É POS­SÍ­VEL PRE­VE­NIR

Pres­te aten­ção aos pri­mei­ros in­dí­ci­os do di­a­be­tes e pre­vi­na-se en­quan­to há tempo!

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE - Tex­to DENIS ERIC/CO­LA­BO­RA­DOR De­sign REBECA MESSIAS/COLABORADORA

Pres­te aten­ção nos pri­mei­ros si­nais da do­en­ça e veja o que fa­zer pa­ra que ela não se ins­ta­le de vez

OPRÉ-DI­A­BE­TES É CO­MO UM SI­NAL DE ALER­TA PA­RA QUE AS PES­SO­AS SE ATEN­TEM A UM PRO­BLE­MA QUE PO­DE SE TOR­NAR PI­OR E PER­MA­NEN­TE. Nor­mal­men­te, apa­re­ce quan­do os va­lo­res de gli­co­se no san­gue es­tão al­te­ra­dos, po­rém não su­fi­ci­en­te­men­te al­tos pa­ra ca­rac­te­ri­zar o di­a­be­tes. “É um estado em que já se cons­ta­ta um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo na se­cre­ção de in­su­li­na pe­lo pân­cre­as, su­ge­rin­do que ha­ja uma mai­or ne­ces­si­da­de des­se hormô­nio pa­ra se ob­ter um efei­to menor, já que a gli­co­se, mesmo as­sim, não es­tá nor­mal”, ex­pli­ca o clí­ni­co ge­ral Pau­lo Ca­miz. Acon­te­ce quan­do se tra­ta do ti­po 2 da do­en­ça, pro­vo­ca­do por má ali­men­ta­ção e se­den­ta­ris­mo - o ti­po 1 é mo­ti­va­do por um fa­tor au­toi­mu­ne na­tu­ral do or­ga­nis­mo. Cons­ta­tar es­se estado da do­en­ça é mui­to im­por­tan­te pa­ra pre­ve­nir que o di­a­be­tes se ins­ta­le. “As chan­ces de pro­gres­são va­ri­am de acor­do com as po­pu­la­ções es­tu­da­das, mas em tor­no de cin­co em ca­da 100 pré-di­a­bé­ti­cos tor­nam-se di­a­bé­ti­cos com o passar de um ano. O fa­tor que mais in­flu­en­cia nes­sa pro­gres­são é a pre­sen­ça de obe­si­da­de”, aler­ta Pau­lo. Por­tan­to, se vo­cê apre­sen­ta ou­tros ca­sos de di­a­be­tes ti­po 2 na fa­mí­lia ou es­tá aci­ma do pe­so, por exem­plo, não cus­ta na­da se an­te­ci­par à do­en­ça e fa­zer um exa­me de glicemia de je­jum.

PREVENÇÃO NÃO TEM HO­RA!

Fi­que aten­to, pois al­guns sin­to­mas do di­a­be­tes são si­len­ci­o­sos. Tal­vez vo­cê se dê con­ta que tem a do­en­ça quan­do ela já es­ti­ver de­fi­ni­ti­va­men­te ins­ta­la­da. No pré-di­a­bé­ti­co, já é con­si­de­rá­vel o ris­co de pla­cas de gor­du­ra for­ma­das pe­lo ex­ces­so de gli­co­se se de­po­si­ta­rem na pa­re­de das ar­té­ri­as, o que acar­re­ta em pro­ble­mas de cir­cu­la­ção, que le­vam a en­fer­mi­da­des gra­ves co­mo in­far­tos e aci­den­tes vas­cu­la­res ce­re­brais (AVCs). A per­da na qu­a­li­da­de da vi­são po­de ser uma das con­sequên­ci­as da re­ti­no­pa­tia di­a­bé­ti­ca, as­sim co­mo a ne­fro­pa­tia di­a­bé­ti­ca afe­ta ne­ga­ti­va­men­te os rins. Sen­do as­sim, a glicemia em je­jum não de­ve ser o úni­co exa­me a ser le­va­do em con­ta: “De uma for­ma ge­ral, é im­por­tan­te ava­li­ar os de­mais fa­to­res de ris­co pa­ra os ór­gãos al­vos do di­a­be­tes e da obe­si­da­de. Os exa­mes in­clu­em um per­fil gli­cê­mi­co (pa­ra ver se hou­ve pro­gres­são do qua­dro de di­a­be­tes); per­fil lí­pí­di­co (pa­ra ver co­mo es­tá es­te ou­tro im­por­tan­te fa­tor de ris­co car­di­o­cir­cu­la­tó­rio, que é o co­les­te­rol); per­fil he­pá­ti­co (pa­ra ver se há le­são do fí­ga­do, o que é ho­je uma im­por­tan­te cau­sa de cir­ro­se he­pá­ti­ca); e afe­ri­ção da pres­são ar­te­ri­al se hou­ver hi­per­ten­são as­so­ci­a­da. A frequên­cia de ca­da um des­ses exa­mes de­ve ser in­di­vi­du­a­li­za­da pe­lo mé­di­co”, res­sal­ta o clí­ni­co ge­ral.

PERIGOS E COM­PLI­CA­ÇÕES!

O pré-di­a­be­tes não cau­sa as mes­mas com­pli­ca­ções que o di­a­be­tes, co­mo pro­ble­mas re­nais, vi­su­ais e neu­ro­ló­gi­cos. Po­rém, as chan­ces de se­rem de­sen­vol­vi­das dis­fun­ções car­di­o­cir­cu­la­tó­ri­as são mai­o­res, sen­do in­far­to e AVC (acidente vas­cu­lar ce­re­bral) as mais co­nhe­ci­das. Além dis­so, um dos mai­o­res perigos da in­to­le­rân­cia à gli­co­se é o fa­to de se­rem al­tas as chan­ces de se de­sen­vol­ver o pró­prio di­a­be­tes.

SI­TU­A­ÇÃO REVERSÍVEL

Se vo­cê é um pré-di­a­bé­ti­co, saiba que é pos­sí­vel vi­rar o jo­go e se dis­tan­ci­ar da do­en­ça. Exis­tem al­gu­mas for­mas de re­ver­ter o pro­ble­ma, por exem­plo, con­sul­tan­do um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra lhe ins­truir. Um nu­tri­ci­o­nis­ta é in­dis­pen­sá­vel pa­ra ori­en­tar so­bre as quan­ti­da­des ide­ais das re­fei­ções que de­vem ser con­su­mi­das e os me­lho­res ca­mi­nhos pa­ra que a ali­men­ta­ção do pa­ci­en­te se­ja mais sau­dá­vel pos­sí­vel. A prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca tam­bém é uma for­ma de evi­tar o di­a­be­tes ti­po 2 e de­vem ser acom­pa­nha­dos por uma sé­rie de exa­mes.

CON­SUL­TO­RIA Ma­ria Fernanda Bar­ca, en­do­cri­no­lo­gis­ta; Pau­lo Ca­miz, clí­ni­co ge­ral FOTOS Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.