NO­VI­DA­DES NOS TRA­TA­MEN­TOS

En­quan­to a cu­ra do Alzhei­mer e do Par­kin­son não é en­con­tra­da, al­guns pro­ce­di­men­tos são mo­der­ni­za­dos pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

A evo­lu­ção no tra­ta­men­to se­gue com os avan­ços da ci­ên­cia e da me­di­ci­na. Fi­que po­de den­tro das úl­ti­mas no­vi­da­des

ELAS NÃO TÊM CU­RA, MAS OS AVAN­ÇOS DA CI­ÊN­CIA PER­MI­TEM QUE, CA­DA VEZ MAIS, NO­VOS TRA­TA­MEN­TOS SUR­JAM E MELHOREM A QUA­LI­DA­DE DE VI­DA DE QUEM SO­FRE COM ALZHEI­MER E/OU PAR­KIN­SON. A mai­or no­vi­da­de, in­clu­si­ve, é pa­ra quem so­fre com os tre­mo­res. Pes­qui­sa­do­res li­de­ra­dos pe­lo bra­si­lei­ro Mi­guel Ni­co­le­lis, de­sen­vol­ve­ram um mé­to­do pro­mis­sor no com­ba­te ao Par­kin­son. Con­fi­ra, a se­guir, quais são os no­vos mé­to­dos que dão es­pe­ran­ça à vi­da de mi­lha­res de pa­ci­en­tes - e fa­mi­li­a­res.

ES­TÍ­MU­LOS ELÉ­TRI­COS CON­TRA O PAR­KIN­SON

Ape­sar de ain­da não exis­tir uma ma­nei­ra com­pro­va­da pa­ra cu­rar o Par­kin­son, um no­vo e im­por­tan­te pas­so foi da­do: Mi­guel Ni­co­le­lis, neu­ro­ci­en­tis­ta bra­si­lei­ro e pes­qui­sa­dor da Uni­ver­si­da­de de Du­ke (EUA), re­ve­lou que uma pes­qui­sa li­de­ra­da por ele mos­trou avan­ços em re­la­ção à re­cu­pe­ra­ção de mo­vi­men­tos em ra­tos após es­ti­mu­la­ção da me­du­la es­pi­nhal. De acor­do com Fran­ci­nal­do Lo­ba­to Go­mes, es­pe­ci­a­lis­ta em neu­ro­ci­rur­gia, a es­ti­mu­la­ção elé­tri­ca da me­du­la es­pi­nhal é um mé­to­do uti­li­za­do, prin­ci­pal­men­te, pa­ra o tra­ta­men­to da dor crô­ni­ca re­fra­tá­ria, mas que tem mos­tra­do bons re­sul­ta­dos na me­lho­ra de sin­to­mas mo­to­res em ani­mais. “Es­sa es­ti­mu­la­ção con­sis­te na ins­ta­la­ção de um ele­tro­do so­bre a me­nin­ge (aci­ma da me­du­la es­pi­nhal), co­nec­ta­do a uma ba­te­ria se­me­lhan­te àque­la usa­da nos mar­ca­pas­sos car­día­cos. Atra­vés da es­ti­mu­la­ção elé­tri­ca, con­se­gue-se blo­que­ar os es­tí­mu­los do­lo­ro­sos pa­ra que eles não che­guem ao cé­re­bro”, ex­pli­ca o pro­fis­si­o­nal.

POR QUE FUN­CI­O­NA?

É im­por­tan­te que o pa­ci­en­te que re­ce­ba a im­plan­ta­ção do ele­tro­do epi­du­ral se­ja pre­pa­ra­do atra­vés de um in­ten­so trei­na­men­to mus­cu­lar. “Fei­to is­so, es­se es­tí­mu­lo am­pli­fi­ca os co­man­dos mo­to­res que res­ti­tu­em os mo­vi­men­tos e não são co­man­da­dos pe­lo cé­re­bro. A me­du­la es­pi­nhal po­de fe­char cir­cui­tos e apren­der ta­re­fas mo­to­ras quan­do re­ce­be o es­tí­mu­lo elé­tri­co. O pul­so de ele­tri­ci­da­de com­bi­na­do ao mo­vi­men­to re­pe­ti­ti­vo lo­co­mo­tor acen­de cir­cui­tos neu­rais que en­vi­am im­pul­sos pa­ra par­tes es­pe­cí­fi­cas do cor­po”, ex­pli­ca a psi­qui­a­tra Ju­li­e­ta Gu­e­va­ra.

AVAN­ÇOS NOS TRA­TA­MEN­TOS DE ALZHEI­MER

São os bra­si­lei­ros que li­de­ram os es­tu­dos pa­ra tra­tar a do­en­ça. Pes­qui­sas e es­tu­dos nes­sa área bus­cam me­lho­res tra­ta­men­tos e uma for­ma de o pa­ci­en­te vi­ver de uma for­ma mais tran­qui­la. “De fa­to, há bas­tan­te in­te­res­se nes­se te­ma, co­mo em tan­tos ou­tros. Eu pen­so que um dos mo­ti­vos da con­cen­tra­ção na pes­qui­sa em Alzhei­mer se­ria a pre­o­cu­pa­ção evi­den­te com uma po­pu­la­ção cu­ja mé­dia de ida­de cres­ce a ca­da ano. Pre­ci­sa­mos, de fa­to, des­co­brir co­mo re­tar­dar as do­en­ças da ida­de, pa­ra que te­nha­mos um tem­po ca­da vez mais lon­go de vi­da pro­du­ti­va”, afir­ma Célia Cortez, psi­qui­a­tra, neu­ro­ci­en­tis­ta e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Hip­no­se (ASBH).

A HIP­NO­SE PO­DE AU­XI­LI­AR NO TRA­TA­MEN­TO

Se­gun­do Célia, há mui­tos es­tu­dos mos­tran­do uma ín­ti­ma re­la­ção en­tre o en­ve­lhe­ci­men­to, o es­tres­se oxi­da­ti­vo e o de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça de Alzhei­mer (DA). A es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que o es­tres­se oxi­da­ti­vo de­cor­re do ex­ces­so de ra­di­cais li­vres na cé­lu­la, pe­lo de­se­qui­lí­brio en­tre a for­ma­ção des­ses ra­di­cais e a ca­pa­ci­da­de do ar­se­nal de en­zi­mas an­ti­o­xi­dan­te pa­ra neu­tra­li­zá-los. Já os ra­di­cais li­vres são sub­pro­du­tos do me­ta­bo­lis­mo ca­pa­zes de oxi­dar di­ver­sas bi­o­mo­lé­cu­las, en­quan­to que as en­zi­mas an­ti­o­xi­dan­tes for­mam um sis­te­ma de se­gu­ran­ça e evi­tam da­nos ce­lu­la­res. “O es­tres­se oxi­da­ti­vo é uma ex­pres­são de agres­são ce­lu­lar; e o da­no ce­lu­lar re­sul­ta da pe­ro­xi­da­ção de di­ver­sas subs­tân­ci­as in­tra­ce­lu­la­res, tais co­mo fos­fo­li­pí­di­os das mem­bra­nas, áci­dos gra­xos po­lin­sa­tu­ra­dos, pro­teí­nas e até o DNA”, diz. E é por is­so que a hip­no­se po­de au­xi­li­ar no tra­ta­men­to do Alzhei­mer, pois po­de con­tro­lar o es­tres­se e pre­ve­nir do­en­ças. “An­tes que ocor­ra ado­e­ci­men­to gra­ve, os efei­tos do es­tres­se po­dem ser su­pri­mi­dos pe­lo re­co­nhe­ci­men­to e o con­tro­le das fon­tes de es­tres­se, e a hip­no­se, com to­dos os re­cur­sos (hip­no­te­ra­pia, hip­no­a­ná­li­se, au­to-hip­no­se, hip­no­se de gru­po etc.), con­fi­gu­ra uma es­tra­té­gia efe­ti­va pa­ra es­se fim”, afir­ma. Célia ain­da diz que é im­por­tan­te lem­brar que o es­ta­do de hip­no­se é fi­si­o­lo­gi­ca­men­te na­tu­ral, pois é um es­ta­do de re­la­xa­men­to men­tal que pos­si­bi­li­ta a con­cen­tra­ção da aten­ção no mun­do in­te­ri­or.

ILUSTRAÇÕES iS­tock/Getty Images e Shut­ters­tock Images

CON­SUL­TO­RIA Fran­ci­nal­do Lo­ba­to Go­mes, es­pe­ci­a­lis­ta em neu­ro­ci­rur­gia; Ju­li­e­ta Gu­e­va­ra, psi­qui­a­tra; Célia Cortez, psi­qui­a­tra, neu­ro­ci­en­tis­ta e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Hip­no­se (ASBH) e au­to­ra do li­vro Fi­si­o­lo­gia Apli­ca­da à Psi­co­lo­gia, da edi­to­ra Gu­a­na­ba­ra Ko­o­gan

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.