ALZHEI­MER + PAR­KIN­SON

Am­bas são do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas, po­rém não es­tão atre­la­das. Con­fi­ra!

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Sai­ba as di­fe­ren­ças fundamentais de ca­da uma des­sas dis­fun­ções da men­te

OALZHEIMER É CON­SI­DE­RA­DO UM TI­PO DE DE­MÊN­CIA, POIS NE­LE OCOR­RE A PER­DA DE FUN­ÇÕES CE­RE­BRAIS, ES­PE­CI­AL­MEN­TE AS COG­NI­TI­VAS; JÁ NO PAR­KIN­SON, AS AL­TE­RA­ÇÕES NEU­RO­LÓ­GI­CAS AFE­TAM AS­PEC­TOS MO­TO­RES. Mas, ape­sar de não ser con­si­de­ra­do uma de­mên­cia, os pa­ci­en­tes com a se­gun­da pa­to­lo­gia po­dem en­fren­tar qua­dros de de­sor­dem men­tal. Exis­te uma de­mên­cia que ocor­re es­pe­ci­al­men­te em quem so­fre de Par­kin­son. “O di­ag­nós­ti­co clí­ni­co (da de­mên­cia) se ba­seia na re­gra do um ano, ou se­ja, os sin­to­mas mo­to­res da do­en­ça de Par­kin­son de­vem pre­ce­der em um ano os sin­to­mas cog­ni­ti­vos”, ex­pli­ca a mé­di­ca da fa­mí­lia, Cris­ti­a­ne Gus­si. De uma ma­nei­ra ge­ral, o Par­kin­son po­de ser des­cri­to co­mo uma do­en­ça degenerativa de co­ne­xões do cé­re­bro, ou se­ja, a co­mu­ni­ca­ção en­tre os neurô­ni­os fi­ca in­su­fi­ci­en­te pe­la fal­ta de do­pa­mi­na, subs­tân­cia neu­ro­trans­mis­so­ra. “A fal­ta de do­pa­mi­na ou de seus pre­cur­so­res cau­sa uma de­fi­ci­ên­cia da via ni­gro-es­tri­a­tal (co­ne­xão), que vai re­sul­tar no dis­túr­bio de mo­vi­men­to, co­nhe­ci­do co­mo do­en­ça de Par­kin­son”, ex­pli­ca Edu­ar­do Barreto, neu­ro­ci­rur­gião.

QUAL A DI­FE­REN­ÇA?

O Par­kin­son atin­ge o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, com­pro­me­ten­do a ca­pa­ci­da­de mo­to­ra do pa­ci­en­te. Em gran­de par­te das ve­zes, ele atin­ge pes­so­as aci­ma de 60 anos, sen­do que o ris­co de se de­sen­vol­ver au­men­ta a par­tir dos 70 anos. Tam­bém co­nhe­ci­da co­mo uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va, afe­tan­do o cé­re­bro, o Alzhei­mer pro­vo­ca de­te­ri­o­ra­ção das fun­ções ce­re­brais, cau­san­do per­da de me­mó­ria, di­fi­cul­da­de de lin­gua­gem e pro­ble­mas em cui­dar de si mes­mo. De acor­do com o mé­di­co, es­sa do­en­ça atin­ge uma re­gião es­pe­cí­fi­ca do cé­re­bro, co­nhe­ci­da co­mo hi­po­cam­po e é di­vi­di­da em es­tá­gi­os, de­pen­den­do dos sin­to­mas apre­sen­ta­dos. Na mai­o­ria dos ca­sos, o Alzhei­mer atin­ge ido­sos com mais de 65 anos, sen­do que as mu­lhe­res são le­ve­men­te mais afe­ta­das que os ho­mens.

ALZHEI­MER EM QUEM TEM PAR­KIN­SON?

Exis­te uma de­mên­cia que aco­me­te es­pe­ci­al­men­te os por­ta­do­res de Par­kin­son, mas não é o Alzhei­mer. “O que se con­fun­de é que por­ta­do­res de Par­kin­son po­dem de­sen­vol­ver de­mên­cia, mas es­sa (as­so­ci­a­da à do­en­ça de Par­kin­son) é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do Alzhei­mer”, apon­ta o neu­ro­lo­gis­ta An­dré Fe­lí­cio. Se­gun­do a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Alzhei­mer (ABRAz), cer­ca de 40% dos pa­ci­en­tes afe­ta­dos pe­la Do­en­ça de Par­kin­son po­dem evo­luir pa­ra qua­dros de de­mên­ci­as. Ela com­pro­me­te fun­ções co­mo me­mó­ria e aten­ção, po­den­do fa­vo­re­cer o apa­re­ci­men­to de alu­ci­na­ções. “A pre­va­lên­cia da de­mên­cia em por­ta­do­res da do­en­ça de Par­kin­son é em tor­no de 26% a 44%”, in­di­ca Cris­ti­a­ne. Pa­ra o di­ag­nós­ti­co da do­en­ça é le­va­do em con­si­de­ra­ção o tem­po de iní­cio dos si­nais.

FOTOS Shut­ters­tock Images

FON­TE As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Alzhei­mer (ABRAz) CON­SUL­TO­RIA Cris­ti­a­ne Gus­si, mé­di­ca es­pe­ci­a­li­za­da em Me­di­ci­na de fa­mí­lia e pós-gra­du­a­da em Me­di­ci­na Chi­ne­sa; An­dré Fe­lí­cio, neu­ro­lo­gis­ta Co­or­de­na­dor do Cur­so de Pós-gra­du­a­ção em Neu­ro­lo­gia da Fa­cul­da­de IPEMED de Ci­ên­ci­as Mé­di­cas; Edu­ar­do Barreto, neu­ro­ci­ru­gião;

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.