A VEZ DOS ME­DI­CA­MEN­TOS

O que há de mais efi­ci­en­te quan­do o as­sun­to são os re­mé­di­os pa­ra afas­tar a in­fla­ma­ção no cor­po!

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE -

QUAIS RE­CUR­SOS FARMACOLÓGICOS ES­TÃO À DIS­PO­SI­ÇÃO DE QUEM VI­VE NA PE­LE AL­GU­MA DA SÉ­RIE DE DO­EN­ÇAS COM­POS­TAS PE­LO REU­MA­TIS­MO? Se, por um la­do, os se­gui­dos avan­ços da me­di­ci­na ain­da não pro­pi­ci­a­ram uma so­lu­ção de­fi­ni­ti­va, por ou­tro, já é pos­sí­vel vi­ver com qua­li­da­de e sem gran­des res­tri­ções. Tu­do de­pen­de, co­mo em qual­quer tra­ta­men­to, da ade­são dos pa­ci­en­tes àqui­lo que foi pro­pos­to pe­los mé­di­cos. Sai­ba mais so­bre os re­mé­di­os ado­ta­dos nes­ses ca­sos e seus efei­tos no cor­po.

ANALGÉSICOS

São usa­dos ro­ti­nei­ra­men­te pa­ra os mais di­fe­ren­tes ma­les: do­res de ca­be­ça, ne­vral­gi­as, có­li­cas mens­tru­ais, do­res mus­cu­la­res e uma lis­ta ex­ten­sa de ou­tros incô­mo­dos me­no­res. Por sur­ti­rem efei­to mo­de­ra­do, são ven­di­dos nas far­má­ci­as sem re­cei­ta mé­di­ca, o que ex­pli­ca sua po­pu­la­ri­da­de, so­bre­tu­do da as­pi­ri­na, o mais co­nhe­ci­do de to­dos. Mes­mo as­sim, o seu con­su­mo não es­tá to­tal­men­te li­vre de con­train­di­ca­ções (a pró­pria as­pi­ri­na, por exem­plo, even­tu­al­men­te traz com­pli­ca­ções pa­ra quem so­fre de úl­ce­ras es­to­ma­cais). Di­an­te de do­en­ças li­ga­das ao reu­ma­tis­mo, os analgésicos po­dem até pro­pi­ci­ar alí­vio nos es­tá­gi­os ini­ci­ais da dor, mas não te­rão al­gum efei­to além dis­so — o mes­mo acon­te­cen­do quan­do as do­res fo­rem re­sul­tan­tes de qual­quer ou­tra cau­sa mais sé­ria.

AN­TI-INFLAMATÓRIOS

Qua­se sem­pre, es­tão pre­sen­tes no tra­ta­men­to das do­en­ças reu­má­ti­cas. Seu efei­to é o de ini­bir a pro­du­ção de pros­ta­glan­di­na, subs­tân­cia me­di­a­do­ra da res­pos­ta in­fla­ma­tó­ria e di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da com a dor. No en­tan­to, es­se ti­po de me­di­ca­men­to pro­vo­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.