OU­TRAS DE­MÊN­CI­AS

Co­nhe­ça o pa­pel tão im­por­tan­te que es­se pro­fis­si­o­nal de­sem­pe­nha no dia a dia de um portador de Alzhei­mer

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Co­nhe­ça ou­tras dis­fun­ções da men­te e do­en­ças que in­ter­fe­rem na or­ga­ni­za­ção da men­te

“Os cui­da­do­res fa­mi­li­a­res são mai­o­ria. Os fi­lhos, pa­ren­tes e ami­gos que cui­dam de seus en­tes que­ri­dos são cui­da­do­res im­por­tan­tes. Ocor­re, po­rém, que mui­tos des­ses cui­da­do­res, prin­ci­pal­men­te os côn­ju­ges, são tam­bém ido­sos”, Edu­ar­do Ch­vai­cer, ad­mi­nis­tra­dor de uma franquia da Right at Home

QUAN­DO O ALZHEI­MER É DI­AG­NOS­TI­CA­DO, VÁ­RI­AS MU­DAN­ÇAS PRE­CI­SAM ACON­TE­CER NA VI­DA DO IDO­SO, JÁ QUE, COM O TEM­PO, AS ME­MÓ­RI­AS E O COR­PO CO­ME­ÇA­RÃO A FA­LHAR E, NES­SA HO­RA, É PRE­CI­SO SA­BER CO­MO AJU­DÁ-LO. Na mai­o­ria dos ca­sos, um mem­bro da fa­mí­lia é quem se pre­dis­põe pa­ra cui­dar do do­en­te, no en­tan­to, exis­tem al­gu­mas ex­ce­ções nas quais os en­tes que­ri­dos pre­fe­rem con­tra­tar um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do pa­ra aju­dar com as ne­ces­si­da­des que o ido­so pos­sa ter. “É mui­to so­fri­do pa­ra o fi­lho adul­to cui­dar de seus pais, e al­guns não têm a ca­pa­ci­da­de emo­ci­o­nal pa­ra fa­zer is­so. É mui­to co­mum que uma fi­lha não con­si­ga fa­zer a hi­gi­e­ne ín­ti­ma do pai ou um fi­lho a da mãe. É di­fí­cil pa­ra eles e pa­ra o do­en­te quan­do ain­da tem al­gu­ma lu­ci­dez”, des­ta­ca Edu­ar­do Ch­vai­cer, ad­mi­nis­tra­dor de uma franquia da Right at Home. Ten­do is­so em vis­ta, op­tar por um cui­da­dor po­de ser a me­lhor saí­da tan­to pa­ra o bem do ido­so quan­to o da fa­mí­lia.

A PROFISSÃOA­pe­sar de ha­ver al­guns pro­je­tos em an­da­men­to, a pro­fis­são de cui­da­dor de um portador de Alzhei­mer é re­co­nhe­ci­da pe­lo Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, po­rém, não é re­gu­la­men­ta­da. “O que es­tá mais adi­an­ta­do é o Pro­je­to de Lei 4702/12, do Se­na­do, que re­gu­la­men­ta a pro­fis­são de cui­da­dor de ido­so. Pe­lo tex­to, po­de­rá exer­cer a pro­fis­são o mai­or de 18 anos com en­si­no fun­da­men­tal com­ple­to que te­nha con­cluí­do um cur­so de for­ma­ção de cui­da­dor de pes­soa ido­sa”, es­cla­re­ce Edu­ar­do. O úni­co em­pe­ci­lho do pro­je­to é que ele não de­ter­mi­na na­da so­bre a for­ma­ção, co­mo con­teú­do ou car­ga ho­rá­ria.

O PA­PEL DE UM CUIDADORO cui­da­dor é mui­to mais que um pro­fis­si­o­nal na vi­da do ido­so, pois, além de cui­dar das su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas co­mo ali­men­ta­ção e hi­gi­e­ne, ele pas­sa a ser co­mo um mem­bro da fa­mí­lia pa­ra o do­en­te, tor­nan­do-se um in­ter­me­diá­rio en­tre ele e o mun­do. “O cui­da­dor se­rá a com­pa­nhia pa­ra con­ver­sas, ati­vi­da­des de so­ci­a­li­za­ção, ati­vi­da­des cog­ni­ti­vas, aju­da com a ali­men­ta­ção, ba­nho, hi­gi­e­ne e tu­do mais. É im­por­tan­te no­tar que quan­do fa­la­mos em cui­da­dor, não es­ta­mos nos re­fe­rin­do ape­nas ao pro­fis­si­o­nal”, fri­sa Edu­ar­do. A ta­re­fa do cui­da­dor po­de che­gar a ser ex­tre­ma­men­te des­gas­tan­te, fí­si­ca e emo­ci­o­nal­men­te, no en­tan­to, a sua re­com­pen­sa vai bem além da sa­la­ri­al, já que ele po­de en­xer­gar por meio do seu tra­ba­lho o bem que es­tá pro­por­ci­o­nan­do ao ido­so.

NA HO­RA DE ESCOLHERA­pe­sar da pro­fis­são não es­tar re­gu­la­men­ta­da, não sig­ni­fi­ca que qual­quer pes­soa es­te­ja ha­bi­li­ta­da pa­ra cui­dar de tu­do o que o ido­so ne­ces­si­ta­rá com o avan­ço da do­en­ça. Des­ta for­ma, é pri­mor­di­al fa­zer uma es­co­lha mi­nu­ci­o­sa des­se pro­fis­si­o­nal. “É fun­da­men­tal co­nhe­cer os an­te­ce­den­tes, a for­ma­ção e a ex­pe­ri­ên­cia do pro­fis­si­o­nal. Não se po­de es­que­cer de que es­sa pes­soa es­ta­rá tra­ba­lhan­do den­tro da re­si­dên­cia e, por is­so, de­ve-se ter mui­ta aten­ção quan­to às ques­tões tra­ba­lhis­tas”, avi­sa Ch­vai­cer. Por ser um tra­ba­lho do­més­ti­co, quem con­tra­ta de­ve se­guir to­das as de­ter­mi­na­ções cons­ti­tu­ci­o­nais, co­mo a car­tei­ra as­si­na­da e to­dos os be­ne­fí­ci­os in­clu­sos, de acor­do com a ca­te­go­ria.

MA­NU­AL DO CUI­DA­DOR

É in­dis­cu­tí­vel que re­ce­ber a no­tí­cia de que é portador de Alzhei­mer me­xe com o psi­co­ló­gi­co de qual­quer pes­soa, sen­do que em mui­tos ca­sos, o pa­ci­en­te po­de até mes­mo de­sen­vol­ver de­pres­são e ou­tras do­en­ças pa­ra­le­las. Con­tu­do, em meio a es­se tur­bi­lhão de sen­ti­men­tos que en­vol­vem o di­ag­nós­ti­co, os fa­mi­li­a­res aca­bam fi­can­do em se­gun­do pla­no. En­tão, quais os cui­da­dos que de­vem ser des­ti­na­dos a eles pa­ra que pos­sam se man­ter sau­dá­veis men­tal e fi­si­ca­men­te?

1º PAS­SO: ACEI­TA­ÇÃO

“O di­ag­nós­ti­co de uma do­en­ça gra­ve e pro­gres­si­va co­mo o Alzhei­mer cai sem­pre de uma ma­nei­ra mui­to im­pac­tan­te na vi­da dos fa­mi­li­a­res. Po­rém, a re­a­ção va­ria mui­to de pes­soa pa­ra pes­soa e da re­la­ção que tem com o fa­mi­li­ar”, ex­pli­ca Dou­glas Mot­ta Cal­de­ro­ni, mé­di­co psi­qui­a­tra e só­cio fun­da­dor da Clí­ni­ca Sin­tro­pia. Mas uma re­gra de­ve sem­pre ser se­gui­da tan­to pe­lo pa­ci­en­te quan­to pe­las pes­so­as pró­xi­mas: acei­tar a pa­la­vra mé­di­ca. “Al­guns ten­dem, em um pri­mei­ro mo­men­to, a ne­gar a do­en­ça. É co­mo se não qui­ses­sem acre­di­tar na­qui­lo e bus­cam ou­tras al­ter­na­ti­vas, co­mo um no­vo mé­di­co, um tra­ta­men­to es­pi­ri­tu­al ou até mes­mo se afas­tam do tra­ta­men­to co­mo uma for­ma de não li­dar com o pro­ble­ma”, con­ta o pro­fis­si­o­nal. Ou se­ja, ao acei­tar o di­ag­nós­ti­co, fi­ca mais fá­cil re­a­li­zar o tra­ta­men­to, me­lho­ran­do a qua­li­da­de de vi­da de to­dos os en­vol­vi­dos.

2º PAS­SO: BUS­QUE AJU­DA

Pa­ra con­se­guir aju­dar o pa­ci­en­te e não se dei­xar aba­ter com a no­tí­cia, é im­por­tan­te que os pa­ren­tes pro­cu­rem pro­fis­si­o­nais ca­pa­zes de ori­en­tá-los e au­xi­liá-los da me­lhor ma­nei­ra dis­po­ní­vel. Is­to é, con­ver­sar bas­tan­te so­bre o as­sun­to aju­da – e mui­to! “O sen­ti­men­to de im­po­tên­cia em re­la­ção ao di­ag­nós­ti­co dei­xa as pes­so­as mui­to an­gus­ti­a­das e, em al­guns

ca­sos, é pre­ci­so des­mis­ti­fi­car a do­en­ça, ori­en­tar so­bre os cui­da­dos e ob­ser­var co­mo an­da a vi­da do cui­da­do­res tam­bém”, exem­pli­fi­ca o psi­qui­a­tra. En­tão, te­nha sem­pre em men­te es­sa re­gra sim­ples: iden­ti­fi­que os fa­to­res de es­tres­se. Por exem­plo, se um dos fa­mi­li­a­res es­ti­ver so­bre­car­re­ga­do, pen­sem jun­tos em co­mo di­vi­dir as obri­ga­ções; e se al­guém es­ti­ver com sen­ti­men­to de cul­pa, con­ver­sem so­bre is­so e, se for o ca­so, pro­cu­rem te­ra­pi­as e gru­pos de apoio.

3º PAS­SO: DI­VI­DA AS TA­RE­FAS

De­pois que o sus­to ini­ci­al foi ame­ni­za­do, os fa­mi­li­a­res mais pró­xi­mos pre­ci­sam se or­ga­ni­zar pa­ra se­pa­rar os cui­da­dos com o pa­ci­en­te. As­sim, é pos­sí­vel evi­tar que uma pes­soa fi­que mais so­bre­car­re­ga­da que ou­tra. “Es­ta­mos di­an­te de uma do­en­ça pro­gres­si­va e que tem uma mé­dia de ex­pec­ta­ti­va de vi­da de mais de dez anos. Daí, com o pas­sar do tem­po e com o agra­va­men­to da do­en­ça, os fa­mi­li­a­res vão fi­can­do so­bre­car­re­ga­dos. En­tão, os cui­da­dos pre­ci­sam ser di­vi­di­dos”, apon­ta Dou­glas.

4º PAS­SO: INFORME-SE

Sem­pre que pos­suí­mos in­for­ma­ções so­bre qual­quer as­sun­to, nos sen­ti­mos mais se­gu­ros pa­ra en­fren­tá-los, cer­to? E com o Alzhei­mer não é di­fe­ren­te. Des­sa for­ma, co­nhe­cer mais so­bre es­sa do­en­ça é a me­lhor ma­nei­ra de se pre­pa­rar, de en­ten­dê-la e, com is­so, ga­ran­tir mais con­for­to pa­ra os en­vol­vi­dos. Pen­san­do nis­so, o psi­qui­a­tra lis­tou al­guns exem­plos de co­mo o en­ten­di­men­to po­de fa­ci­li­tar a vi­da do pa­ci­en­te e dos fa­mi­li­a­res: “en­ten­da que a pes­soa po­de ter al­te­ra­ções de hu­mor e que aqui­lo não é vol­ta­do con­tra vo­cê, mas sim um sin­to­ma da do­en­ça; com­pre­en­da que exis­tem coi­sas que o pa­ci­en­te não faz de pro­pó­si­to; aju­de a es­ti­mu­lar o portador de Alzhei­mer em gru­po”.

CONSULTORIA Dou­glas Mot­ta Cal­de­ro­ni, mé­di­co psi­qui­a­tra e só­cio fun­da­dor da Clí­ni­ca Sin­tro­pia Edu­ar­do Ch­vai­cer, ad­mi­nis­tra­dor de uma fran­quia da Right at Ho­me FO­TOS Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.