RES­POS­TAS SO­BRE PAR­KIN­SON

Ti­re ou­tras dú­vi­das a res­pei­to da do­en­ça

Coleção Almanaque da Saúde - - SUMARIO -

Ti­re su­as dú­vi­das so­bre es­se dis­túr­bio do sis­te­ma ner­vo­so

1 Em qual fai­xa etá­ria o Par­kin­son é mais co­mum?

Co­mo a do­en­ça tem ca­rac­te­rís­ti­ca degenerativa, é mais co­mum na po­pu­la­ção ido­sa.

2 A do­en­ça po­de ter ori­gem he­re­di­tá­ria?

Al­te­ra­ções ge­né­ti­cas po­dem, sim, es­tar re­la­ci­o­na­das às cau­sas do Par­kin­son. No en­tan­to, di­ver­sos ele­men­tos po­dem oca­si­o­nar a do­en­ça, co­mo ida­de, se­xo e fa­to­res am­bi­en­tais.

3 Exis­te al­gum es­tu­do que apon­te se o Par­kin­son atin­ge mais ho­mens ou mu­lhe­res?

Pes­qui­sas e ob­ser­va­ções clí­ni­cas ava­li­am que os ho­mens são mais pro­pen­sos ao de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça. É o ca­so de um es­tu­do re­a­li­za­do nos Es­ta­dos Uni­dos e pu­bli­ca­do na re­vis­ta Jour­nal of Neu­ro­logy Neu­ro­sur­gery and Psi­chi­a­try. Ape­sar dis­so, ain­da não se sa­be quais fa­to­res le­vam a es­sa di­fe­ren­ça.

4 Há­bi­tos sau­dá­veis po­dem evi­tar o sur­gi­men­to da do­en­ça?

Não exis­tem com­pro­va­ções de que a ali­men­ta­ção e a prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas, por exem­plo, atu­em di­re­ta­men­te na pre­ven­ção do Par­kin­son. Mes­mo as­sim, é im­por­tan­te lem­brar que vi­ver sau­dá­vel fa­vo­re­ce o en­ve­lhe­ci­men­to com qua­li­da­de e di­mi­nui os ris­cos de com­pli­ca­ções - de for­ma ge­ral. 5

O uso exa­ge­ra­do de me­di­ca­men­tos po­de ser con­si­de­ra­do um fa­tor de ris­co?

Al­gu­mas me­di­ca­ções es­tão as­so­ci­a­das a sin­to­mas par­kin­so­ni­a­nos, co­mo os an­ti­ver­ti­gi­no­sos, neu­ro­lép­ti­cos, an­tip­si­có­ti­cos e an­ti­e­mé­ti­cos.

6 O con­ta­to fre­quen­te com subs­tân­ci­as tó­xi­cas po­de fa­vo­re­cer o sur­gi­men­to do Par­kin­son?

Sim. A ex­po­si­ção con­tí­nua a her­bi­ci­das e pes­ti­ci­das po­de co­lo­car uma pes­soa em um ris­co li­gei­ra­men­te au­men­ta­do de de­sen­vol­ver a do­en­ça.

7 Exis­tem ou­tros fa­to­res de ris­co?

Trau­mas de crâ­nio re­pe­ti­ti­vos po­dem ser con­si­de­ra­dos fa­to­res que fa­vo­re­cem o apa­re­ci­men­to da do­en­ça. Uma pes­qui­sa fei­ta na Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, nos Es­ta­dos Uni­dos, ob­ser­vou es­se fenô­me­no. Is­so por­que 12% dos par­ti­ci­pan­tes do es­tu­dos que pos­suíam mal de Par­kin­son já ha­vi­am fi­ca­do in­cons­ci­en­tes por ba­ti­das na ca­be­ça.

8 Pes­so­as que se en­cai­xam em al­gum gru­po de ris­co de­vem pro­cu­rar aju­da mé­di­ca an­tes mes­mo do apa­re­ci­men­to dos sin­to­mas?

Ini­ci­al­men­te, não há ne­ces­si­da­de. Po­rém, ao me­nor si­nal de aler­ta um pro­fis­si­o­nal de­ve ser con­sul­ta­do.

9 O Par­kin­son tem cu­ra?

Não. O Par­kin­son é uma do­en­ça neu­ro­ló­gi­ca degenerativa, crô­ni­ca e pro­gres­si­va. Não pos­sui na atu­a­li­da­de cu­ra co­nhe­ci­da, po­rém, os tra­ta­men­tos pa­ra o con­tro­le dos sin­to­mas pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da dos por­ta­do­res tem avan­ça­do a ca­da dia.

10 Exis­te al­gu­ma si­na­li­za­ção mé­di­ca apon­tan­do pa­ra es­se ca­mi­nho?

Exis­tem di­ver­sos es­tu­dos, po­rém es­tão em fa­se de la­bo­ra­tó­rio. É im­por­tan­te lem­brar e com­pre­en­der que atu­al­men­te não exis­te cu­ra pa­ra a do­en­ça. Po­rém, ela po­de e de­ve ser tra­ta­da, não ape­nas com­ba­ten­do os sin­to­mas, co­mo tam­bém re­tar­dan­do o seu pro­gres­so.

11 Al­gu­mas me­di­das po­dem ser to­ma­das pa­ra re­tar­dar o seu pro­gres­so?

Sim. Di­e­ta ba­lan­ce­a­da, ati­vi­da­des fí­si­cas mo­de­ra­das sob ori­en­ta­ção mé­di­ca, boa qua­li­da­de de so­no e con­ti­nui­da­de do tra­ta­men­to e acom­pa­nha­men­to mé­di­cos são es­sen­ci­ais. Mui­tos es­tu­dos de­mons­tram que uma di­e­ta rica em ri­bo­fla­vi­na e áci­do fó­li­co, bem co­mo a re­po­si­ção me­di­ca­men­to­sa das mes­mas, têm re­sul­ta­dos be­né­fi­cos no re­tar­do da do­en­ça.

12 Des­co­brir a do­en­ça no co­me­ço faz di­fe­ren­ça na evo­lu­ção da do­en­ça?

O di­ag­nós­ti­co pre­co­ce per­mi­ti­rá ini­ci­ar o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so cor­re­to an­te­ci­pa­da­men­te, bem co­mo a re­a­bi­li­ta­ção fí­si­ca, po­den­do mi­ni­mi­zar es­pas­ti­ci­da­de (pa­ra­li­za­ção e en­ri­je­ci­men­to mus­cu­lar), de­for­mi­da­des ós­se­as e al­te­ra­ções cog­ni­ti­vas.

13 As chan­ces de de­sen­vol­ver a do­en­ça au­men­tam con­for­me o avan­ço da ida­de?

O Par­kin­son é uma do­en­ça tí­pi­ca da “me­lhor ida­de”, au­men­tan­do sua in­ci­dên­cia, prin­ci­pal­men­te, en­tre os 60 e 80 anos, po­den­do ocor­rer mais ra­ra­men­te dos 80 aos 90 anos. Is­so acon­te­ce pe­lo pro­ces­so de­ge­ne­ra­ti­vo ocor­ri­do na subs­tân­cia ne­gra, de­vi­do ao acú­mu­lo de uma pro­teí­na de­ge­ne­ra­da cha­ma­da al­fa-ci­nu­cleí­na. Há tam­bém ou­tras cau­sas co­mo a ex­po­si­ção a de­ter­mi­na­das subs­tân­ci­as e trau­ma­tis­mo cra­ni­a­no.

14 O se­quen­ci­a­men­to ge­né­ti­co po­de­ria pre­ver a do­en­ça?

Sem dú­vi­da o se­quen­ci­a­men­to ge­né­ti­co é um gran­de avan­ço e po­de­rá pre­ver se o in­di­ví­duo tem ou não chan­ces de de­sen­vol­ver a do­en­ça. Atu­al­men­te, ele traz be­ne­fí­ci­os es­pe­ci­al­men­te pa­ra pes­so­as cu­jos fa­mi­li­a­res de­sen­vol­ve­ram for­mas gra­ves ou pre­co­ces da do­en­ça, pa­ra que pos­sa­mos de­fi­nir há­bi­tos de vi­da e es­tra­té­gi­as te­ra­pêu­ti­cas o mais ce­do pos­sí­vel.

15 É pos­sí­vel di­zer qual é a cau­sa ori­gi­ná­ria do Par­kin­son?

Ain­da não exis­te uma cau­sa que jus­ti­fi­que a per­da de neurô­ni­os nes­sa de­ter­mi­na­da re­gião do cé­re­bro.

16 Qual é o mai­or de­sa­fio pa­ra en­con­trar a cu­ra des­se pro­ble­ma?

Os mai­o­res de­sa­fi­os são de­sen­vol­ver me­di­ca­men­tos que pos­sam re­du­zir os sin­to­mas par­kin­so­ni­a­nos, pro­du­zin­do mí­ni­mos efei­tos ad­ver­sos. Tam­bém pre­ci­sa­re­mos aper­fei­ço­ar, re­du­zir cus­tos e com­pli­ca­ções dos pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos com im­plan­tes de es­ti­mu­la­do­res ce­re­brais (DBS). Além dis­so, são ne­ces­sá­ri­os mais es­tu­dos com evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas de que o im­plan­te de cé­lu­las­tron­co é um tra­ta­men­to viá­vel e com cla­ros be­ne­fí­ci­os.

17 Quan­do é re­co­men­da­da in­ter­ven­ção ci­rúr­gi­ca pa­ra pa­ci­en­tes com Par­kin­son?

As in­di­ca­ções mais co­muns pa­ra Es­ti­mu­la­ção Ce­re­bral Pro­fun­da (ECP ou DBS, do in­glês De­ep Brain Sti­mu­la­ti­on) são a Do­en­ça de Par­kin­son, Dis­to­ni­as e Tre­mor Es­sen­ci­al. Ou­tras in­di­ca­ções in­clu­em do­en­ças neu­rop­si­quiá­tri­cas e neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas. A Es­ti­mu­la­ção Ce­re­bral Pro­fun­da do Nú­cleo Sub­ta­lâ­mi­co (STN-DBS) é atu­al­men­te o tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co mais co­mum pa­ra pa­ci­en­tes com Par­kin­son, sen­do in­di­ca­da quan­do ele pas­sa

a apre­sen­tar flu­tu­a­ções dos sin­to­mas mo­to­res (ri­gi­dez e bra­di­ci­ne­sia) e/ou dis­ci­ne­si­as (mo­vi­men­tos re­pe­ti­ti­vos in­vo­lun­tá­ri­os) ou ain­da o pró­prio tre­mor, quan­do es­ses sin­to­mas não são mais con­tro­la­dos ade­qua­da­men­te com a te­ra­pia me­di­ca­men­to­sa. Em­bo­ra o mo­men­to de in­di­ca­ção do pro­ce­di­men­to ge­ral­men­te se­ja em es­tá­gi­os avan­ça­dos da do­en­ça, quan­do a me­di­ca­ção pas­sa a ser me­nos efi­caz con­tra os sin­to­mas, exis­tem es­tu­dos em an­da­men­to ten­tan­do ava­li­ar a efi­cá­cia do DBS em fa­ses mais pre­co­ces da Do­en­ça de Par­kin­son.

18 Quais são as prin­ci­pais ci­rur­gi­as pa­ra o pa­ci­en­te com o Par­kin­son?

Des­de que a ECP foi li­be­ra­da pe­lo FDA (Fe­de­ral Drug Ad­mi­nis­tra­ti­on, ór­gão do go­ver­no Nor­te Ame­ri­ca­no que ava­lia e re­gu­la a efi­cá­cia e se­gu­ran­ça das me­di­ca­ções e te­ra­pi­as em uso no ter­ri­tó­rio dos EUA), em 2002, pa­ra tra­ta­men­to da do­en­ça avan­ça­da, es­sa ci­rur­gia se tor­nou o pa­drão de tra­ta­men­to ci­rúr­gi­co pa­ra a do­en­ça. Até en­tão, os tra­ta­men­tos ci­rúr­gi­cos pa­ra a Do­en­ça de Par­kin­son con­sis­ti­am uni­ca­men­te de pro­ce­di­men­tos que vi­sa­vam a le­são per­ma­nen­te de nú­cle­os ce­re­brais in­te­gran­tes dos cir­cui­tos neu­ro­nais en­vol­vi­dos na do­en­ça. Atu­al­men­te, sen­do a ECP o pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co pa­drão, o que va­ria é so­men­te o nú­cleo al­vo a ser es­ti­mu­la­do.

19 Co­mo ocor­re a te­ra­pia de ECP?

A ECP con­sis­te na im­plan­ta­ção per­ma­nen­te por meio de ci­rur­gia de ele­tro­dos li­ga­dos a um ge­ra­dor elé­tri­co, se­me­lhan­te a um mar­ca­pas­so, nes­ses nú­cle­os ce­re­brais pro­fun­dos. Es­se sis­te­ma ge­ra es­tí­mu­los elé­tri­cos so­bre es­tas es­tru­tu­ras anatô­mi­cas pro­fun­das do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, com o ob­je­ti­vo de al­te­rar e mo­du­lar o fun­ci­o­na­men­to dos neurô­ni­os pre­sen­tes nes­ses nú­cle­os, des­se mo­do ob­ten­do, por ação di­re­ta so­bre os neurô­ni­os, um efei­to cli­ni­ca­men­te be­né­fi­co e re­ver­sí­vel (ao con­trá­rio das téc­ni­cas an­ti­gas de le­são per­ma­nen­te des­ses nú­cle­os) dos sin­to­mas da do­en­ça.

20 Qual o re­sul­ta­do?

Co­mo con­sequên­cia da te­ra­pia ci­rúr­gi­ca, mui­tas pes­so­as con­se­guem ter mai­or con­tro­le so­bre seus mo­vi­men­tos cor­po­rais.

21 O que é es­te­re­o­ta­xia?

É um mé­to­do de al­ta pre­ci­são uti­li­za­do pa­ra in­tro­du­ção e po­si­ci­o­na­men­to dos ele­tro­dos uti­li­za­dos na ECP. Con­sis­te no uso de fer­ra­men­tas ma­te­má­ti­cas e com­pu­ta­ci­o­nais pa­ra trans­for­mar o crâ­nio e o cé­re­bro em um sis­te­ma de co­or­de­na­das tri­di­men­si­o­nais.

22 Quais as res­tri­ções da ci­rur­gia e quem não po­de sub­me­ter-se a ela?

As con­train­di­ca­ções, to­das elas re­la­ti­vas, são as se­guin­tes: ida­de aci­ma de 75 anos; do­en­ças gra­ves as­so­ci­a­das pas­sí­veis de re­du­ção sig­ni­fi­ca­ti­va da ex­pec­ta­ti­va de vi­da do pa­ci­en­te; imu­nos­su­pres­são (por exem­plo pa­ci­en­tes trans­plan­ta­dos ou com do­en­ças que re­du­zam a ca­pa­ci­da­de imu­no­ló­gi­ca do pa­ci­en­te) e ma­ni­fes­ta­ções psi­quiá­tri­cas gra­ves.

23 A ci­rur­gia po­de ser con­si­de­ra­da uma cu­ra?

A ci­rur­gia não é a cu­ra pa­ra o Par­kin­son. Es­sa é uma do­en­ça degenerativa do te­ci­do ce­re­bral e, por­tan­to, pro­gres­si­va. A ECP é um mé­to­do de con­tro­le da do­en­ça que têm seu pa­pel quan­do os re­cur­sos me­di­ca­men­to­sos pas­sam a não mais con­tri­buir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te pa­ra a me­lho­ra da qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te.

24 Quais os be­ne­fí­ci­os e os ris­cos do pro­ce­di­men­to?

Os ris­cos são ine­ren­tes à ci­rur­gia pa­ra im­plan­tar o ele­tro­do, que po­de oca­si­o­nar san­gra­men­tos, in­fec­ções e, pos­te­ri­or­men­te, po­dem ocor­rer in­fec­ções do sis­te­ma de ele­tro­dos e mar­ca-pas­so. Além, é cla­ro, da ma­nu­ten­ção e tro­ca de ba­te­ri­as, que é ne­ces­sá­ria após al­guns anos. To­dos os re­sul­ta­dos do tra­ta­men­to e seus efei­tos são es­pe­cí­fi­cos pa­ra o pa­ci­en­te in­di­vi­du­al­men­te, e fa­rão par­te da con­sul­ta com seu pro­fis­si­o­nal de as­sis­tên­cia à saú­de.

25 Qual o pri­mei­ro pas­so an­tes de co­me­çar a exer­ci­tar-se?

As pes­so­as com Par­kin­son de­vem pro­cu­rar aju­da es­pe­ci­a­li­za­da an­tes de co­me­çar qual­quer exer­cí­cio. É le­va­do em con­ta o es­tá­gio da do­en­ça, as ati­vi­da­des que es­tão afe­ta­das e as mai­o­res di­fi­cul­da­des do pa­ci­en­te. Por exem­plo, se ele apre­sen­ta di­fi­cul­da­de pa­ra ca­mi­nhar é ne­ces­sá­rio fo­car no equi­lí­brio e no mo­vi­men­to dos pas­sos.

26 Qual a im­por­tân­cia das ati­vi­da­des fí­si­cas re­gu­la­res pa­ra pa­ci­en­tes com Par­kin­son?

To­do pes­soa di­ag­nos­ti­ca­da de­ve ser ori­en­ta­da a re­a­li­zar ati­vi­da­des fí­si­cas sem­pre pa­ra com­ba­ter a ri­gi­dez mus­cu­lar, que é a prin­ci­pal se­que­la, além do tre­mor que é o mais co­nhe­ci­do. Ou se­ja, os exer­cí­ci­os fí­si­cos têm por ob­je­ti­vo me­lho­rar a co­or­de­na­ção, a for­ça mus­cu­lar, o equi­lí­brio e a fle­xi­bi­li­da­de do pa­ci­en­te pa­ra que ele es­te­ja apto a re­a­li­zar pe­que­nas ta­re­fas do dia a dia.

27 Mus­cu­la­ção é in­di­ca­da pa­ra quem tem es­sa do­en­ça?

Sim, pois o for­ta­le­ci­men­to da mus­cu­la­tu­ra faz com que os tre­mo­res di­mi­nu­am e ha­ja me­lho­ras no con­tro­le cor­po­ral. Além dis­so, tam­bém aju­da na re­du­ção da hi­po­ci­ne­sia (mo­vi­men­tos di­mi­nuí­dos) e na bra­di­ci­ne­sia (mo­vi­men­tos len­tos). Po­rém, é im­por­tan­te ex­pli­car que o ter­mo mus­cu­la­ção sig­ni­fi­ca trei­na­men­to mus­cu­lar pa­ra de­sen­vol­vi­men­to de for­ça e, não ne­ces­sa­ri­a­men­te, ape­nas pa­ra ga­nho de mas­sa mus­cu­lar (hi­per­tro­fia), co­mo se vê nor­mal­men­te em aca­de­mi­as. No ca­so do Par­kin­son, a mus­cu­la­ção bem fei­ta e com acom­pa­nha­men­to de es­pe­ci­a­lis­ta tem co­mo ob­je­ti­vo for­ta­le­cer to­do o cor­po, prin­ci­pal­men­te os mús­cu­los pos­te­ri­o­res do tó­rax (cos­tas), pa­ra man­ter a pos­tu­ra ere­ta, di­mi­nuin­do as chan­ces de de­se­qui­lí­brio.

28 Exis­te al­gu­ma por­ta­ria ou au­xí­lio do go­ver­no que ga­ran­ta os di­rei­tos de quem pos­sui Par­kin­son?

Na ver­da­de exis­tem inú­me­ras nor­mas le­gais que con­ce­dem os be­ne­fí­ci­os aos por­ta­do­res de Par­kin­son, po­rém ine­xis­te uma nor­ma que se­ja apli­ca­da pa­ra to­do pa­ci­en­te, pois a con­ces­são do be­ne­fí­cio e va­riá­vel em de­cor­rên­cia da con­di­ção fí­si­ca e dos sin­to­mas apre­sen­ta­dos por ca­da in­di­ví­duo. Além dis­so, ca­da Es­ta­do e/ou Mu­ni­cí­pio pos­sui politica pró­pria, con­se­quen­te­men­te o be­ne­fí­cio con­ce­di­do po­de va­ri­ar.

29 Co­mo sa­ber se o pa­ci­en­te pre­en­che os re­qui­si­tos le­gais ne­ces­sá­ri­os pa­ra os be­ne­fí­ci­os?

O pri­mei­ro pas­so é a ob­ten­ção do lau­do mé­di­co de­ta­lha­do da do­en­ça, que in­di­ca­rá o es­tá­gio da mo­lés­tia. Pos­te­ri­or­men­te, com las­tro no lau­do é que al­guns be­ne­fí­ci­os po­de­rão ou não ser con­ce­di­dos, com a res­sal­va de que em exis­tin­do o avan­ço da do­en­ça, be­ne­fí­ci­os an­te­ri­or­men­te ne­ga­dos ou con­ce­di­dos par­ci­al­men­te po­de­rão ser re­vis­tos.

30 Os pa­ci­en­tes com Par­kin­son po­dem fa­zer a re­ti­ra­da in­te­gral do FGTS?

Sim, o pa­ci­en­te com Par­kin­son po­de­rá sa­car no ban­co Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral o va­lor de­po­si­ta­do no seu FGTS, de­mons­tran­do por meio de lau­do e exa­mes a sua do­en­ça. Tam­bém é pos­sí­vel sa­car o va­lor de­po­si­ta­do no pro­gra­ma do PIS/PA­SEP jun­to ao ban­co Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e Ban­co do Bra­sil, des­de que se­ja com­pro­va­do o vín­cu­lo da de­pen­dên­cia e a do­en­ça.

31 Quem pos­sui al­gu­ma do­en­ça gra­ve, co­mo o Par­kin­son, po­de ter isen­ção no im­pos­to de ren­da?

Sim, o pa­ci­en­te com Par­kin­son tem o di­rei­to à isen­ção do Im­pos­to de Ren­da, des­de que es­te­ja re­ce­ben­do apo­sen­ta­do­ria, pen­são ou re­for­ma, in­clu­si­ve com­ple­men­ta­ções. Pa­ra re­que­rer a isen­ção do Im­pos­to de Ren­da se faz ne­ces­sá­rio a com­pro­va­ção por meio de lau­do mé­di­co.

32 Quem pos­sui Par­kin­son po­de ga­ran­tir me­di­ca­men­tos gra­tui­tos?

O pa­ci­en­te com Par­kin­son ou com ou­tra do­en­ça que ne­ces­si­ta de tra­ta­men­to mé­di­co po­de­rá re­cor­rer aos pro­gra­mas do go­ver­no co­mo: Far­má­cia Po­pu­lar (do Mi­nis­té­rio da Saú­de), dis­po­ni­bi­li­za­do em dro­ga­ri­as com o se­lo “Aqui tem far­má­cia po­pu­lar”, que for­ne­ce gra­tui­ta­men­te ou me­di­ca­men­tos com cus­to re­du­zi­do pa­ra vá­ri­os tra­ta­men­tos, in­clu­si­ve Par­kin­son. Além dis­so, exis­te o Pro­gra­ma Do­se Cer­ta (Se­cre­ta­ria da Saú­de do Es­ta­do de São Pau­lo), em que são for­ne­ci­dos me­di­ca­men­tos pa­ra do­en­ças mais co­muns.

33 E em re­la­ção a as­sis­tên­cia mé­di­ca, o que é as­se­gu­ra­do?

Em ra­zão de ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais, o Es­ta­do de­ve ofer­tar to­do tra­ta­men­to e cui­da­do ne­ces­sá­rio aos por­ta­do­res do Par­kin­son, sen­do o exer­cí­cio des­se di­rei­to na­tu­ral e con­sequên­cia da pres­cri­ção mé­di­ca. Já pa­ra quem pos­sui pla­no de saú­de, não po­de­rá ser ex­cluí­dos em ra­zão da do­en­ça e de­ve­rão ser as­sis­ti­dos da for­ma ade­qua­da, in­clu­si­ve, em al­guns ca­sos até mes­mo com aten­di­men­to do­mi­ci­li­ar, re­a­li­za­ção de ci­rur­gia e ou­tros pro­ce­di­men­tos. Va­le sa­li­en­tar que, em al­gu­mas si­tu­a­ções, ain­da que o pro­ce­di­men­to não cons­te no Rol dis­po­ni­bi­li­za­do pe­la Agência Na­ci­o­nal de Saú­de Su­ple­men­tar (ANS), são fre­quen­tes as de­ci­sões ju­di­ci­ais que ga­ran­tem ao pa­ci­en­te o di­rei­to a ter o tra­ta­men­to cus­te­a­do pe­lo Pla­no, exis­tin­do dis­cus­sões ape­nas com re­la­ção às téc­ni­cas ex­pe­ri­men­tais.

34 Cui­da­do­res tam­bém pos­su­em di­rei­tos as­se­gu­ra­dos?

Sim, o cui­da­dor tem di­rei­tos as­se­gu­ra­dos por lei, já que, mui­tas ve­zes, equi­va­le a um em­pre­ga­do do­més­ti­co. O cui­da­dor de­ve ve­ri­fi­car com o seu em­pre­ga­dor a for­ma da con­tra­ta­ção, ha­ven­do re­la­ção de su­bor­di­na­ção, pes­so­a­li­da­de, one­ro­si­da­de, ha­bi­tu­a­li­da­de, en­tre ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas con­fi­gu­ra­rá re­la­ção de tra­ba­lho.

35 Co­mo se de­fen­der no ca­so de ne­ga­ti­va ao seu di­rei­to?

O pa­ci­en­te po­de­rá aci­o­nar o Po­der Ju­di­ciá­rio (re­cor­rer à Jus­ti­ça) pa­ra que te­nha o seu di­rei­to pre­ser­va­do, via De­fen­so­ria Pú­bli­ca de sua ci­da­de ou de um ad­vo­ga­do de sua con­fi­an­ça.

CON­SUL­TO­RIA Ale­xan­dre Berthe Pin­to e Clau­dia Na­ka­no, ad­vo­ga­dos; An­dré Li­ma, Car­los Van­der­lei Ho­lan­da, Da­ni­el Sha­ch­ter e Va­nes­sa Mul­ler, neu­ro­lo­gis­tas; Ga­bri­e­la Pin­to e Ro­dri­go Peres, fi­si­o­te­ra­peu­tas; Mar­ce­lo Pru­den­te do Es­pí­ri­to San­to e Pau­lo Luiz da Cos­ta Cruz, neu­ro­ci­rur­giões; Má­rio Gui­ma­rães, pro­fes­sor de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de Anhem­bi Mo­rum­bi FOTOS Shut­ters­tock Images e iS­tock.com/Getty Images

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.