É POS­SÍ­VEL PRE­VE­NIR

Al­gu­mas me­di­das po­dem ser to­ma­das ao lon­go da vi­da pa­ra pro­te­ger a saú­de do cé­re­bro

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Di­cas de pre­ven­ção pa­ra dri­blar o de­sen­vol­vi­men­to do Par­kin­son e ga­ran­tir mais saú­de no e es­ta­bi­li­da­de

OPARKINSON É CA­RAC­TE­RI­ZA­DO CO­MO UMA DO­EN­ÇA DEGENERATIVA DE CAU­SA DES­CO­NHE­CI­DA, lo­go, de­ter­mi­nar os fa­to­res que le­vam à au­sên­cia da do­pa­mi­na no cé­re­bro in­fe­liz­men­te ain­da não foi pos­sí­vel. En­tre­tan­to, as pes­qui­sas não pa­ram; no­vos es­tu­dos sur­gem a ca­da dia su­ge­rin­do tra­ta­men­tos com o ob­je­ti­vo de es­tag­nar o avan­ço da do­en­ça e, até mes­mo, cu­rá-la. En­quan­to es­sa ex­pec­ta­ti­va não se con­cre­ti­za, os tra­ta­men­tos me­di­ca­men­to­sos e al­ter­na­ti­vos (co­mo as te­ra­pi­as) são as for­mas mais uti­li­za­das de con­ter o pro­ble­ma. “Po­de ser di­fí­cil per­ce­ber a di­fe­ren­ça en­tre al­te­ra­ções nas fun­ções cog­ni­ti­vas re­sul­tan­tes do pro­ces­so na­tu­ral de en­ve­lhe­ci­men­to e os sin­to­mas que po­de­rão tra­du­zir a ins­ta­la­ção de um qua­dro pa­to­ló­gi­co. Por­tan­to, a pro­cu­ra de um pro­fis­si­o­nal da área de saú­de pa­ra uma ava­li­a­ção das con­di­ções do ido­so e um di­ag­nós­ti­co cor­re­to, é fun­da­men­tal”, re­for­ça a psi­có­lo­ga An­dreia Ge­or­ges. Mas afi­nal, exis­tem há­bi­tos que de­vem ser ad­qui­ri­dos du­ran­te a vi­da pa­ra que o Par­kin­son não se ins­ta­le jun­ta­men­te a avan­ço da ida­de?

A BA­SE PRIN­CI­PAL

Ado­tar há­bi­tos que pro­te­gem a saú­de do cé­re­bro, di­re­ta­men­te, é uma sá­bia es­co­lha a se fa­zer du­ran­te to­das as fa­ses da vi­da. É por meio da pre­ven­ção da saú­de des­te ór­gão tão im­por­tan­te que se di­mi­nui o ris­co de de­sen­vol­ver gran­de par­te das do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas (não ne­ces­sa­ri­a­men­te o Par­kin­son). Em­bo­ra fa­to­res co­mo he­re­di­ta­ri­e­da­de, gê­ne­ro e ex­po­si­ção a subs­tân­ci­as no­ci­vas, por exem­plo, se­jam es­tu­da­dos a fim de com­pro­var se exis­te ou não uma li­ga­ção di­re­ta com o dis­túr­bio, o fa­to é que evi­tar há­bi­tos pre­ju­di­ci­ais tra­zem be­ne­fí­ci­os à to­das as áre­as da saú­de e, cer­ta­men­te, es­te é um mo­ti­vo ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te a ser con­si­de­ra­do. “Exis­tem vá­ri­as di­cas que au­xi­li­am a man­ter uma boa qua­li­da­de de vi­da. O im­por­tan­te é se­guir a ori­en­ta­ção da equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar que po­de as­ses­so­rar o pa­ci­en­te di­an­te de uma do­en­ça degenerativa, pois, além do tra­ta­men­to mé­di­co, tam­bém é im­por­tan­te o tra­ta­men­to fo­no­au­di­o­ló­gi­co, fi­si­o­te­ra­pêu­ti­co, nu­tri­ci­o­nal e psi­co­ló­gi­co, por exem­plo”, fri­za An­dreia. A se­guir, con­fi­ra al­gu­mas ati­tu­des diá­ri­as que aju­dam a po­ten­ci­a­li­zar a saú­de do cé­re­bro e pro­por­ci­o­nar a tão al­me­ja­da lon­ge­vi­da­de.

Leia mais!

Os be­ne­fí­ci­os da lei­tu­ra vão mui­to além do que se po­de ima­gi­nar. Além de pro­por­ci­o­nar a lem­bran­ça pro­fun­da de pa­la­vras que pos­si­vel­men­te não se usa com gran­de frequên­cia, o há­bi­to tam­bém traz tran­qui­li­da­de, pre­vi­ne o es­tres­se e afas­ta o mau-hu­mor. São ou não mo­ti­vos de so­bra pa­ra re­ti­rar aque­le li­vro es­que­ci­do da pra­te­lei­ra, já?

Re­ve­ja ve­lhos ami­gos

Pois é, os tem­pos bons não vol­tam mais. En­tre­tan­to, es­te não é um mo­ti­vo pa­ra dei­xá-los es­tag­na­dos em lem­bran­ças do pas­sa­do. Exer­ci­tar a men­te com acon­te­ci­men­tos an­ti­gos não só es­ti­mu­la o cé­re­bro co­mo tam­bém po­de pro­por­ci­o­nar bons mo­men­tos de la­zer.

Que tal um jo­go da me­mó­ria?

Di­ver­ti­dos e sim­ples de se­rem exe­cu­ta­dos, eles são in­fa­lí­veis pa­ra dei­xar a me­mó­ria afi­a­da. Que­bra-ca­be­ças, pa­la­vras cru­za­das e de­mais jo­gos que exi­jam um pou­qui­nho mais do cé­re­bro tam­bém são mui­to bem-vin­dos.

Exer­ci­te a es­cri­ta

Di­gi­tar tem se tor­na­do um há­bi­to ca­da vez mais co­mum, o que, ine­vi­ta­vel­men­te, aca­ba dei­xan­do o exer­cí­cio da le­tra cur­si­va pa­ra trás, há­bi­to tão pra­ti­ca­do na in­fân­cia. En­tre­tan­to, tra­zer de vol­ta o exer­cí­cio des­ta fun­ção mo­to­ra tão sim­ples tam­bém con­tri­bui pa­ra que o cé­re­bro con­ti­nue tra­ba­lhan­do a to­do va­por.

“Exer­ci­tar-se men­tal­men­te por meio de ati­vi­da­des que exi­jam mais da men­te, co­mo apren­der um ins­tru­men­to mu­si­cal ou uma lín­gua no­va, além de pra­ti­car a lei­tu­ra re­gu­lar de li­vros ou es­cre­ver, po­de de­sa­ce­le­rar ou evi­tar a evo­lu­ção de do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas”, Flá­vio Se­keff Sal­lem, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.