Na in­fân­cia

A de­pres­são tam­bém po­de se ma­ni­fes­tar em cri­an­ças e exi­ge aten­ção dos adul­tos pa­ra re­co­nhe­cer o pro­ble­ma

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

APE­SAR DE MUI­TA GEN­TE RE­LA­CI­O­NAR A DE­PRES­SÃO à vi­da adul­ta, a do­en­ça tam­bém po­de apa­re­cer na in­fân­cia. Es­sa fa­se, que de­ve­ria ser mar­ca­da pe­las des­pre­o­cu­pa­ções, pe­lo apren­di­za­do e pela di­ver­são, tam­bém po­de con­ter even­tos

trau­má­ti­cos ou sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos. Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), o nú­me­ro de cri­an­ças en­tre seis e 12 anos di­ag­nos­ti­ca­das com de­pres­são au­men­tou de 4,5% pa­ra 8% nos úl­ti­mos dez anos. O di­ag­nós­ti­co nem sem­pre é fá­cil: as cri­an­ças têm di­fi­cul­da­des pa­ra ex­pres­sar o que elas sen­tem, co­mo uma dor em qual­quer ou­tra do­en­ça. En­tão, é fun­ção dos adul­tos pres­ta­rem aten­ção ao com­por­ta­men­to dos pe­que­nos e bus­ca aju­da mé­di­ca ca­so no­tem que há al­go er­ra­do. “Pais e res­pon­sá­veis de­vem ficar aler­tas ao com­por­ta­men­to dos fi­lhos; a cri­an­ça não sa­be iden­ti­fi­car su­as emo­ções e é o adul­to que dá sig­ni­fi­ca­do às quei­xas que vão ser no­me­a­das, co­mo rai­va, com­pul­são, tris­te­za, an­si­e­da­de ou an­gús­tia”, diz a psi­có­lo­ga Be­a­triz Acam­po­ra, es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia in­fan­til.

CO­MO DES­CON­FI­AR?

Se­gun­do Be­a­triz, a cri­an­ça ten­de a trans­for­mar o so­fri­men­to psí­qui­co em fí­si­co e co­me­ça a se quei­xar de pro­ble­mas co­mo dor no cor­po, de ca­be­ça e de barriga. Di­fi­cil­men­te os pe­que­nos vão re­cla­mar de sen­ti­men­tos co­mo va­zio, me­do in­de­fi­ni­do, se­gu­ran­ça ou fal­ta de au­to­es­ti­ma, pois es­ses dis­cur­sos são tí­pi­cos da vi­da adul­ta. “Na in­fân­cia, a de­pres­são é di­fe­ren­te. O trans­tor­no de­pres­si­vo in­fan­til é um qua­dro sé­rio e ca­paz de com­pro­me­ter o de­sem­pe­nho, o de­sen­vol­vi­men­to e a ma­tu­ri­da­de psi­cos­so­ci­al. Os pe­que­nos po­dem ter pro­ble­mas pa­ra se re­la­ci­o­nar com otu­ras cri­an­ças, além de apre­sen­tar fal­ta de ren­di­men­to nos es­tu­dos e de­se­jar o iso­la­men­to”, in­for­ma a psi­có­lo­ga Le­tí­cia Gu­e­des, es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia com­por­ta­men­tal. Ain­da é pos­sí­vel ob­ser­var ou­tros si­nais de de­pres­são nas cri­an­ças:

ficar mui­to tem­po pa­ra­do, quieto, sem ener­gia pa­ra brin­car; ne­ces­si­da­de de iso­la­men­to, não sen­tir in­te­res­se de in­te­ra­gir com ou­tras cri­an­ças; me­do de se se­pa­rar de pes­so­as im­por­tan­tes, co­mo pai, mãe ou cui­da­dor; dor­mir de­mais ou de me­nos; com­por­ta­men­to agres­si­vo. Ao no­tar os sin­to­mas, os adul­tos de­vem bus­car um psi­qui­a­tra ou psi­có­lo­go e des­cre­vê-los. O acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co é fun­da­men­tal pa­ra que a do­en­ça não cau­se prejuízos fu­tu­ros.

DE ON­DE VEM?

Na mai­o­ria dos ca­sos, existe um com­po­nen­te ge­né­ti­co e he­re­di­tá­rio rep­son­sá­vel por de­sen­ca­de­ar qua­dros de de­pres­são in­fan­til. Os ou­tros fa­to­res que in­flu­en­ci­am no apa­re­ci­men­to do pro­ble­ma es­tão re­la­ci­o­na­dos a si­tu­a­ções

de lu­to, per­das, se­pa­ra­ção dos pais, di­fi­cul­da­de de adap­ta­ção a si­tu­a­ções no­vas (co­mo mu­dan­ça de es­co­la, de ca­sa, che­ga­da de um no­vo mem­bro na fa­mí­lia, etc.). “Es­sas si­tu­a­ções po­dem ge­rar es­tres­se, que vai des­gas­tan­do a cri­an­ça e con­du­zin­do a um qua­dro de­pres­si­vo”, des­ta­ca Be­a­triz. O bullying (si­tu­a­ção em que a cri­an­ça so­fre agres­são fí­si­ca, ver­bal ou al­gum ti­po de per­se­gui­ção) é ou­tro fa­tor que po­de cau­sar sen­ti­men­tos de­pres­si­vos, co­mo iso­la­men­to, apa­tia e me­do.

NA ADO­LES­CÊN­CIA

Pas­sa­da a in­fân­cia, che­ga uma fa­se ain­da mais com­pli­ca­da, mar­ca­da por mui­tas mu­dan­ças: é uma fa­se de trans­for­ma­ção fí­si­ca e emo­ci­o­nal, quan­do sur­gem co­bran­ças e, mui­tas ve­zes, o an­seio por fa­zer par­te de um gru­po e agra­dar às pes­so­as. Por cau­sa des­sa tur­bu­lên­cia de emo­ções, é di­fí­cil iden­ti­fi­car no ado­les­cen­te uma de­pres­são e di­fe­ren­ciá-las de emo­ções co­muns da fa­se. “Mui­tos dos sin­to­mas que in­di­cam a do­en­ça em um adul­to nem sem­pre são apon­ta­dos em um ado­les­cen­te. Por se tra­tar de uma fa­se atí­pi­ca, com mu­dan­ças hor­mo­nais in­ten­sas, é pos­sí­vel que o jo­vem apre­sen­te os si­nais e não es­te­ja de­pres­si­vo”, apon­ta a psi­có­lo­ga Mi­ri­am Bar­ros. Os mes­mos si­nais que a cri­an­ça apre­sen­ta tam­bém po­dem in­di­car de­pres­são no ado­les­cen­te, além de abu­so de be­bi­das al­coó­li­cas ou dro­gas. Ao no­tar es­ses com­por­ta­men­tos, o ide­al é bus­car um mé­di­co.

En­tre 2004 e 2014, a de­pres­são in­fan­til pas­sou de 4,5% pa­ra 8% das cri­an­ças, se­gun­do da­dos da OMS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.