O QUE É ALZHEI­MER

Co­nhe­ça as par­ti­cu­la­ri­da­des so­bre es­sa do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va de cau­sa des­co­nhe­ci­da

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Per­da de me­mó­ria e es­que­ci­men­to de co­mo exe­cu­tar ati­vi­da­des sim­ples, mar­cam es­sa do­en­ça men­tal ain­da sem cu­ra

ADOENÇA É GRA­VE E, IN­FE­LIZ­MEN­TE, SU­AS CON­SEQUÊN­CI­AS SÃO SEVERAS. Com a vin­da do di­ag­nós­ti­co, che­gam tam­bém as pre­o­cu­pa­ções e afli­ções, afi­nal, ain­da não foi des­co­ber­ta ne­nhu­ma cu­ra pa­ra con­ter o Alzhei­mer. En­tre­tan­to, pe­que­nas ações do dia a dia po­dem pre­ve­nir e até mes­mo con­tro­lar o pro­ble­ma que cos­tu­ma afe­tar as pes­so­as já na ter­cei­ra ida­de, com mais de 60 anos. Ca­rac­te­ri­za­da pe­la di­mi­nui­ção das fun­ções ce­re­brais, a do­en­ça tem iní­cio com a re­du­ção da cha­ma­da “me­mó­ria

“Com o avan­ço da do­en­ça, vê-se o com­pro­me­ti­men­to glo­bal em vá­ri­as áre­as, com pre­juí­zo das fun­ções cog­ni­ti­vas. Mui­tos fa­mi­li­a­res re­la­tam a sen­sa­ção do pa­ci­en­te es­tar re­gre­din­do, vi­ran­do cri­an­ça”, Evelyn Vi­no­cur, neu­rop­si­qui­a­tra

cur­ta”, ou se­ja, aque­la em que é pos­sí­vel se re­cor­dar das fun­ções mais bá­si­cas do dia a dia, co­mo apa­gar o fo­go de uma pa­ne­la, ti­rar o fer­ro de pas­sar da to­ma­da, den­tre ou­tras si­tu­a­ções. “A do­en­ça se ini­cia de for­ma len­ta, com a per­da de me­mó­ria sen­do o prin­ci­pal sin­to­ma. Es­sa per­da de me­mó­ria aco­me­te in­for­ma­ções re­cen­tes (o pa­ci­en­te con­se­gue se lem­brar de sua in­fân­cia, mas não lem­bra o que co­meu ou on­de foi on­tem), atra­pa­lha as ati­vi­da­des diá­ri­as, faz com que o pa­ci­en­te re­pi­ta a mes­ma coi­sa vá­ri­as ve­zes”, exem­pli­fi­ca o neu­ro­lo­gis­ta Flá­vio Se­keff Sal­lem. Por con­ta dis­so, as ações pre­ven­ti­vas de­vem ser in­se­ri­das no dia a dia e, ca­so a do­en­ça já es­te­ja ins­ta­la­da, os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os pre­ci­sam ser se­gui­dos à ris­ca, a fim de que a qua­li­da­de de vi­da do portador de Alzhei­mer não se­ja mui­to pre­ju­di­ca­da.“O pa­ci­en­te, em es­tá­gi­os mais avan­ça­dos, po­de se per­der na rua, por exem­plo. Pro­ble­mas de lin­gua­gem e re­co­nhe­ci­men­to de fa­mi­li­a­res ocor­rem tar­di­a­men­te”, com­ple­ta Sal­lem.

O QUE ACON­TE­CE?

Quan­do uma pes­soa es­tá com Alzhei­mer, ocor­re a per­da pro­gres­si­va da mas­sa ce­re­bral, tal co­mo a mor­te das cé­lu­las ner­vo­sas. Des­ta ma­nei­ra, to­das as fun­ções cor­po­rais vão sen­do afe­ta­das, des­de as mais sim­ples até as mais com­ple­xas. Co­mo con­sequên­cia, os ven­trí­cu­los (co­mo são cha­ma­dos os es­pa­ços na­tu­rais do cé­re­bro) au­men­tam de ta­ma­nho, cri­an­do vá­ri­as ca­vi­da­des mai­o­res do que o nor­mal. So­ma­do a is­so, acu­mu­la­dos de pro­teí­nas aca­bam se jun­tan­do às cé­lu­las ner­vo­sas res­tan­tes, fa­tor que es­tá sen­do es­tu­da­do pe­los ci­en­tis­tas co­mo uma pos­sí­vel cau­sa da agres­si­vi­da­de e avan­ço da do­en­ça. “O Alzhei­mer acar­re­ta a re­du­ção pro­gres­si­va da me­mó­ria e da fun­ção cog­ni­ti­va glo­bal, com pre­juí­zo das ha­bi­li­da­des in­te­lec­ti­vas pre­vi­a­men­te ad­qui­ri­das, com­pro­me­ten­do a área ocu­pa­ci­o­nal, so­ci­al, afe­ti­va e com­por­ta­men­tal. Ve­em-se pre­juí­zos em tor­no de 87% na me­mó­ria, de 70% na lin­gua­gem e de 45% pa­ra a par­te vi­su­o­es­pa­ci­al e aten­ção”, con­ta a neu­rop­si­qui­a­tra Evelyn Vi­no­cur. Pou­co a pou­co, o pa­ci­en­te vai per­den­do a cons­ci­ên­cia de su­as pró­pri­as fun­ções. O cé­re­bro, co­mo co­man­dan­te da má­qui­na tão com­ple­xa de­no­mi­na­da cor­po hu­ma­no, vai dei­xan­do de la­do o cos­tu­me de dar or­dens. No úl­ti­mo es­tá­gio da do­en­ça, o pa­ci­en­te ten­de a de­pen­der de ou­tras pes­so­as pa­ra tu­do, até o mo­men­to no qual ne­nhum me­ca­nis­mo do or­ga­nis­mo pas­se a fun­ci­o­nar de­vi­da­men­te; en­tre o di­ag­nós­ti­co ini­ci­al e o seu fa­le­ci­men­to, cal­cu­la-se de oi­to a dez anos de con­vi­vên­cia com o Alzhei­mer. “Na mai­o­ria das ve­zes, a cau­sa do óbi­to do pa­ci­en­te são com­pli­ca­ções clí­ni­cas du­ran­te a pro­gres­são neu­ro­ló­gi­ca, tal co­mo in­fec­ções, aci­den­tes vas­cu­la­res car­día­cos ou ce­re­brais ou em­bo­lia pul­mo­nar”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Leandro Te­les.

“Em es­tá­gi­os mais avan­ça­dos, o pa­ci­en­te po­de se per­der na rua, por exem­plo. Pro­ble­mas de lin­gua­gem e re­co­nhe­ci­men­to de fa­mi­li­a­res ocor­rem tar­di­a­men­te”, Flá­vio Se­keff Sal­lem, neu­ro­lo­gis­ta

DES­CO­BRIN­DO O PRO­BLE­MA

Em gran­de par­te dos pa­ci­en­tes, os sin­to­mas ini­ci­ais apa­re­cem e vão se agra­van­do com o tem­po. O portador po­de até não per­ce­ber que es­tá com a do­en­ça, en­tre­tan­to, os fa­mi­li­a­res e pes­so­as pró­xi­mas vão no­tar as mu­dan­ças que aco­me­te­rão não só as su­as ati­tu­des, mas tam­bém par­te da per­so­na­li­da­de. Po­rém, é pre­ci­so sa­ber dis­tin­guir: os sin­to­mas po­dem se as­se­me­lhar com es­tres­se ou o pro­ces­so “na­tu­ral” do en­ve­lhe­ci­men­to, no qual con­si­de­ra-se co­mum a di­mi­nui­ção do rit­mo das ati­vi­da­des ro­ti­nei­ras e na me­mó­ria do pa­ci­en­te (em­bo­ra exis­tam inú­me­ros ca­sos de ido­sos que vi­vem sem ne­nhum ti­po de in­ter­ven­ção ne­ga­ti­va nes­ta fa­se da vi­da). “Na mai­o­ria dos por­ta­do­res, os sin­to­mas nor­mal­men­te vão pi­o­ran­do gra­da­ti­va­men­te. De iní­cio, po­de pa­re­cer es­tres­se, se­ni­li­da­de da ida­de ou pro­ces­so de­pres­si­vo. As al­te­ra­ções cog­ni­ti­vas po­dem ser di­fu­sas e le­ves, con­fun­din­do a fa­mí­lia e até o mé­di­co. Mas com a pro­gres­são do qua­dro, fi­ca evi­den­te a per­da da me­mó­ria de cur­to pra­zo. É ela a pri­mei­ra a fi­car com­pro­me­ti­da”, co­men­ta Evelyn. A im­por­tân­cia de di­ag­nos­ti­car a do­en­ça pre­co­ce­men­te é in­dis­cu­tí­vel: quan­to mais ce­do for ini­ci­a­do o tra­ta­men­to, me­nos o portador do dis­túr­bio so­fre­rá com as con­sequên­ci­as. “Em­bo­ra ain­da não exis­ta um tra­ta­men­to de­fi­ni­ti­vo, a qua­li­da­de de vi­da e as ati­vi­da­des diá­ri­as me­lho­ram sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te quan­do se faz o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce e o pa­ci­en­te re­ce­be o de­vi­do tra­ta­men­to”, re­for­ça o neu­ro­lo­gis­ta An­dré Fe­li­cio.

ES­TÁ­GI­OS DA DO­EN­ÇA

O Alzhei­mer po­de ser di­vi­di­do em qua­tro fa­ses, ca­da qual ca­rac­te­ri­za­da por sin­to­mas di­fe­ren­tes, am­bos en­vol­ven­do a me­mó­ria: 1º ES­TÁ­GIO: o pa­ci­en­te pas­sa a sen­tir uma drás­ti­ca di­mi­nui­ção na me­mó­ria cur­ta, que exe­cu­ta as fun­ções mais co­muns da ro­ti­na. Guar­dar ob­je­tos em lu­ga­res inu­si­ta­dos, dei­xar de ali­men­tar os ani­mais de es­ti­ma­ção, es­que­cer as por­tas aber­tas, além de di­fi­cul­da­des ao co­zi­nhar e di­ri­gir são al­guns sin­to­mas. “O pa­ci­en­te se lem­bra bem do pas­sa­do, mas apre­sen­ta evi­den­te di­fi­cul­da­de em me­mo­ri­zar coi­sas mais atu­ais. Fi­ca es­que­ci­do, re­pe­ti­ti­vo, dei­xa de cum­prir com­pro­mis­sos e, aos pou­cos, vai per­den­do sua se­gu­ran­ça e in­de­pen­dên­cia”, exem­pli­fi­ca Te­les. 2º ES­TÁ­GIO: nes­te ca­so, o qua­dro co­me­ça a se agra­var. Fa­lar re­pe­ti­da­men­te as mes­mas coi­sas, di­fi­cul­da­de pa­ra re­co­nhe­cer pes­so­as que an­tes eram pró­xi­mas, alu­ci­na­ções, insô­nia, in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria e al­te­ra­ções sú­bi­tas de per­so­na­li­da­de mar­cam es­ta fa­se. “Po­dem sur­gir al­te­ra­ções com­por­ta­men­tais, co­mo apa­tia ou agres­si­vi­da­de, per­da pro­gres­si­va de au­to­no­mia, di­fi­cul­da­des de cál­cu­lo e lin­gua­gem, além de di­fi­cul­da­de mes­mo com me­mó­ri­as an­ti­gas, já con­so­li­da­das”, con­ta Te­les. 3º ES­TÁ­GIO: com o gran­de es­que­ci­men­to das fun­ções cog­ni­ti­vas e mo­to­ras, a pes­soa já não pas­sa a agir co­mo an­tes. As in­con­ti­nên­ci­as uri­ná­ri­as e fe­cais se agra­vam, além de as re­fei­ções já não po­de­rem ser fei­tas sem aju­da e su­per­vi­são. A fa­la dei­xa de ser exe­cu­ta­da, além de apa­re­ce­rem úl­ce­ras e de­mais in­fec­ções em di­fe­ren­tes áre­as do cor­po. “Exis­te a com­ple­ta in­ca­pa­ci­da­de pa­ra re­a­li­zar as ati­vi­da­des co­mo es­co­var den­tes, to­mar ba­nho e cui­dar de si pró­prio”, co­men­ta Sal­lem. 4º ES­TÁ­GIO: tam­bém co­nhe­ci­do co­mo ter­mi­nal, nes­ta fa­se a de­vas­ta­ção no cé­re­bro já é o su­fi­ci­en­te pa­ra fa­zer com que o cor­po não exe­cu­te ne­nhu­ma de su­as fun­ções co­mo de­ve­ria ser. É uma jun­ção po­ten­ci­a­li­za­da de to­dos os sin­to­mas an­te­ri­o­res. “Com a pro­gres­são sur­gem sin­to­mas mo­to­res co­mo en­gas­gos, per­da de equi­lí­brio, co­or­de­na­ção e for­ça mus­cu­lar. O pa­ci­en­te evo­lui pa­ra fran­ca de­te­ri­o­ra­ção neu­ro­ló­gi­ca glo­bal, fi­can­do res­tri­to a ca­dei­ra de ro­das e pos­te­ri­or­men­te à ca­ma, ge­ral­men­te em po­si­ção fe­tal”, fi­na­li­za Te­les.

Se­gun­do um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la As­so­ci­a­ção do Alzhei­mer, uma em ca­da seis mu­lhe­res é aco­me­ti­da pe­la do­en­ça Já em re­la­ção aos ho­mens, um em ca­da 10 so­fre com o pro­ble­ma

Cór­tex ce­re­bral Hi­po­cam­po (área res­pon­sá­vel pe­la me­mó­ria) Cé­re­bro nor­mal Cé­re­bro com Alzhei­mer Me­mó­ria Na ima­gem abai­xo, é pos­sí­vel ob­ser­var o que acon­te­ce com o cé­re­bro: o sau­dá­vel con­tém ca­vi­da­des me­no­res e a quan­ti­da­de de mas­sa ce­re­bral é mai­or, en­quan­to o afe­ta­do pe­lo Alzhei­mer es­tá vi­si­vel­men­te di­mi­nuí­do, fa­tor de­sen­ca­de­a­do pe­la per­da de mas­sa e pe­la mor­te das cé­lu­las ner­vo­sas

CON­SUL­TO­RIA An­dré Fe­li­cio e Flá­vio Se­keff Sal­lem, neu­ro­lo­gis­tas; Leandro Te­les, neu­ro­lo­gis­ta mem­bro da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Neu­ro­lo­gia (ABN); Evelyn Vi­no­cur, neu­rop­si­qui­a­tra FOTOS Shut­ters­tock Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.