37 PER­GUN­TAS RESPONDIDAS SO­BRE O ALZHEI­MER

Ti­re su­as dú­vi­das a res­pei­to da do­en­ça

Coleção Almanaque da Saúde - - SU­MA­RIO -

25 PER­GUN­TAS RES­PON­DI­DAS SO­BRE ALZHEI­MER Des­ven­de as prin­ci­pais ques­tões que en­vol­vem a do­en­ça

UM DOS PRIN­CI­PAIS ALI­A­DOS CON­TRA O ALZHEI­MER É A IN­FOR­MA­ÇÃO! Ter su­as dú­vi­das es­cla­re­ci­das aju­da nos cui­da­dos com a do­en­ça e evi­ta er­ros co­muns. Bus­que sem­pre um pro­fis­si­o­nal que pos­sa in­di­car o me­lhor ca­mi­nho pa­ra o tra­ta­men­to e que au­xi­lie com a for­ma cor­re­ta de li­dar com o pro­ble­ma.

1 O ma­pe­a­men­to ge­né­ti­co po­de pre­ve­nir a do­en­ça?

Em re­la­ção ao Alzhei­mer de iní­cio tar­dio, por exem­plo, apre­sen­ta o en­vol­vi­men­to não só da ge­né­ti­ca, mas de fa­to­res am­bi­en­tais. As­sim, se a pes­soa sou­ber que tem a pre­dis­po­si­ção e tem co­mo pre­ve­nir, a aná­li­se se tor­na be­né­fi­ca. Po­rém, exis­tem ca­sos em que um dos pais po­de trans­mi­tir o ge­ne da do­en­ça pa­ra o fi­lho. Por is­so, pa­ra sa­ber se o ma­pe­a­men­to ge­né­ti­co va­le a pe­na, é im­por­tan­te con­ver­sar com um es­pe­ci­a­lis­ta e ava­li­ar os ris­cos do tes­te e das de­ci­sões a se­rem to­ma­das.

2 A co­bran­ça que al­guns jo­vens so­frem em es­tu­dos e tra­ba­lho, por exem­plo, po­de fa­zer com que ele de­sen­vol­va a de­mên­cia?

Não. Hi­pó­te­ses atu­ais de ‘’re­ser­va cog­ni­ti­va’’ su­ge­rem o efei­to apa­ren­te­men­te pro­te­tor do au­men­to da edu­ca­ção for­mal em re­tar­dar o apa­re­ci­men­to dos sin­to­mas do Alzhei­mer, mes­mo com al­te­ra­ções neu­ro­pa­to­ló­gi­cas com­pa­tí­veis com o di­ag­nós­ti­co da do­en­ça.

3 Co­mo é o tra­ta­men­to do Alzhei­mer?

A Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa) apro­vou 2 gru­pos de dro­gas pa­ra o tra­ta­men­to da de­mên­cia: os an­ti­co­les­te­rá­si­cos (ri­vas­tig­mi­na, ga­lan­ta­mi­na e do­ne­pe­zi­la), que agem no cé­re­bro, par­te mais afe­ta­da em fa­ses ini­ci­ais, e a (me­man­ti­na), an­ta­go­nis­ta do NM­DA, - ami­noá­ci­dos ex­ci­ta­tó­ri­os que in­du­zem a to­xi­ci­da­de neu­ro­nal - e in­te­ra­gem evi­tan­do per­tur­ba­ções cog­ni­ti­vas, úteis nas fa­ses mo­de­ra­da e gra­ve da do­en­ça.

4 Co­mo os me­di­ca­men­tos ci­ta­dos agem no or­ga­nis­mo?

Os an­ti­co­li­nes­te­rá­si­cos ini­bem a que­bra da ace­til­co­li­na (neu­ro­trans­mis­sor im­por­tan­te na co­mu­ni­ca­ção in­ter­neu­ro­nal) na fen­da si­náp­ti­ca. Acon­te­cen­do is­so, há mais ace­til­co­li­na dis­po­ní­vel e for­ta­le­ce a trans­mis­são dos si­nais no cé­re­bro. Já os an­ta­go­nis­tas do NM­DA (me­man­ti­na), agem ini­bin­do os even­tos ter­mi­nais que le­va­ri­am a mor­te neu­ro­nal.

5 Co­mo é o tra­ta­men­to em ca­da es­tá­gio?

No es­tá­gio le­ve de­ve­mos in­cen­ti­var os afa­ze­res com in­de­pen­dên­cia, mas com su­per­vi­são das ati­vi­da­des diá­ri­as. Na mo­de­ra­da, o ob­je­ti­vo é a pre­ven­ção de aci­den­tes e fa­ci­li­ta­ção do meio pa­ra exe­cu­tar ta­re­fas do dia a dia. Na gra­ve, su­por­te in­te­gral com de­pen­dên­cia to­tal. Na gra­vís­si­ma, me­di­das de su­por­te da vi­da or­gâ­ni­ca.

6 O tra­ta­men­to re­cu­pe­ra a me­mó­ria?

Os tra­ta­men­tos dis­po­ní­veis no mo­men­to, des­de que fei­to em fa­ses ini­ci­ais da do­en­ça, po­dem pro­por­ci­o­nar me­lho­ra na me­mó­ria, afe­ri­da por tes­tes neu­rop­si­co­ló­gi­cos e su­as di­ver­sas ba­te­ri­as pa­ra ava­li­a­ção des­ta es­fe­ra da cog­ni­ção. Evi­den­te­men­te, com o pas­sar do tem­po, es­se efei­to di­mi­nui pe­la pró­pria pro­gres­são do da­no nas cé­lu­las hi­po­cam­pais, res­pon­sá­veis pe­los pro­ces­sos re­la­ti­vos à me­mó­ria.

7 O pa­ci­en­te de­ve sa­ber da sua con­di­ção?

Es­sa si­tu­a­ção de­ve ser ana­li­sa­da ca­so a ca­so. Em fa­ses ini­ci­ais da do­en­ça, de­ve-se tra­çar o per­fil psi­co­ló­gi­co de ca­da pa­ci­en­te e da fa­mí­lia pa­ra de­fi­nir a me­lhor es­tra­té­gia de co­mu­ni­ca­ção.

8 Com que frequên­cia o pa­ci­en­te de­ve ir ao mé­di­co?

A frequên­cia é de 4-6 me­ses. O prin­ci­pal ob­je­ti­vo é re­a­li­zar os tes­tes cog­ni­ti­vos e ob­ser­var a cur­va de evo­lu­ção da do­en­ça. A de­tec­ção pre­co­ce de um au­men­to de ve­lo­ci­da­de de pro­gres­são pos­si­bi­li­ta­ria o uso de do­ses mais al­tas de an­ti­co­li­nes­te­rá­si­cos, per­mu­ta en­tre os mes­mos e acer­tar o mo­men­to ide­al de as­so­ci­ar a me­man­ti­na.

9 Psi­co­te­ra­pia po­de ame­ni­zar os sin­to­mas do Alzhei­mer?

Os ini­ci­ais, sim. No es­tá­gio le­ve do Alzhei­mer, sin­to­mas co­mo de­pres­são e agres­si­vi­da­de po­dem ser co­muns e a psi­co­te­ra­pia po­de aju­dar. A téc­ni­ca não fun­ci­o­na co­mo tra­ta­men­to es­pe­cí­fi­co das quei­xas cog­ni­ti­vas, mas po­de au­xi­li­ar nos sin­to­mas psí­qui­cos en­vol­vi­dos, prin­ci­pal­men­te, nas fa­ses pre­co­ces da pa­to­lo­gia.

10 A ho­me­o­pa­tia é re­co­men­da­da pa­ra quem so­fre de Alzhei­mer?

Sim. Exis­tem al­gu­mas subs­tân­ci­as ho­me­o­pá­ti­cas ca­pa­zes de ame­ni­zar sin­to­mas apre­sen­ta­dos pe­las pes­so­as com Alzhei­mer e ou­tras for­mas de de­mên­cia, mas é ne­ces­sá­ria uma en­tre­vis­ta per­so­na­li­za­da, pa­ra ana­li­sar além do es­ta­do do pa­ci­en­te, apro­fun­dan­do no his­tó­ri­co de pres­cre­ver o me­di­ca­men­to ma­ni­pu­la­do.

11 A es­ti­mu­la­ção ele­tro- mag­né­ti­ca be­ne­fi­cia quem tem a de­mên­cia?

A es­ti­mu­la­ção é fei­ta atra­vés de pul­sos mag­né­ti­cos e po­de ge­rar mu­dan­ças con­tro­la­das nos neurô­ni­os (cé­lu­las res­pon­sá­veis pe­la con­du­ção de im­pul­sos ner­vo­sos) de re­giões es­pe­cí­fi­cas do cé­re­bro, po­den­do ati­vá-los ou ini­bi-los. A téc­ni­ca tem si­do uti­li­za­da em qua­dros de de­pres­são, e em al­guns ca­sos, po­de ame­ni­zar os sin­to­mas do Alzhei­mer. A es­ti­mu­la­ção mag­né­ti­ca trans­cra­ni­a­na é um tra­ta­men­to que vem sen­do es­tu­da­do pa­ra uma ga­ma de pro­ble­mas psi­quiá­tri­cos e neu­ro­ló­gi­cos, po­den­do ser pro­mis­so­ra pa­ra o tra­ta­men­to da do­en­ça de Alzhei­mer. Quem de­fi­ne a quan­ti­da­de de ses­sões que o pa­ci­en­te de­ve­rá pas­sar é o psi­qui­a­tra.

12 Co­mo a aro­ma­te­ra­pia po­de au­xi­li­ar?

Com a aro­ma­te­ra­pia per­ce­be-se uma re­du­ção nas cri­ses de es­tres­se que en­vol­vem os pa­ci­en­tes de Alzhei­mer, por­que há mai­or equi­lí­brio das emo­ções.

13 A acu­pun­tu­ra po­de au­xi­li­ar quem so­fre com a de­mên­cia?

Sim. Es­sa te­ra­pia atua au­xi­li­an­do no bem-es­tar do pa­ci­en­te, des­de me­lho­rar o so­no, equi­li­brar a flo­ra in­tes­ti­nal e etc. O ide­al é que as pes­so­as pro­cu­rem a acu­pun­tu­ra an­tes de de­sen­vol­ver a pa­to­lo­gia. Po­rém, aque­las que já so­frem do pro­ble­ma po­dem se be­ne­fi­ci­ar des­sa téc­ni­ca.

14 A me­di­ci­na or­to­mo­le­cu­lar be­ne­fi­cia quem so­fre de Alzhei­mer?

Sim. Es­se ra­mo su­ple­men­ta o pa­ci­en­te com vi­ta­mi­nas, mi­ne­rais e fi­to­te­rá­pi­cos, a fim de au­xi­li­ar no tra­ta­men­to e su­prir dé­fi­cits nu­tri­ci­o­ni­o­nas. Nos ca­sos de de­mên­cia, a in­clu­são de vi­ta­mi­na D é in­di­ca­da, pois a fal­ta de­la cau­sa da­nos ao cé­re­bro.

15 Exer­cí­ci­os fí­si­cos be­ne­fi­ci­am quem tem Alzhei­mer?

Sim. A ati­vi­da­de fí­si­ca, por si só faz com que o or­ga­nis­mo li­be­re mais en­dor­fi­na, o que ge­ra uma sen­sa­ção de pra­zer e bem-es­tar.

16 Além de li­be­rar en­dor­fi­na, co­mo a prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas aju­da os por­ta­do­res de Alzhei­mer?

Ati­vi­da­des fí­si­cas e men­tais, co­mo xa­drez, por exem­plo, tra­zem be­ne­fí­ci­os ao cé­re­bro de quem tem Alzhei­mer. Es­sas prá­ti­cas aju­dam o ór­gão a sem­pre for­mar no­vas si­nap­ses, que sig­ni­fi­cam li­ga­ções en­tre as cé­lu­las ner­vo­sas.

17 Exer­cí­ci­os fí­si­cos aju­dam o por­ta­dor de Alzhei­mer a re­cu­pe­rar fun­ções per­di­das?

As ati­vi­da­des fí­si­cas têm o ob­je­ti­vo de me­lho­rar a co­or­de­na­ção, for­ça mus­cu­lar, equi­lí­brio e fle­xi­bi­li­da­de, pa­ra que o pa­ci­en­te es­te­ja ap­to a re­a­li­zar pe­que­nas ta­re­fas do dia a dia.

18 É im­por­tan­te fa­zer fi­si­o­te­ra­pia quan­do se es­tá com Alzhei­mer?

Sim. Uma vez que ain­da não exis­te tra­ta­men­to que pos­sa cu­rar ou re­ver­ter a de­te­ri­o­ra­ção cau­sa­da pe­la do­en­ça de Alzhei­mer, os tra­ta­men­tos atu­al­men­te dis­po­ní­veis na fi­si­o­te­ra­pia vi­sam ali­vi­ar sin­to­mas cog­ni­ti­vos e com­por­ta­men­tais por meio de téc­ni­cas de re­a­bi­li­ta­ção, re­es­tru­tu­ra­ção do am­bi­en­te e gru­pos in­for­ma­ti­vos pa­ra pa­ci­en­tes, fa­mi­li­a­res e cui­da­do­res.

19 A fi­si­o­te­ra­pia po­de ser con­si­de­ra­da um ti­po de tra­ta­men­to pa­ra a do­en­ça?

O tra­ta­men­to da do­en­ça de Alzhei­mer se­rá en­ca­mi­nha­do de acor­do com as ne­ces­si­da­des do pa­ci­en­te, po­rém a cri­a­ti­vi­da­de do fi­si­o­te­ra­peu­ta nas es­co­lhas das ati­vi­da­des mais ade­qua­das se­rá mui­to im­por­tan­te. Uma ro­ti­na diá­ria re­gu­lar e es­tru­tu­ra­da, com exer­cí­ci­os exe­cu­ta­dos na mes­ma sequên­cia em to­das as ses­sões, voz de co­man­do, ori­en­tar to­das as fa­ses do mo­vi­men­to, uso da me­mó­ria, ori­en­ta­ções so­bre o tem­po, es­pa­ço, mú­si­ca e jo­gos, são ex­ce­len­tes re­cur­sos que es­ti­mu­lam a con­cen­tra­ção e mo­vi­men­tos no pa­ci­en­te com Alzhei­mer.

20 Quan­do o pa­ci­en­te de­ve ini­ci­ar as ses­sões?

De­ve-se co­me­çar o mais rá­pi­do pos­sí­vel pa­ra evi­tar ou res­trin­gir o avan­ço de de­for­mi­da­des ou com­pro­me­ti­men­tos fí­si­cos.

21 As que­das são mui­to co­muns du­ran­te a do­en­ça?

Sim. Mu­dan­ças ine­ren­tes ao pro­ces­so da do­en­ça de Alzhei­mer, co­mo de­so­ri­en­ta­ção, di­fi­cul­da­de em re­ter no­vas in­for­ma­ções e ver ou ou­vir coi­sas, con­fu­são men­tal e in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria ou fe­cal, as­so­ci­a­das ao uso de me­di­ca­men­tos e ao en­ve­lhe­ci­men­to na­tu­ral, au­men­tam a chan­ce de acon­te­cer uma que­da no ido­so com Alzhei­mer.

22 A fi­si­o­te­ra­pia po­de ser uma for­ma de pre­ven­ção da do­en­ça?

Ain­da não exis­te pre­ven­ção pa­ra a do­en­ça de Alzhei­mer. O que se pre­co­ni­za é man­ter há­bi­tos sau­dá­veis, boa lei­tu­ra, ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da, ati­vi­da­de fí­si­ca e boa qua­li­da­de de vi­da.

23 No pri­mei­ro mo­men­to, quan­do a fa­mí­lia des­co­bre que al­guém es­tá com Alzhei­mer, o que de­ve ser fei­to?

Nes­se mo­men­to, os fa­mi­li­a­res de­vem bus­car in­for­ma­ções so­bre a do­en­ça, co­mo as al­te­ra­ções que sur­gi­rão ao lon­go do tem­po, pro­cu­rar aju­da pro­fis­si­o­nal de mé­di­cos, psi­có­lo­gos e em gru­pos de apoio, se pre­pa­ran­do pa­ra li­dar com o por­ta­dor da do­en­ça.

24 Nes­sa ho­ra, quais os mai­o­res er­ros que a fa­mí­lia co­me­te?

Con­fun­dir os si­nais ini­ci­ais com o pro­ces­so na­tu­ral de en­ve­lhe­ci­men­to e com o qua­dro da do­en­ça ou de de­pres­são, de­mo­ran­do pa­ra bus­car aju­da pro­fis­si­o­nal.

25 Exis­tem si­nais tí­pi­cos do co­me­ço da do­en­ça que a fa­mí­lia de­ve fi­car aten­ta?

Os prin­ci­pais si­nais de aler­ta da do­en­ça são pe­que­nos es­que­ci­men­tos de da­tas, re­pe­ti­ção de per­gun­tas e his­tó­ri­as, pe­di­dos de au­xí­lio aos fa­mi­li­a­res, tro­car as coi­sas de lu­gar e es­que­cer-se das mu­dan­ças, afas­ta­men­to do tra­ba­lho e da vi­da so­ci­al, es­que­cer-se de aca­bar as ati­vi­da­des, al­te­ra­ções de hu­mor sem mo­ti­vo e di­fi­cul­da­des em exe­cu­tar ta­re­fas ha­bi­tu­ais, na vi­são, na per­cep­ção e na lin­gua­gem.

26 Jo­vens po­dem ter a do­en­ça?

Qua­dros de de­mên­ci­as em jo­vens su­ge­rem eti­o­lo­gi­as in­fec­ci­o­sas (in­cluin­do as se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis), tó­xi­cas ou he­re­di­tá­ri­as.

27 É pos­sí­vel sa­ber a chan­ce de de­sen­vol­ver o Alzhei­mer no fu­tu­ro?

Ape­sar da exis­tên­cia de al­guns bi­o­mar­ca­do­res, em mais de 98% dos ca­sos não é pos­sí­vel pre­ver quem de­sen­vol­ve­rá do­en­ça. Nos ca­sos em que o Alzhei­mer é her­da­do por trans­mis­são au­tos­sô­mi­ca do­mi­nan­te (me­nos de 2%

de to­dos os ca­sos), po­dem ser iden­ti­fi­ca­dos 3 ge­nes que cau­sam a do­en­ça.

28 Ter um fa­mi­li­ar com a do­en­ça sig­ni­fi­ca que fu­tu­ra­men­te se­rei atin­gi­do?

In­di­ca um ris­co au­men­ta­do de ter a do­en­ça.

29 Em ca­so de sus­pei­ta do Alzhei­mer, quais pro­fis­si­o­nais pro­cu­rar?

Psi­qui­a­tra, neu­ro­lo­gis­ta ou ge­ri­a­tra, es­pe­ci­a­li­za­dos em Alzhei­mer.

30 Quais são os há­bi­tos que aju­dam a re­tar­dar a do­en­ça?

Boa ali­men­ta­ção, dor­mir bem, não fu­mar, be­ber mo­de­ra­men­te e pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas.

31 Ati­vi­da­des co­mo su­do­ku, pa­la­vras cru­za­das e xa­drez, por exem­plo, tra­zem be­ne­fí­ci­os pa­ra o cé­re­bro?

Os exer­cí­ci­os po­dem es­ti­mu­lar o de­sen­vol­vi­men­to de áre­as le­si­o­na­das ou aci­o­nar áre­as pre­ser­va­das pa­ra que as­su­mam a fun­ção de par­tes que não fun­ci­o­nam mais.

32 Co­mo a mu­si­co­te­ra­pia be­ne­fi­cia o pa­ci­en­te?

Ela po­de ser usa­da pa­ra abrir ca­nais de co­mu­ni­ca­ção e sis­te­ma­ti­zar ações diá­ri­as, co­mo em­bu­tir em can­ções in­for­ma­ções so­bre co­mo se ves­tir e/ou sequên­cia de ações de hi­gi­e­ne pes­so­al.

33 Quais cui­da­dos o pre­pa­ra­dor fí­si­co ou fi­si­o­te­ra­peu­ta de­ve ter com o pa­ci­en­te?

De­ve sa­ber em que es­tá­gio o pa­ci­en­te se en­con­tra, ob­ser­var as al­te­ra­ções nos as­pec­tos cog­ni­ti­vos, me­mó­ria, ori­en­ta­ção tem­po­ral, es­pa­ci­al, per­cep­ção, for­ça mus­cu­lar, li­mi­ta­ções ar­ti­cu­la­res e ca­pa­ci­da­de car­día­ca e pul­mo­nar.

34 Quais ati­vi­da­des são re­co­men­da­das pa­ra quem tem Alzhei­mer?

Exer­cí­ci­os pa­ra con­di­ci­o­na­men­to ae­ró­bio, in­cen­ti­van­do o pa­ci­en­te a re­a­li­zar ca­mi­nha­das, tan­to por per­cur­sos di­fe­ren­tes ou pe­lo mes­mo per­cur­so, es­ti­mu­lan­do as­sim a me­mó­ria do pa­ci­en­te. Bi­ci­cle­tas es­ta­ci­o­ná­ri­as tam­bém são de gran­de va­lia as­sim co­mo tra­ba­lhos de hi­dro­te­ra­pia

35 Os exer­cí­ci­os são di­fe­ren­tes dos de quem não tem a de­mên­cia? 36 Co­mo é a ro­ti­na de exer­cí­ci­os dos por­ta­do­res?

De­pois de aná­li­se, o fi­si­o­te­ra­peu­ta ou pre­pa­ra­dor fí­si­co de­ve­rá mon­tar uma sequên­cia que se adap­te ao pa­ci­en­te. Uma ro­ti­na diá­ria re­gu­lar e es­tru­tu­ra­da, com exer­cí­ci­os exe­cu­ta­dos na mes­ma sequên­cia em to­das as ses­sões, voz de co­man­do, ori­en­ta­ção de to­das as fa­ses do mo­vi­men­to, uso da me­mó­ria e ori­en­ta­ções so­bre o tem­po, es­pa­ço, mú­si­ca e jo­gos, são ex­ce­len­tes re­cur­sos que es­ti­mu­lam a con­cen­tra­ção e mo­vi­men­tos re­fle­xos no pa­ci­en­te com Alzhei­mer.

37 On­de as ati­vi­da­des de­vem ser re­a­li­za­das?

Ge­ral­men­te são re­a­li­za­das em clí­ni­cas de fi­si­o­te­ra­pia, ca­sa de re­pou­so ou lo­cais es­pe­cí­fi­cos pa­ra o pa­ci­en­te, com ori­en­ta­ções pa­ra as adap­ta­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra pre­ve­nir aci­den­tes. Em es­tá­gi­os mais avan­ça­dos, o acom­pa­nha­men­to de­ve ser exe­cu­ta­do no lo­cal em que o pa­ci­en­te es­tá aca­ma­do - em sua re­si­dên­cia, ca­sa de re­pou­so ou hos­pi­tal. O que mu­da é a abor­da­gem, que é mais cla­ra e sim­ples.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.