Pa­pel da psi­co­te­ra­pia

Ela de­ve ser a pri­mei­ra op­ção no tra­ta­men­to da de­pres­são

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

PSI­QUI­A­TRA E PSI­CÓ­LO­GO SÃO OS DOIS PRIN­CI­PAIS PRO­FIS­SI­O­NAIS que vão atu­ar no tra­ta­men­to da de­pres­são. Ape­sar de am­bos po­de­rem ser te­ra­peu­tas, so­men­te o psi­qui­a­tra po­de re­cei­tar medicamentos, já que é o es­pe­ci­a­lis­ta com for­ma­ção em me­di­ci­na. Os medicamentos, con­tu­do, não de­vem ser in­di­ca­dos co­mo tra­ta­men­to úni­co – é fun­da­men­tal que ele se­ja ali­a­do à psi­co­te­ra­pia pa­ra uma me­lho­ra efe­ti­va. En­quan­to os medicamentos aju­dam no equi­lí­brio do hu­mor e no con­tro­le dos sin­to­mas, a psi­co­te­ra­pia faz o pa­ci­en­te apren­der a li­dar com a do­en­ça e com os fa­to­res que de­sen­ca­dei­am ou pi­o­ram os sin­to­mas de­pres­si­vos. “O psi­có­lo­go é o res­pon­sá­vel pela apli­ca­ção da ava­li­a­ção psi­co­ló­gi­ca e po­de atu­ar co­mo psi­co­te­ra­peu­ta. A psi­co­te­ra­pia é um mé­to­do que uti­li­za prin­ci­pal­men­te a fa­la e o diá­lo­go. O in­tui­to é au­xi­li­ar um in­di­ví­duo a com­pre­en­der a si

mes­mo e a li­dar me­lhor com seus pro­ble­mas e di­fi­cul­da­des, que po­dem ser de­cor­ren­tes de um trans­tor­no men­tal le­ve (an­si­e­da­de ou fo­bi­as) ou de si­tu­a­ções que fa­zem par­te da vi­da de to­dos (se­pa­ra­ção ou mor­te), mas que o pa­ci­en­te tem uma di­fi­cul­da­de mai­or de com­pre­en­são e acei­ta­ção ou, ain­da, de ca­rac­te­rís­ti­cas da per­so­na­li­da­de que pre­ju­di­cam a pes­soa e sua in­te­gra­ção emo­ci­o­nal e so­ci­al”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra e psi­ca­na­lis­ta Mau­ro Lou­zã.

DI­FE­REN­TES ABOR­DA­GENS

O tem­po ne­ces­sá­rio de psi­co­te­ra­pia va­ria pa­ra ca­da ca­so e de­ve se de­ci­di­do em con­jun­to pe­lo pa­ci­en­te, te­ra­peu­ta e psi­qui­a­tra. Po­rém, o pa­ci­en­te fi­ca li­vre pa­ra es­co­lher a abor­da­gem da psi­co­te­ra­pia que me­lhor lhe con­vém e, as­sim, tam­bém tro­car de te­ra­peu­ta quan­do não se sen­tir à von­ta­de. “Exis­tem vá­ri­as abor­da­gens e não con­si­de­ro nem me­lho­res, nem pi­o­res, ape­nas ca­da um de­ve op­tar por aque­la com a qual mais se iden­ti­fi­ca, que mais se sen­te aco­lhi­do, não es­que­cen­do que, pa­ra o pro­ces­so psi­co­te­ra­pêu­ti­co ter um re­sul­ta­do po­si­ti­vo, o pa­ci­en­te de­ve ter em­pa­tia com o te­ra­peu­ta. Ca­so con­trá­rio, o pro­ces­so não flui”, ex­pli­ca a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­a­ne Ma­luf Mar­tin. Co­nhe­ça al­gu­mas li­nhas: Psi­ca­ná­li­se: se­gun­do Cris­ti­a­ne, o mé­to­do ado­ta a as­so­ci­a­ção li­vre, ou se­ja, o pa­ci­en­te po­de fa­lar tu­do o que vi­er à men­te, mes­mo que ele ache es­tra­nho ou sem sen­ti­do. “O ana­lis­ta, por sua vez, vai aju­dar o pa­ci­en­te nes­se pro­ces­so, per­mi­tin­do que ele rom­pa as su­as re­sis­tên­ci­as e se abra. Tam­bém fa­rá in­ter­pre­ta­ções e, com as ela­bo­ra­ções do pa­ci­en­te, o pro­ces­so de

aná­li­se pro­pi­cia au­to­co­nhe­ci­men­to e trans­for­ma­ção gra­du­al dos sin­to­mas”, des­ta­ca.

Te­ra­pia jun­gui­a­na: ba­seia-se nos en­si­na­men­tos de Jung, psi­ca­na­lis­ta que pre­fe­ria uti­li­zar o mé­to­do da ima­gi­na­ção ati­va em vez do mé­to­do da as­so­ci­a­ção li­vre. Na ima­gi­na­ção ati­va, o pa­ci­en­te apren­de co­mo dei­xar li­vre su­as fan­ta­si­as e a se apro­xi­mar do que tem in­ter­na­men­te.

Beha­vi­o­ris­mo com­por­ta­men­tal: fo­ca os es­for­ços na mo­di­fi­ca­ção dos com­por­ta­men­tos. O ana­lis­ta ava­lia o que o pa­ci­en­te pre­ci­sa e o aju­da com téc­ni­cas es­pe­cí­fi­cas pa­ra a trans­for­ma­ção, di­re­ci­o­na­das pa­ra o pro­ble­ma par­ti­cu­lar do in­di­ví­duo.

Te­ra­pia cog­ni­ti­vo com­por­ta­men­tal: se­me­lhan­te à te­ra­pia com­por­ta­men­tal, é di­re­ti­va e pos­sui ses­sões es­tru­tu­ra­das. “Ge­ral­men­te, o psi­có­lo­go vai in­for­mar a mé­dia de ses­sões pa­ra o pro­ble­ma

que es­tá sen­do tra­ta­do”, com­ple­men­ta Cris­ti­a­ne.

PSI­CO­TE­RA­PIA BRE­VE

O tra­ta­men­to re­ce­be es­se no­me por­que tem fo­co e pra­zo de­ter­mi­na­dos (ge­ral­men­te de seis me­ses a, no má­xi­mo, um ano) e é in­di­ca­do es­pe­ci­al­men­te pa­ra cri­ses emo­ci­o­nais agu­das. O te­ra­peu­ta tra­ba­lha so­bre uma quei­xa es­pe­cí­fi­ca do pa­ci­en­te, tra­çan­do es­tra­té­gi­as pa­ra com­ba­ter es­se pro­ble­ma. Nes­sa abor­da­gem, o te­ra­peu­ta é mais ati­vo, in­ter­vin­do e ori­en­tan­do so­bre co­mo o pa­ci­en­te de­ve agir.

“Em um pro­ces­so te­ra­pêu­ti­co, bus­ca-se iden­ti­fi­car os nós, per­cor­rer seus ca­mi­nhos pa­ra afrou­xá-los, en­ten­der su­as co­ne­xões e res­pi­rar um pou­co mais ali­vi­a­do. Não há ma­gia, eles não vão sim­ples­men­te de­sa­pa­re­cer, mas toma-se cons­ci­ên­cia no pro­ces­so do pró­prio so­fri­men­to pa­ra, da­li de den­tro, pro­cu­rar a saí­da”. Ch­ris­ti­a­ne Vi­lhe­na, psi­có­lo­ga

Pa­ra qual­quer pes­soa

Não é ne­ces­sá­rio que ha­ja o di­ag­nós­ti­co de de­pres­são ou de ou­tros trans­tor­nos men­tais pa­ra se con­sul­tar com um psi­có­lo­go ou psi­co­te­ra­peu­ta. Qual­quer pes­soa que quei­ra re­sol­ver al­gum pro­ble­ma, ou que sim­ples­men­te não es­te­ja se sen­tin­do bem men­tal­men­te, po­de pro­cu­rar a aju­da de um pro­fis­si­o­nal. As di­fe­ren­tes téc­ni­cas po­dem li­dar com pro­ble­mas es­pe­cí­fi­cos co­mo di­fi­cul­da­de pa­ra li­dar em pú­bli­ca, an­si­e­da­de exa­ge­ra­da que não che­ga a ser do­en­ça, di­fi­cul­da­de pa­ra in­te­ra­gir com as pes­so­as, en­tre vá­ri­os ou­tros. “Acre­di­to que to­dos nós de­ve­ría­mos ter um psi­có­lo­go. Mui­tas pes­so­as re­sol­vem ques­tões que an­tes a pre­ju­di­ca­vam e vol­tam quan­do per­ce­bem que al­go não vai bem. Ou­tras con­se­guem vi­ver bem após a al­ta da psi­co­te­ra­pia”, res­sal­ta a psi­có­lo­ga Lí­via Mar­ques.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.