Hora de desintoxicar!

Já pen­sou em con­su­mir alimentos capazes de eli­mi­nar as im­pu­re­zas do or­ga­nis­mo e, de que­bra, aju­dar no ema­gre­ci­men­to?

Coleção Almanaque da Saúde - - NEWS -

MUI­TO CO­NHE­CI­DA, A DIETA DETOX NADA MAIS É DO QUE UM PRO­CES­SO NO QUAL AS TO­XI­NAS DO OR­GA­NIS­MO SÃO ELIMINADAS POR MEIO DE UMA ALI­MEN­TA­ÇÃO EQUI­LI­BRA­DA. “Detox vem de de­sin­to­xi­ca­ção, e o ob­je­ti­vo des­sa dieta é li­vrar o cor­po de subs­tân­ci­as no­ci­vas acu­mu­la­das e pro­mo­ver uma fa­xi­na ge­ral, ati­van­do o me­ta­bo­lis­mo e me­lho­ran­do o fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo co­mo um todo.

No detox, a me­ta é re­du­zir a quan­ti­da­de de pro­du­tos quí­mi­cos in­ge­ri­dos (op­tan­do por alimentos or­gâ­ni­cos) e en­fa­ti­zar os alimentos que for­ne­cem vi­ta­mi­nas, nu­tri­en­tes e an­ti­o­xi­dan­tes de que o or­ga­nis­mo ne­ces­si­ta no pro­ces­so de de­sin­to­xi­ca­ção”, ex­pli­ca a nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki. Sai­ba mais so­bre o as­sun­to e se pre­pa­re pa­ra al­te­rar al­guns há­bi­tos ali­men­ta­res!

PRIN­CI­PAIS BE­NE­FÍ­CI­OS

A car­ga de to­xi­nas acu­mu­la­da al­te­ra a for­ma co­mo o cor­po de­ve fun­ci­o­nar, o que pro­vo­ca re­a­ções ad­ver­sas, co­mo de­se­qui­lí­brio hor­mo­nal, função imu­no­ló­gi­ca pre­ju­di­ca­da, de­fi­ci­ên­cia nu­tri­ci­o­nal e um me­ta­bo­lis­mo ine­fi­ci­en­te. Todas as subs­tân­ci­as ar­ma­ze­na­das no or­ga­nis­mo po­dem le­var ao apa­re­ci­men­to de di­ver­sos sin­to­mas, co­mo in­di­ges­tão, fal­ta de con­cen­tra­ção, dor de ca­be­ça, mau há­li­to, fa­di­ga, pe­le sem vi­ço e dor mus­cu­lar. “O gran­de be­ne­fí­cio é que um pro­gra­ma detox li­vra o cor­po des­ses pro­ble­mas e ain­da aju­da a ema­gre­cer. Após o detox, o ní­vel de ener­gia cres­ce, a pe­le fi­ca sau­dá­vel, os mo­vi­men­tos in­tes­ti­nais fi­cam re­gu­la­res, a di­ges­tão me­lho­ra e há um au­men­to de con­cen­tra­ção e de cla­re­za men­tal”, en­si­na Ta­ma­ra.

SILHUETA MAIS DEFINIDA

Co­mo a dieta detox aju­da a ace­le­rar o me­ta­bo­lis­mo, a con­sequên­cia di­re­ta é ha­ver um au­men­to do gas­to ca­ló­ri­co, ou se­ja, o cor­po res­pon­de mais rá­pi­do à dieta. O in­tes­ti­no e os rins fun­ci­o­nam me­lhor e is­so tam­bém con­tri­bui pa­ra a per­da de pe­so. “Os alimentos des­se pro­ces­so são le­ves e nu­tri­ti­vos, e per­mi­tem man­ter a ener­gia em al­ta, o que aju­da na prática de ati­vi­da­des fí­si­cas. O ema­gre­ci­men­to ocor­re co­mo con­sequên­cia do pro­ces­so de lim­pe­za or­gâ­ni­ca”, es­cla­re­ce a pro­fis­si­o­nal.

MAS, AFINAL, POR QUE ELI­MI­NAR TO­XI­NAS?

De uma for­ma bas­tan­te sim­ples, é pos­sí­vel di­zer que as to­xi­nas po­dem da­ni­fi­car os te­ci­dos do cor­po e, jus­ta­men­te por is­so, de­vem ser re­ti­ra­das do or­ga­nis­mo. Mas vo­cê sa­be de on­de elas sur­gem? Es­sas subs­tân­ci­as po­dem ser re­sul­tan­tes de pro­du­tos re­si­du­ais ge­ra­dos a par­tir da ati­vi­da­de ce­lu­lar nor­mal, tais co­mo amô­nia, áci­do lác­ti­co e ho­mo­cis­teí­na – is­to é, oriun­das do pró­prio or­ga­nis­mo. Ou­tras to­xi­nas são pro­ve­ni­en­tes de fo­ra do cor­po e es­tão no meio am­bi­en­te: con­ser­van­tes, po­lu­en­tes, agro­tó­xi­cos, me­di­ca­men­tos, co­mi­da e água. “Na dieta detox, a pri­o­ri­da­de fi­ca com alimentos que não so­bre­car­re­gam o sis­te­ma di­ges­ti­vo e que me­lho­ram a função do fí­ga­do, dos in­tes­ti­nos, dos rins, dos pul­mões, da pe­le, do san­gue e do sis­te­ma lin­fá­ti­co - to­dos tra­ba­lham jun­tos pa­ra ga­ran­tir que as to­xi­nas se­rão neu­tra­li­za­das e ex­cre­ta­das do cor­po”, ex­pli­ca a nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar.

PA­RA TODAS AS PES­SO­AS

Qual­quer pes­soa po­de fa­zer es­sa dieta, ex­ce­to em ca­sos de he­pa­to­pa­ti­as (do­en­ças do fí­ga­do gra­ves co­mo cir­ro­se, he­pa­ti­tes e que te­nham in­su­fi­ci­ên­cia re­nal e pan­creá­ti­ca). Se­gun­do a nu­tri­ci­o­nis­ta In­grid Bi­got­to, em ca­sos de qui­mi­o­te­ra­pia tam­bém é con­train­di­ca­do fa­zer o detox, pe­lo fa­to de que po­de ace­le­rar a saí­da do qui­mi­o­te­rá­pi­co do or­ga­nis­mo, mi­ni­mi­zan­do os efei­tos do tra­ta­men­to. Po­rém, to­da res­tri­ção de­ve ser ava­li­a­da por um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do. Pa­ra quem já tem um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, sub­me­ter-se a uma detox oca­si­o­nal­men­te, pa­ra tur­bi­nar o me­ta­bo­lis­mo e se li­vrar das to­xi­nas, es­tá li­be­ra­do.

“O detox pri­o­ri­za alimentos com al­to te­or de fi­bras e água, que agar­ram e eli­mi­nam as to­xi­nas, pois au­men­tam a frequên­cia das eva­cu­a­ções e da mic­ção”, Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki, nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar

CONSULTORIA: In­grid Bi­got­to, nu­tri­ci­o­nis­ta; Ta­ma­ra Ma­za­rac­ki, nu­tró­lo­ga e mé­di­ca or­to­mo­le­cu­lar FOTOS: Shut­ters­tock Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.