De­pres­são co­mo sin­to­ma

O es­ta­do de­pres­si­vo po­de in­di­car a pre­sen­ça de ou­tros pro­ble­mas de saú­de

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

IN­VES­TI­GAR: ES­SA É A PA­LA­VRA MAIS IM­POR­TAN­TE na ho­ra de re­a­li­zar o di­ag­nós­ti­co de qual­quer do­en­ça. Quan­do há sin­to­mas de­pres­si­vos, eles po­dem ser si­nal de de­pres­são pri­má­ria ou se­cun­dá­ria, ca­so se­ja de­sen­ca­de­a­da por ou­tros pro­ble­mas de saú­de. Sa­ber dis­so per­mi­te que o tra­ta­men­to se­ja mais efi­caz, já que é im­pres­cin­dí­vel com­ba­ter su­as cau­sas. “To­da do­en­ça po­de le­var à de­pres­são por­que uma pes­soa fi­ca de­bi­li­ta­da. Tu­do de­pen­de de co­mo a pes­soa re­a­ge à do­en­ça”, des­ta­ca a psi­ca­na­lis­ta Jú­lia Bá­rány. Do­en­ças gra­ves, prin­ci­pal­men­te, dei­xam o in­di­ví­duo mais vul­ne­rá­vel. Mas, a de­pres­são tam­bém po­de ser sin­to­ma de al­guns pro­ble­mas de saú­de e, em mui­tos des­ses ca­sos, ao se tra­tar o pro­ble­ma, com­ba­tem-se tam­bém os sin­to­mas de­pres­si­vos.

FIBROMIALGIA Se­gun­do a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Do­en­tes com Fibromialgia (APDF), a do­en­ça é ca­rac­te­ri­za­da por do­res neu­ro­mus­cu­la­res di­fu­sas e pela pre­sen­ça de pon­tos do­lo­ro­sos em re­giões de­ter­mi­na­das. Fa­di­ga, dis­túr­bi­os do so­no e dis­túr­bi­os emo­ci­o­nais tam­bém são sin­to­mas da fibromialgia. O di­ag­nós­ti­co não é tão sim­ples por­que a do­en­ça não é in­fla­ma­tó­ria e, por is­so, não po­de ser de­tec­ta­da por exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais. Po­rém, pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­lis­tas es­ta­be­le­ce­ram cri­té­ri­os pa­ra o di­ag­nós­ti­co que, jun­to com o des­car­te de pos­sí­veis do­en­ças que pro­vo­cam o mes­mo sin­to­ma, per­mi­tem a con­fir­ma­ção da do­en­ça. Es­tu­dos mos­tram que de 30% a 40% dos pa­ci­en­tes com fibromialgia apre­sen­tam de­pres­são no mo­men­to do di­ag­nós­ti­co e 60% no de­cor­rer de su­as vi­das. “É fun­da­men­tal in­ter­vir nos sin­to­mas as­so­ci­a­dos à dor, co­mo na de­pres­são e an­si­e­da­de, nos sin­to­mas in­tes­ti­nais e tra­tar in­ci­si­va­men­te os trans­tor­nos do so­no”, avi­sa o neu­ro­lo­gis­ta Le­an­dro Te­les. A fibromialgia é tra­ta­da com medicamentos e há­bi­tos sau­dá­veis, e as te­ra­pi­as com­ple­men­ta­res co­mo acu­pun­tu­ra, hi­dro­te­ra­pia e fi­si­o­te­ra­pia fa­zem a di­fe­ren­ça no con­tro­le dos sin­to­mas. HI­PO­TI­RE­OI­DIS­MO A ti­re­oi­de é uma glân­du­la lo­ca­li­za­da na gar­gan­ta e res­pon­sá­vel pela pro­du­ção de hormô­ni­os que con­tro­lam o me­ta­bo­lis­mo. Quan­do ela não es­tá fun­ci­o­nan­do cor­re­ta­men­te, po­de ocor­rer hi­per­ti­re­oi­dis­mo (pro­du­ção exa­ge­ra­da de hormô­ni­os) ou hi­po­ti­re­oi­dis­mo (bai­xa pro­du­ção). Es­ses dois pro­ble­mas in­ter­fe­rem no fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo to­do, ace­le­ran­do e re­tar­dan­do o

me­ta­bo­lis­mo, res­pec­ti­va­men­te. No hi­po­ti­re­oi­dis­mo, os prin­ci­pais sin­to­mas são can­sa­ço, di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção, câim­bras fre­quen­tes, dé­fi­cit de me­mó­ria, que­da de ca­be­lo, dis­túr­bi­os mens­tru­ais e cons­ti­pa­ção. A de­pres­são é ou­tro pro­ble­ma que po­de sur­gir com o hi­po­ti­re­oi­dis­mo, ape­sar de co­mo es­sa as­so­ci­a­ção ocor­re ain­da não es­tar tão cla­ra. Não é to­do in­di­ví­duo com hi­po­ti­re­oi­dis­mo que vai apre­sen­tar de­pres­são, mas o ris­co é bem mai­or. O tra­ta­men­to é re­a­li­za­do com medicamentos que re­e­qui­li­bram os hormô­ni­os e, as­sim que a do­en­ça é con­tro­la­da, os sin­to­mas tam­bém são.

INSÔ­NIA

Se­gun­do um es­tu­do pu­bli­ca­do no pe­rió­di­co ci­en­tí­fi­co The Lan­cet Psy­chi­a­try, a insô­nia po­de ser a cau­sa de de­pres­são e an­si­e­da­de. Fo­ram ava­li­a­das 3.890 pes­so­as

com di­fi­cul­da­de pa­ra dor­mir, di­vi­di­das em dois gru­pos: o pri­mei­ro pas­sou pela te­ra­pia cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal e apre­sen­tou 20% me­nos ris­co de so­frer de an­si­e­da­de e de­pres­são e noi­tes de so­no 50% me­lho­res em re­la­ção ao gru­po que não re­ce­beu ne­nhum ti­po de tra­ta­men­to. Os pes­qui­sa­do­res acre­di­tam que a fal­ta de so­no pre­ju­di­ca a saú­de men­tal por não per­mi­tir que o cé­re­bro or­ga­ni­ze as me­mó­ri­as no­vas e an­ti­gas, fa­zen­do o in­di­ví­duo fo­car em pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos e re­pe­ti­ti­vos. A psi­co­te­ra­pia, por­tan­to, po­de aju­dar quem so­fre de dis­túr­bi­os do so­no a não de­sen­vol­ver do­en­ças men­tais. Con­tu­do, tra­tar es­ses dis­túr­bi­os com o neu­ro­lo­gis­ta é a me­lhor for­ma de com­ba­ter os dois pro­ble­mas.

A insô­nia ten­de a pre­ce­der a de­pres­são em 43% dos ca­sos

QUAN­DO A DE­PRES­SÃO É A CAU­SA

As­sim co­mo cer­tos pro­ble­mas de saú­de po­dem pro­vo­car sin­to­mas de­pres­si­vos, a de­pres­são, se não tra­ta­da, tam­bém po­de pro­vo­car vá­ri­os pro­ble­mas fí­si­cos. “Os dis­túr­bi­os emo­ci­o­nais po­dem apre­sen­tar sin­to­mas fí­si­cos co­mo es­go­ta­men­to fí­si­co, fal­ta ou au­men­to de ape­ti­te, ânsia de vô­mi­to cons­tan­te, pro­ble­mas di­ges­ti­vos ou gas­troin­tes­ti­nais, dor de ca­be­ça, can­sa­ço ou fa­di­ga, mu­dan­ça no ci­clo de so­no, mu­dan­ças no pe­so, do­res no cor­po e bai­xa imu­ni­da­de”, lis­ta a psi­có­lo­ga e pa­les­tran­te Aline For­tes Ri­bei­ro. Con­fi­ra al­guns pro­ble­mas que po­dem sur­gir:

Pro­ble­mas de pe­le: a mai­or cir­cu­la­ção de hormô­ni­os que cau­sam an­si­e­da­de e es­tres­se afe­ta a imu­ni­da­de, pro­vo­can­do efei­tos vi­sí­veis na pe­le, co­mo ur­ti­cá­ria, vi­ti­li­go, co­cei­ras, que­da de ca­be­lo e ac­nes. Quem já tem pro­ble­mas de pe­le co­mo a der­ma­ti­te po­de ter o es­ta­do agra­va­do pela de­pres­são ou por cri­ses de an­si­e­da­de. A der­ma­ti­te ató­pi­ca é um dos ti­pos mais co­muns de aler­gi­as de pe­le, crô­ni­ca e que dei­xa a pe­le se­ca e com erup­ções que co­çam.

Pro­ble­mas di­ges­ti­vos: já ou­viu fa­lar em “gas­tri­te ner­vo­sa”? É a dor no estô­ma­go pro­vo­ca­da ou agra­va­da pe­los pro­ble­mas emo­ci­o­nais. Is­so por­que a mu­co­sa do estô­ma­go re­a­ge de acor­do com os hormô­ni­os que cir­cu­lam no or­ga­nis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.