Ingredientes que aju­dam na me­mó­ria e na con­cen­tra­ção

O Alzhei­mer é uma do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va que, in­fe­liz­men­te, tem cres­ci­do en­tre a po­pu­la­ção

Coleção Almanaque da Saúde - - ÍNDICE -

OS PRI­MEI­ROS SIN­TO­MAS DO ALZHEI­MER são fa­cil­men­te con­fun­di­dos com o pro­ces­so na­tu­ral do en­ve­lhe­ci­men­to, em que o ido­so co­me­ça a apre­sen­tar di­fi­cul­da­des em re­a­li­zar ta­re­fas que an­tes lhe eram ha­bi­tu­ais. Por is­so, ao no­tar mu­dan­ças, os fa­mi­li­a­res de­vem pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal pa­ra o di­ag­nós­ti­co, in­clu­si­ve pe­la exis­tên­cia de ou­tros ti­pos de de­mên­ci­as. A iden­ti­fi­ca­ção da do­en­ça con­sis­te em uma ba­te­ria de exa­mes fei­ta atra­vés da eli­mi­na­ção das pos­si­bi­li­da­des de ou­tras do­en­ças e tes­tes de me­mó­ria, aten­ção e fun­ções cog­ni­ti­vas. “O ide­al é fa­zer o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce pa­ra que as me­di­ca­ções que re­tar­dam a evo­lu­ção da pa­to­lo­gia sur­tam efei­to o mais bre­ve pos­sí­vel”, pon­tua Sér­gio Li­ma, psi­qui­a­tra. En­tre os sin­to­mas do Alzhei­mer es­tão per­da da me­mó­ria re­cen­te, re­pe­ti­ção de as­sun­tos, es­que­ci­men­to de com­pro­mis­sos, di­fi­cul­da­de pa­ra per­ce­ber si­tu­a­ções de ris­co e se ori­en­tar no tem­po e no es­pa­ço, in­ca­pa­ci­da­de de re­co­nhe­cer pes­so­as ou ob­je­tos co­muns, di­fi­cul­da­des mo­to­ras e de com­pre­en­são, al­te­ra­ções no com­por­ta­men­to, de­lí­ri­os, alu­ci­na­ções, al­te­ra­ção no ape­ti­te e insô­nia.

NO CÉREBRO

Ape­sar de as cau­sas do Alzhei­mer ain­da não se­rem to­tal­men­te com­pre­en­di­das pe­la me­di­ci­na, há o co­nhe­ci­men­to de al­gu­mas le­sões ce­re­brais ca­rac­te­rís­ti­cas da do­en­ça, co­mo a for­ma­ção das pla­cas se­nis (al­te­ra­ções ex­tra­ce­lu­la­res), que blo­quei­am a co­mu­ni­ca­ção en­tre as cé­lu­las; e os ema­ra­nha­dos neu­ro­fi­bri­la­res, que le­vam à de­ge­ne­ra­ção dos neurô­ni­os. É por es­te pro­ble­ma que a do­en­ça é co­nhe­ci­da pe­los lap­sos fre­quen­tes de me­mó­ria. De acor­do com a ABRAz (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Alzhei­mer), as áre­as mais atin­gi­das são as de cé­lu­las ner­vo­sas, res­pon­sá­veis jus­ta­men­te pe­la exe­cu­ção das fun­ções cog­ni­ti­vas.

CUIDADOS PREVENTIVOS

De acor­do com Sér­gio, ain­da que o Alzhei­mer se­ja uma do­en­ça ir­re­ver­sí­vel, é pos­sí­vel adi­ar sua ma­ni­fes­ta­ção atra­vés de há­bi­tos sau­dá­veis. “Pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas re­gu­lar­men­te, com­ba­ter a obe­si­da­de e o co­les­te­rol ruim (LDL) do san­gue e equi­li­brar o di­a­be­tes e a hi­per­ten­são ar­te­ri­al são fun­da­men­tais pa­ra re­tar­dar a pa­to­lo­gia”, afir­ma.

PÓS-DI­AG­NÓS­TI­CO

Nes­sa eta­pa, é pre­ci­so ter em men­te que ape­sar de ain­da não exis­tir uma cu­ra pa­ra a do­en­ça, exis­tem op­ções de tra­ta­men­tos capazes de re­tar­dar a evo­lu­ção do qua­dro do pa­ci­en­te. De acor­do com a ABRAz, o uso de me­di­ca­ção po­de tanto adi­ar a pro­gres­são da pa­to­lo­gia qu­an­to con­tro­lar al­guns sin­to­mas, co­mo agi­ta­ção e alu­ci­na­ções. Já a par­te não far­ma­co­ló­gi­ca do tra­ta­men­to in­clui cin­co pon­tos: es­tí­mu­los cog­ni­ti­vos (re­fle­xões e res­ga­te de me­mó­ri­as), so­ci­ais e fí­si­cos, organização do am­bi­en­te, já que de­sor­ga­ni­za­ção po­de cau­sar con­fu­são men­tal nos pa­ci­en­tes, e o au­xí­lio de uma ga­ma de pro­fis­si­o­nais com es­pe­ci­a­li­da­des dis­tin­tas (co­mo nu­tri­ci­o­nis­tas, edu­ca­do­res fí­si­cos e as­sis­ten­tes so­ci­ais). Lem­bre-se: qual­quer me­di­da de­ve ser ava­li­a­da por um pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.