AFI­NAL, QUAL É O MAIS SAU­DÁ­VEL?

Saiba quais são as prin­ci­pais di­fe­ren­ças entre o açú­car e o ado­çan­te e veja co­mo fa­zer a me­lhor es­co­lha

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE - Tex­to ED­GARD VICENTINI/CO­LA­BO­RA­DOR E LARISSA TOMAZINI De­sign REBECA MESSIAS/COLABORADORA

En­ten­da um pou­co so­bre os ado­çan­tes e os açú­ca­res pa­ra acertar na es­co­lha

NA HO­RA DE ES­CO­LHER QUAL IN­GRE­DI­EN­TE UTI­LI­ZAR PA­RA ADOÇAR A SUA BE­BI­DA OU RE­FEI­ÇÃO, UMA DÚ­VI­DA PO­DE SUR­GIR: AÇÚ­CAR OU ADO­ÇAN­TE? Is­so irá va­ri­ar de ca­so pa­ra ca­so, por­que pes­so­as di­fe­ren­tes pos­su­em dis­tin­tas res­tri­ções. “Pa­ra um di­a­bé­ti­co, o ado­çan­te é me­lhor. Pa­ra uma cri­an­ça, que ten­de a gas­tar mais ca­lo­ri­as por con­ta das ati­vi­da­des comuns nes­sa ida­de, o açú­car é pre­fe­rí­vel. Por is­so, é im­por­tan­te con­sul­tar seu mé­di­co e nu­tri­ci­o­nis­ta de con­fi­an­ça, que po­de­rá in­di­car qual dos dois é o mais acon­se­lha­do”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ana Pau­la Gon­çal­ves. Trou­xe­mo­sas prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas do açú­car e do ado­çan­te, ex­pli­can­do quais su­as versões mais con­su­mi­das. Con­fi­ra!

COM VO­CÊS, O AÇÚ­CAR!

Po­den­do ser ex­traí­do de di­ver­sas fon­tes não só da ca­na-de-açú­car, co­mo da be­ter­ra­ba, do mi­lho e da man­di­o­ca -, os ti­pos de açú­car pos­su­em sa­bor, tex­tu­ra e com­po­si­ções di­fe­ren­tes. Is­so faz que um gran­de le­que de op­ções se abra, pos­si­bi­li­tan­do que to­dos os pa­la­da­res se­jam agra­da­dos. O re­co­men­da­do é que se uti­li­ze a menor quan­ti­da­de pos­sí­vel do pro­du­to, evi­tan­do ex­ces­sos. Ao to­mar um ca­fé, por exem­plo, adi­ci­o­ne ape­nas o ne­ces­sá­rio pa­ra re­ti­rar o amar­gor ex­ces­si­vo. Lem­bre-se que ca­da alimento pos­sui seu gos­to ca­rac­te­rís­ti­co, que aca­ba sen­do mas­ca­ra­do pe­la quan­ti­da­de ex­ces­si­va de sal e açú­car que é adi­ci­o­na­da. Pro­cu­re acos­tu­mar o pa­la­dar, di­mi­nuin­do aos pou­cos a quan­ti­da­de con­su­mi­da.

TI­POS DE AÇÚ­CA­RES

Cris­tal: pos­sui grãos mai­o­res e mais trans­pa­ren­tes que o açú­car re­fi­na­do, tor­nan­do-o mais di­fí­cil de ser dis­sol­vi­do nos lí­qui­dos. A téc­ni­ca de re­fi­na­men­to des­se açú­car re­ti­ra cer­ca de 90% dos sais mi­ne­rais. Re­fi­na­do: es­se é o açú­car bran­co mais co­mum nos su­per­mer­ca­dos. No re­fi­na­men­to, adi­ti­vos quí­mi­cos, co­mo o en­xo­fre, dei­xam o pro­du­to com apa­rên­cia cla­ra e uni­for­me. Ele é usa­do em qua­se to­das as so­bre­me­sas e be­bi­das. Or­gâ­ni­co: do plan­tio à in­dus­tri­a­li­za­ção, não são usa­dos in­gre­di­en­tes ar­ti­fi­ci­ais nem agro­tó­xi­cos. Vi­su­al­men­te, es­se in­gre­di­en­te tem cris­tais mais gros­sos e mais es­cu­ros que os ou­tros açú­ca­res. Mas­ca­vo: es­sa va­ri­e­da­de tem cor ca­ra­me­lo, é mais úmi­do e o sa­bor lem­bra a ra­pa­du­ra. Es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas são con­se­gui­das de­pois de ex­trair do co­zi­men­to e cris­ta­li­za­ção do cal­do de ca­na-de-açú­car. Sua qu­a­li­da­de nu­tri­ci­o­nal é bem me­lhor. De­me­ra­ra: ele é conhecido por passar por um re­fi­na­men­to le­ve e não re­ce­ber nenhum ti­po de adi­ti­vo quí­mi­co. Por is­so, seus grãos são mar­rom-claros e têm va­lo­res nu­tri­ci­o­nais al­tos. Light: sua ori­gem é re­sul­ta­do da mis­tu­ra de açú­car re­fi­na­do com ado­çan­tes ar­ti­fi­ci­ais, co­mo o as­par­ta­me, o ci­cla­ma­to e a sa­ca­ri­na. Por es­se mo­ti­vo, o açú­car light ado­ça com mais fa­ci­li­da­de, sen­do ne­ces­sá­rio uti­li­zar pou­ca quan­ti­da­de. E AGO­RA, O ADO­ÇAN­TE! São subs­tân­ci­as que con­fe­rem sa­bor do­ce aos ali­men­tos. Exis­tem du­as versões dis­tin­tas: os na­tu­rais e os ar­ti­fi­ci­ais. Em ou­tras pa­la­vras, al­guns são en­con­tra­dos pron­tos na pró­pria na­tu­re­za, co­mo é o ca­so da sté­via (ado­çan­tes ex­traí­do de uma plan­ta con­su­mi­da tra­di­ci­o­nal­men­te pe­los ín­di­os bra­si­lei­ros). Tam­bém é pos­sí­vel en­con­trar ado­çan­tes pro­du­zi­dos qui­mi­ca­men­te em la­bo­ra­tó­ri­os, co­mo é o ca­so do as­par­ta­me, que foi des­co­ber­to em 1965 pe­lo quí­mi­co nor­te-ame­ri­ca­no Jim Sch­lat­ter, e, na­da mais é do que uma com­bi­na­ção de ami­noá­ci­dos que apre­sen­ta sa­bor ado­ci­ca­do.

PLAN­TA PO­DE­RO­SA

O ado­çan­te à ba­se de sté­via cos­tu­ma ser o mais in­di­ca­do pe­los es­pe­ci­a­lis­tas, jus­ta­men­te por ter ori­gem na­tu­ral. “Ele é com­pos­to pe­lo es­te­vi­o­sí­deo, ex­traí­do de uma plan­ta na­ti­va da Amé­ri­ca do Sul (Ste­via re­bau­di­a­na), por is­so é con­si­de­ra­do um ado­çan­te na­tu­ral. Além dis­so, tem um sa­bor si­mi­lar ao açú­car, não pos­sui ca­lo­ri­as e não al­te­ra os ní­veis de açú­car no san­gue”, con­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Ju­li­a­na Ca­va­co

TI­POS DE ADO­ÇAN­TES:

As­par­ta­me: no or­ga­nis­mo, ele é con­ver­ti­do em três subs­tân­ci­as, que são áci­do as­pár­ti­co, fe­ni­la­la­ni­na (ti­pos de ami­noá­ci­dos) e me­ta­nol (ti­po de ál­co­ol), “par­tes” comuns a ou­tros ali­men­tos. Além dis­so, per­de o po­der ado­çan­te quan­do su­jei­to a tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das e é fa­cil­men­te so­lú­vel em lí­qui­dos quen­tes. Tam­bém ado­ça 200 ve­zes mais que o açú­car e for­ne­ce 4kcal por gra­ma. Sa­ca­ri­na: não é pos­sí­vel ser me­ta­bo­li­za­da pe­lo cor­po. Ado­ça 300 ve­zes mais que o açú­car e não for­ne­ce ca­lo­ri­as ao or­ga­nis­mo. Tam­bém é es­tá­vel a tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das. Su­cra­lo­se: pro­ve­ni­en­te da ca­na-de-açú­car, é to­tal­men­te ex­cre­ta­do pe­lo cor­po. Ado­ça 600 ve­zes mais que o açú­car e, as­sim co­mo os de­mais, não for­ne­ce ca­lo­ri­as. Além dis­so, tam­bém é re­sis­ten­te a tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das. Sté­via: é ex­traí­do da plan­ta da Sté­via re­bau­di­a­na e tem le­ve sa­bor amar­go. Tam­bém é ab­sor­vi­do pe­lo cor­po, mas é to­tal­men­te ex­cre­ta­do. Ado­ça 300 ve­zes mais que o açú­car e não for­ne­ce ca­lo­ri­as. É es­tá­vel a tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das. Fru­to­se: na­tu­ral­men­te, es­se ado­çan­te po­de ser en­con­tra­do nas fru­tas, pro­du­tos agrí­co­las e mel. É so­lú­vel em água e con­ser­va o sa­bor do­ce quan­do sub­me­ti­do ao ca­lor. Exis­tem al­guns ar­gu­men­tos a fa­vor da uti­li­za­ção da fru­to­se na ali­men­ta­ção de di­a­bé­ti­cos. Por exem­plo: in­de­pen­dên­cia em re­la­ção à in­su­li­na no seu trans­por­te, dis­tri­bui­ção e me­ta­bo­lis­mo, ab­sor­ção mais len­ta com­pa­ra­ti­va­men­te à gli­co­se, au­men­tos mí­ni­mos e tran­si­tó­ri­os da glicemia após a sua ab­sor­ção e efei­to an­ti­ce­to­gê­ni­co. CON­SUL­TO­RIA Ana Pau­la Gon­çal­ves e Ju­li­a­na Ca­va­co nu­tri­ci­o­nis­tas; Fábio Car­do­so, es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ci­na pre­ven­ti­va, lon­ge­vi­da­de e ema­gre­ci­men­to FOTO Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.