OU­TRAS DO­EN­ÇAS

Quan­do es­tá em de­se­qui­lí­brio, o ní­vel gli­cê­mi­co po­de ser a cau­sa de di­ver­sas ou­tras do­en­ças

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE - Tex­to ED­GARD VICENTINI/CO­LA­BO­RA­DOR De­sign REBECA MESSIAS/COLABORADORA

Quan­do a glicemia es­tá des­re­gu­la­da não é só o di­a­be­tes que po­de sur­gir. Con­fi­ra!

VO­CÊ SA­BIA QUE A PRIN­CI­PAL CAU­SA DE DO­EN­ÇAS CAR­DI­O­VAS­CU­LA­RES É O DI­A­BE­TES? Se­gun­do a OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saúde), uma a ca­da 11 pes­so­as pos­sui o dis­túr­bio e 90% dos ca­sos são di­ag­nos­ti­ca­dos co­mo sen­do do ti­po 2. Es­se nú­me­ro, por si só, já é um aler­ta. Po­rém, da­dos da SBD (So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Di­a­be­tes) afir­mam que a do­en­ça au­men­ta em até 50% o ris­co de da­nos car­di­o­vas­cu­la­res nas mu­lhe­res e 40% nos ho­mens. To­dos es­ses as­pec­tos, so­ma­dos às prin­ci­pais cau­sas do ti­po 2 da do­en­ça - obe­si­da­de, ex­ces­so de açú­car e fal­ta de exer­cí­ci­os -, cri­am uma bom­ba re­ló­gio que po­de ser de­to­na­da a qual­quer mo­men­to. Veja co­mo es­ca­par des­ses pro­ble­mas e vi­ver com mais saúde!

FA­TOR DE RIS­CO

“O di­a­be­tes au­men­ta as chan­ces de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res por con­ta da hiperglicemia. O pro­ble­ma, as­so­ci­a­do às os­ci­la­ções gli­cê­mi­cas, ge­ra um qua­dro de in­fla­ma­ção vas­cu­lar e con­tri­bui com a li­be­ra­ção de ra­di­cais li­vres na cor­ren­te san­guí­nea, in­ter­fe­rin­do em to­do o or­ga­nis­mo. Va­le res­sal­tar que o di­a­be­tes é uma do­en­ça sis­tê­mi­ca e atin­ge di­ver­sas par­tes do cor­po: olhos, co­ra­ção e rins são os que mais so­frem com o pro­ble­ma, pois seus va­sos san­guí­ne­os são mais de­li­ca­dos, além do pró­prio sis­te­ma ner­vo­so pe­ri­fé­ri­co, que es­tá li­ga­do à sen­si­bi­li­da­de das mãos e dos pés”, ex­pli­ca a en­do­cri­no­lo­gis­ta Ana Eli­sa Alcântara.

CO­MO ACON­TE­CE

A al­ta con­cen­tra­ção de gli­co­se no san­gue, acen­tu­a­da pe­la re­sis­tên­cia à in­su­li­na dos di­a­bé­ti­cos, faz com que as ar­té­ri­as e as vei­as per­cam sua elas­ti­ci­da­de, au­men­tan­do o ris­co de en­tu­pi­men­to dos va­sos e, con­se­quen­te­men­te, as chan­ces de in­far­to. Ou­tro pro­ble­ma gra­vís­si­mo e bas­tan­te co­mum é a trom­bo­se: o san­gue de quem so­fre ten­de a fi­car mais vis­co­so do que ele de­ve­ria ser e as pla­que­tas se agre­gam com mai­or fa­ci­li­da­de, cri­an­do os trom­bos.

DO­EN­ÇAS CAU­SA­DAS PE­LO DI­A­BE­TES

Pé di­a­bé­ti­co: o pé di­a­bé­ti­co é um fe­ri­men­to de gran­de pro­por­ção que sur­ge com o des­con­tro­le da glicemia. O pro­ble­ma é uma as­so­ci­a­ção da fal­ta de cir­cu­la­ção - por agressão às ar­té­ri­as das per­nas - com a neu­ro­pa­tia di­a­bé­ti­ca, uma le­são cau­sa­da aos ner­vos pe­ri­fé­ri­cos. Is­so ge­ra al­gu­mas de­for­mi­da­des, úl­ce­ras e fal­ta de sen­si­bi­li­da­de nos pés. Nem to­dos os di­a­bé­ti­cos so­frem com a do­en­ça, por­que ela ten­de a apa­re­cer se não for con­tro­la­da du­ran­te anos, mas o pro­ble­ma me­re­ce aten­ção, ten­do em vis­ta que, se não for tra­ta­do, ele po­de le­var à am­pu­ta­ção do mem­bro atin­gi­do. “O di­a­be­tes é uma do­en­ça sis­tê­mi­ca e atin­ge di­ver­sas par­tes do cor­po: olhos, co­ra­ção e rins são os que mais so­frem com o pro­ble­ma, pois seus va­sos san­guí­ne­os são mais de­li­ca­dos, além do pró­prio sis­te­ma ner­vo­so pe­ri­fé­ri­co, que es­tá li­ga­do à sen­si­bi­li­da­de das mãos e dos pés”, res­sal­ta Ana Eli­sa. Re­ti­no­pa­tia di­a­bé­ti­ca: se­gun­do o CBO (Con­se­lho Bra­si­lei­ro de Of­tal­mo­lo­gia), o di­a­be­tes po­de cau­sar en­tu­pi­men­to nos pe­que­nos va­sos da re­ti­na, além de en­fra­que­ci­men­to da re­gião. Des­sa ma­nei­ra, de­for­mi­da­des co­nhe­ci­das co­mo mi­cro­a­neu­ris­mas fre­quen­te­men­te se for­mam e rom­pem, cau­san­do he­mor­ra­gi­as e acú­mu­lo de gor­du­ra na re­gião da re­ti­na, o que po­de le­var à per­da par­ci­al ou to­tal da vi­são. Acú­mu­lo de gor­du­ra ab­do­mi­nal: boa par­te dos pa­ci­en­tes pos­sui uma gran­de quan­ti­da­de de tri­gli­cé­ri­des na cor­ren­te san­guí­nea e is­so con­tri­bui pa­ra a con­cen­tra­ção de gor­du­ra na re­gião da bar­ri­ga e do fí­ga­do.

Ce­to­a­ci­do­se di­a­bé­ti­ca: ela ocor­re ge­ral­men­te em pa­ci­en­tes com di­a­be­tes ti­po 1, mas tam­bém acon­te­ce em pa­ci­en­tes com di­a­be­tes ti­po 2. O pro­ble­ma po­de ser ca­rac­te­ri­za­do co­mo uma emer­gên­cia mé­di­ca, que acon­te­ce quan­do o ní­vel de açú­car no san­gue do pa­ci­en­te di­a­bé­ti­co en­con­tra-se mui­to al­to, acom­pa­nha­do de au­men­to no per­cen­tu­al de ce­to­nas pre­sen­tes no san­gue. A fal­ta de in­su­li­na é gran­de cau­sa­do­ra dis­so tu­do: quan­do há pou­ca quan­ti­da­de do hormô­nio, o açú­car no san­gue au­men­ta e as cé­lu­las cor­po­rais so­frem com fal­ta de ener­gia. As­sim, o or­ga­nis­mo pas­sa a uti­li­zar a gor­du­ra co­mo fon­te de ener­gia pa­ra as cé­lu­las, ge­ran­do co­mo re­sí­duo, as ce­to­nas, subs­tân­ci­as áci­das que de­se­qui­li­bram o Ph do san­gue e cau­sam pro­ble­mas, po­den­do le­var a um qua­dro de co­ma e até mesmo à mor­te.

Ne­fro­pa­tia di­a­bé­ti­ca: se­gun­do a SBEM (So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de En­do­cri­no­lo­gia e Me­ta­bo­lo­gia), a ne­fro­pa­tia di­a­bé­ti­ca é uma al­te­ra­ção nos va­sos san­guí­ne­os dos rins, que le­va à per­da de pro­teí­nas por meio da uri­na. Nes­sa com­pli­ca­ção, o ór­gão po­de re­du­zir sua fun­ção len­ta­men­te, po­rém de for­ma pro­gres­si­va, até a pa­ra­li­sa­ção to­tal. O pro­ble­ma não apre­sen­ta mui­tos sin­to­mas, mas po­de ser iden­ti­fi­ca­do atra­vés de exa­mes que ve­ri­fi­cam a quan­ti­da­de da pro­teí­na al­bu­mi­na pre­sen­te na uri­na.

Es­te­a­to­se he­pá­ti­ca: tam­bém co­nhe­ci­da po­pu­lar­men­te co­mo fí­ga­do gor­du­ro­so, a do­en­ça se ca­rac­te­ri­za pe­lo acú­mu­lo de cé­lu­las gor­du­ro­sas nas pa­re­des do fí­ga­do. O pro­ble­ma ten­de a sur­gir com o con­su­mo ex­ces­si­vo de be­bi­das al­coó­li­cas, di­a­be­tes, so­bre­pe­so, co­les­te­rol e tri­gli­cé­ri­des ele­va­dos e tam­bém uma ali­men­ta­ção des­re­gra­da. O di­ag­nós­ti­co é fei­to por exa­mes de san­gue e tam­bém de imagem que con­si­gam re­ve­lar di­fe­ren­ças no ta­ma­nho do fí­ga­do. O gran­de pro­ble­ma é que as cé­lu­las do he­pá­ti­cas co­me­çam de­sen­ca­de­ar um pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio se o pro­ble­ma não for com­ba­ti­do e, as­sim, a es­te­a­to­se po­de se trans­for­mar em uma do­en­ça mais gra­ve que é a cir­ro­se.

Pes­so­as que pos­su­em di­a­be­tes têm 25 ve­zes mais chan­ces de per­der a vi­são do que as que não so­frem com a do­en­ça CON­SUL­TO­RIA Ana Eli­sa Alcântara, en­do­cri­no­lo­gis­ta FOTO iS­tock.com/Getty Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.