MA­CO­NHA EM DIS­CUS­SÃO

En­ten­da co­mo uma subs­tân­cia da ma­co­nha po­de aju­dar no tra­ta­men­to de do­en­ças

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

En­ten­da as po­lê­mi­cas en­vol­ven­do o pa­pel te­ra­pêu­ti­co da er­va e su­as in­fluên­ci­as na men­te hu­ma­na 36

EM 2015, A AN­VI­SA – AGÊNCIA NA­CI­O­NAL DE VI­GI­LÂN­CIA SA­NI­TÁ­RIA – DE­CI­DIU LI­BE­RAR O USO TE­RA­PÊU­TI­CO DO CA­NA­BI­DI­OL (CBD) NO BRA­SIL. O com­pos­to saiu de uma lis­ta de subs­tân­ci­as proi­bi­das no país e pas­sa pa­ra uma lis­ta de subs­tân­ci­as con­tro­la­das. Mas o que is­so quer di­zer? Quais as van­ta­gens des­sa li­be­ra­ção? Se­gun­do a agência, a de­ci­são pos­si­bi­li­ta uma pes­qui­sa mais am­pla na área de de­sen­vol­vi­men­to me­di­ca­men­tos.

EN­TEN­DA A SUBS­TÂN­CIA

O ca­na­bi­di­ol é um dos 80 prin­cí­pi­os ati­vos pre­sen­tes na ma­co­nha, mas não é psi­co­a­ti­vo nem tó­xi­co, pois é ex­traí­do do cau­le e das fo­lhas da plan­ta. “Os ca­na­bi­nói­des apre­sen­tam afi­ni­da­de, se li­gam e ati­vam um sis­te­ma de re­cep­to­res es­pe­cí­fi­cos, cha­ma­dos CB1 e CB2, lo­ca­li­za­dos nos sis­te­mas ner­vo­so e imu­no­ló­gi­co, atra­vés do que exer­cem seu efei­to anal­gé­si­co”, ex­pli­ca Fer­nan­do Fi­guei­ra, che­fe do ser­vi­ço de Neu­ro­lo­gia do Hos­pi­tal São Fran­cis­co na Pro­vi­dên­cia de Deus. Se­gun­do o mé­di­co, ele po­de ser ad­mi­nis­tra­do por via trans­mu­co­sa (spray), por via oral ou in­je­tá­vel. “Já exis­te um me­di­ca­men­to apro­va­do pa­ra uso co­mer­ci­al em vá­ri­os paí­ses, com in­di­ca­ção, so­bre­tu­do, em es­pas­mos do­lo­ro­sos e do­res re­fra­tá­ri­as”, acres­cen­ta.

O co­me­ço

Re­la­tos de 2.700 a.C. mos­tram o cul­ti­vo e uso da ma­co­nha co­mo anal­gé­si­co e an­si­o­lí­ti­co na Chi­na. No fi­nal do sé­cu­lo 19, ci­gar­ros da plan­ta e ex­tra­to lí­qui­do eram in­di­ca­dos pa­ra in­du­zir ao so­no e con­tro­lar a bron­qui­te crô­ni­ca. De­pois da proi­bi­ção ao lon­go do sé­cu­lo 20, es­ta­dos ame­ri­ca­nos e al­guns paí­ses co­me­ça­ram a li­be­rar o uso mé­di­co da plan­ta.

LE­GA­LI­ZA­ÇÃO NO BRA­SIL

A de­ci­são de re­ti­rar o ca­na­bi­di­ol da lis­ta de proi­bi­dos foi to­ma­da pe­los di­re­to­res da An­vi­sa, uti­li­zan­do co­mo ba­se as in­di­ca­ções téc­ni­cas de que a subs­tân­cia iso­la­da não pro­duz de­pen­dên­cia e dos di­ver­sos es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos re­cen­tes que têm apon­ta­do pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de uso te­ra­pêu­ti­co do CBD. Com is­so, de­cla­ram não ha­ver mo­ti­vos pa­ra que ele per­ma­ne­ça proi­bi­do. A dis­cus­são so­bre a re­ti­ra­da do ca­na­bi­di­ol da lis­ta co­me­çou em maio do ano pas­sa­do, de­pois que fa­mí­li­as co­mo a da me­ni­na Anny (sai­ba mais ao la­do) en­tra­ram na Jus­ti­ça pa­ra ob­ter pro­du­tos à ba­se des­sa subs­tân­cia e tra­tar ca­sos gra­ves de epi­lep­sia. “O uso era ex­tre­ma­men­te res­tri­to an­tes da le­ga­li­za­ção. Ago­ra, ape­sar de ain­da ne­ces­si­tar de im­por­ta­ção, a si­tu­a­ção fi­cou mais fá­cil pa­ra as pes­qui­sas, pois o ca­na­bi­di­ol ain­da en­con­tra-se em fa­se de es­tu­do quan­to às su­as (pos­sí­veis e prováveis) uti­li­da­des e se­gu­ran­ça no uso a mé­dio e lon­go pra­zos”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Fa­bio Sawa­da Shi­ba.

PAR­KIN­SON E O CA­NA­BI­DI­OL

Uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da na re­vis­ta da As­so­ci­a­ção Bri­tâ­ni­ca de Far­ma­co­lo­gia, so­bre o uso me­di­ci­nal do ca­na­bi­di­ol mos­trou que es­sa subs­tân­cia po­de ser efi­caz no tra­ta­men­to de pa­ci­en­tes com Par­kin­son. Se­gun­do um dos co­or­de­na­do­res do es­tu­do, pe­la pri­mei­ra vez, o gru­po de vo­lun­tá­ri­os que in­ge­riu cáp­su­las con­ten­do ca­na­bi­di­ol apre­sen­tou me­lho­ras na qua­li­da­de de vi­da e no bem-es­tar. Du­ran­te seis se­ma­nas, a equi­pe mo­ni­to­rou 21 pa­ci­en­tes com Par­kin­son e, no fi­nal, foi cons­ta­ta­da me­lho­ra no qua­dro dos que in­ge­ri­ram ca­na­bi­di­ol na do­se de 75mg, e ain­da me­lhor na do­se de 300mg. Os pes­qui­sa­do­res di­zem que o mais im­por­tan­te é que o me­di­ca­men­to não apre­sen­ta efei­to co­la­te­ral, ao con­trá­rio dos já uti­li­za­dos.

OP­ÇÃO PA­RA O ALZHEI­MER

O gru­po de pes­qui­sa Me­mó­ria e Neu­ro­de­ge­ne­ra­ção, da Fa­cul­da­de de Bi­o­ci­ên­ci­as da PUC do Rio Gran­de do Sul, de­sen­vol­ve es­tu­dos so­bre a cau­sa do acú­mu­lo de fer­ro em re­giões do cé­re­bro, li­ga­das às do­en­ças de Par­kin­son e de Alzhei­mer. Uti­li­zan­do fer­ro co­mo mo­de­lo pa­ra de­clí­nio cog­ni­ti­vo, os pes­qui­sa­do­res es­tu­dam ele­men­tos que po­dem me­lho­rar a me­mó­ria, co­mo o ca­na­bi­di­ol. Em uma pes­qui­sa li­gan­do o acú­mu­lo de fer­ro no cé­re­bro e a subs­tân­cia, o gru­po in­ves­ti­gou as al­te­ra­ções no hi­po­cam­po (área ce­re­bral im­por­tan­te pa­ra a me­mó­ria), des­co­brin­do que o ca­na­bi­di­ol aju­dou o ní­vel de con­tro­le a vol­tar ao nor­mal. Os re­sul­ta­dos – pu­bli­ca­dos na re­vis­ta Mo­le­cu­lar Neu­ro­bi­o­logy – mos­tram uma hi­pó­te­se de que es­sa subs­tân­cia po­de man­ter a fun­ção da me­mó­ria por con­se­guir me­lho­rar a fun­ção si­náp­ti­ca e re­du­zir a mor­te ce­lu­lar.

Pri­mei­ro ca­so

Os pais de Anny, Ka­ti­e­le e No­ber­to Fisher, fi­ca­ram co­nhe­ci­dos no país, após a Jus­ti­ça con­ce­der, em abril de 2014, a au­to­ri­za­ção pa­ra a im­por­ta­ção do ca­na­bi­di­ol. A cri­an­ça, com 5 anos, so­fre de uma ra­ra do­en­ça cha­ma­da Sín­dro­me de Rett CDKL5, que che­gou a cau­sar cer­ca 60 cri­ses con­vul­si­vas em um úni­co dia. Jour­nal of Psy­cophar­ma­co­logy,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.