SE­RÁ QUE DÁ TEM­PO?

O tem­po é sem­pre o mes­mo, mas a ma­nei­ra com a qual o per­ce­be­mos mu­da cons­tan­te­men­te. Por que pa­re­ce que te­mos ca­da vez me­nos tem­po?

Ciencia em foco - - ÍNDICE - TEX­TO Éri­ka Al­fa­ro DESIGN Ka­ri­na Ar­ru­da/Co­la­bo­ra­do­ra

Os se­gun­dos pas­sam da mes­ma ma­nei­ra – o dia a dia é que mu­dou es­sa im­pres­são

QUEM NUN­CA TE­VE A SEN­SA­ÇÃO DE QUE 24 HO­RAS NÃO SÃO SUFICIENTES PA­RA CUMPRIR TO­DAS AS TA­RE­FAS DE UM DIA? Ou, no ré­veil­lon, co­men­tou: “Es­se ano pas­sou vo­an­do”? Por ou­tro la­do, to­do mun­do já vi­ven­ci­ou um mo­men­to no qual a im­pres­são era de que o tem­po não pas­sa­va de jei­to ne­nhum.

Se­gun­do o di­ci­o­ná­rio, o tem­po po­de ser de­fi­ni­do co­mo “pe­río­do sem in­ter­rup­ções no qual os acon­te­ci­men­tos ocor­rem; con­ti­nui­da­de que cor­res­pon­de à du­ra­ção das coi­sas (pre­sen­te, pas­sa­do e fu­tu­ro); o que se con­se­gue me­dir atra­vés dos di­as, dos me­ses ou dos anos”.

As­sim, é um fa­to de co­nhe­ci­men­to ge­ral que um ano é com­pos­to por 365 ou 366 di­as, que, por sua vez, pos­sui 24 ho­ras. Uma ho­ra equi­va­le a 60 mi­nu­tos e um mi­nu­to é com­ple­ta­do de­pois de 60 se­gun­dos. No en­tan­to, sa­ben­do da te­o­ria, co­mo ex­pli­car os ins­tan­tes em que um mi­nu­to é di­fe­ren­te do ou­tro de­pen­den­do da si­tu­a­ção em que es­ta­mos in­se­ri­dos?

TU­DO DE­PEN­DE DO CONTEXTO

“O tem­po tem du­as ver­ten­tes: o re­al (aque­le que é pos­sí­vel co­lo­car na agen­da, ad­mi­nis­trar e pri­o­ri­zar) e o sub­je­ti­vo. O se­gun­do pro­por­ci­o­na os mo­men­tos em que o in­di­ví­duo es­tá tão den­tro de­le mes­mo que as ho­ras pas­sam mui­to rá­pi­do ou mui­to de­va­gar, de acor­do com a sub­je­ti­vi­da­de e o que es­tá acon­te­cen­do”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga e psi­co­te­ra­peu­ta Mau­ra de Al­ba­ne­si. A pro­fis­si­o­nal acres­cen­ta que, muitas ve­zes, é por is­so que as pes­so­as não con­se­guem or­ga­ni­zar o tem­po re­al, vis­to que é sem­pre in­flu­en­ci­a­do pe­lo sub­je­ti­vo.

Nor­mal­men­te, qu­an­do nos de­di­ca­mos a algo pra­ze­ro­so, fi­ca­mos en­tre­ti­dos e dis­traí­dos, trans­mi­tin­do a im­pres­são de que o tem­po pas­sou mais rá­pi­do, sem que fos­se per­ce­bi­do. Ou­tro fa­tor ca­paz de pro­vo­car

es­se efei­to é a ro­ti­na, uma vez que as in­for­ma­ções cos­tu­mei­ras são pro­ces­sa­das ra­pi­da­men­te pe­lo cé­re­bro.

Em con­tra­par­ti­da, o tem­po pa­re­ce pas­sar bem mais de­va­gar qu­an­do re­a­li­za­mos ati­vi­da­des que nos de­sa­gra­dam ou cau­sam té­dio. Além dis­so, no­vos co­nhe­ci­men­tos de­mo­ram mais pa­ra se­rem en­ten­di­dos pe­la men­te, pro­du­zin­do a mes­ma sen­sa­ção. “Há di­ver­sas jus­ti­fi­ca­ti­vas ci­en­tí­fi­cas pa­ra a per­cep­ção da pas­sa­gem do tem­po. Elas vão da bi­o­lo­gia até a fí­si­ca teó­ri­ca. Mas a ques­tão é que o tem­po ain­da é um mis­té­rio pa­ra a ci­ên­cia, pois não foi com­ple­ta­men­te com­pre­en­di­do”, pon­de­ra a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­an­ne Vi­la­ça. En­tre­tan­to, uma ex­pli­ca­ção pa­ra es­se fenô­me­no con­sis­te no fa­to de que o cé­re­bro, qu­an­do es­ti­mu­la­do po­si­ti­va­men­te, tem co­mo re­sul­ta­do o pra­zer e li­be­ra do­pa­mi­na, neu­ro­trans­mis­sor res­pon­sá­vel pe­lo con­tro­le das sen­sa­ções de bem-es­tar e hu­mor. Des­sa for­ma, a do­pa­mi­na é ca­paz de in­flu­en­ci­ar a per­cep­ção do tem­po. Se­gun­do Mau­ra, o que vai de­ter­mi­nar a sub­je­ti­vi­da­de es­tá re­la­ci­o­na­do a qual emo­ção se­rá des­per­ta­da, já que is­so afe­ta­rá o cé­re­bro.

MODERNIDADE VS. ANTIGUIDADE

An­ti­ga­men­te, a ex­pec­ta­ti­va de vi­da das pes­so­as era mui­to me­nor do que a dos di­as atu­ais. Por­tan­to, elas ti­nham me­nos tem­po. Mas, por que as pes­so­as, ho­je, estão ca­da vez mais “sem tem­po”?

“A re­la­ção da Modernidade com a Antiguidade es­tá li­ga­da a quan­ti­da­de de in­for­ma­ções dis­po­ní­veis atu­al­men­te. A quan­ti­da­de de co­nhe­ci­men­to que ob­te­mos em um mês ou um ano com­pre­en­de uma gran­de par­te da in­for­ma­ção que nos­sos avós ti­ve­ram ao lon­go da vi­da”, ex­pli­ca Mau­ra. A psi­có­lo­ga tam­bém res­sal­ta que o acú­mu­lo de in­for­ma­ção faz com que exis­ta a ideia de que o tem­po es­tá pas­san­do mui­to rá­pi­do.

“O que era usa­do ape­nas alguns anos atrás, ho­je, não tem mais uti­li­da­de. A ve­lo­ci­da­de que as no­tí­ci­as che­gam é in­crí­vel, e a nos­sa men­te não tem a ca­pa­ci­da­de de re­gis­trar tu­do is­so por mais que se­ja ex­tre­ma­men­te po­ten­te. En­tão, te­mos co­mo re­sul­ta­do es­sa afo­ba­ção, es­sa sen­sa­ção de não dar con­ta de as­si­mi­lar tu­do o que vem até mim e tu­do o que eu te­nho dis­po­ní­vel. E o res­pon­sá­vel por es­se ce­ná­rio é o avan­ço da tec­no­lo­gia”, com­ple­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.