INI­MI­GO INTERNO

To­dos te­mos sonhos, no en­tan­to, mui­tos boi­co­tam os pró­pri­os pla­nos sem per­ce­ber. Des­cu­bra co­mo iden­ti­fi­car a au­tos­sa­bo­ta­gem e evi­tar seus da­nos

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO E EN­TRE­VIS­TA Éri­ca Agui­ar

A au­tos­sa­bo­ta­gem po­de des­truir seus sonhos. Ve­ja co­mo con­ter es­se boi­co­te a si mes­mo

QUASE TO­DOS OS SERES HU­MA­NOS ESTÃO EM BUS­CA DA FELICIDADE. E É BEM PRO­VÁ­VEL QUE VO­CÊ TAM­BÉM ES­TE­JA. No en­tan­to, se­rá que em al­gum mo­men­to da sua vi­da, vo­cê fa­lhou nes­sa mis­são, as­sim co­mo o João, na his­tó­ria ao la­do? Uma pro­va que dei­xou de se ins­cre­ver por não se sen­tir ca­paz de pres­tá-la ou mes­mo cri­ar des­cul­pas pa­ra não acei­tar uma va­ga de em­pre­go me­lhor são al­gu­mas ati­tu­des bem co­muns da au­tos­sa­bo­ta­gem. Con­tu­do, ape­sar de se­rem as mais di­ver­sas, to­das têm o mes­mo ob­je­ti­vo. Afi­nal, co­mo fun­ci­o­na o boi­co­te?

Ao lon­go da vi­da, as pes­so­as po­dem de­sen­vol­ver com­por­ta­men­tos re­pe­ti­ti­vos que pre­ju­di­cam seus pla­nos, pro­vo­can­do tris­te­za ou fal­ta de es­pe­ran­ça. Is­so faz com que se acos­tu­mem com cir­cuns­tân­ci­as ruins, pre­ju­di­can­do mais ain­da os pró­pri­os sonhos. Nes­ses ca­sos, é co­mum es­cu­tar: “não vai dar cer­to” ou, ain­da, “me­lhor nem ten­tar”.

De acor­do com o psi­có­lo­go João Ale­xan­dre Bor­ba, a au­tos­sa­bo­ta­gem é um gri­to de in­de­pen­dên­cia de uma par­te de sua men­te que vi­ve lu­tan­do pa­ra se li­ber­tar de ve­lhos maus tra­tos. “Uma das raí­zes que ve­jo cons­tan­te­men­te na au­tos­sa­bo­ta­gem é a di­fi­cul­da­de co­mum em não se sen­tir me­re­ce­dor do ob­je­ti­vo ou si­tu­a­ção fi­nal. Is­so é uma con­di­ção quase que ab­so­lu­ta pa­ra to­do sa­bo­ta­dor”, ex­pli­ca.

Exis­tem di­ver­sos ti­pos de sa­bo­ta­gem. Al­gu­mas mais pro­fun­das, ou se­ja, bem de­vas­ta­do­ras, e ou­tras mais su­a­ves. “Em ca­da uma des­tas si­tu­a­ções, fi­ca ní­ti­da a re­vol­ta; po­rém, a von­ta­de de mu­dar se dis­far­ça e se es­con­de por de­trás da frus­tra­ção e do de­sa­pon­ta­men­to”, acres­cen­ta o psi­có­lo­go.

UM CA­SO RE­AL

Anos atrás, Bor­ba aten­deu uma noi­va que não se sen­tia be­la o su­fi­ci­en­te pa­ra ca­sar. O psi­có­lo­go con­ta que, na se­ma­na do ca­sa­men­to, a pa­ci­en­te de­ci­diu fa­zer uma ca­mi­nha­da em um dia chu­vo­so, aju­dou uma ami­ga a car­re­gar os mó­veis du­ran­te uma mu­dan­ça e foi a um des­fi­le de mo­da, que nun­ca ha­via sen­ti­do von­ta­de de as­sis­tir. O re­sul­ta­do foi que a noi­va fi­cou gri­pa­da, com do­res na co­lu­na e sen­tiu-se feia ao se com­pa­rar com as mo­de­los. Tu­do is­so lhe pro­vo­cou uma von­ta­de enor­me de de­sis­tir do ma­trimô­nio. “Re­su­min­do, uma par­te de­la não se sen­tia me­re­ce­do­ra do seu ca­sa­men­to e, por me­do, a le­vou a cri­ar ações pa­ra afas­tá-la de seu ob­je­ti­vo. Com is­so, sua

au­to­es­ti­ma di­mi­nuía e a von­ta­de de de­sis­tir da ce­rimô­nia cres­cia”, es­cla­re­ce Bor­ba.

POS­SÍ­VEL SO­LU­ÇÃO

Pa­ra ter cons­ci­ên­cia so­bre a au­tos­sa­bo­ta­gem, é ne­ces­sá­rio fa­zer uma re­fle­xão so­bre ser dig­no dos sonhos que bus­ca re­a­li­zar. Se­gun­do o psi­có­lo­go, “quan­to me­nos me­re­ce­dor se sen­tir, mai­or a dis­tân­cia dos ob­je­ti­vos. Quan­to mais dis­tan­te, mais re­cla­ma­rá e se res­sen­ti­rá, ou se­ja, in­va­li­da­rá seus po­ten­ci­ais e ta­len­tos”. E as con­sequên­ci­as dis­so po­dem ser de­sas­tro­sas por­que, aos pou­cos, a pes­soa irá se des­co­nec­tar de su­as ha­bi­li­da­des, ca­pa­zes de con­du­zi-la até a con­cre­ti­za­ção dos pla­nos.

Bor­ba es­cla­re­ce que é pre­ci­so fa­zer uma aná­li­se ver­da­dei­ra e ho­nes­ta. “Ano­te to­dos os pen­sa­men­tos que sur­gi­rem, sem jul­ga­men­tos. Dei­xe sua men­te fluir li­vre­men­te. De­pois, re­lem­bre mo­men­tos no pas­sa­do em que vo­cê re­al­men­te se sa­bo­tou. É pre­ci­so mui­ta co­ra­gem pa­ra se en­fren­tar e se trans­for­mar. Mu­dar en­vol­ve ou­sar, e to­da ou­sa­dia aju­da a sair da ve­lha zona de conforto”, res­sal­ta.

Ou­tra op­ção é ima­gi­nar o cé­re­bro co­mo um sis­te­ma de re­com­pen­sa. As­sim, ao ra­ci­o­na­li­zar so­bre su­as ati­tu­des e al­can­çar seus ob­je­ti­vos, neu­ro­trans­mis­so­res res­pon­sá­veis por pro­por­ci­o­nar pra­zer e felicidade são ati­va­dos. Des­sa for­ma, re­pro­gra­mar o pen­sa­men­to, pa­ra uti­li­zar as ex­pe­ri­ên­ci­as po­si­ti­vas ad­qui­ri­das du­ran­te to­da a vi­da em be­ne­fí­cio pró­prio, cos­tu­ma ser uma óti­ma saí­da.

FA­TOR INCONSCIENTE

Ra­ra­men­te no­ta­mos que o boi­co­te pes­so­al es­tá ocor­ren­do. Exis­tem sa­bo­ta­men­tos mais pro­fun­dos que ne­ces­si­tam da aju­da de um psi­có­lo­go pa­ra, em um pri­mei­ro mo­men­to, se tor­na­rem cons­ci­en­tes e, de­pois, se­rem or­ga­ni­za­dos e trans­for­ma­dos. “En­tre­tan­to, mes­mo cons­ci­en­te, é pre­ci­so se res­pon­sa­bi­li­zar pe­la mu­dan­ça. Que­rer, aqui, é sinô­ni­mo de po­der. É qu­an­do o in­di­ví­duo de­ci­de se res­pon­sa­bi­li­zar por sua vi­da, as­su­min­do ris­cos e con­sequên­ci­as”, es­cla­re­ce o psi­có­lo­go.

O pro­ces­so não é fá­cil, mas re­com­pen­sa­dor. En­tre per­ma­ne­cer no mes­mo lu­gar com er­ros an­ti­gos ou avan­çar, ino­van­do ao cor­rer ris­cos, Bor­ba su­ge­re que é sem­pre me­lhor op­tar pe­la se­gun­da al­ter­na­ti­va. “Além de mais fá­cil, irá co­nec­tar a pes­soa com algo que muitas ve­zes é dei­xa­do de la­do: a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la pró­pria vi­da”, con­clui. Nes­se ca­so, a pa­la­vra-cha­ve é o apren­di­za­do, ou se­ja, es­tar ap­to pa­ra re­co­nhe­cer as di­fi­cul­da­des nas di­ver­sas si­tu­a­ções do dia a dia.

EN­TÃO, SURGIU UM PRO­JE­TO URGENTE NA EM­PRE­SA E JOÃO ACEI­TOU TRA­BA­LHAR NE­LE SEM PEN­SAR DU­AS VE­ZES. JOÃO TRABALHAVA MUI­TO... NÃO VIA A HO­RA DE TI­RAR AS FÉRIAS EM JA­NEI­RO E IR À PRAIA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.