Di­fe­ren­cie do trans­tor­no bi­po­lar

A con­fu­são en­tre os dois po­de le­var a um tra­ta­men­to ina­de­qua­do

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

OTRANS­TOR­NO BI­PO­LAR É CA­RAC­TE­RI­ZA­DO pela al­ter­nân­cia de hu­mor: o pa­ci­en­te al­ter­na en­tre epi­só­di­os de eu­fo­ria (ou ma­nia) e de­pres­são, e a in­ten­si­da­de dos sin­to­mas va­ria. “A ma­nia ou eu­fo­ria é sinô­ni­mo de hu­mor ele­va­do, ou se­ja, uma con­di­ção em que o hu­mor ex­pan­di­do, ex­ces­si­va­men­te alar­ga­do e ex­plo­si­vo le­va não so­men­te a si­tu­a­ções de hi­pe­ra­ti­vi­da­de men­tal, de pen­sa­men­tos, mas que afe­ta o so­no e a cog­ni­ção. A de­pres­são, por sua vez, é uma con­di­ção de hu­mor de­pri­mi­do, tris­te­za ex­ces­si­va sem mo­ti­vo apa­ren­te, on­de le­va tam­bém a efei­tos ne­ga­ti­vos e pou­ca ener­gia na cog­ni­ção, com pen­sa­men­tos pes­si­mis­tas, de­sis­tên­cia de pro­je­tos, iso­la­men­to so­ci­al, per­da de von­ta­de pa­ra tu­do (in­clu­si­ve com o de­se­jo re­cor­ren­te de sui­cí­dio) e al­te­ra­ção do so­no”, in­for­ma o neu­ro­pe­di­a­tra Clay Bri­tes, do Ins­ti­tu­to Neu­roSa­ber.

Mas, ape­sar de ha­ver es­sa al­ter­nân­cia, o trans­tor­no bi­po­lar não se manifesta de for­ma tão cla­ra. É pos­sí­vel que o pa­ci­en­te apre­sen­te, sim, dois humores di­fe­ren­tes in­ten­sa­men­te num mes­mo dia, mas tam­bém é pos­sí­vel que a fa­se de­pres­si­va du­re me­ses até a eu­fo­ria sur­gir. Es­ta ou­tra fa­se, ain­da, po­de apa­re­cer co­mo hi­po­ma­nia, ou se­ja, com sin­to­mas le­ves do que os da de­pres­são. Co­mo na fa­se eu­fó­ri­ca o pa­ci­en­te acre­di­ta es­tar bem, sen­te a au­to­es­ti­ma ele­va­da e dis­po­si­ção pa­ra ini­ci­ar vá­ri­os pro­je­tos, é mais co­mum que ele bus­que aju­da mé­di­ca na fa­se de­pres­si­va, quei­xan­do-se dos sin­to­mas des­ses epi­só­di­os e le­van­do o mé­di­co, por­tan­to, a di­ag­nos­ti­car a de­pres­são.

TRA­TA­MEN­TO COR­RE­TO

Co­mo ain­da não exis­tem exa­mes ca­pa­zes de de­tec­tar os ti­pos de trans­tor­nos emo­ci­o­nais, o di­ag­nós­ti­co do trans­tor­no bi­po­lar, as­sim co­mo o da de­pres­são, é clí­ni­co, re­a­li­za­do por um psi­qui­a­tra. O es­pe­ci­a­lis­ta vai in­di­car o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra con­tro­lar as cri­ses e as mu­dan­ças de hu­mor. Ca­so es­se di­ag­nós­ti­co de­mo­re a ser re­a­li­za­do, o trans­tor­no po­de se agra­var, pro­vo­can­do in­clu­si­ve qua­dros de de­mên­cia. O tra­ta­men­to ina­de­qua­do po­de tra­zer con­sequên­ci­as. Por ser con­fun­di­do com a de­pres­são, o trans­tor­no bi­po­lar cos­tu­ma ser tra­ta­do com medicamentos an­ti­de­pres­si­vos ape­nas, o que po­de agra­var o epi­só­dio de ma­nia quan­do ele sur­ge. “O tra­ta­men­to incorreto po­de cau­sar uma vi­ra­da da de­pres­são pa­ra o qua­dro ma­nía­co, que é mais di­fí­cil de tra­tar, por­que o pa­ci­en­te acre­di­ta que es­tá bem. Em mui­tos ca­sos, na fa­se ma­nía­ca os pa­ci­en­tes pre­ci­sam de in­ter­na­ção, pois não têm crí­ti­ca do que es­tá acon­te­cen­do com eles”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Sér­gio Lima.

CO­MO DI­FE­REN­CI­AR?

Se­gun­do a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Trans­tor­no Bi­po­lar, o di­ag­nós­ti­co po­de de­mo­rar até dez anos pa­ra ser confirmado. Es­ti­ma-se que 60% das pes­so­as es­te­jam com di­ag­nós­ti­cos equi­vo­ca­dos atu­al­men­te. Di­fe­ren­ci­ar o trans­tor­no bi­po­lar (TB) da de­pres­são de­pen­de de uma ava­li­a­ção cui­da­do­sa do mé­di­co, que de­ve in­ves­ti­gar não só os sin­to­mas apre­sen­ta­dos, co­mo tam­bém to­do o his­tó­ri­co de saú­de do pa­ci­en­te e de seus fa­mi­li­a­res. Is­so por­que o TB tem car­ga ge­né­ti­ca, ape­sar de di­ver­sos fa­to­res em con­jun­to se­rem res­pon­sá­veis pe­lo seu apa­re­ci­men­to. Se­gun­do uma re­vi­são de es­tu­dos da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), o TB tem in­ci­dên­cia su­pe­ri­or a 80% em gê­me­os idên­ti­cos, cain­do pa­ra 6% em pa­ren­tes do pri­mei­ro grau. O di­ag­nós­ti­co de de­pres­são em mui­tas pes­so­as da fa­mí­lia tam­bém po­de ser um fa­tor de ris­co pa­ra o TB, além de de­pres­são com sin­to­mas psi­có­ti­cos e de início an­tes dos 25 anos.

CO­MO TRA­TAR?

Os medicamentos mais in­di­ca­dos pa­ra con­tro­lar o trans­tor­no bi­po­lar são os es­ta­bi­li­za­do­res de hu­mor, co­mo o car­bo­na­to de lítio. “É um dos medicamentos es­pe­cí­fi­cos pa­ra o trans­tor­no. De­pois de es­tu­dos, os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que es­sas fon­tes eram ri­cas em lítio e, as­sim, ele foi de­sen­vol­vi­do co­mo me­di­ca­men­to”, co­men­ta o psi­qui­a­tra. Os an­ti­de­pres­si­vos tam­bém po­dem ser in­di­ca­dos pa­ra se­rem usa­dos em con­jun­to com os es­ta­bi­li­za­do­res de hu­mor e aju­dam a con­tro­lar os epi­só­di­os de­pres­si­vos. Ou­tros medicamentos ain­da po­dem agir na estabilização do hu­mor, co­mo os an­ti­con­vul­si­van­tes. E é sem­pre bom lem­brar que a psi­co­te­ra­pia é fun­da­men­tal pa­ra qual­quer que se­ja o trans­tor­no emo­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.