O PA­PEL DOS CUI­DA­DO­RES

Con­tar com es­ta aju­da au­men­ta, e mui­to, a qua­li­da­de de vi­da dos por­ta­do­res de Par­kin­son e Alzhei­mer

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO - CON­SUL­TO­RIA Adri­a­na Ser­ra­no e An­dreia Ge­or­ges, psi­có­lo­gas; Eli­a­na No­va­es Pro­có­pio de Araú­jo, psi­có­lo­ga e mes­tre em ge­ron­to­lo­gia; Le­tí­cia Gu­e­des, psi­có­lo­ga, es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia com­por­ta­men­tal e só­cio-pro­pri­e­tá­ria da Clí­ni­ca Vi­ven­ci­al­le (GO); Már­cia Mat

A pro­fis­são que au­xi­lia os por­ta­do­res da do­en­ça nas ati­vi­da­des do dia a dia

ODIAGNÓSTICO DA DE­MÊN­CIA ATIN­GE NÃO SÓ OS PA­CI­EN­TES, MAS TAM­BÉM OS PA­REN­TES PRÓ­XI­MOS. Co­mo a do­en­ça pro­gri­de di­fe­ren­te em ca­da pes­soa, as dú­vi­das são vá­ri­as. En­tre­tan­to, po­de-se di­zer que o apoio fa­mi­li­ar é im­por­tan­te tan­to no pri­mei­ro mo­men­to, quan­to du­ran­te o tra­ta­men­to. Po­rém, pa­ra is­so, é pre­ci­so que o “por­to se­gu­ro” es­te­ja fir­me e pre­pa­ra­do pa­ra as ad­ver­si­da­des que pos­sam sur­gir.

O QUE MU­DA?

Es­sa per­gun­ta é a pri­mei­ra que to­dos os fa­mi­li­a­res pró­xi­mos de­vem e po­dem fa­zer. O qu­es­ti­o­na­men­to per­mi­te en­ten­der que as no­vi­da­des se­rão mui­tas e que só atra­vés da de­di­ca­ção e in­for­ma­ção se­rá pos­sí­vel uma boa re­la­ção com o en­fer­mo e uma boa qua­li­da­de de vi­da. “Nes­te mo­men­to, os fa­mi­li­a­res de­vem bus­car in­for­ma­ções so­bre a do­en­ça, co­mo as al­te­ra­ções que sur­gi­rão ao lon­go do tem­po, pro­cu­rar aju­da pro­fis­si­o­nal de mé­di­cos, psi­có­lo­gos e em gru­pos de apoio, se pre­pa­ran­do pa­ra li­dar com o portador da do­en­ça”, ava­lia a psi­có­lo­ga es­pe­ci­a­li­za­da em psi­co­lo­gia clí­ni­ca, Már­cia Mathi­as. Além dis­so, os fa­mi­li­a­res pre­ci­sam en­ten­der que a do­en­ça não tem cu­ram e sa­ber co­mo li­dar com ela. “Não há na­da a ser fei­to a res­pei­to do di­ag­nós­ti­co: só res­ta com­pre­en­der a do­en­ça e acei­tá-la, uma vez que ela é um fa­to imu­tá­vel. Es­se pro­ces­so de acei­ta­ção é cha­ma­do de lu­to, mas não es­tá re­la­ci­o­na­do ne­ces­sa­ri­a­men­te à ideia de que o do­en­te irá mor­rer”, in­di­ca a psi­có­lo­ga Adri­a­na Ser­ra­no.

CO­MO LI­DAR?

Nos es­tá­gi­os ini­ci­al e mo­de­ra­do, a fa­mí­lia de­ve sim­pli­fi­car a ro­ti­na diá­ria, su­per­vi­si­o­nar e ve­ri­fi­car quais ati­vi­da­des o pa­ci­en­te con­se­gue cum­prir e en­co­ra­já-lo, sem­pre es­ti­mu­lan­do o con­ví­vio fa­mi­li­ar e so­ci­al. Po­rém, ca­da pa­ci­en­te re­a­ge de uma for­ma di­fe­ren­te e a fa­mí­lia se­rá afe­ta­da não só emo­ci­o­nal­men­te, so­ci­al­men­te e fi­nan­cei­ra­men­te. “Por­tan­to, é fun­da­men­tal se pre­pa­rar pa­ra as eta­pas evo­lu­ti­vas da do­en­ça”, des­ta­ca Már­cia. Em re­la­ção aos cui­da­do­res, cul­ti­var a vir­tu­de da pa­ci­ên­cia tam­bém aju­da. “Ge­ral­men­te, re­ce­ber al­gum ti­po de di­ag­nós­ti­co de do­en­ça que in­ter­fe­re na au­to­no­mia da pes­soa é mui­to di­fí­cil. Di­an­te des­se fa­to, o pa­ci­en­te po­de ne­gar as con­di­ções ina­de­qua­das de seu no­vo com­por­ta­men­to, atri­buin­do-as à ida­de ou a um exa­ge­ro de ob­ser­va­ção por par­te dos fa­mi­li­a­res”, co­men­ta a psi­có­lo­ga An­dreia Ge­or­ges.

QUAN­DO PE­DIR AJU­DA

Não he­si­te ca­so não dê con­ta dos cui­da­dos do portador da do­en­ça. O re­ve­za­men­to ofe­re­ce van­ta­gens pa­ra am­bos, cui­da­dor e pa­ci­en­te, já que, o mais im­por­tan­te, é que aque­le tem­po que vo­cê de­di­ca ao do­en­te se­ja o me­lhor, com uma gran­de do­se de pa­ci­ên­cia, amor e com­pre­en­são. “Tam­bém é im­por­tan­te a cons­tru­ção de uma re­la­ção po­si­ti­va com a equi­pe de saú­de que cui­da do do­en­te, que po­de­rá for­ne­cer in­for­ma­ções pre­ci­sas, prá­ti­cas e con­fiá­veis em re­la­ção a dú­vi­das que sur­jam no dia a dia, in­clu­si­ve aco­lhen­do a fa­mí­lia em su­as di­fi­cul­da­des e sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos”, acres­cen­ta a psi­có­lo­ga Eli­a­na No­va­es Pro­có­pio de Araú­jo.

AU­XÍ­LIO PRO­FIS­SI­O­NAL

A te­ra­pia fa­mi­li­ar é im­pres­cin­dí­vel no mo­men­to da cri­se, pois pos­si­bi­li­ta à fa­mí­lia re­or­ga­ni­zar os vín­cu­los, per­mi­tin­do a ela­bo­ra­ção de um pla­no de mu­dan­ças nas re­la­ções e ori­en­ta­ção pa­ra li­dar com a do­en­ça. “Os gru­pos de apoio pa­ra fa­mi­li­a­res e pa­ci­en­tes tam­bém são im­por­tan­tes, pois têm o ob­je­ti­vo de tro­ca in­for­ma­ções, re­co­men­da­ções e re­fle­xões”, re­co­men­da Már­cia.

UMA BOA CON­VER­SA

Cla­ro que nem em to­das as fa­ses é pos­sí­vel man­ter um diá­lo­go com o pa­ci­en­te, mas é im­por­tan­te não dei­xar de ten­tar, dei­xan­do-o sem es­tí­mu­los po­si­ti­vos. No co­me­ço da do­en­ça, é pos­sí­vel, ain­da, ex­pli­car o pro­ble­ma pa­ra o portador, cons­ci­en­ti­za­do da evo­lu­ção pro­gres­si­va da do­en­ça e de que as ha­bi­li­da­des não se­rão re­cu­pe­ra­das. Mas es­se diá­lo­go aber­to não de­ve ser re­fe­ri­do so­men­te ao pa­ci­en­te. “Além dis­so, o portador de Alzhei­mer pre­ci­sa­rá do au­xí­lio dos fa­mi­li­a­res e, quan­do for o ca­so, de pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos”, re­co­men­da Már­cia.

fí­si­cas, é im­por­tan­te res­sal­tar que o la­do psi­co­ló­gi­co tam­bém pas­sa a ser afe­ta­do. “De­vi­do aos sin­to­mas da do­en­ça, mui­tos pa­ci­en­tes se acham in­ca­pa­zes pe­ran­te a so­ci­e­da­de, cau­san­do a ele um des­con­for­to se for ne­ces­sá­rio usar al­gu­ma ha­bi­li­da­de que ele não se­ja mais ca­paz de re­a­li­zar. O la­do psi­co­ló­gi­co do pa­ci­en­te se agra­va no mo­men­to em que é da­do o di­ag­nós­ti­co; ele des­co­bre que so­men­te com re­mé­di­os ele po­de­rá con­tro­lar o pro­ble­ma e is­so o tor­na frá­gil psi­co­lo­gi­ca­men­te, pois, sen­tir que o que an­tes era fá­cil se tor­nou uma di­fi­cul­da­de, po­de fa­zer fa­zer com ele se sin­ta re­jei­ta­do ou ele pró­prio se re­jei­te”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga e es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia com­por­ta­men­tal Le­tí­cia Gu­e­des.

UM POU­CO MAIS A FUN­DO

O avan­ço do Par­kin­son é len­to e pro­gres­si­vo, o que sig­ni­fi­ca, mui­tas ve­zes, que o pa­ci­en­te não per­ce­be que es­tá do­en­te. Por is­so, após o di­ag­nós­ti­co, a fa­mí­lia tem um pa­pel mui­to im­por­tan­te, que é o de con­tar a no­tí­cia e au­xi­li­ar na uti­li­za­ção da me­di­ca­ção pres­cri­ta. De fa­to, não se po­de pre­ver a re­a­ção que o ido­so po­de­rá ter; ca­da pes­soa re­a­ge de uma ma­nei­ra di­fe­ren­te à si­tu­a­ções di­fí­ceis. En­tre­tan­to, ter jo­go de cin­tu­ra e ofe­re­cer apoio nes­te mo­men­to são ati­tu­des in­dis­pen­sá­veis. “As pes­so­as pas­sam por um lu­to to­das as ve­zes que so­frem per­das ir­re­pa­rá­veis em su­as vi­das, se­jam elas re­ais ou sim­bó­li­cas: mor­te, di­vór­cio, en­cer­ra­men­to de um ci­clo na vi­da, en­tre ou­tros. En­tão, to­da mu­dan­ça en­vol­ve, de al­gu­ma for­ma, um lu­to, ou se­ja, um pro­ces­so de li­dar emo­ci­o­nal­men­te com uma per­da, o que evo­ca sen­ti­men­tos de tris­te­za, me­do e in­se­gu­ran­ça”, co­men­ta a psi­có­lo­ga Adri­a­na Ser­ra­no.

MEN­TE E COR­PO TRAN­QUI­LOS

Tra­tar o la­do psi­co­ló­gi­co do pa­ci­en­te mos­tra-se mui­to efi­caz, ain­da mais quan­do o as­sun­to é o Par­kin­son. Co­mo as ati­vi­da­des do dia a dia fi­cam pre­ju­di­ca­das de acor­do com o avan­ço do pro­ble­ma, uma op­ção é a uti­li­za­ção de al­guns tra­ta­men­tos al­ter­na­ti­vos. “Exis­tem atu­al­men­te va­ri­as for­mas de me­lho­rar a saú­de psi­co­ló­gi­ca do portador, tra­ba­lhar com mé­to­dos de mas­sa­gem, gi­nas­ti­ca, con­ver­sar com o portador sem­pre e exer­ci­tar is­so com ele, pois mui­tos per­dem a ri­gi­dez dos mús­cu­los da fa­ce e tam­bém po­dem di­mi­nuir o som da voz, fa­zen­do com que al­gu­mas pa­la­vras se tor­nem di­fí­ceis de se­rem pro­nun­ci­a­das”, su­ge­re Le­tí­cia. Além dis­so, ati­vi­da­des fí­si­cas re­gu­la­res e le­ver – co­mo ca­mi­nha­das – po­dem pro­por­ci­o­nar gran­des es­tí­mu­los ao portador do dis­túr­bio. Ou­tra al­ter­na­ti­va é a me­di­ta­ção; co­mo for­ma de man­ter a men­te e o cor­po em es­ta­do de re­la­xa­men­to, a téc­ni­ca po­de pre­ve­nir ma­les co­mo es­tres­se, an­si­e­da­de e até mes­mo de­pres­são. O im­por­tan­te mes­mo é não de­sis­tir e, no ca­so da fa­mí­lia, nun­ca dei­xar de es­ti­mu­lar o seu en­te qu­e­ri­do. Lem­bre-se: pas­sar por es­ta li­mi­ta­ção é uma gran­de bar­rei­ra a ser en­fren­ta­da e, com for­ças uni­das, o so­fri­men­to po­de­rá ser ame­ni­za­do ao má­xi­mo. “A saú­de men­tal é o pon­to cru­ci­al pa­ra se tra­tar qual­quer do­en­ça. Mui­tos pa­ci­en­tes por­ta­do­res do Par­kin­son mos­tram-se mais an­si­o­sos, ir­ri­ta­dos, in­se­gu­ros e pes­si­mis­tas; por is­so, o acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co pos­si­bi­li­ta um tra­ba­lho de mo­ti­va­ção do pa­ci­en­te e dos fa­mi­li­a­res. Des­ta for­ma, mui­tos por­ta­do­res po­dem evi­tar de que­re­rem se iso­lar de tu­do e de to­dos”, fi­na­li­za a pro­fis­si­o­nal.

Saú­de psi­co­ló­gi­ca

A pre­o­cu­pa­ção com o bem-es­tar do portador de Par­kin­son vai mui­to além das li­mi­ta­ções fí­si­cas. Um gran­de de­sa­fio a ser en­fren­ta­do por ele, sem dú­vi­das, é a acei­ta­ção do qua­dro e a con­vi­vên­cia com um no­vo mo­do de vi­ver. “É pre­ci­so acom­pa­nhar ca­da mu­dan­ça; o pa­pel da fa­mí­lia nes­te mo­men­to é úni­co! É pre­ci­so con­for­tar o portador e mos­trar a to­do o mo­men­to que a do­en­ça não faz de­le um in­ca­paz. O apoio fa­mi­li­ar é mui­to im­por­tan­te no con­tro­le da do­en­ça e prin­ci­pal­men­te, no con­tro­le men­tal”, fri­za Le­tí­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.