PER­DA DE ME­MÓ­RIA

Sai­ba quan­do a fal­ta de me­mó­ria na ter­cei­ra ida­de po­de sig­ni­fi­car um pro­ble­ma mai­or

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Até que pon­to es­que­cer-se de cer­tos fa­tos é nor­mal? Sai­ba iden­ti­fi­car quan­do o pro­ble­ma se tor­na uma pa­to­lo­gia

COM A CORRERIA DO DIA A DIA, OS ES­QUE­CI­MEN­TOS FI­CAM CA­DA VEZ MAIS FRE­QUEN­TES. Mo­ti­vos pa­ra is­so não fal­tam: es­tres­se, an­si­e­da­de, ex­ces­so de com­pro­mis­sos e até mes­mo al­gu­ma tris­te­za ten­dem a re­sul­tar nes­sas pe­que­nas fa­lhas na me­mó­ria e po­dem acon­te­cer com qual­quer pes­soa. “A me­mó­ria é um pro­ces­so com­ple­xo que de­pen­de de inú­me­ros fa­to­res e do grau de aten­ção do in­di­ví­duo. Afi­nal, quan­do re­ce­be­mos qual­quer in­for­ma­ção ex­ter­na, con­se­gui­mos re­tê-la, por no má­xi­mo, um se­gun­do. Quan­do o con­teú­do não é pro­ces­sa­do, ele se apa­ga, pois não po­de­mos so­bre­car­re­gar o sis­te­ma neu­ro­ló­gi­co”, co­men­ta o neu­ro­lo­gis­ta Custódio Mi­chai­lowsky Ri­bei­ro. Mas, afi­nal, quan­do es­ses lap­sos de me­mó­ria re­al­men­te me­re­cem aten­ção?

QUAN­DO SE PRE­O­CU­PAR

To­das as pes­so­as se es­que­cem de acon­te­ci­men­tos ou fa­tos, umas me­nos e ou­tras mais. O pro­ble­ma é quan­do a sua vi­da e su­as ati­vi­da­des diá­ri­as co­me­çam a fi­car com­pro­me­ti­das. As­sim, não lem­brar o no­me de fa­mi­li­a­res pró­xi­mos ou não con­se­guir fa­zer um ca­mi­nho ha­bi­tu­al são exem­plos de quan­do a per­da de me­mó­ria tor­na-se um si­nal de al­go mais gra­ve. No ca­so do pa­ci­en­te de Alzhei­mer, o es­que­ci­men­to acon­te­ce em de­cor­rên­cia da des­trui­ção dos cir­cui­tos neu­ro­nais res­pon­sá­veis pe­la aqui­si­ção da in­for­ma­ção, tor­nan­do a fa­lha de me­mó­ria al­go ro­ti­nei­ro. Tu­do se ini­cia com as es­tru­tu­ras me­si­ais do lo­bo tem­po­ral, que são o hi­po­cam­po - por­ta de en­tra­da da me­mó­ria -, e as áre­as ce­re­brais vin­cu­la­das à ol­fa­ção e à de­gus­ta­ção. Des­sa for­ma, os neurô­ni­os des­sas áre­as co­me­çam a se de­sin­te­grar e a pre­ju­di­car o cir­cui­to neu­ro­nal”, jus­ti­fi­ca o pro­fis­si­o­nal. Con­tu­do, com mu­dan­ças de há­bi­tos é pos­sí­vel ame­ni­zar es­se pro­ble­ma, ga­ran­tin­do me­lho­res con­di­ções de vi­da pa­ra os pa­ci­en­tes. Por is­so, é im­por­tan­te se exer­ci­tar fí­si­ca e in­te­lec­tu­al­men­te, além de se ali­men­tar mui­to bem, evi­tan­do pro­du­tos ri­cos em gor­du­ras sa­tu­ra­das, açú­car in­dus­tri­al e ex­ces­so de be­bi­das al­coó­li­cas.

ATEN­ÇÃO NE­CES­SÁ­RIA

O Alzhei­mer é ca­rac­te­ri­za­do co­mo uma das mais gra­ves do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas e, por­tan­to, se exis­te a pos­si­bi­li­da­de de que ela es­te­ja pre­sen­te, de­ve-se in­ves­ti­gar ao má­xi­mo a cau­sa dos sin­to­mas. Em con­tra­par­ti­da, nem tu­do po­de ser o que pa­re­ce. Exis­tem ou­tros pro­ble­mas que tam­bém afe­tam a me­mó­ria e ma­ni­fes­tam-se de ma­nei­ra pa­re­ci­da no iní­cio. “O Alzhei­mer é a cau­sa mais co­mum de in­vo­lu­ção cog­ni­ti­va. No en­tan­to, al­gu­mas do­en­ças po­dem si­mu­lar seus sin­to­mas ou mes­mo as­so­ci­ar-se a ele, tor­nan­do o pro­ces­so mais exu­be­ran­te ou a evo­lu­ção mais rá­pi­da. Al­guns exem­plos são os qua­dros de­pres­si­vos gra­ves, cha­ma­dos de pseu­do­de­mên­cia, uma de­mên­cia ‘fal­sa’. Nes­ses ca­sos, o tra­ta­men­to da de­pres­são po­de me­lho­rar a ava­li­a­ção cog­ni­ti­va. Por ve­zes, os qua­dros de­pres­si­vos são ne­gli­gen­ci­a­dos no pa­ci­en­te ido­so”, fri­sa o neu­ro­lo­gis­ta Leandro Te­les.

PA­RA SA­BER MAIS

Vo­cê sa­bia que exis­tem 5 ti­pos di­fe­ren­tes de me­mó­ria? Con­fi­ra quais são eles e en­ten­da me­lhor seu fun­ci­o­na­men­to. Cur­to pra­zo: sa­be quan­do vo­cê quer pe­dir n uma piz­za e me­mo­ri­za o nú­me­ro do te­le­fo­ne pa­ra dis­cá-lo? É bem pro­vá­vel que lo­go de­pois vo­cê se es­que­ça des­sa in­for­ma­ção, mas sai­ba que is­so é nor­mal e acon­te­ce com gran­de par­te das pes­so­as. Pe­rió­di­ca: lem­bra aque­le pri­mei­ro en­con­tro n com o amor da sua vi­da? Mes­mo com o pas­sar dos anos, é pos­sí­vel que vo­cê não te­nha es­que­ci­do al­guns de­ta­lhes, co­mo a rou­pa que ves­tia e o que sen­tiu na­que­le mo­men­to. Ou se­ja, guar­dou na me­mó­ria um pe­río­do im­por­tan­te da sua his­tó­ria. Ope­ra­ti­va: aque­la ve­lha his­tó­ria de que n an­dar de bi­ci­cle­ta a gen­te nun­ca es­que­ce é a mais pu­ra ver­da­de. Tam­bém co­nhe­ci­da co­mo me­mó­ria au­to­má­ti­ca, é o ti­po de in­for­ma­ção que fi­ca ar­ma­ze­na­da no cé­re­bro e per­mi­te a re­a­li­za­ção de du­as coi­sas ao mes­mo tem­po, co­mo con­ver­sar e di­ri­gir. Se­mân­ti­ca: é o ti­po que faz com que con­si­ga n as­so­ci­ar o no­me de um ob­je­to a sua ima­gem. É ela que per­mi­te que vo­cê se lem­bre do no­me do pre­si­den­te do país ou o que sig­ni­fi­ca la­ran­ja. Pros­pec­ti­va: quan­do vo­cê não ano­ta na n agen­da uma in­for­ma­ção ou com­pro­mis­so, es­tá usan­do es­sa par­te da me­mó­ria. Ou se­ja, é ela a res­pon­sá­vel por re­gis­trar even­tos fu­tu­ros e é bas­tan­te frá­gil.

Mu­dan­do de as­sun­to

Vo­cê já ou­viu fa­lar em am­né­sia? Tra­ta-se do de­sa­pa­re­ci­men­to par­ci­al ou por com­ple­to das in­for­ma­ções ex­ter­nas re­ti­das cor­res­pon­den­tes a um de­ter­mi­na­do pe­río­do da vi­da da pes­soa. “É co­mum o seu de­sen­vol­vi­men­to por­que exis­tem inú­me­ras do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas, clí­ni­cas e psi­quiá­tri­cas que po­dem cau­sá-la, co­mo in­to­xi­ca­ção exó­ge­na por dro­gas lí­ci­tas e ilí­ci­tas, cri­ses con­vul­si­vas, in­fec­ção sis­tê­mi­ca ou neu­ro­ló­gi­ca e trau­mas psi­co­ló­gi­cos, es­cla­re­ce Custódio. O di­ag­nós­ti­co se dá por meio do his­tó­ri­co de me­di­ca­men­tos do in­di­ví­duo e in­ves­ti­ga­ção de trau­mas re­cen­tes, além de exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais. O tra­ta­men­to, por sua vez, é re­a­li­za­do de for­ma in­di­vi­du­a­li­za­da e al­guns ti­pos de am­né­sia po­dem ser so­lu­ci­o­na­dos, não ha­ven­do a per­da per­ma­nen­te de me­mó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.