De­pres­são pós-par­to

A de­pres­são pós-par­to afe­ta um quar­to das mu­lhe­res e pre­ju­di­ca a re­la­ção com o be­bê se não for tra­ta­da cor­re­ta­men­te

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

ÉNATURAL QUE AS IN­TEN­SAS AL­TE­RA­ÇÕES HOR­MO­NAIS da gra­vi­dez, so­ma­das à mu­dan­ça na ro­ti­na e no fí­si­co da mu­lher, cau­sem di­fi­cul­da­de de adap­ta­ção e, por­tan­to, mu­dan­ças de hu­mor, que afe­tam en­tre 40% e 60% das mu­lhe­res. Es­ses epi­só­di­os são cha­ma­dos de ‘baby blu­es’ e con­sis­tem em um es­ta­do de tris­te­za, des­con­for­to e cho­ro fre­quen­te, que po­dem de­sa­pa­re­cer es­pon­ta­ne­a­men­te após a adap­ta­ção à no­va si­tu­a­ção fa­mi­li­ar e in­te­gra­ção do no­vo ele­men­to nas ro­ti­nas da fa­mí­lia. “Mui­tas mu­lhe­res se sen­tem con­fu­sas por se sen­ti­rem tris­tes após um even­to con­si­de­ra­do tão fe­liz. Is­so faz com que de­sen­vol­vam sen­ti­men­tos de cul­pa, se iso­lem e não fa­lem so­bre o que es­tão sen­tin­do”, acres­cen­ta a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­a­ne Ma­luf Mar­tin. As­sim, é fun­da­men­tal que a fa­mí­lia ofe­re­ça to­do o su­por­te ne­ces­sá­rio à mãe e tam­bém preste aten­ção ao com­por­ta­men­to de­la. Se es­sa tris­te­za per­du­rar ou se for acom­pa­nha­da de ou­tros sin­to­mas, há o ris­co de de­pres­são pós-par­to. “Es­sa con­di­ção é mais sé­ria e du­ra­dou­ra do que a tris­te­za ma­ter­na. Ela cau­sa um im­pac­to em to­da a fa­mí­li, até nos be­bês. Mui­tos de­les con­se­guem su­pe­rar is­so, mas é pos­sí­vel que in­ter­fi­ra no de­sen­vol­vi­men­to do re­la­ci­o­na­men­to en­tre a mãe, seu be­bê e a fa­mí­lia. Por­tan­to, seus efei­tos po­dem per­du­rar até mes­mo de­pois que a de­pres­são pas­sa”, ex­pli­ca Cris­ti­a­ne.

OLHO NOS SIN­TO­MAS

Pro­cu­re ori­en­ta­ção mé­di­ca ca­so a mãe apre­sen­te os se­guin­tes si­nais: fal­ta de in­te­res­se no be­bê;

sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos so­bre o be­bê; per­da de pra­zer; fal­ta de ener­gia e mo­ti­va­ção; sen­ti­men­tos de inu­ti­li­da­de e cul­pa; al­te­ra­ções no ape­ti­te ou pe­so; dor­mir mais ou me­nos do que o ha­bi­tu­al; pen­sa­men­tos re­cor­ren­tes de mor­te ou sui­cí­dio. Quan­do há o di­ag­nós­ti­co de de­pres­são pós-par­to, é pre­ci­so com­pr­ren­der que a re­la­ção com­pli­ca­da que a mãe apre­sen­ta com a cri­an­ça é re­sul­ta­do da do­en­ça. “Ter de­pres­são pós-par­to não sig­ni­fi­ca que a pes­soa não quer, não ama ou não acolheu bem o be­bê re­cém-che­ga­do. Não existe uma ex­pli­ca­ção sim­ples pa­ra a cau­sa, no en­tan­to, a com­bi­na­ção de es­tres­se e pre­o­cu­pa­ções tor­na mui­to mai­or a pos­si­bi­li­da­de da mu­lher ficar de­pri­mi­da após o par­to. Mu­lhe­res com pre­dis­po­si­ção pa­ra de­pres­são, ou que já ti­ve­ram trans­tor­no de­pres­si­vo em al­gum mo­men­to da vi­da, de­vem ficar aten­tas pa­ra não de­sen­vol­ver es­se qua­dro no pós-par­to”, avi­sa a psi­ca­na­lis­ta.

APOIO E TRA­TA­MEN­TO COR­RE­TO

Ape­sar de sin­to­mas le­ves co­mo o baby blu­es de­sa­pa­re­ce­rem com o tem­po,

con­sul­tar um psi­có­lo­go ou psi­qui­a­tra po­de ser útil pa­ra des­car­tar a pos­si­bi­li­da­de de de­pres­são pós-par­to. O tra­ta­men­to da do­en­ça po­de ser fei­to ape­nas com psi­co­te­ra­pia ou com a in­clu­são de medicamentos, que de­ve ser mui­to bem ava­li­a­da pa­ra não cau­sar prejuízos ao be­bê du­ran­te a ama­men­ta­ção. Atu­al­men­te, já exis­tem al­gu­mas op­ções se­gu­ras pa­ra o be­bê. Co­mo em to­do ca­so de de­pres­são, o tra­ta­men­to de­ve ser acom­pa­nha­do do apoio dos fa­mi­li­a­res. É im­por­tan­te que eles aju­dem nos cui­da­dos com o be­bê, uma vez que a mãe po­de não es­tar ap­ta pa­ra is­so até que os sin­to­mas se­jam con­tro­la­dos. Além da aten­ção com a cri­an­ça, mos­trar com­pre­en­são com a mu­lher tam­bém é in­dis­pen­sá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.