O QUE É PAR­KIN­SON

Sai­ba mais so­bre o Par­kin­son, uma das prin­ci­pais do­en­ças que atin­gem o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral dos ido­sos

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Do­en­ça atin­ge o sis­te­ma ner­vo­so e traz per­da de mo­vi­men­tos e tre­me­dei­ras in­vo­lun­tá­ri­as

DI­FI­CUL­DA­DES AO ES­CRE­VER, PE­QUE­NOS TRE­MO­RES NAS MÃOS E MÚS­CU­LOS MAIS RÍ­GI­DOS são al­guns dos sin­to­mas ini­ci­ais de uma do­en­ça sé­ria e que tem co­mo prin­ci­pal fa­tor de ris­co a ida­de avan­ça­da: o Par­kin­son. Ca­rac­te­ri­za­da por tre­mo­res prin­ci­pal­men­te na re­gião das mãos, seu avan­ço pro­gres­si­vo po­de até mes­mo atin­gir as de­mais fun­ções mo­to­ras do or­ga­nis­mo, com­pro­me­ten­do mui­tas ve­zes a fa­la, res­pi­ra­ção e até mes­mo as ca­pa­ci­da­des de lo­co­mo­ção. “O Par­kin­son é uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va que afe­ta os mo­vi­men­tos, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te o sis­te­ma mo­tor (de mo­vi­men­tos) extra-pi­ra­mi­dal. Es­te sis­te­ma atua, es­pe­ci­al­men­te, nos mo­vi­men­tos in­cons­ci­en­tes do cor­po, co­mo ca­mi­nhar, equi­lí­brio, es­cri­ta, en­tre ou­tros. Com a evo­lu­ção do pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo, es­tes mo­vi­men­tos ten­dem a fi­car pro­gres­si­va­men­te mais tra­va­dos e len­tos, tra­zen­do gran­de in­ca­pa­ci­da­de pa­ra o in­di­ví­duo”, fri­sa o neu­ro­lo­gis­ta Da­ni­el Cam­pi­nho Scha­ch­ter. O pro­ble­ma, que po­de se ini­ci­ar aos 55 anos de ida­de, de­pen­den­do do ca­so, ra­ra­men­te é di­ag­nos­ti­ca­do lo­go no iní­cio. Is­to por­que o pró­prio portador mui­tas ve­zes aca­ba não per­ce­ben­do os si­nais ini­ci­ais da do­en­ça, que são ob­ser­va­dos, em gran­de par­te, pe­las pes­so­as mais pró­xi­mas do cír­cu­lo fa­mi­li­ar e so­ci­al. O Par­kin­son tam­bém não es­co­lhe o gê­ne­ro: cos­tu­ma atin­gir tan­to mu­lhe­res quan­to ho­mens e, pa­ra que o qua­dro man­te­nha-se con­tro­la­do e não evo­lua pa­ra ou­tras áre­as do cor­po, o tra­ta­men­to de­ve ser re­a­li­za­do com to­do o cui­da­do e de­di­ca­ção.

ON­DE TU­DO CO­ME­ÇA

O cé­re­bro, co­man­dan­te ab­so­lu­to do cor­po hu­ma­no, con­ta com um neu­ro­trans­mis­sor cha­ma­do do­pa­mi­na, que cé­lu­las es­pe­ci­ais uti­li­zam pa­ra co­man­dar os mo­vi­men­tos cor­po­rais em uma área ce­re­bral de­no­mi­na­da subs­tân­cia ne­gra. A cau­sa do Par­kin­son es­tá di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da a es­sas cé­lu­las que, sem um mo­ti­vo ain­da com­pro­va­do ci­en­ti­fi­ca­men­te, são des­truí­das de ma­nei­ra pro­gres­si­va e len­ta. Por con­ta dis­so, as

“O Par­kin­son tam­bém po­de re­sul­tar em ou­tras al­te­ra­ções não mo­to­ras, co­mo di­fi­cul­da­de pa­ra dor­mir, cons­ti­pa­ção in­tes­ti­nal, al­te­ra­ção do ol­fa­to e até da par­te cog­ni­ti­va, em es­tá­gi­os mais avan­ça­dos da do­en­ça”, Van­der­ci Bor­ges, neu­ro­lo­gis­ta

con­tra­ções mus­cu­la­res vão se pre­ju­di­can­do ao lon­go do tem­po, pro­ble­ma que se agra­va ca­da vez mais se não tra­ta­do. Al­guns es­tu­dos su­ge­rem que mu­ta­ções ge­né­ti­cas e até mes­mo a ex­po­si­ção diretas a subs­tân­ci­as tó­xi­cas en­con­tra­das no meio am­bi­en­te po­dem es­tar re­la­ci­o­na­das ao apa­re­ci­men­to da do­en­ça, en­tre­tan­to, a prin­ci­pal cau­sa des­ta de­ge­ne­ra­ção ain­da é des­co­nhe­ci­da. “O Par­kin­son não pos­sui cau­sa es­pe­cí­fi­ca; vá­ri­os es­tu­dos mos­tram que exis­tem de­ter­mi­na­dos per­fis ge­né­ti­cos as­so­ci­a­dos à do­en­ça, mas es­tes ge­nes iso­la­da­men­te não pro­vo­cam a do­en­ça e, por­tan­to, acre­di­ta-se que de­va exis­tir al­gum ti­po de “ga­ti­lho” ex­ter­no que as­so­ci­a­do ao ge­ne pro­vo­ca a do­en­ça”, co­men­ta Da­ni­el.

QUAN­DO O COR­PO AVI­SA

Não é fá­cil iden­ti­fi­car ao cer­to em qual mo­men­to os sin­to­mas do Par­kin­son co­me­çam a apa­re­cer. Is­to por­que, ini­ci­al­men­te, eles são su­tis e não atra­pa­lham a ro­ti­na de ma­nei­ra brus­ca. Ge­ral­men­te, os tre­mo­res apa­re­cem quan­do o portador se­gu­ra um ob­je­to ou es­tá es­tá­ti­co, mas, as­sim que ini­cia al­gum ti­po de mo­vi­men­to, ele ces­sa. Por con­ta dis­so, mui­tas ve­zes ele não se dá con­ta de que há al­go er­ra­do com o or­ga­nis­mo e con­ti­nua le­van­do seus di­as nor­mal­men­te. “Em ter­mos lei­gos é pos­sí­vel des­cre­ver os sin­to­mas do Par­kin­son em dois as­pec­tos: a len­ti­dão dos mo­vi­men­tos (em es­pe­ci­al o ca­mi­nhar e os mo­vi­men­tos re­pe­ti­ti­vos) e o tre­mor. O ca­mi­nhar do portador de Par­kin­son é mui­to ca­rac­te­rís­ti­co: o in­di­ví­duo ca­mi­nha com os pés ar­ras­tan­do no chão, com os pas­sos cur­tos (nun­ca o calcanhar do pé da fren­te ul­tra­pas­sa a pon­ta do ou­tro pé). Ele ain­da ten­de a de­mo­rar pa­ra ini­ci­ar o ca­mi­nhar e mui­tas ve­zes tem di­fi­cul­da­des pa­ra pa­rar de pron­to. Ou­tra fa­ce­ta do ca­mi­nhar do Par­kin­son é a per­da do ba­lan­çar dos bra­ços; quan­do o in­di­ví­duo ca­mi­nha, is­to no iní­cio do qua­dro, po­de apa­re­cer ape­nas de um dos la­dos”, lis­ta Scha­ch­ter. Além dis­so, a di­mi­nui­ção da le­tra da pes­soa tam­bém é um si­nal co­mum e a di­fi­cul­da­de pa­ra de­sem­pe­nhar ta­re­fas do­més­ti­cas tam­bém, co­mo la­var a lou­ça, var­rer a ca­sa e ti­rar pó dos mó­veis. Per­ce­be-se mai­or len­ti­dão e me­nor pre­ci­são con­for­me es­tes mo­vi­men­tos são exe­cu­ta­dos, o que re­quer aten­ção. Com o avan­ço da do­en­ça, o tron­co do pa­ci­en­te tam­bém co­me­ça a sen­tir mai­o­res di­fi­cul­da­des. O cor­po, que an­tes era es­tá­vel, pas­sa a sen­tir um de­se­qui­lí­brio cons­tan­te, um ris­co e tan­to que po­de oca­si­o­nar tom­bos. “As que­das são um dos gran­des ris­cos pa­ra os pa­ci­en­te com Par­kin­son pois, fre­quen­te­men­te, re­sul­tam em fra­tu­ras e le­sões gra­ves, uma vez que o pa­ci­en­te cai sem con­se­guir se de­fen­der”, com­ple­ta o neu­ro­lo­gis­ta.

AJU­DA ES­PE­CI­A­LI­ZA­DA

So­men­te por meio de uma vi­si­ta a um pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­do se­rá pos­sí­vel sa­ber se o Par­kin­son es­tá ou não se ma­ni­fes­tan­do no or­ga­nis­mo. Des­ta ma­nei­ra, a do­en­ça po­de­rá ser in­ves­ti­ga­da e, ca­so os exa­mes re­ve­lem o re­sul­ta­do po­si­ti­vo, a gra­vi­da­de do qua­dro se­rá ava­li­a­da. “Al­guns AVCs em lo­cais es­pe­cí­fi­cos, vá­ri­os me­di­ca­men­tos, dro­gas ilí­ci­tas e subs­tân­ci­as quí­mi­cas po­dem pro­vo­car um qua­dro mui­to pa­re­ci­do com a do­en­ça de Par­kin­son, mas os sin­to­mas ten­dem a evo­luir e se com­por­tar de for­ma di­fe­ren­te da do­en­ça. Es­tes ca­sos são cha­ma­dos de Par­kin­so­nis­mos”, co­men­ta Da­ni­el. Lem­bran­do que os tre­mo­res po­dem es­tar li­ga­dos a ou­tras dis­fun­ções cor­po­rais, co­mo o “tre­mor es­sen­ci­al clás­si­co”, do­en­ça pou­co gra­ve de cau­sa ge­né­ti­ca e até mes­mo ques­tões pos­tu­rais, quan­do as ter­mi­na­ções ner­vo­sas se con­tra­em des­con­tro­la­da­men­te por con­ta de uma in­de­vi­da po­si­ção na qual a pes­soa se en­con­tra. O im­por­tan­te mes­mo é não es­pe­rar o qua­dro avan­çar. Ir ao mé­di­co re­gu­lar­men­te pro­por­ci­o­na di­ag­nós­ti­cos pre­ma­tu­ros e pro­lon­ga – e mui­to – a qua­li­da­de de vi­da.

Subs­tân­cia ne­gra, área res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção das cé­lu­las que uti­li­zam a do­pa­mi­na

O tre­mor é lem­bra­do co­mo o prin­ci­pal pro­ble­ma do Par­kin­son, en­tre­tan­to, exis­tem ou­tras do­en­ças que tam­bém são ca­rac­te­ri­za­das pe­lo sin­to­ma. Por is­so, a in­ves­ti­ga­ção mé­di­ca se faz fun­da­men­tal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.