­ni­co mes­mo em si­tu­a­ções con­tro­la­das, su­pe­res­ti­man­do o ris­co na­que­le mo­men­to. As fo­bi­as, por exem­plo, cos­tu­mam fa­zer o in­di­ví­duo de­sa­cre­di­tar em sua ca­pa­ci­da­de de en­fren­tar o pro­ble­ma, oca­si­o­nan­do o pa­vor ex­ces­si­vo e uma an­gús­tia an­te­ci­pa­tó­ria.

Uma boa amos­tra dis­so é o me­do de an­dar de avião, que re­sis­te for­te­men­te aos da­dos es­ta­tís­ti­cos, que di­zem que o meio de trans­por­te é um dos mais se­gu­ros. Ver-se den­tro de um veí­cu­lo que voa a mi­lha­res de me­tros de al­tu­ra po­de cau­sar, na­tu­ral­men­te, um gran­de des­con­for­to. No en­tan­to, es­sa sen­sa­ção dei­xa de ser sau­dá­vel qu­an­do so­mos in­ca­pa­zes, fí­si­ca e emo­ci­o­nal­men­te, de ten­tar en­ca­rá-lo. “O me­do tor­na-se um pro­ble­ma qu­an­do in­ter­fe­re na vi­da pro­fis­si­o­nal, so­ci­al, afe­ti­va, fa­mi­li­ar ou nas ações co­ti­di­a­nas. Por exem­plo: um in­di­ví­duo po­de ter me­do de ca­chor­ro, evi­tar fi­car per­to, etc. Po­rém, se a pes­soa dei­xa de sair na rua em fun­ção do me­do, po­de­mos fa­lar em algo que me­re­ce in­ter­ven­ção”, elu­ci­da a psi­có­lo­ga.

CONHEÇA A SI MES­MO

Com a com­ple­xi­da­de al­can­ça­da das re­la­ções so­ci­ais e do pró­prio co­nhe­ci­men­to hu­ma­no, os me­dos fo­ram além da bus­ca por se­gu­ran­ça fí­si­ca. Dei­xa­ram de ser de­sen­ca­de­a­dos pe­lo pe­ri­go in­con­tes­tá­vel e pas­sa­ram a ter sig­ni­fi­ca­dos sim­bó­li­cos e mui­to pes­so­ais. Des­sa for­ma, o me­do po­de ser uma ma­nei­ra de com­pre­en­der me­lhor nos­so in­te­ri­or. Se­gun­do Wil­li­am Fer­raz, te­ra­peu­ta e es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, exis­tem ma­nei­ras diferentes de en­ten­dê-lo. “Al­gu­mas pes­so­as pre­ci­sam sim­ples­men­te res­sig­ni­fi­car o me­do pa­ra en­ten­der que ele tem uma in­ten­ção po­si­ti­va de pro­te­ção. Ou­tras pes­so­as pre­ci­sam tra­ba­lhar e en­ten­der co­mo e por­que ele foi cons­truí­do”, ex­pli­ca.

Muitas ve­zes so­mos in­ca­pa­zes de ad­mi­tir que o me­do es­te­ja ali e evi­ta­mos nos apro­fun­dar nas cau­sas e con­sequên­ci­as de seu de­sen­ca­de­a­men­to, mas é im­por­tan­te sa­ber que a in­ten­ção do me­ca­nis­mo é po­si­ti­va e vi­sa nos pro­te­ger. De acor­do com Jo­a­na Sin­ger, “o ide­al é que a pes­soa apren­da a re­co­nhe­cer o ta­ma­nho do me­do fren­te às re­ais ame­a­ças da vi­da. Um bom tra­ba­lho te­ra­pêu­ti­co de­ve aju­dá-las a se apro­xi­mar dos es­tí­mu­los te­mi­dos de for­ma se­gu­ra e pau­la­ti­na”.

Du­ran­te cer­tos pe­río­dos da vi­da, o re­ceio de fra­cas­sar, de ser ri­di­cu­la­ri­za­do ou co­lo­ca­do de la­do po­de apa­re­cer. Na ado­les­cên­cia, pe­río­do no qual o mun­do co­me­ça a ser en­ten­di­do de ma­nei­ra mais pro­fun­da, mui­tos des­ses blo­quei­os sur­gem, e, nes­se ca­so, têm efei­tos ne­ga­ti­vos ao bem-es­tar. Fre­quen­te­men­te, es­ses pa­vo­res apa­re­cem de­vi­do às ex­pe­ri­ên­ci­as ne­ga­ti­vas, que ge­ral­men­te são acom­pa­nha­das de ou­tras sen­sa­ções, dando com­ple­xi­da­de a es­sas emo­ções. “Qu­an­do fa­la­mos em ‘me­do de re­jei­ção’, por exem­plo, es­ta­mos em­pre­gan­do a pa­la­vra ‘me­do’ pa­ra fa­lar de uma sé­rie de sen­ti­men­tos (co­mo an­gús­tia, apre­en­são, etc.). Tra­ta-se de ‘me­dos’ mais com­ple­xos. Uma in­ter­ven­ção fo­ca­da não é su­fi­ci­en­te”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.