LAR PRO­TE­GI­DO

Mui­tas ve­zes, a ca­sa do pa­ci­en­te com Par­kin­son pre­ci­sa ser mo­di­fi­ca­da pa­ra aten­der às su­as ne­ces­si­da­des

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

A ca­sa pre­ci­sa de cui­da­dos es­pe­ci­ais pa­ra se tor­nar um am­bi­en­te se­gu­ro pa­ra os por­ta­do­res da do­en­ça

“ÉU­MA DO­EN­ÇA NEU­RO­LÓ­GI­CA QUE CAU­SA TRE­MO­RES, LEN­TI­DÃO DE MO­VI­MEN­TOS, RI­GI­DEZ MUS­CU­LAR E DE­SE­QUI­LÍ­BRIO, ALÉM DE AL­TE­RA­ÇÕES NA FA­LA E NA ES­CRI­TA. Não é uma do­en­ça fa­tal, nem con­ta­gi­o­sa, tam­pou­co afe­ta a me­mó­ria ou a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al da pes­soa”, ex­pli­ca An­dré Li­ma, neu­ro­lo­gis­ta. Em­bo­ra os prin­ci­pais sin­to­mas do Par­kin­son não afe­tem o in­te­lec­to, a vi­da do pa­ci­en­te (in­clu­si­ve de sua fa­mí­lia) so­fre mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas ao lon­go do tem­po. Por­tan­to, adap­tar a ca­sa às ne­ces­si­da­des do portador da do­en­ça é fun­da­men­tal pa­ra ga­ran­tir seu bem-es­tar. Des­cu­bra al­gu­mas adap­ta­ções que po­dem ser fei­tas e ga­ran­ta mai­or qua­li­da­de de vi­da ao pa­ci­en­te.

NA PRÓ­PRIA CA­SA

Mui­tas do­en­ças exi­gem que o tra­ta­men­to e o acom­pa­nha­men­to se­jam fei­tos em clí­ni­cas ou hos­pi­tais (ocasionando in­ter­na­ções). Con­tu­do, ao con­trá­rio des­sas en­fer­mi­da­des, o Par­kin­son per­mi­te que o pa­ci­en­te con­ti­nue vi­ven­do em sua pró­pria ca­sa. In­clu­si­ve, é até mes­mo pos­sí­vel que a pes­soa mo­re so­zi­nha, mas tu­do de­pen­de do es­tá­gio da do­en­ça. “O Par­kin­son é oca­si­o­na­do por uma dis­fun­ção na área do cé­re­bro res­pon­sá­vel pe­los mo­vi­men­tos, prin­ci­pal­men­te aque­les que fa­ze­mos au­to­ma­ti­ca­men­te, co­mo an­dar, res­pi­rar e le­van­tar. A in­ter­na­ção só é in­di­ca­da pa­ra os es­tá­gi­os mui­to mais avan­ça­dos, quan­do já há com­pro­me­ti­men­to res­pi­ra­tó­rio, por exem­plo. Com tra­ta­men­to ade­qua­do, in­cluin­do me­di­ca­men­tos, fi­si­o­te­ra­pia e fo­no­au­di­o­lo­gia, o pa­ci­en­te po­de ter uma vi­da in­de­pen­den­te, com qua­li­da­de, por mui­tos anos”, es­cla­re­ce An­dré. Nes­se ca­so, adap­tar a ca­sa é ain­da mais im­por­tan­te, uma vez que o pa­ci­en­te vai con­ti­nu­ar vi­ven­do na­que­le am­bi­en­te.

HO­RA DE MU­DAN­ÇAS

De uma for­ma bem sim­ples, as prin­ci­pais mu­dan­ças que de­vem ser fei­tas na ca­sa de um pa­ci­en­te de Par­kin­son são as mes­mas pa­ra um lo­cal no qual vi­ve um ido­so, por exem­plo. “Al­gu­mas di­cas do que al­te­rar na re­si­dên­cia são: pi­so an­ti­der­ra­pan­te, cor­ri­mão em ba­nhei­ro, es­ca­das... Se a pes­soa já es­ti­ver com com­pro­me­ti­men­to mo­tor, de­ve ter cui­da­do com es­ca­das”, acon­se­lha o neu­ro­lo­gis­ta. Pen­san­do nis­so, co­nhe­ça ou­tras me­di­das que fa­ci­li­tam a vi­da da pes­soa que so­fre com a do­en­ça, aju­dan­do a su­pe­rar as li­mi­ta­ções oca­si­o­na­das por es­se pro­ble­ma: Or­ga­ni­ze a co­zi­nha e o quar­to, co­lo­can­do os ob­je­tos mais usa­dos em um lu­gar de fá­cil aces­so; Evi­te a uti­li­za­ção de ta­pe­tes es­cor­re­ga­di­os; Se pos­sí­vel, ins­ta­le um chu­vei­ro de mão; Com­pre uma ca­dei­ra de ba­nho; Ins­ta­le bar­ras de apoio nos cô­mo­dos mais fre­quen­ta­dos pe­lo pa­ci­en­te.

NO MO­MEN­TO DE DOR­MIR

“A pes­soa com a do­en­ça de Par­kin­son tem di­fi­cul­da­de de se mo­vi­men­tar na ca­ma e de tro­car de po­si­ção. Por is­so, às ve­zes, ela acor­da com o cor­po do­lo­ri­do. Mas não exis­te uma po­si­ção de­ter­mi­na­da pa­ra ela dor­mir. O in­di­ca­do é que a pes­soa dur­ma da for­ma que se sen­tir mais con­for­tá­vel”, ex­pli­ca An­dré. Em ou­tras pa­la­vras, sem­pre que for pos­sí­vel, o mais in­di­ca­do é que a ca­ma se­ja ajus­ta­da às ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas do pa­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir mai­or con­for­to e qua­li­da­de de so­no.

PA­CI­ÊN­CIA É FUN­DA­MEN­TAL

Com o pas­sar do tem­po e com a pro­gres­são da do­en­ça (já que ela não apre­sen­ta cu­ra), a pes­soa com Par­kin­son co­me­ça a ter sua mo­bi­li­da­de fí­si­ca com­pro­me­ti­da. Com is­so, su­as ati­vi­da­des diá­ri­as aca­bam sen­do pre­ju­di­ca­das, ou se­ja, são fei­tas de for­ma mais len­ta. “A len­ti­dão de mo­vi­men­tos é, tal­vez, o mai­or pro­ble­ma pa­ra o par­kin­so­ni­a­no, em­bo­ra es­se sin­to­ma não se­ja no­ta­do por ou­tras pes­so­as. Uma das pri­mei­ras coi­sas que os mem­bros da fa­mí­lia per­ce­bem é que o do­en­te de­mo­ra mais tem­po pa­ra fa­zer as coi­sas que an­tes fa­zia com mais de­sen­vol­tu­ra. Ba­nhar­se, ves­tir-se, co­zi­nhar e pre­en­cher che­ques, por exem­plo. Tu­do is­so le­va ca­da vez mais tem­po”, ex­pli­ca An­dré. As­sim, quem li­da com es­sa pes­soa pre­ci­sa com­pre­en­der es­sa no­va re­a­li­da­de, is­to é, ter pa­ci­ên­cia e tem­po dis­po­ní­vel. Ca­so os fa­mi­li­a­res per­ce­bam que não con­se­gui­rão cui­dar do pa­ci­en­te da for­ma mais apro­pri­a­da, é pos­sí­vel con­tra­tar um cui­da­dor, que po­de ser um en­fer­mei­ro, por exem­plo. Con­tu­do, nem sem­pre es­sa me­di­da é ne­ces­sá­ria, uma vez que de­pen­de do es­tá­gio da do­en­ça e de co­mo o pa­ci­en­te se en­con­tra. “É im­por­tan­te que a pes­soa ini­cie uma fi­si­o­te­ra­pia e um tra­ba­lho de fo­no­au­di­o­lo­gia. A ne­ces­si­da­de ou não de cui­da­dor vai de­pen­der de ca­da ca­so”, fi­na­li­za o pro­fis­si­o­nal.

“Com a me­di­ca­ção cor­re­ta, o tra­ta­men­to de fi­si­o­te­ra­pia, a te­ra­pia com psi­có­lo­gos e a fo­no­au­di­o­lo­gia é pos­sí­vel ga­ran­tir mai­or in­de­pen­dên­cia ao pa­ci­en­te”, An­dré Li­ma, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.