De­pres­são em nú­me­ros

A de­pres­são afe­ta mi­lhões de pes­so­as no mun­do in­tei­ro

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

ATU­AL­MEN­TE, SE­GUN­DO DA­DOS DA OR­GA­NI­ZA­ÇÃO MUN­DI­AL DA SAÚ­DE (OMS), são 322 mi­lhões de pes­so­as com de­pres­são no mun­do. Is­so sem con­tar aque­las que ain­da não fo­ram di­ag­nos­ti­ca­das por nem des­con­fi­a­rem que têm a do­en­ça ou por se re­cu­sa­rem a pro­cu­rar um mé­di­co. O nú­me­ro cres­ceu 18,4% de 2005 a 2015 e os es­pe­ci­a­lis­tas não sabem ao cer­to o porquê des­se cres­ci­men­to fre­quen­te. Pa­ra al­guns, a mai­or cons­ci­en­ti­za­ção das pes­so­as so­bre a ne­ces­si­da­de de pro­cu­rar aju­da mé­di­ca pa­ra os trans­tor­nos men­tais e, por­tan­to, o mai­or nú­me­ro de di­ag­nós­ti­cos, po­de ser uma ex­pli­ca­ção. Con­tu­do, o es­ti­lo de vi­da que mui­ta gen­te man­tém atu­al­men­te, com ex­ces­so de tra­ba­lho e in­for­ma­ção e pou­co tem­po pa­ra cui­dar de si mes­mo tam­bém po­de ser um fa­tor de­sen­ca­de­an­te.

BRA­SIL, UM DOS CAM­PEÕES

Des­sa vez, o fa­to de o Bra­sil es­tar nos pri­mei­ros lu­ga­res de um ran­king não é mo­ti­vo de co­me­mo­ra­ção: no país, são 11,5 mi­lhões

de pes­so­as com de­pres­são, o equi­va­len­te a 5,8% da po­pu­la­ção, nú­me­ro que faz o Bra­sil ser o país com mai­or pre­va­lên­cia da do­en­ça na Amé­ri­ca La­ti­na, fi­can­do atrás ape­nas dos Es­ta­dos Uni­dos, com 5,9% de pes­so­as de­pres­si­vas. E não é só a de­pres­são que au­men­ta por aqui. Ain­da se­gun­do a OMS, 18,6 mi­lhões de bra­si­lei­ros, ou 9,3% da po­pu­la­ção, têm trans­tor­nos de an­si­e­da­de. Es­se ti­po de pro­ble­ma tam­bém au­men­tou em dez anos, cres­cen­do 14,9% de 2005 a 2015. E, aten­ção: o Bra­sil fi­ca em pri­mei­ro lu­gar dos paí­ses com mai­or nú­me­ro de pes­so­as an­si­o­sas no mun­do. É PRE­CI­SO FA­LAR Quan­to mais in­for­ma­ção so­bre a do­en­ça for le­va­da à po­pu­la­ção, mais pes­so­as con­se­guem ter um di­ag­nós­ti­co cor­re­to e mai­or é a chan­ce de

Na Amé­ri­ca La­ti­na, o Bra­sil é o país com mai­or nú­me­ro de pes­so­as de­pres­si­vas

se com­ba­ter o pre­con­cei­to em tor­no da do­en­ça. “A de­pres­são é uma das prin­ci­pais cau­sas de in­ca­pa­ci­da­de no mun­do. O sui­cí­dio, as­so­ci­a­do à de­pres­são, faz cer­ca de 850 mil ví­ti­mas anu­al­men­te. Quan­do fa­la­mos de de­pres­são, por­tan­to, fa­la­mos de um as­sun­to mui­to sé­rio, de um trans­tor­no de hu­mor que len­ti­fi­ca as fun­ções psí­qui­cas e mo­to­ras do in­di­ví­duo, com­pro­me­ten­do tam­bém sua ca­pa­ci­da­de de aten­ção e con­cen­tra­ção”, in­for­ma a psi­có­lo­ga Cris­ti­a­ne Vi­lhe­na. Ao no­tar que apre­sen­ta os sin­to­mas des­cri­tos nas pró­xi­mas pá­gi­nas, por­tan­to, não he­si­te em bus­car um mé­di­co ou mes­mo pe­dir aju­da pa­ra pes­so­as pró­xi­mas. O tra­ta­men­to pa­ra a do­en­ça faz efei­to em cer­ca de dois me­ses e o mais im­por­tan­te é lem­brar que exis­tem di­ver­sos ti­pos de tra­ta­men­to – se um de­les não deu cer­to, ou­tro vai dar. Ter qua­li­da­de de vi­da é pos­sí­vel mes­mo com de­pres­são!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.