DI­CAS PA­RA CON­VI­VER COM A DO­EN­ÇA

Con­fi­ra di­cas pa­ra dei­xar o dia a dia mais fá­cil pa­ra os por­ta­do­res

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Al­gu­mas ati­tu­des sim­ples po­dem con­fron­tar os efei­tos da­no­sos dos dis­túr­bi­os e tra­zer mais con­for­to pa­ra o co­ti­di­a­no

QUAN­DO É DI­AG­NOS­TI­CA­DO UM CA­SO DE ALZHEI­MER NA FA­MÍ­LIA, DI­GE­RIR A NO­TÍ­CIA NÃO É FÁ­CIL NEM PA­RA O IDO­SO NEM PA­RA OS FA­MI­LI­A­RES. En­tre­tan­to, o pro­ble­ma pre­ci­sa ser en­fren­ta­do, o que re­quer ati­tu­des pa­ra ame­ni­zar o so­fri­men­to do pa­ci­en­te e fa­ci­li­tar as ta­re­fas do dia a dia. “Na mai­o­ria dos ca­sos, a re­sis­tên­cia ao di­ag­nós­ti­co é mai­or por par­te da fa­mí­lia do que do pa­ci­en­te, pro­pri­a­men­te. Em ca­sos em que o ido­so ain­da se en­con­tra com lu­ci­dez, é de­ver da equi­pe de saú­de res­pon­sá­vel ori­en­tar quan­to às ne­ces­si­da­des bá­si­cas, co­mo me­di­ca­ção e acom­pa­nha­men­tos. Is­so tra­rá mai­or se­gu­ran­ça pa­ra am­bos”, sa­li­en­ta a psi­có­lo­ga San­dra Ma­ra de Cas­tro. Bus­can­do mai­or fa­ci­li­da­de e con­for­to na ro­ti­na, é pos­sí­vel fa­zer uso de al­guns ar­ti­fí­ci­os pa­ra tor­nar mais con­for­tá­vel a vi­da do portador de Alzhei­mer. “Quan­do é fei­to o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce da do­en­ça, é pos­sí­vel a pes­soa con­ti­nu­ar vi­ven­do so­zi­nha (se as­sim vi­via an­tes) ou man­ter a sua in­de­pen­dên­cia. Po­rém, o portador des­sa en­fer­mi­da­de pre­ci­sa es­tar cons­ci­en­te de que pre­ci­sa­rá fa­zer adap­ta­ções em seu co­ti­di­a­no e, aci­ma de tu­do, en­ten­der que se­rá pre­ci­so pe­dir e acei­tar aju­da”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga An­dreia Ge­or­ges. A se­guir, con­fi­ra al­gu­mas di­cas efi­ca­zes e fá­ceis de se­rem exe­cu­ta­das pe­la fa­mí­lia no dia a dia do ido­so.

EXERCITANDO A ME­MÓ­RIA

Na­da me­lhor do que tor­nar o dia a dia do ido­so com Alzhei­mer mais pro­du­ti­vo e di­ver­ti­do. Na fa­se ini­ci­al da do­en­ça, em­bo­ra al­guns

es­que­ci­men­tos se­jam ine­vi­tá­veis, a fa­mí­lia não de­ve de­sis­tir de ten­tar es­ti­mu­lar a sua me­mó­ria. Pa­ra is­so, os jo­gos de ra­ci­o­cí­nio são ide­ais: da­ma, xadrez, que­bra-ca­be­ça, per­gun­tas e res­pos­tas (co­nhe­ci­men­tos ge­rais), jo­go da me­mó­ria e mais tu­do aqui­lo que pos­sa exer­ci­tar a men­te é bem-vin­do! Não sa­be o que dar de pre­sen­te? Li­vros são óti­mas op­ções. As­sim, o ido­so po­de­rá pas­sar um bom tem­po len­do e re­cor­dan­do uma sé­rie de pa­la­vras as quais fo­gem à men­te.

SAÚ­DE NO PRA­TO

Es­ta é uma ques­tão que sem­pre de­ve ser en­fa­ti­za­da, afi­nal, a fra­se “vo­cê é o que vo­cê co­me” pre­ci­sa ser le­va­da à ris­ca. In­cluir no car­dá­pio os ali­men­tos bons pa­ra a me­mó­ria (des­cri­tos na ma­té­ria da pá­gi­na 26) e dei­xar de la­do aque­les que pos- su­am con­ser­van­tes ou gor­du­ras em ex­ces­so (pro­ces­sa­dos) é in­dis­pen­sá­vel não só pa­ra o portador do Alzhei­mer, mas tam­bém pa­ra to­da a fa­mí­lia, in­de­pen­den­te­men­te da ida­de. Es­ta aí uma for­ma de tra­zer mais saú­de ao dia a dia e be­ne­fi­ci­ar a to­dos os que con­vi­vem com o ido­so!

EM BUS­CA DE ALÍ­VIO EMO­CI­O­NAL

En­quan­to as fun­ções mo­to­ras e cog­ni­ti­vas ain­da não es­ti­ve­rem mui­to afe­ta­das, é in­dis­pen­sá­vel que o ido­so re­a­li­ze (ou con­ti­nue re­a­li­zan­do) ati­vi­da­des que tra­gam equi­lí­brio men­tal e bem-es­tar. Ati­vi­da­des re­la­xan­tes co­mo yo­ga, mas­sa­gens, ca­mi­nha­das ao ar li­vre ou até mes­mo uma sim­ples ses­são de mu­si­co­te­ra­pia na pró­pria ca­sa são ide­ais pa­ra man­ter a qua­li­da­de de vi­da lá em ci­ma.

CON­VER­SAR É PRE­CI­SO

Em­bo­ra a fa­se ini­ci­al do Alzhei­mer se­ja ca­rac­te­ri­za­da pe­los es­que­ci­men­tos cons­tan­tes e fa­lhas da me­mó­ria que pre­ju­di­cam a fa­la, na­da de de­sis­tir das con­ver­sas diá­ri­as. Con­ver­sar com o ido­so é fun­da­men­tal pa­ra fa­ci­li­tar a ro­ti­na e pro­mo­ver o seu bem-es­tar. Pa­ra is­so, é pre­ci­so pa­ci­ên­cia: quan­do al­gu­ma pa­la­vra ób­via fa­lhar, aju­de-o a lem­brar; se o pa­ci­en­te es­ti­ver ten­tan­do lem­brar al­gum fa­to pre­sen­ci­a­do por quem par­ti­ci­pa da con­ver­sa e não con­se­guir fi­na­li­zar o que quer di­zer, va­le lem­brá-lo dos de­ta­lhes e tor­nar a con­ver­sa o mais agra­dá­vel pos­sí­vel. É im­por­tan­te agir na­tu­ral­men­te, pa­ra que o ido­so não vi­va em prol da en­fer­mi­da­de, mas sim, que te­nha em men­te que sua vi­da tem que con­ti­nu­ar nor­mal­men­te.

GUIA RÁ­PI­DO DE CON­VI­VÊN­CIA

A psi­có­lo­ga An­dreia Ge­or­ges lis­tou ati­tu­des efi­ca­zes que po­dem be­ne­fi­ci­ar a vi­da do portador da do­en­ça e de sua fa­mí­lia. Con­fi­ra!

Ca­der­ni­nho sem­pre à mão

Con­ten­do nú­me­ros de te­le­fo­nes emer­gen­ci­ais (de pa­ren­tes e ser­vi­ços mé­di­cos, por exem­plo), é im­por­tan­te pre­sen­te­ar o ido­so com uma es­pé­cie de agen­da, que cum­pra a fun­ção de ser uma “me­mó­ria mó­vel”. Pa­ra is­so, é im­por­tan­te di­vi­di-la em par­tes da ca­sa, co­mo co­zi­nha, sa­la, quar­to, ba­nhei­ro e quin­tal, on­de o portador po­de­rá ano­tar as ati­vi­da­des mais re­le­van­tes que fo­ram ou de­vem ser re­a­li­za­das em ca­da cô­mo­do.

Lem­brou de al­go? Fa­ça já!

Ati­vi­da­des co­mo la­var a lou­ça, ti­rar o li­xo ou des­li­gar as lu­zes de­ve ser fei­ta no mo­men­to em que se lem­bra, ou se­ja, nun­ca dei­xa­das pa­ra de­pois. “O portador tam­bém de­ve ser ins­truí­do de que quan­do se lem­brar de al­go a ser fei­to, pro­cu­rar fa­zê-lo na mes­ma ho­ra, evi­tan­do adi­a­men­tos e mais es­que­ci­men­tos”, ori­en­ta. Se hou­ver al­gu­ma re­sis­tên­cia por par­te do ido­so, é pa­pel da fa­mí­lia man­ter a cal­ma e acon­se­lhar que o que de­ve ser fei­to não po­de es­pe­rar.

Ca­mi­nho li­vre

Es­ta é uma das ati­tu­des mais im­por­tan­tes a se­rem to­ma­das pe­los fa­mi­li­a­res (e pe­lo cui­da­dor, se hou­ver): não per­mi­tir que ob­je­tos pe­ri­go­sos se­jam dei­xa­dos pe­lo ca­mi­nho. Uma di­ca es­pe­ci­al é ins­ta­lar na ca­sa dis­po­si­ti­vos de se­gu­ran­ça que tam­bém pro­por­ci­o­nem ris­cos me­no­res de aci­den­tes. “Ins­ta­lar dis­po­si­ti­vos que des­li­guem au­to­ma­ti­ca­men­te os apa­re­lhos elé­tri­cos e gás, bem co­mo de­tec­to­res de fu­ma­ça, tem­po­ri­za­do­res de acen­di­men­to au­to­má­ti­co de luz, tam­bém são di­cas va­li­o­sas pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça do pa­ci­en­te”, acon­se­lha. Além dis­so, com o avan­ço da do­en­ça, o portador ten­de a per­der o equi­lí­brio aos pou­cos, o que sig­ni­fi­ca que a fa­mí­lia de­ve se mo­bi­li­zar: cor­ri­mãos pe­la ca­sa e bar­ras de apoio no ba­nhei­ro são mui­to bem-vin­dos. Os ta­pe­tes (ain­da mais se o chão for es­cor­re­ga­dio) tam­bém de­vem ser re­ti­ra­dos, a fim de evi­tar pos­sí­veis que­das.

Re­ca­di­nhos do bem

Es­pa­lhar bi­lhe­ti­nhos pe­la ca­sa é uma ati­tu­de mui­to útil, já que po­de fa­ci­li­tar (e mui­to!) a vi­da do ido­so e de seus con­vi­ven­tes. “Dei­xar lem­bre­tes em vá­ri­os lo­cais da ca­sa, co­mo ‘dar des­car­ga no ba­nhei­ro’, ‘des­li­gar o fer­ro de pas­sar’ e ou­tros que se­jam par­tes des­cri­ti­vas de há­bi­tos diá­ri­os, é ou­tro pro­ce­di­men­to mui­to útil, lem­bran­do o portador de Alzhei­mer de coi­sas cor­ri­quei­ras que não de­vem ser es­que­ci­das”, sa­li­en­ta.

CUI­DA­DO A MAIS

Já no ca­so dos por­ta­do­res de Par­kin­son, al­guns há­bi­tos di­fe­ren­tes são im­por­tan­tes. Pen­san­do nis­so, a te­ra­peu­ta ocu­pa­ci­o­nal Ju­li­a­na Sil­va Ra­mos ex­pli­cou al­guns exem­plos que aju­dam no dia a dia dos pa­ci­en­tes:

Alon­ga­men­tos

Eles con­tri­bu­em pa­ra a re­du­ção da ri­gi­dez, me­lho­ran­do, as­sim, a mo­bi­li­da­de do in­di­ví­duo. “Além dis­so, eles tam­bém po­dem aju­dar a con­tro­lar al­te­ra­ções pos­tu­rais cau­sa­das pe­la do­en­ça”, diz a pro­fis­si­o­nal. Po­rém, os alon­ga­men­tos de­vem ser re­a­li­za­dos com ori­en­ta­ção de pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos, tais co­mo te­ra­peu­tas ocu­pa­ci­o­nais ou fi­si­o­te­ra­peu­tas.

Ati­vi­da­de fí­si­ca

A prá­ti­ca fre­quen­te de ati­vi­da­de fí­si­ca é de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra di­mi­nuir os sin­to­mas da do­en­ça e re­tar­dar sua pro­gres­são. “Ela au­xi­lia no con­tro­le não ape­nas dos pro­ble­mas mo­to­res, co­mo tam­bém dos pro­ble­mas se­cun­dá­ri­os, tais co­mo de­pres­são, uma vez que aju­da os in­di­ví­du­os a sen­ti­rem­se mais dis­pos­tos e se­gu­ros pa­ra re­a­li­zar su­as ati­vi­da­des com efi­cá­cia”, ex­pli­ca. Exer­cí­ci­os que tra­ba­lhem o equi­lí­brio e a for­ça são os mais in­di­ca­dos. Al­gu­mas ati­vi­da­des re­co­men­da­das são: pi­la­tes, hi­dro­gi­nás­ti­ca e mus­cu­la­ção. “Mais uma vez, an­tes de es­co­lher a ati­vi­da­de e a frequên­cia com que se­rá re­a­li­za­da, so­li­ci­te a ori­en­ta­ção de um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do”, re­for­ça Ju­li­a­na.

Téc­ni­cas de re­la­xa­men­to e res­pi­ra­ção

Es­sas téc­ni­cas aju­dam a con­tro­lar o tre­mor e a ri­gi­dez, além da an­si­e­da­de que po­de ser vi­ven­ci­a­da com es­sas ma­ni­fes­ta­ções, pois au­xi­li­am no re­co­nhe­ci­men­to dos sin­to­mas e no do­mí­nio so­bre eles. “Nes­se sen­ti­do, mui­tos in­di­ví­du­os po­dem se be­ne­fi­ci­ar com a io­ga”, ex­pli­ca.

Mas­sa­gem

“Ela po­de ser útil pa­ra me­lho­rar a ri­gi­dez, so­bre­tu­do na pre­sen­ça de qua­dros de dor em re­giões es­pe­cí­fi­cas”, es­cla­re­ce a te­ra­peu­ta. Se­gun­do a pro­fis­si­o­nal, pe­que­nas ma­no­bras re­la­xan­tes são re­co­men­da­das, bem co­mo mas­sa­gens nos mem­bros in­fe­ri­o­res, in­di­ca­das pa­ra ali­vi­ar pro­ble­mas cir­cu­la­tó­ri­os.

Adap­ta­ção do am­bi­en­te e de ins­tru­men­tos de uso diá­rio

Os tre­mo­res e a al­te­ra­ção de equi­lí­brio aca­bam ge­ran­do in­se­gu­ran­ça não ape­nas no in­di­ví­duo portador da do­en­ça, co­mo tam­bém em sua fa­mí­lia. “As­sim, é im­por­tan­te a adap­ta­ção de al­guns ins­tru­men­tos e do am­bi­en­te, tor­nan­do-o mais se­gu­ro e con­for­tá­vel pa­ra que o in­di­ví­duo con­ti­nue atu­an­do de for­ma in­de­pen­den­te”, co­men­ta Ju­li­a­na. En­tre as adap­ta­ções in­di­ca­das, es­tão: uso de co­pos com al­ças ou ca­nu­do; uso de ta­lhe­res, es­co­vas, ca­ne­tas, etc., com ca­bos lon­gos ou en­gros­sa­dos, pa­ra fa­ci­li­tar o ma­nu­seio des­ses ob­je­tos; subs­ti­tui­ção de bo­tões, ca­dar­ços e de­mais fe­chos por vel­cro. Já nas mo­di­fi­ca­ções do am­bi­en­te, su­ge­re-se: co­lo­ca­ção de ban­co ou ca­dei­ra es­pe­cí­fi­ca no boxe pa­ra to­mar ba­nho sen­ta­do; an­ti­der­ra­pan­te no pi­so do ba­nhei­ro pa­ra evi­tar que­das; bar­ras de apoio em pon­tos es­tra­té­gi­cos da ca­sa pa­ra dar su­por­te ao in­di­ví­duo; cal­ça­dos com so­la an­ti­der­ra­pan­te; eli­mi­na­ção de des­ní­veis e obs­tá­cu­los no pi­so.

FO­TO Shut­ters­tock Ima­ges

CONSULTORIA An­dreia Ge­or­ges, psi­có­lo­ga do Es­pa­ço Ge­or­ges, em Bau­ru (SP); Ju­li­a­na Sil­va Ra­mos, te­ra­peu­ta ocu­pa­ci­o­nal; San­dra Ma­ra de Cas­tro, psi­có­lo­ga da Clí­ni­ca Dr. Fa­mí­lia (SP)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.