Tris­te­za ou de­pres­são?

En­ten­da as di­fe­ren­ças en­tre o sen­ti­men­to e a do­en­ça

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

IN­FE­LIZ­MEN­TE, AIN­DA É CO­MUM AL­GU­MAS PES­SO­AS ob­ser­va­rem um in­di­ví­duo com pos­sí­vel di­ag­nós­ti­co de de­pres­são e pen­sa­rem que é ape­nas uma fa­se, que ela não ne­ces­si­ta de aju­da mé­di­ca, já que to­do mun­do pas­sa por si­tu­a­ções di­fí­ceis na vi­da. Con­tu­do, uma tris­te­za pas­sa­gei­ra é bem di­fe­ren­te da de­pres­são. Além dis­so, as pes­so­as têm di­fe­ren­tes for­mas de li­dar com acon­te­ci­men­tos ruins – en­quan­to al­gu­mas se afe­tam por um cur­to pe­río­do de tem­po e con­se­guem se­guir com a vi­da nor­mal­men­te, ou­tras se afe­tam mais e po­dem até de­sen­vol­ver de­pres­são ca­so te­nham ten­dên­cia. As­sim, di­fe­ren­ci­ar uma tris­te­za co­mum da do­en­ça é ne­ces­sá­rio pa­ra sa­ber quan­do bus­car um tra­ta­men­to. Afi­nal, a de­pres­são não se cu­ra ape­nas com um om­bro ami­go, ape­sar de is­to tam­bém ser im­por­tan­te pa­ra o pa­ci­en­te. Mas, co­mo di­fe­ren­ci­ar os dois pro­ble­mas? Prin­ci­pal­men­te, ten­do aten­ção às mu­dan­ças de com­por­ta­men­to. Mui­tas ve­zes, os pró­pri­os pa­ci­en­tes não con­se­guem per­ce­ber que es­tão com um trans­tor­no men­tal. Por is­so, fa­mi­li­a­res e ou­tras pes­so­as pró­xi­mas tam­bém po­dem e de­vem re­pa­rar nes­sas mu­dan­ças e ori­en­tar so­bre a bus­ca de um tra­ta­men­to. Se­gun­do a psi­có­lo­ga Már­cia San­do, en­tre os prin­ci­pais sin­to­mas da de­pres­são es­tão:

tris­te­za pro­fun­da e in­ter­mi­ná­vel;

sen­sa­ção de va­zio pro­fun­do na al­ma

hu­mor de­pre­ci­a­ti­vo;

sen­sa­ção de fra­cas­so e inu­ti­li­da­de;

de­sâ­ni­mo;

de­sin­te­res­se por ati­vi­da­des que eram pra­ze­ro­sas;

sen­ti­men­to de me­do;

in­de­ci­são in­clu­si­ve em si­tu­a­ções de es­co­lhas sim­ples;

an­si­e­da­de e an­gús­tia;

ten­são na nu­ca e om­bros e do­res no cor­po;

fal­ta de in­te­res­se so­ci­al;

al­te­ra­ções no so­no co­mo insô­nia ou so­no­lên­cia ex­ces­si­va;

fal­ta de ape­ti­te ou com­pul­são por co­mi­da;

cri­ses de cho­ro sem mo­ti­vo apa­ren­te; bai­xa au­to­es­ti­ma.

Co­mo é pos­sí­vel per­ce­ber na lis­ta, exis­tem di­fe­ren­tes sin­to­mas e eles po­dem se ma­ni­fes­tar de for­mas con­trá­ri­as em ca­da pa­ci­en­te. As­sim, o ide­al pro­cu­rar um psi­qui­a­tra ou psi­có­lo­go quan­do um ou mais sin­to­mas co­me­çam a in­co­mo­dar, pa­ra ter um di­ag­nós­ti­co cor- re­to. “Quan­do a pes­soa per­ce­be que es­tá tris­te há mais de 15 di­as con­se­cu­ti­vos, é um óti­mo mo­men­to pa­ra pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal, pois pos­si­vel­men­te es­tá no início de um es­ta­do de­pres­si­vo. Con­tu­do, a de­pres­são é uma do­en­ça que, mui­tas ve­zes, pas­sa des­per­ce­bi­da por anos”, afir­ma Már­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.