DESVENDANDO O CÉ­RE­BRO

Em­bo­ra a prin­ci­pal cau­sa do Alzhei­mer não se­ja com­pro­va­da ci­en­ti­fi­ca­men­te, al­guns fa­to­res po­dem ser cul­pa­dos pe­la mai­o­ria dos ca­sos de in­ci­dên­cia da do­en­ça

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO - Es­tres­se, de­pres­são e ou­tros dis­túr­bi­os emo­ci­o­nais tam­bém po­dem con­tri­buir pa­ra a ace­le­ra­ção da do­en­ça

Co­nhe­ça um pou­co mais so­bre o or­ga­nis­mo e o que po­de tra­zer o Alzhei­mer à to­na!

INÚ­ME­RAS PES­QUI­SAS SÃO RE­A­LI­ZA­DAS ANU­AL­MEN­TE ACER­CA DO ALZHEI­MER E SEU DESENCADEAMENTO. Em­bo­ra ain­da não se sai­ba o re­al mo­ti­vo pa­ra o dis­túr­bio apa­re­cer, fi­ca cla­ro que o en­ve­lhe­ci­men­to é o fa­tor pri­mor­di­al. Po­dem até exis­tir ca­sos da do­en­ça em pes­so­as mais jo­vens, en­tre­tan­to, es­sas si­tu­a­ções são ra­rís­si­mas e não se tem co­nhe­ci­men­to so­bre a sua ver­da­dei­ra ra­zão. “Há um fa­tor de ris­co que não é pos­sí­vel evi­tar, que é o en­ve­lhe­ci­men­to. Sua ação pro­va­vel­men­te re­la­ci­o­na-se à di­fi­cul­da­de do sis­te­ma me­ta­bó­li­co ce­re­bral de ma­nu­se­ar de for­ma ade­qua­da os ra­di­cais li­vres e subs­tân­ci­as no­ci­vas que se acu­mu­lam ao lon­gos dos anos de­vi­do à ati­vi­da­de ce­re­bral in­ten­sa, le­van­do ao acú­mu­lo de pro­du­tos que po­de­ri­am de­sen­ca­de­ar a do­en­ça”, sa­li­en­ta o neu­ro­lo­gis­ta Flá­vio Se­keff Sal­lem. Além dis­so, os há­bi­tos de vi­da de ca­da um tam­bém são fa­to­res que de­vem ser ob­ser­va­dos com aten­ção: se­den­ta­ris­mo, fu­mo, con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas e até mes­mo a con­vi­vên­cia com subs­tân­ci­as tó­xi­cas pre­sen­tes no am­bi­en­te po­dem pre­ju­di­car as ati­vi­da­des ce­re­brais e re­sul­tar em uma pro­ba­bi­li­da­de mai­or pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do Alzhei­mer, as­sun­to que se­rá dis­cu­ti­do na ma­té­ria se­guin­te.

CO­MAN­DAN­TE SUSCETÍVEL

Res­pon­sá­vel por de­ter­mi­nar to­das as ações re­a­li­za­das pe­lo cor­po hu­ma­no, o cé­re­bro, co­mo a mai­o­ria dos ór­gãos, é frá­gil, e me­re­ce mui­tos cui­da­dos ao lon­go da vi­da. Is­to por­que, mui­tas ve­zes, o pro­ces­so

Aten­ção re­do­bra­da

In­fe­liz­men­te, qual­quer pes­soa es­tá su­jei­ta a de­sen­vol­ver a do­en­ça, que po­de atin­gir tan­to quem tem pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, quan­to não. “É pre­ci­so mui­to cui­da­do, pois a do­en­ça po­de aco­me­ter pes­so­as sem qual­quer his­tó­ri­co fa­mi­li­ar e pou­par aque­las com his­tó­ria fa­mi­li­ar rica em Alzhei­mer e, por­tan­to, mais pre­o­cu­pan­te”, des­ta­ca Sal­lem.

“De mo­do ge­ral, não é cor­re­to fa­lar de de­ter­mi­nis­mo ge­né­ti­co, mas sim de pre­dis­po­si­ção, e is­so ser­ve pa­ra a mai­o­ria dos ca­sos tí­pi­cos, que ocor­rem de for­ma len­ta­men­te pro­gres­si­va e após os 65 anos”, Leandro Te­les, neu­ro­lo­gis­ta

de en­ve­lhe­ci­men­to po­de ser cru­el com ele: o tem­po é o gran­de fa­tor de­sen­ca­de­an­te das do­en­ças que o atin­gem, já que é gra­ças a ele que ocor­re a per­da de neurô­ni­os (cha­ma­da de neu­ro­de­ge­ne­ra­ção) e a di­fi­cul­da­de de pro­du­zir e subs­ti­tuir as cé­lu­las ner­vo­sas (pro­ces­so de­no­mi­na­do neu­ro­plas­ti­ci­da­de). Com is­so, as ati­vi­da­des ce­re­brais fi­cam ca­da vez mais pre­ju­di­ca­das, mas is­to não sig­ni­fi­ca que irá acon­te­cer com to­do mun­do. É co­mum en­con­trar pes­so­as que já pas­sa­ram dos 80 anos com a men­te mui­to me­lhor do que as que pos­su­em 60, en­tre­tan­to, os fa­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra tal cau­sa são va­ri­a­dos: ge­né­ti­ca, boa ali­men­ta­ção, pró-ati­vi­da­de e bai­xos ní­veis de es­tres­se são al­guns de­les.

DE PAI PA­RA FI­LHO

Mui­tos es­tu­di­o­sos acre­di­tam que a ge­né­ti­ca é um fa­tor de ris­co pa­ra os ca­sos de Alzhei­mer e, re­al­men­te, es­te prin­cí­pio tem fun­da­men­to. “Exis­tem ca­sos com com­po­nen­te ge­né­ti­co de­ter­mi­nan­te, mas são a mi­no­ria. Qua­se sem­pre o que ocor­re é uma pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, her­da­da por vá­ri­os ge­nes, que se ma­ni­fes­ta a de­pen­der de fa­to­res am­bi­en­tais, co­mo a lon­ge­vi­da­de, a es­co­la­ri­da­de, as pa­to­lo­gi­as clí­ni­cas e ou­tros fa­to­res ain­da não com­ple­ta­men­te elu­ci­da­dos”, com­ple­men­ta o neu­ro­lo­gis­ta Leandro Te­les. Com ba­se na ob­ser­va­ção de his­tó­ri­cos fa­mi­li­a­res, é pos­sí­vel afir­mar que exis­te uma sus­ce­ti­bi­li­da­de mai­or do apa­re­ci­men­to da do­en­ça em pes­so­as que têm ca­sos na fa­mí­lia e, ain­da, fo­ram des­co­ber­tas mu­ta­ções ge­né­ti­cas que ex­pli­cam o fa­to de pes­so­as mais jo­vens so­fre­rem pre­co­ce­men­te com o Alzhei­mer. “Es­tas mu­ta­ções al­te­ram a for­ma co­mo uma pro­teí­na (o ami­loi­de), é me­ta­bo­li­za­da no cé­re­bro, fa­zen­do com que uma for­ma pa­to­ló­gi­ca (cau­sa­do­ra de do­en­ça) des­sa pro­teí­na (o be­ta-ami­loi­de) de­po­si­te-se nos va­sos ce­re­brais, al­te­ran­do o fun­ci­o­na­men­to dos neurô­ni­os e de su­as cé­lu­las de su­por­te, (as cé­lu­las gli­ais)”, es­cla­re­ce Sal­lem. Po­rém, não é sem­pre que es­te fa­to se com­pro­va: em­bo­ra exis­ta es­ta pos­si­bi­li­da­de, o mais re­co­men­da­do pe­los es­pe­ci­a­lis­tas são as ati­tu­des pre­ven­ti­vas, fa­to­res pri­mor­di­ais pa­ra quem faz par­te des­te gru­po de “ris­co”. “Es­te com­po­nen­te ge­né­ti­co, ape­sar de sig­ni­fi­ca­ti­vo em al­guns pa­ci­en­tes e fa­mí­li­as, não tem in­di­ca­ção de di­ag­nós­ti­co na prá­ti­ca clí­ni­ca, pois sua pre­sen­ça ou au­sên­cia não ca­rac­te­ri­za me­lhor ou pi­or evo­lu­ção, e mui­to me­nos au­sên­cia ou pre­sen­ça de tra­ta­men­to”, fi­na­li­za o es­pe­ci­a­lis­ta.

SIN­TO­MAS

Ge­ral­men­te, pa­ra sa­ber se o pa­ci­en­te é portador do Alzhei­mer ou não, a equi­pe res­pon­sá­vel pe­lo tra­ta­men­to ten­de a re­a­li­zar di­ver­sos exa­mes pa­ra ex­cluir pos­sí­veis do­en­ças que pos­sam es­tar afe­tan­do a me­mó­ria. Só de­pois des­sas ex­clu­sões é que tor­na-se pos­sí­vel de­ter­mi­nar o pro­ble­ma, já que ain­da não exis­te um exa­me es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra es­sa ques­tão. Se­gun­do Leandro Te­les, os 10 sin­to­mas a se­guir são os mais co­muns en­tre os por­ta­do­res de Alzhei­mer: Frequên­cia al­ta de es­que­ci­men­tos Es­que­ci­men­to de coi­sas im­por­tan­tes co­mo: pa­gar con­tas, dei­xar o fo­gão aces­so e tran­car a ca­sa, por exem­plo Mu­dar de am­bi­en­te e es­que­cer o que foi fa­zer no ou­tro cô­mo­do Me­do dos fa­mi­li­a­res dei­xa­rem o pa­ci­en­te so­zi­nho (per­da da con­fi­a­bi­li­da­de e da in­de­pen­dên­cia) Ou­tras di­fi­cul­da­des as­so­ci­a­das (di­fi­cul­da­de de fa­zer con­tas, em ge­rir as pró­pri­as fi­nan­ças ou com­pre­en­der pro­gra­mas de te­le­vi­são, por exem­plo) Pa­ci­en­te re­pe­ti­ti­vo, per­gun­tan­do sem­pre as mes­mas coi­sas, mes­mo que já te­nham si­do ade­qua­da­men­te respondidas Re­cor­da­ção re­cor­ren­te de fa­tos do pas­sa­do, fo­ra de con­tex­to Pa­ci­en­te que se per­de com fa­ci­li­da­de em lo­cais co­nhe­ci­dos Pe­río­dos de con­fu­são men­tal quan­do con­trai al­gu­ma in­fec­ção Tro­ca re­cor­ren­te de no­mes e mem­bros da fa­mí­lia.

“Exis­tem ca­sos com com­po­nen­te ge­né­ti­co de­ter­mi­nan­te, mas são a mi­no­ria. Qua­se sem­pre o que ocor­re é uma pre­dis­po­si­ção ge­né­ti­ca, her­da­da por vá­ri­os ge­nes, que se ma­ni­fes­ta de­pen­den­do de fa­to­res am­bi­en­tais, co­mo a lon­ge­vi­da­de”, Leandro Te­les, neu­ro­lo­gis­ta

QUES­TÃO DE PRE­VEN­ÇÃO

Cui­dar do cé­re­bro por to­da a vi­da é um fa­tor pri­mor­di­al pa­ra afas­tar os ris­cos de de­sen­vol­ver Alzhei­mer. Is­so por­que pes­so­as que nem têm his­tó­ri­co fa­mi­li­ar e nem es­ti­ve­ram ex­pos­tas ex­ces­si­va­men­te à subs­tân­ci­as no­ci­vas tam­bém po­dem so­frer com o qua­dro. Pre­ve­nir a do­en­ça sig­ni­fi­ca, co­mo um to­do, ade­rir a há­bi­tos sau­dá­veis des­de sem­pre: usu­fruir do me­lhor que a ali­men­ta­ção tem a ofe­re­cer, dar adeus ao se­den­ta­ris­mo e, é cla­ro, man­ter a saú­de da men­te sem­pre es­tá­vel. “É pre­ci­so mui­to cui­da­do, pois a do­en­ça po­de aco­me­ter pes­so­as sem qual­quer his­tó­ri­co fa­mi­li­ar, co­mo tam­bém pou­par mui­tas com for­tes ten­dên­ci­as e mais pre­o­cu­pan­tes. Es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca é tí­pi­ca de do­en­ças com pre­dis­po­si­ção ge­ra­da por múl­ti­plos ge­nes e que de­pen­dem da in­te­ra­ção des­ses ge­nes com de­sen­ca­de­an­tes am­bi­en­tais”, acres­cen­ta Te­les.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.