DIAGNOSTICANDO O PAR­KIN­SON

A iden­ti­fi­ca­ção pre­co­ce do Par­kin­son au­men­ta a qua­li­da­de de vi­da e di­mi­nui as chan­ces de com­pli­ca­ções

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Os in­dí­ci­os da do­en­ça po­dem ser per­ce­bi­dos com a evo­lu­ção do qua­dro e no­ta­dos a olho nu

NÃO É PRE­CI­SO ES­PE­RAR QUE O QUA­DRO ES­TE­JA AVAN­ÇA­DO PA­RA DES­CO­BRIR QUE A DO­EN­ÇA SE FAZ PRE­SEN­TE. Em­bo­ra o prin­ci­pal sin­to­ma do Par­kin­son se­ja o tre­mor – ini­ci­al­men­te na re­gião das mãos -, ou­tras re­a­ções do cor­po tam­bém po­dem de­nun­ci­ar a sua pre­sen­ça, co­mo cons­ti­pa­ção in­tes­ti­nal, ri­gi­dez nos mús­cu­los (in­clu­si­ve os in­fe­ri­o­res), dis­fun­ções psi­co­ló­gi­cas (co­mo es­tres­se e an­si­e­da­de e ten­sões fre­quen­tes) e le­ves lap­sos de me­mó­ria. “A par­tir des­ses in­dí­ci­os é que se ob­tém o di­ag­nós­ti­co da do­en­ça, pa­ra quan­do não há ou­tros exa­mes. Em al­gu­mas pes­so­as ou­tros si­nais po­dem ocor­rer mas, por não se­rem tão evi­den­tes, aca­bam não le­van­do ao di­ag­nós­ti­co ime­di­a­to. Fra­que­za, de­pres­são e can­sa­ço são al­guns exem­plos”, re­for­ça a neu­ro­lo­gis­ta Van­der­ci Bor­ges.

“As chan­ces de de­sen­vol­ver a do­en­ça au­men­tam con­for­me o avan­ço da ida­de. Mas é pos­sí­vel que ocor­ra em pa­ci­en­tes mais jo­vens, até em ado­les­cen­tes, quan­do cos­tu­mam ser por­ta­do­ras de tais ca­rac­te­rís­ti­cas ge­né­ti­cas”, Van­der­ci Bor­ges, neu­ro­lo­gis­ta

No­vi­da­de à vis­ta

As pes­qui­sas que en­vol­vem a me­di­ci­na e su­as ver­ten­tes não pa­ram e, re­cen­te­men­te, che­gou ao Bra­sil um no­vo exa­me que po­de iden­ti­fi­car uma ga­ma de do­en­ças ra­ras, den­tre elas, o Par­kin­son. O mé­to­do, que é re­a­li­za­do pe­la em­pre­sa de aná­li­se genô­mi­ca Man­de­lics, é cha­ma­do Aná­li­se Clí­ni­ca do Exo­ma, um exa­me que ava­lia as al­te­ra­ções no nú­me­ro e con­teú­do da sequên­cia de mais de 20mil ge­nes de uma só vez, po­den­do iden­ti­fi­car mi­lha­res de do­en­ças em um úni­co tes­te e com ape­nas uma amos­tra de san­gue. É uma no­va op­ção pa­ra ser tes­ta­da em por­ta­do­res da Par­kin­son, de mo­do a fa­ci­li­tar o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce e au­men­tar as chan­ces de re­tar­dar os sin­to­mas da do­en­ça. Em­bo­ra a do­en­ça atin­ja em mai­o­ria a po­pu­la­ção ido­sa, ca­sos ra­ros po­dem se ma­ni­fes­tar em pes­so­as mais jo­vens. “A ida­de de iní­cio do Par­kin­son po­de ser mui­to va­ri­a­da e, exis­tem re­la­tos de iní­cio tão pre­co­ce quan­to a se­gun­da dé­ca­da de vi­da e iní­cio mui­to tar­dio, co­mo a sé­ti­ma ou oi­ta­va dé­ca­da de vi­da. Na mai­o­ria dos ca­sos, o iní­cio do qua­dro ten­de a ser dos 50 anos em di­an­te”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Da­ni­el Cam­pi­nho Scha­ch­ter.

IN­VES­TI­GA­ÇÃO PRO­FUN­DA

Em­bo­ra os sin­to­mas ini­ci­ais se­jam im­por­tan­tes pa­ra iden­ti­fi­car a do­en­ça, na­da mais com­ple­to do que uma aná­li­se clí­ni­ca pa­ra ob­ter o di­ag­nós­ti­co pre­ci­so do Par­kin­son. Pa­ra is­so, uma ava­li­a­ção neu­ro­ló­gi­ca – cha­ma­da anam­na­se – é fun­da­men­tal. Ne­la, ques­tões so­bre to­do o his­tó­ri­co de vi­da do pa­ci­en­te se­rão abor­da­das, de mo­do a co­lher da­dos so­bre há­bi­tos, his­tó­ri­co fa­mi­li­ar e, é cla­ro, di­ver­sos sin­to­mas que po­dem acom­pa­nhar a do­en­ça. Con­for­me as res­pos­tas fo­rem se apro­xi­man­do de um pos­sí­vel di­ag­nós­ti­co po­si­ti­vo, de­mais exa­mes se­rão re­a­li­za­dos co­mo for­ma de “des­car­tar” de­mais pa­to­lo­gi­as que pos­sam com­par­ti­lhar das mes­mas sen­sa­ções. O acom­pa­nha­men­to clí­ni­co fre­quen­te tam­bém de­ve­rá pas­sar in­te­grar a vi­da do pa­ci­en­te. Is­to por­que, com ba­se na re­a­li­za­ção exa­mes ro­ti­nei­ros, tor­na-se pos­sí­vel ava­li­ar se o qua­dro con­ti­nua avan­çan­do ou não, fa­tor pri­mor­di­al pa­ra a ob­ten­ção da res­pos­ta fi­nal. Pa­ra que is­so se­ja viá­vel, res­so­nân­ci­as mag­né­ti­cas e de­mais exa­mes não ima­gé­ti­cos, co­mo os fun­ci­o­nais, são de ex­tre­ma im­por­tân­cia. “Vá­ri­os es­tu­dos mos­tram que exis­tem de­ter­mi­na­dos per­fis ge­né­ti­cos as­so­ci­a­dos à do­en­ça, mas es­tes ge­nes iso­la­da­men­te não pro­vo­cam o Par­kin­son. Acre­di­ta-se que exis­ta al­gum ti­po de “ga­ti­lho” ex­ter­no que, as­so­ci­a­do ao ge­ne, pro­vo­que a do­en­ça”, co­men­ta Scha­ch­ter.

BA­TE­RIA DE EXA­MES

Pa­ra que o Par­kin­son pos­sa ser iden­ti­fi­ca­do com se­gu­ran­ça, exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais ten­tem a ser re­a­li­za­dos. “O di­ag­nós­ti­co do Par­kin­son é emi­nen­te­men­te cli­ni­co. En­tre­tan­to, po­dem ser fei­tos al­guns exa­mes com­ple­men­ta­res, tais co­mo a res­so­nân­cia mag­né­ti­ca do cé­re­bro, cin­ti­lo­gra­fia do cé­re­bro e ele­tro­mi­o­gra­fia, mas eles ser­vem tão so­men­te pa­ra afas­tar ou­tras cau­sas de hi­per­con­tra­ti­li­da­de mus­cu­lar e tre­mo­res”, con­ta o clí­ni­co ge­ral Jo­sé Luiz Ra­ni­e­ri. To­das as so­li­ci­ta­ções fei­tas pe­lo mé­di­co são mui­to im­por­tan­tes pa­ra que a do­en­ça pos­sa ser con­tro­la­da e que não cau­se da­nos pos­te­ri­o­res gra­ves. Pa­ra is­so, a com­pres­são e em­pe­nho do pa­ci­en­te são fa­to­res fundamentais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.