FA­LAN­DO SO­BRE HI­GI­E­NE

Os cui­da­dos com a lim­pe­za cor­po­ral de­vem ser re­do­bra­dos no pa­ci­en­te de Alzhei­mer

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

A qua­li­da­de de vi­da pre­ci­sa ser man­ti­da e po­de ser ga­ran­ti­da com cui­da­dos sim­ples

OALZHEIMER É UMA DAS MUI­TAS DO­EN­ÇAS QUE CAU­SAM DE­MÊN­CIA, OCASIONANDO PRO­BLE­MAS DE­GE­NE­RA­TI­VOS NO PA­CI­EN­TE. Des­sa for­ma, com o pas­sar do tem­po e com o avan­ço de seus sin­to­mas, a pes­soa tor­na-se to­tal­men­te in­ca­paz de re­a­li­zar su­as ati­vi­da­des diá­ri­as, in­clu­si­ve aque­las re­la­ci­o­na­das à hi­gi­e­ne pes­so­al. “Mas a evo­lu­ção da do­en­ça po­de ser bas­tan­te len­ta e a pri­va­ção das ha­bi­li­da­des e as ne­ces­si­da­des de ca­da pes­soa irão se de­sen­vol­ver em rit­mos di­fe­ren­tes. Por is­so é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te que o cui­da­dor sai­ba iden­ti­fi­car as ne­ces­si­da­des de ca­da pes­soa, adap­tan­do-se às mu­dan­ças”, ex­pli­ca Edu­ar­do Ch­vai­cer, Mas­ter fran­que­a­do da Right At Home.

“Ou­tra ati­tu­de que po­de aju­dar o pa­ci­en­te de Alzhei­mer é o uso de rou­pas fá­ceis de se­rem ves­ti­das e ti­ra­das, co­mo aque­las que uti­li­zam vel­cro ao in­vés de bo­tões”, afir­ma Edu­ar­do Ch­vai­cer, Mas­ter fran­que­a­do da Right At Home CON­SUL­TO­RIA Edu­ar­do Ch­vai­cer, Mas­ter fran­que­a­do da Right At Home FO­TO Shut­ters­tock Images

Ou se­ja, os res­pon­sá­veis por dar am­pa­ro e pro­te­ção ao pa­ci­en­te tor­nam-se fundamentais pa­ra ga­ran­tir qua­li­da­de de vi­da ao portador de Alzhei­mer, cui­dan­do até mes­mo das ques­tões bá­si­cas de saú­de, co­mo ali­men­ta­ção e hi­gi­e­ne. “O cui­da­dor de­ve ser mui­to pa­ci­en­te, ten­tar man­ter as ro­ti­nas, in­cen­ti­var as ati­vi­da­des cog­ni­ti­vas, fí­si­cas e so­ci­ais e man­ter uma boa co­mu­ni­ca­ção”, acres­cen­ta Edu­ar­do, pro­pri­e­tá­rio de uma em­pre­sa es­pe­ci­a­li­za­da em cui­da­dos com ido­sos.

CO­MO MAN­TER OS CUI­DA­DOS EM DIA?

O do­en­te mui­tas ve­zes não tem mais a ca­pa­ci­da­de de fa­zer a hi­gi­e­ne pes­so­al ou po­de nem mes­mo per­ce­ber es­sa ne­ces­si­da­de. Nes­se ca­so, de acor­do com o pro­fis­si­o­nal, não adi­an­ta mais in­sis­tir, or­de­nar ou for­çar es­sa ati­tu­de. “Ten­te mos­trar os as­pec­tos agra­dá­veis do ba­nho, co­mo é gos­to­sa a água mor­na, o si­lên­cio, a tran­qui­li­da­de e o aro­ma. Aju­de no ba­nho, mas so­men­te quan­do ele já não ti­ver a ha­bi­li­da­de pa­ra is­so”, diz Edu­ar­do. Ou­tro pos­sí­vel pro­ble­ma é que o do­en­te po­de aca­bar se es­que­cen­do de ir ao ba­nhei­ro, não iden­ti­fi­car o lo­cal cor­re­to pa­ra fa­zer su­as ne­ces­si­da­des ou ter di­fi­cul­da­de em usar o va­so sa­ni­tá­rio. “Nes­se ca­so, é in­te­res­san­te e acon­se­lhá­vel fa­ci­li­tar as coi­sas pa­ra o pa­ci­en­te. Ou se­ja, lem­bre-o e le­ve-o cons­tan­te­men­te ao ba­nhei­ro, iden­ti­fi­que e ilu­mi­ne o lo­cal e o ca­mi­nho e uti­li­ze um as­sen­to ele­va­do e bar­ras de se­gu­ran­ça - não se es­que­ça de­las tam­bém no chu­vei­ro! E, se ne­ces­sá­rio, uti­li­ze fral­das hi­gi­ê­ni­cas”, com­ple­men­ta Edu­ar­do, que an­tes de ser em­pre­sá­rio do ra­mo, cui­dou do pai que so­fria com Alzhei­mer.

E A BO­CA?

A hi­gi­e­ne oral é um há­bi­to sau­dá­vel e agra­dá­vel que de­ve ser man­ti­do por to­da a vi­da. Per­da de den­tes, pró­te­ses mal ajus­ta­das, gen­gi­vi­tes (in­fla­ma­ção das gen­gi­vas) e di­mi­nui­ção do flu­xo sa­li­var são fa­to­res que po­dem oca­si­o­nar in­fec­ções na ca­vi­da­de oral. Con­tu­do, co­mo os mo­vi­men­tos do pa­ci­en­te vão fi­can­do ca­da vez mais pre­ju­di­ca­dos, ele não con­se­gue abrir a bo­ca e re­a­li­zar o pro­ce­di­men­to hi­gi­ê­ni­co de­se­ja­do. As­sim, o cui­da­dor po­de in­tro­du­zir de­li­ca­da­men­te uma es­pá­tu­la en­tre os den­tes do do­en­te e fa­zer mo­vi­men­tos ro­ta­tó­ri­os. E, ca­so não se­ja pos­sí­vel re­a­li­zar es­sa tá­ti­ca in­di­ca­da, tam­bém é pos­sí­vel uti­li­zar o pró­prio de­do in­di­ca­dor en­vol­to em ga­ze pa­ra que se­ja pos­sí­vel a hi­gi­e­ni­za­ção da re­gião bu­cal.

DI­CAS PRÁ­TI­CAS

Ano­te al­gu­mas me­di­das sim­ples que ga­ran­tem mai­or lim­pe­za cor­po­ral e bu­cal do pa­ci­en­te de Alzhei­mer: Mon­te ro­ti­nas de hi­gi­e­ne, de pre­fe­rên­cia com ■ ho­rá­rio fi­xo. Se o pa­ci­en­te re­cu­sar o ba­nho na­que­le mo­men­to, aguar­de e ten­te um pou­co mais tar­de. Man­te­nha-se aten­to ao uso ade­qua­do da ■ es­co­va den­tal. Além dis­so, ve­ri­fi­que a hi­gi­e­ne de pró­te­ses den­tá­ri­as e dos pro­du­tos uti­li­za­dos em sua hi­gi­e­ni­za­ção, pois é pre­ci­so re­ti­rar a pró­te­se e hi­gi­e­ni­zá-la ao fi­nal das re­fei­ções. No­te se o pa­ci­en­te fi­ca cons­tran­gi­do ao re­ce­ber ■ a aju­da de um cui­da­dor que se­ja do se­xo opos­to. Ca­so is­so ocor­ra, pro­cu­re a aju­da de um cui­da­dor do mes­mo se­xo.

Pa­pel da fa­mí­lia

Co­mo o Alzhei­mer não afe­ta ape­nas o do­en­te, mu­dan­do dras­ti­ca­men­te a vi­da dos fa­mi­li­a­res e ami­gos à sua vol­ta, é fun­da­men­tal des­ta­car que, de­pois de atin­gir um es­tá­gio mais avan­ça­do, os cui­da­dos pas­sam a ser fun­ções da pró­pria fa­mí­lia ou pro­fis­si­o­nais con­tra­ta­dos pa­ra is­so, jus­ta­men­te pe­lo fa­to de que o portador per­de a ca­pa­ci­da­de de cui­dar de si pró­prio. Es­pe­ci­al­men­te pa­ra pes­so­as com Alzhei­mer, o cui­da­dor fa­mi­li­ar de­ve ser pa­ci­en­te e fle­xí­vel, aju­dan­do no que for pre­ci­so, mas ten­tan­do in­cen­ti­var a in­de­pen­dên­cia. Além dis­so, é ide­al nun­ca dei­xá-los so­zi­nhos no ba­nhei­ro e re­mo­ver tran­cas e cha­ves das por­tas”, con­ta Edu­ar­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.