Re­ple­ta de nu­tri­en­tes!

A cou­ve é uma das ver­du­ras que mais be­ne­fí­ci­os traz ao or­ga­nis­mo. Apos­te ne­la!

Coleção Almanaque da Saúde - - NEWS -

FA­LAR DAS PRO­PRI­E­DA­DES E BE­NE­FÍ­CI­OS DA COU­VE É CO­MO LER BULA DE RE­MÉ­DIO: HÁ MUI­TAS INDICAÇÕES POSITIVAS PA­RA RESTABELECER A SAÚ­DE. Re­ple­ta de vi­ta­mi­nas e sais mi­ne­rais, es­sa ver­du­ra tam­bém é ri­ca em fi­bras e fi­toquí­mi­cos que fa­zem ma­ra­vi­lhas pe­lo or­ga­nis­mo. Por is­so, ela de­ve fa­zer par­te cons­tan­te do car­dá­pio de quem bus­ca mais qua­li­da­de de vi­da e for­ça pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os do co­ti­di­a­no. Ve­ge­tal cru­cí­fe­ro do gê­ne­ro Bras­si­ca e per­ten­cen­te à fa­mí­lia Bras­si­ca­ce­ae, da qual fa­zem par­te mais de 3.000 es­pé­ci­es, en­tre elas o re­po­lho, a mos­tar­da, o ra­ba­ne­te e o na­bo, a cou­ve é na­ti­va da Eu­ro­pa. Foi in­tro­du­zi­da no Bra­sil pe­los primeiros por­tu­gue­ses que che­ga­ram ao país e se tor­nou uma das hor­ta­li­ças mais con­su­mi­das por aqui. Até pou­co tem­po atrás, ela não era a es­tre­la da ali­men­ta­ção. Atu­a­va co­mo co­ad­ju­van­te nos pra­tos tí­pi­cos, co­mo fei­jo­a­da e cal­do ver­de. No en­tan­to, a di­vul­ga­ção de di­ver­sas pes­qui­sas elen­can­do o po­der de fo­go des­sa hor­ta­li­ça fez com que ela pas­sas­se a ser apre­ci­a­da co­mo um eli­xir da saú­de.

VITAMINADA!

A cou­ve con­cen­tra bo­as do­ses de vi­ta­mi­nas, sais mi­ne­rais, fi­bras e fi­toquí­mi­cos. Ca­da 100g da fo­lha con­tém 36,6mg de vi­ta­mi­na C (ou 61% da ne­ces­si­da­de diá­ria de con­su­mo); 76mcg de vi­ta­mi­na K (ou 63% da ne­ces­si­da­de diá­ria de con­su­mo) e 98 UI de vi­ta­mi­na A (3% da ne­ces­si­da­de diá­ria de con­su­mo).

A vi­ta­mi­na A aju­da o or­ga­nis­mo a com­ba­ter in­fec­ções vi­rais ou bac­te­ri­a­nas, pois re­for­ça o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co. Tam­bém pro­te­ge a pe­le, as mu­co­sas e a re­ti­na. A vi­ta­mi­na C é fa­mo­sa con­tra gri­pes e res­fri­a­dos, mas sua fun­ção vai além. Ela atua no cor­po co­mo um po­de­ro­so an­ti­o­xi­dan­te, ou se­ja, blin­da os ór­gãos con­tra os ra­di­cais li­vres, evi­tan­do o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce e uma sé­rie de do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas. Já a vi­ta­mi­na K au­men­ta a pro­du­ção de pro­trom­bi­nas, subs­tân­ci­as ca­pa­zes de es­tan­car he­mor­ra­gi­as.

FI­BRAS

“Mui­to ri­ca em fi­bras, a cou­ve aju­da a con­tro­lar a sa­ci­e­da­de e o fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no. Com es­te ór­gão tra­ba­lhan­do bem, me­lhor é a ab­sor­ção de nu­tri­en­tes pe­lo or­ga­nis­mo, o que be­ne­fi­cia pe­le, unhas e ca­be­los”, sa­li­en­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Paula dos San­tos Ri­bei­ro. É im­por­tan­te in­cluir na ali­men­ta­ção diá­ria in­gre­di­en­tes ri­cos nes­sa subs­tân­cia, co­mo ver­du­ras e fru­tas. E a cou­ve é uma das me­lho­res op­ções, já que ga­ran­te uma do­se im­por­tan­te de fi­bras pa­ra o or­ga­nis­mo. Uma di­e­ta ri­ca em fi­bras pro­por­ci­o­na o bom fun­ci­o­na­men­to ge­ral do or­ga­nis­mo. Re­duz o ris­co de obe­si­da­de, di­a­be­tes, do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, he­mor­roi­da e tu­mo­res co­lor­re­tais. A quan­ti­da­de in­di­ca­da pa­ra in­ges­tão diá­ria é de 21g a 25g pa­ra mu­lhe­res e de 30g a 38g pa­ra ho­mens. Mas é im­por­tan­te que o con­su­mo de água se­ja gran­de tam­bém, pa­ra que as fi­bras con­si­gam fa­zer o seu pa­pel cor­re­ta­men­te no or­ga­nis­mo.

COMPLETANDO O TIME

Ou­tros nu­tri­en­tes al­ta­men­te be­né­fi­cos pre­sen­tes nas folhas de cou­ve são os mi­ne­rais. Tão vi­tais co­mo as vi­ta­mi­nas, eles aju­dam o cor­po a re­a­li­zar de for­ma efi­caz as fun­ções me­ta­bó­li­cas. Na cou­ve, um dos des­ta­ques é o mag­né­sio. Em 100g da ver­du­ra crua, é pos­sí­vel en­con­trar 34,7mg (ou 13% da ne­ces­si­da­de diá­ria do or­ga­nis­mo). “A fo­lha de cou­ve é ri­ca em mag­né­sio, que faz par­te da clo­ro­fi­la, que dá a cor ver­de a ela. É um mi­ne­ral im­por­tan­te pa­ra a saú­de do cé­re­bro, pa­ra a re­no­va­ção das cé­lu­las e pa­ra re­gu­lar hormô­ni­os co­mo a in­su­li­na. Tam­bém par­ti­ci­pa de con­tra­ções mus­cu­la­res, ali­vi­an­do có­li­cas mens­tru­ais, cãi­bras e en­xa­que­ca”, des­ta­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta He­loí­sa Te­ves Scat­ti­ni. A fo­lha con­tém ain­da fós­fo­ro – 48,7mg (7% da ne­ces­si­da­de diá­ria) -, um nu­tri­en­te que, as­sim co­mo o cál­cio, é im­por­tan­te na for­ma­ção de ossos e den­tes for­tes. É im­por­tan­te que a quan­ti­da­de de cál­cio, fós­fo­ro e mag­né­sio es­te­jam em equi­lí­brio no or­ga­nis­mo, pois os três mi­ne­rais se com­ple­men­tam em su­as fun­ções. Por exem­plo, quan­do o mag­né­sio é in­ge­ri­do jun­to com o cál­cio, ele au­xi­lia na per­da de pe­so e na me­lhor qua­li­da­de do so­no.

E TEM MAIS!

Ou­tro gran­de mé­ri­to da cou­ve é ser abun­dan­te em fi­toquí­mi­cos. Es­ses com­pos­tos es­tão pre­sen­tes nas plan­tas pa­ra aju­dar na sua con­ser­va­ção, mas aca­bam le­van­do seus be­ne­fí­ci­os pa­ra o cor­po quan­do con­su­mi­dos. “A cou­ve é fon­te de um fi­toquí­mi­co chamado gli­co­si­no­la­to, que es­ti­mu­la a lim­pe­za do or­ga­nis­mo, eli­mi­nan­do subs­tân­ci­as que po­dem cau­sar do­en­ças e to­xi­nas que fi­cam nas cé­lu­las de gor­du­ra, for­ta­le­cen­do o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co”, ex­pli­ca He­loí­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.