HÁ­BI­TOS PE­RI­GO­SOS!

Al­guns há­bi­tos po­dem pre­ju­di­car a saú­de do cé­re­bro e ou­tras áre­as do cor­po, de for­ma a co­la­bo­rar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do Alzhei­mer. Fi­que lon­ge de­les!

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Fi­que por den­tro de ati­tu­des pe­ri­go­sas e que po­dem in­flu­en­ci­ar di­re­ta­men­te o de­sen­vol­vi­men­to do Alzhei­mer

EM­BO­RA AIN­DA NÃO SE TE­NHA UMA CON­CLU­SÃO EXA­TA SO­BRE A VER­DA­DEI­RA CAU­SA DO ALZHEI­MER, é pos­sí­vel afir­mar que al­guns há­bi­tos - co­mo ta­ba­gis­mo e al­co­o­lis­mo -, além de al­gu­mas do­en­ças, ten­dem a pre­ju­di­car as ati­vi­da­des ce­re­brais. Por is­so, man­ter a saú­de sem­pre em or­dem é fun­da­men­tal pa­ra afas­tar o ris­co do Alzhei­mer: exa­mes de ro­ti­na, pa­ra ve­ri­fi­car ma­les co­mo co­les­te­rol, pres­são al­ta e di­a­be­tes po­dem di­mi­nuir con­si­de­ra­vel­men­te as chan­ces de so­frer com a de­ge­ne­ra­ção. “A pre­ven­ção do apa­re­ci­men­to da do­en­ça po­de se dar atra­vés do con­tro­le de al­guns fa­to­res de ris­co co­mo con­tro­le de hi­per­ten­são, di­a­be­tes, co­les­te­rol ou tri­gli­cé­ri­des ele­va­do, bem co­mo ces­sar o ta­ba­gis­mo, fa­zer exer­cí­cio fí­si­co com re­gu­la­ri­da­de, man­ter ati­vi­da­de cog­ni­ti­va e ter uma vi­da ati­va e sau­dá­vel”, ex­pli­ca a neu­ro­lo­gis­ta Sonia Bruc­ki.

CÉ­RE­BRO PRE­JU­DI­CA­DO

A qua­li­da­de de vi­da ba­seia-se em uma úni­ca pa­la­vra: pre­ven­ção. Por is­so, é im­por­tan­te des­ta­car que, quan­to mais há­bi­tos ne­ga­ti­vos se co­le­ci­o­na, mai­o­res são as chan­ces de ter uma ve­lhi­ce com pro­ble­mas. E es­se fa­to não se con­cen­tra ape­nas na fal­ta da prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas ou em uma ali­men­ta­ção ina­de­qua­da: a saú­de ce­re­bral po­de se pre­ju­di­car pe­lo so­no in­su­fi­ci­en­te, es­tres­se ex­ces­si­vo, fal­ta de es­tí­mu­los, an­si­e­da­de em de­ma­sia, con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas, ta­ba­gis­mo, den­tre ou­tros exem­plos. “Cé­re­bros mais sau­dá­veis es­tão na­tu­ral­men­te mais pro­te­gi­dos, ten­do uma evo­lu­ção len­ta e sin­to­mas gra­ves mais tar­di­os. Por is­so que cui­dar do cé­re­bro no de­cor­rer da vi­da, man­ter-se sem­pre ati­vo in­te­lec­tu­al­men­te e evi­tar e tra­tar do­en­ças que le­sam o cé­re­bro ou seus va­sos, tais co­mo hi­per­ten­são, di­a­be­tes, co­les­te­rol al­to, obe­si­da­de, trau­mas cra­ni­a­nos, al­co­o­lis­mo, ta­ba­gis­mo, en­tre ou­tros, evi­ta che­gar na ter­cei­ra ida­de com o cé­re­bro ‘mi­na­do’ por pa­to­lo­gi­as clí­ni­cas e com uma ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va li­mí­tro­fe pa­ra en­fren­tar a de­te­ri­o­ra­ção de um pos­sí­vel Alzhei­mer”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Leandro Te­les.

IN­TE­GRA­ÇÃO DO COR­PO E DA MEN­TE

Mas qual se­ria a de­fi­ni­ção de le­var uma vi­da sau­dá­vel? A saú­de es­tá di­re­ta­men­te li­ga­da à qua­li­da­de de vi­da, as­sim, um cor­po sem en­fer­mi­da­des e em sin­to­nia com uma men­te tran­qui­la e ati­va é o prin­cí­pio do bem-es­tar. Pa­ra che­gar a es­se equi­lí­brio, al­guns cui­da­dos de­vem ser ro­ti­nei­ros, tais co­mo com a ali­men­ta­ção, a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos e o es­tí­mu­lo ce­re­bral. Um or­ga­nis­mo li­vre de pro­ble­mas de saú­de es­tá, tam­bém, mais lon­ge de de­sen­vol­ver do­en­ças, in­cluin­do o Alzhei­mer. “En­tre­tan­to, não se sa­be co­mo re­du­zir os ris­cos do pro­ble­ma, pois o Alzhei­mer é uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va”, co­men­ta a psi­có­lo­ga Eli­a­na No­va­es Pro­có­pio de Araú­jo. O Alzhei­mer tem, ain­da, o agra­van­te de ser uma do­en­ça não to­tal­men­te des­bra­va­da, e fa­to­res ge­né­ti­cos des­co­nhe­ci­dos po­dem ter li­ga­ção com seu sur­gi­men­to. Por is­so, exis­tem ca­sos de pes­so­as que, mes­mo sau­dá­veis, fo­ram atin­gi­das pe­lo dis­túr­bio. Po­rém, a ci­ên­cia tem des­co­ber­to que es­tas são si­tu­a­ções mui­to pou­co re­cor­ren­tes se com­pa­ra­das a ca­sos de pes­so­as que ti­nham uma vi­da pou­co sau­dá­vel. Ape­sar de a mai­o­ria das do­en­ças sur­gi­rem com o pas­sar dos anos, é pre­ci­so cui­dar da saú­de des­de os pri­mei­ros me­ses de vi­da, já que to­da ação tem re­fle­xos no fu­tu­ro. Ou se­ja, não adi­an­ta co­me­çar a co­mer me­lhor e se exer­ci­tar so­men­te quan­do o cor­po mos­trar si­nais de des­gas­te: os sin­to­mas são, jus­ta­men­te, de­sen­ca­de­a­dos pe­lo des­cui­do do pas­sa­do.

“Es­tu­dos mos­tram a im­por­tân­cia de in­ter­ven­ções que pro­mo­vam a es­ti­mu­la­ção cog­ni­ti­va, os exer­cí­ci­os fí­si­cos, a in­te­gra­ção so­ci­al e o en­vol­vi­men­to ati­vo com a vi­da, que po­dem ser con­si­de­ra­dos es­tí­mu­los pre­ven­ti­vos”, Eli­a­na No­va­es Pro­có­pio de Araú­jo, psi­có­lo­ga

MEN­TE ATI­VA

Os cui­da­dos com a ali­men­ta­ção são in­ques­ti­o­ná­veis pa­ra a pre­ven­ção do Alzhei­mer, con­tu­do, a pre­o­cu­pa­ção com o exa­to lo­cal on­de a do­en­ça se de­sen­vol­ve não de­ve ser es­que­ci­da. “Exer­ci­tar-se men­tal­men­te, por meio de ati­vi­da­des que exi­jam tra­ba­lho do cé­re­bro, co­mo apren­der um ins­tru­men­to mu­si­cal ou uma lín­gua no­va, além de pra­ti­car a lei­tu­ra re­gu­lar de li­vros ou es­cre­ver, po­de de­sa­ce­le­rar ou evi­tar a evo­lu­ção da do­en­ça”, afir­ma o neu­ro­lo­gis­ta Flá­vio Se­keff Sal­lem. Man­ter o ór­gão fun­ci­o­nan­do a to­do va­por de­ve fa­zer par­te do pla­no de vi­da sau­dá­vel. É ne­ces­sá­rio pen­sar o cé­re­bro co­mo um mús­cu­lo que pre­ci­sa ser exer­ci­ta­do, ca­so con­trá­rio, ele atro­fia.

O PA­PEL DO EXER­CÍ­CIO FÍ­SI­CO

Exer­ci­tar-se es­tá li­ga­do a mui­tos be­ne­fí­ci­os ao cor­po: con­tro­le do pe­so, lon­ge­vi­da­de, saú­de men­tal, con­ví­vio so­ci­al e, cla­ro, pre­ven­ção de do­en­ças. En­tre elas, es­tá o Alzhei­mer. “Es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos têm com­pro­va­do que exer­cí­ci­os fí­si­cos re­gu­la­res po­dem, sim, re­tar­dar ou até mes­mo pre­ve­nir a do­en­ça, além de mui­tas ou­tras en­fer­mi­da­des crô­ni­cas e de­ge­ne­ra­ti­vas”, sa­li­en­ta a fi­si­o­te­ra­peu­ta Flá­via Schultz. No en­tan­to, é im­por­tan­te des­ta­car que as ati­vi­da­des fí­si­cas po­dem pre­ve­nir o dis­túr­bio des­de que se­jam re­gu­la­res e cons­tan­tes. “Ini­ci­ar as ati­vi­da­des após com­pro­me­ti­men­to avan­ça­do e de­ge­ne­ra­ção não irá re­sol­ver”, aler­ta Flá­via. Man­ter uma ro­ti­na ati­va de­ve ser fei­to aos pou­cos, mas pa­ra nun­ca mais sair do dia a dia. “A prá­ti­ca re­gu­lar de exer­cí­ci­os man­tém o cé­re­bro em ati­vi­da­de, di­mi­nuin­do em até 50% as chan­ces de de­sen­vol­ver Alzhei­mer. De­ve-se fa­zer 30 mi­nu­tos de ati­vi­da­de fí­si­ca de três a cin­co ve­zes por se­ma­na”, des­ta­ca a fi­si­o­te­ra­peu­ta Thais­sa Men­des. Na­ta­ção, tê­nis, ca­mi­nha­das, es­por­tes em equi­pe e até au­las de dan­ça são exem­plos de ati­vi­da­des fí­si­cas que pro­mo­vem o bem-es­tar. O que irá de­ter­mi­nar o me­lhor exer­cí­cio são a con­di­ção fí­si­ca e os há­bi­tos de vi­da de ca­da in­di­ví­duo, por­tan­to, pro­cu­re sem­pre ori­en­ta­ção es­pe­ci­a­li­za­da com pro­fis­si­o­nais an­tes de ini­ci­ar qual­quer trei­no.

OS PRE­JUÍ­ZOS DO CI­GAR­RO

Além de au­men­tar o ris­co de do­en­ças car­día­cas e de al­guns ti­pos de câncer – den­tre eles, de­ta­ca-se o de pul­mão – fu­mar ain­da po­de con­tri­buir pa­ra a des­trui­ção de cé­lu­las im­por­tan­tes pa­ra a ati­vi­da­de ce­re­bral, cau­sa di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da com o de­sen­vol­vi­men­to do Alzhei­mer. “Por meio al­te­ra­ções vas­cu­la­res (pres­são al­ta, di­a­be­tes, ta­ba­gis­mo, se­den­ta­ris­mo e obe­si­da­de po­dem le­var a le­sões ce­re­brais por da­no vas­cu­lar), po­de-se ini­ci­ar ou ace­le­rar fenô­me­nos que es­tão por bai­xo da fi­si­o­pa­to­lo­gia da do­en­ça de Alzhei­mer”, acres­cen­ta Sal­lem. Por is­so, pre­ve­nir é sem­pre o me­lhor re­mé­dio: não exis­te ga­ran­tia de que não fu­man­tes es­ta­rão li­vres do Alzhei­mer, mas, cer­ta­men­te, o ris­co de de­sen­vol­ver al­guns ti­pos de de­mên­ci­as – nas quais a do­en­ça se in­clui – são di­mi­nuí­dos pa­ra quem não fu­ma.

CON­SEQUÊN­CI­AS DO ÁL­CO­OL

Da mes­ma ma­nei­ra que ocor­re com o ci­gar­ro, o ál­co­ol tam­bém é um fa­tor de ris­co pa­ra que o Alzhei­mer de de­sen­vol­va, po­rém, es­sa as­so­ci­a­ção ain­da ne­ces­si­ta de mai­o­res pes­qui­sas. Is­so por­que es­tu­dos re­cen­tes re­a­li­za­dos com pes­so­as que con­su­mi­ram ál­co­ol em gran­des pro­por­ções du­ran­te a vi­da ti­ve­ram chan­ces me­no­res de de­sen­vol­ver al­gum ti­po de de­mên­cia em re­la­ção àque­las que fi­ze­ram uso des­se ti­po de be­bi­das de ma­nei­ra mo­de­ra­da. Por via das dú­vi­das, a di­ca é não abu­sar!

Ou­tros ris­cos de um ví­cio

Além de ace­le­rar o en­ve­lhe­ci­men­to e au­men­tar o ris­co de in­far­to e câncer de pul­mão, o ci­gar­ro tam­bém po­de pro­vo­car pro­ble­mas na saú­de men­tal. Quem fu­ma tem 70% mais chan­ces de so­frer de an­si­e­da­de e de­pres­são, com­pa­ra­dos aos não fu­man­tes, se­gun­do uma pes­qui­sa da Uni­ver­sity Col­le­ge Lon­don e da Fun­da­ção Car­día­ca Bri­tâ­ni­ca. Fo­ram ava­li­a­das 6.500 pes­so­as com mais de 40 anos – 18% dos fu­man­tes re­la­ta­ram so­frer com an­si­e­da­de e de­pres­são, con­tra 10% dos não fu­man­tes e 11,3% dos ex-fu­man­tes. Se­gun­do os ci­en­tis­tas, a ideia de que o ci­gar­ro ali­via o es­tres­se é equi­vo­ca­da, já que fu­mar es­tá, na ver­da­de, ali­vi­an­do os sin­to­mas de abs­ti­nên­cia, que são se­me­lhan­tes ao es­tres­se.

CON­SUL­TO­RIA An­dré Fe­li­cio, Flá­vio Se­keff Sal­lem, Leandro Te­les e Sonia Bruc­ki, neu­ro­lo­gis­tas; Eli­a­na No­va­es Pro­có­pio de Araú­jo, psi­có­lo­ga; Flá­via Schultz e Thais­sa Men­des, fi­si­o­te­ra­peu­tas FOTOS Shut­ters­tock Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.