Cau­sas e fa­to­res de ris­co

Sai­ba quem es­tá mais sus­ce­tí­vel a de­sen­vol­ver a do­en­ça

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

ADEPRESSÃO É UMA DO­EN­ÇA CE­RE­BRAL, es­tru­tu­ral e or­gâ­ni­ca, pro­vo­ca­da por um de­se­qui­lí­brio nas mo­lé­cu­las que co­nec­tam os neurô­ni­os, cha­ma­das de neu­ro­trans­mis­so­res”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta Le­an­dro Te­les. Na de­pres­são, os prin­ci­pais neu­ro­trans­mis­so­res al­te­ra­dos são a se­ro­to­ni­na, a adre­na­li­na e a do­pa­mi­na, que fi­cam re­du­zi­dos. “Com is­so, ocor­re mai­or di­fi­cul­da­de em sen­tir pra­zer e o pa­ci­en­te fi­ca len­ti­fi­ca­do, quei­xo­so e fra­gi­li­za­do”, des­ta­ca.

Es­tu­dos apon­tam pa­ra al­te­ra­ções em al­gu­mas re­giões es­pe­cí­fi­cas do cé­re­bro, co­mo o lo­bo fron­tal, amíg­da­la e hi­po­cam­po, além de tá­la­mo e hi­po­tá­la­mo, re­giões que co­man­dam cir­cui­ta­ri­as emo­ci­o­nais e re­per­cu­tem na saú­de fí­si­ca, uma vez que ge­ren­ci­am tam­bém a se­cre­ção de hormô­ni­os e subs­tân­ci­as que co­man­dam o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co e car­di­o­vas­cu­lar. Já se sa­be, por­tan­to, mui­to do que acon­te­ce no cé­re­bro de uma pes­soa de­pres­si­va, po­rém o que de­sen­ca­deia a do­en­ça?

DI­VER­SAS CAU­SAS

A do­en­ça é mul­ti­fa­to­ri­al, o que sig­ni­fi­ca que é de­sen­ca­de­a­da por uma com­bi­na­ção de fa­to­res de ris­co. “En­vol­ve fa­to­res ge­né­ti­cos, hor­mo­nais e am­bi­en­tais”, sa­li­en­ta o neu­ro­lo­gis­ta. Si­tu­a­ções es­tres­san­tes tam­bém po­dem ser­vir de ga­ti­lho pa­ra o pro­ble­ma. “Do pon­to de vis­ta psi­co­ló­gi­co, a

de­pres­são es­tá re­la­ci­o­na­da a ex­pe­ri­ên­ci­as de per­das sig­ni­fi­ca­ti­vas, co­mo mor­te de um en­te qu­e­ri­do, per­da de um em­pre­go, de um lo­cal de mo­ra­dia ou de sta­tus so­ci­o­e­conô­mi­co, do­en­ça grave ou crô­ni­ca ou al­go pu­ra­men­te sim­bó­li­co e im­por­tan­te pa­ra aque­la pes­soa que não pos­sa ser al­can­ça­do ou te­nha si­do per­di­do”, lis­ta a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Mar­cel­la Man­to­va­ni Pa­zi­ni.

DE PAIS PA­RA FI­LHOS?

A ge­né­ti­ca é um fa­tor de ris­co pa­ra a de­pres­são, por is­so, cri­an­ças com pais de­pres­si­vos ou com ou­tros trans­tor­nos emo­ci­o­nais têm mais chan­ces de de­sen­vol­ve­rem a do­en­ça. Con­tu­do, é pre­ci­so ha­ver uma com­bi­na­ção com os fa­to­res am­bi­en­tais. As­sim, a do­en­ça po­de es­tar mais re­la­ci­o­na­da com o am­bi­en­te que se vi­ve e com a edu­ca­ção emo­ci­o­nal que se re­ce­be do que com a he­re­di­ta­ri­e­da­de. La­res com adul­tos de­pres­si­vos ou an­si­o­sos ten­dem a ser mais pro­ble­má­ti­cos, as­sim, as cri­an­ças tam­bém cres­cem com es­ses sen­ti­men­tos, o que au­men­ta o ris­co de ter de­pres­são. “O mais im­por­tan­te não é sim­ples­men­te o fa­tor ex­ter­no, mas a in­ter­pre­ta­ção de­le. Quan­do a pes­soa se vê pa­ra bai­xo, acha que o mun­do es­tá con­tra ela e não con­se­gue en­fren­tar as si­tu­a­ções que a vi­da apre­sen­ta, ati­tu­de que de­sen­ca­deia a de­pres­são. As­sim, vá­ri­os sis­te­mas neu­rais são en­fra­que­ci­dos e o cór­tex pré-fron­tal di­rei­to co­me­ça a ser ati­va­do. En­tão, há uma jun­ção de ele­men­tos que po­dem ser con­si­de­ra­dos cau­sa­do­res: si­tu­a­ção, in­ter­pre­ta­ção, sis­te­ma neu­ro­ló­gi­co de neu­ro­trans­mis­so­res e ati­va­ção do cór­tex pré-fron­tal”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga e co­a­ch Gra­zi­e­la Van­ni.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.