Quan­do os medicamentos são ne­ces­sá­ri­os

A me­di­ca­ção ame­ni­za os sin­to­mas da de­pres­são e pro­mo­ve o re­e­qui­lí­brio do sis­te­ma ner­vo­so

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

NA MAI­O­RIA DOS CA­SOS, o tra­ta­men­to efi­caz da de­pres­são com­bi­na o uso de medicamentos e a psi­co­te­ra­pia. Is­so por­que, en­quan­to a psi­co­te­ra­pia atua nas cau­sas da do­en­ça e na mu­dan­ça da for­ma co­mo o pa­ci­en­te en­ca­ra as si­tu­a­ções da vi­da, o me­di­ca­men­to vai agir nas fa­lhas do sis­te­ma ner­vo­so e di­re­ta­men­te nos sin­to­mas. No en­tan­to, eles só po­dem ser usa­dos com pres­cri­ção mé­di­ca – al­guns ti­pos só con­se­guem ser com­pra­dos, aliás, com a re­ten­ção da re­cei­ta na dro­ga­ria ou far­má­cia. Ao ini­ci­ar o tra­ta­men­to com me­di­ca­ção, tam­bém é fun­da­men­tal que o pa­ci­en­te man­te­nha o acom­pa­nha­men­to mé­di­co, não fal­tan­do às con­sul­tas pe­rió­di­cas. Is­so por­que, con­for­me os sin­to­mas se mo­di­fi­cam, po­de ser ne­ces­sá­rio mu­dar a do­sa­gem ou o ti­po de me­di­ca­ção. Es­sa mu­dan­ça tam­bém po­de ocor­rer ca­so o pa­ci­en­te não se adap­te com o re­mé­dio ou apre­sen­te efei­tos co­la­te­rais in­ten­sos.

QUAN­DO É NE­CES­SÁ­RIO?

Quem vai ava­li­ar a ne­ces­si­da­de de in­di­car medicamentos é o psi­qui­a­tra, o úni­co es­pe­ci­a­lis­ta que po­de re­cei­tá-los. “Em ca­sos mais le­ves de dis­túr­bi­os emo­ci­o­nais, o tra­ta­men­to com a psi­co­te­ra­pia po­de ser efe­ti­vo, eli­mi­nan­do os sin­to­mas, sem a ne­ces­si­da­de de uma te­ra­pia me­di­ca­men­to­sa. A com­bi­na­ção da psi­co­te­ra­pia com medicamentos é mais in­di­ca­da aos ca­sos mais gra­ves, sen­do que qual­quer tra­ta­men­to pre­ci­sa ser man­ti­do por, no mí­ni­mo, três se­ma­nas, pa­ra ve­ri­fi­car os re­sul­ta­dos e a efi­cá­cia”, in­for­ma a psi­có­lo­ga e pa­les­tran­te Aline For­tes Ri­bei­ro.

OS MAIS EFI­CA­ZES

Exis­tem al­gu­mas clas­ses de medicamentos e elas se­rão in­di­ca­das de acor­do com as ne­ces­si­da­des do pa­ci­en­te. En­tre­tan­to, uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pela Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, no Rei­no Uni­do, apon­tou quais an­ti­de­pres­si­vos são os mais efi­ca­zes. Os pes­qui­sa­do­res ana­li­sa­ram 522 tes­tes clí­ni­cos en­vol­ven­do tra­ta­men­to de cur­to pra­zo da de­pres­são em adul­tos (116.477 pa­ci­en­tes), com 21 an­ti­de­pres­si­vos. To­dos eles re­du­zi­ram sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te os sin­to­mas da do­en­ça, po­rém com di­fe­ren­ça de qua­li­da­de. Al­guns fo­ram ape­nas um ter­ço mais efi­ca­zes que os pla­ce­bos (com­pri­mi­dos sem ne­nhu­ma pro­pri­e­da­de) e ou­tros du­as ve­zes me­lho­res. Os mais efi­ca­zes, de acor­do com o es­tu­do, fo­ram ago­me­la­ti­na, ami­trip­ti­li­na, es­ci­ta­lo­pram, mir­ta­za­pi­na e pa­ro­xe­ti­na, en­quan­to os me­nos efi­ca­zes

fo­ram flu­o­xe­ti­na, flu­vo­xa­mi­na, re­bo­xe­ti­na e tra­zo­do­na. Os pes­qui­sa­do­res aler­tam que o re­sul­ta­do não in­di­ca a ne­ces­si­da­de de os pa­ci­en­tes mu­da­rem de me­di­ca­ção, pois o es­tu­do não ve­ri­fi­cou os efei­tos le­van­do em con­ta ida­de, gê­ne­ro ou gra­vi­da­de dos sin­to­mas. Tam­bém é pre­ci­so des­ta­car que o es­tu­do não é vá­li­do pa­ra tra­ta­men­tos de lon­ga du­ra­ção.

TI­POS DE MEDICAMENTOS

Uma mes­ma me­di­ca­ção po­de ser in­di­ca­da pa­ra di­fe­ren­tes trans­tor­nos men­tais, o que po­de ser efi­caz em ca­sos de co­mor­bi­da­des. É co­mum que o pa­ci­en­te com de­pres­são apre­sen­te tam­bém trans­tor­nos de an­si­e­da­de, por exem­plo. “Um an­ti­de­pres­si­vo, por exem­plo, po­de ser­vir pa­ra tra­tar de­pres­são, mas tam­bém an­si­e­da­de ou TOC. Al­guns an­ti­con­vuls­van­tes tam­bém ori­gi­nal­men­te uti­li­za­dos pa­ra tra­tar con­vul­sões, po­dem agir de for­ma sa­tis­fa­tó­ria na mo­du­la­ção do hu­mor. A ação de­les no or­ga­nis­mo é mi­to va­ri­a­da e de­pen­de de ca­da subs­tân­cia”, diz a psi­qui­a­tra Fer­nan­da Ra­mal­lo. “Os mais usa­dos atu­al­men­te são os an­ti­de­pres­si­vos que me­lho­ram a fun­ção da se­ro­to­ni­na nas áre­as ce­re­brais en­vol­vi­das. São de­no­mi­na­dos ini­bi­do­res se­le­ti­vos de re­cap­ta­ção de se­ro­to­ni­na (ISRS)”, re­ve­la o psi­qui­a­tra Luiz Vi­cen­te Fi­guei­ra de Mel­lo. Os ISRS au­men­tam a cir­cu­la­ção da se­ro­to­ni­na, pro­mo­ven­do mai­or sen­sa­ção de bem-es­tar.

EFEI­TOS CO­LA­TE­RAIS

No­vas pesquisas ten­tam a to­do mo­men­to re­du­zir os efei­tos co­la­te­rais dos an­ti­de­pres­si­vos, con­tu­do, mui­tos de­les ain­da pro­vo­cam al­guns incô­mo­dos. Os efei­tos

mais co­muns são bo­ca se­ca, cons­ti­pa­ção, fra­que­za, fa­di­ga, tre­mo­res, náu­se­as, dor de ca­be­ça, so­no­lên­cia, ga­nho de pe­so, di­mi­nui­ção do in­te­res­se se­xu­al e ton­tu­ras. Pa­ra ame­ni­zar es­ses efei­tos, é im­por­tan­te be­ber mui­ta água, in­ge­rir ali­men­tos ri­cos em fi­bras e exer­ci­tar-se to­dos os di­as. Po­rém, é im­por­tan­te in­for­mar ao mé­di­co so­bre a in­ten­si­da­de des­ses sin­to­mas. A tro­ca da me­di­ca­ção de­ve ser ava­li­a­da pe­lo psi­qui­a­tra. In­for­me ao pro­fis­si­o­nal so­bre o uso de qual­quer ou­tro me­di­ca­men­to, que po­de re­a­gir com o an­ti­de­pres­si­vo e pro­vo­car pro­ble­mas mais sé­ri­os.

NÃO INTERROMPA!

Um dos er­ros mais co­muns é aban­do­nar o me­di­ca­men­to quan­do os sin­to­mas de­sa­pa­re­cem, sem con­sul­tar o mé­di­co an­tes. Es­sa me­lho­ra sig­ni­fi­ca que a do­en­ça es­tá sen­do bem con­tro­la­da, mas

“É im­por­tan­te não se cri­ar o há­bi­to de me­di­ca­li­zar as tris­te­zas nor­mais da vi­da de ca­da um. Mas, uma vez que os medicamentos são re­cei­ta­dos com a de­vi­da ori­en­ta­ção mé­di­ca, o pa­ci­en­te de­ve se­gui-la pa­ra se li­vrar da do­en­ça”. Ber­nard Mi­dow­nik, psi­qui­a­tra

não ne­ces­sa­ri­a­men­te que o pa­ci­en­te es­tá curado. Em mui­tos ca­sos, o aban­do­no do tra­ta­men­to po­de le­var à re­cor­rên­cia dos sin­to­mas. Por is­so, o cor­re­to é per­ma­ne­cer com a me­di­ca­ção mes­mo que os sin­to­mas de­sa­pa­re­çam, e só pa­rar quan­do o es­pe­ci­a­lis­ta in­di­car. “Ge­ral­men­te, faz-se o tra­ta­men­to e de­pois po­de ha­ver uma di­mi­nui­ção pro­gres­si­va de me­di­ca­ção sob acom­pa­nha­men­to do psi­qui­a­tra. Is­so por­que mui­tas pes­so­as fi­cam de­pen­den­tes psi­co­lo­gi­ca­men­te da me­di­ca­ção e re­cu­sam as ten­ta­ti­vas do psi­qui­a­tra de re­ti­rá-la to­tal­men­te”, sa­li­en­ta o psi­qui­a­tra Ber­nard Mi­o­dow­nik.

DE ORI­GEM NA­TU­RAL

Bem di­fe­ren­te de um cha­zi­nho co­mum, os fi­to­te­rá­pi­cos tam­bém são con­si­de­ra­dos medicamentos e po­dem aju­dar em ca­so de de­pres­são e an­si­e­da­de le­ves. Eles pos­su­em mui­to me­nos efei­tos co­la­te­rais do que os an­ti­de­pres­si­vos e mui­tos de­les têm a efi­cá­cia já com­pro­va­da. Se­gun­do a Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa), os fi­to­te­rá­pi­cos são medicamentos fei­tos a ba­se de plan­tas me­di­ci­nais, cu­jo pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção evi­ta con­ta­mi­na­ções por mi­cro-or­ga­nis­mos e subs­tân­ci­as es­tra­nhas, além de pa­dro­ni­zar

a quan­ti­da­de e a for­ma cer­ta que de­ve ser usa­da, per­mi­tin­do uma mai­or se­gu­ran­ça de uso. O ide­al é que eles se­jam pres­cri­tos por pro­fis­si­o­nais ha­bi­li­ta­dos e de­vem ser re­gu­la­ri­za­dos na An­vi­sa an­tes de se­rem co­mer­ci­a­li­za­dos. Al­guns exem­plos de fi­to­te­rá­pi­cos que agem con­tra a de­pres­são e a an­si­e­da­de são a er­va-ci­drei­ra (Me­lis­sa of­fi­ci­na­lis), tam­bém cha­ma­da de me­lis­sa por cau­sa do seu no­me ci­en­tí­fi­co; a ca­mo­mi­la (Ma­tri­ca­ria re­cu­ti­ta), pas­si­flo­ra (Pas­si­flo­ra in­car­na­ta), que con­sis­te nas fo­lhas do ma­ra­cu­já, e a va­le­ri­a­na (Va­le­ri­a­na of­fi­ci­na­lis). To­das es­sas plan­tas po­dem ser en­con­tra­das ven­di­das li­vre­men­te em lo­jas de pro­du­tos na­tu­rais e fei­ras e po­dem ser usa­das pa­ra ame­ni­zar ir­ri­ta­bi­li­da­de, insô­nia e an­si­e­da­de, mas não têm as pro­pri­e­da­des con­cen­tra­das co­mo nos medicamentos fi­to­te­rá­pi­cos.

Apos­te em chás de ca­mo­mi­la, er­va-ci­drei­ra, va­le­ri­a­na e fo­lhas de ma­ra­cu­já pa­ra ame­ni­zar a an­si­e­da­de do dia a dia. Con­tu­do, se for usar medicamentos fi­to­te­rá­pi­cos, con­sul­te um es­pe­ci­a­lis­ta

Tra­ta­men­to gra­tui­to

Al­guns medicamentos são dis­tri­buí­dos de gra­ça nas Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de, co­mo a flu­o­xe­ti­na. Além dis­so, a re­de pú­bli­ca de saú­de man­tém os Cen­tros de Aten­ção Psi­cos­so­ci­ais (Caps), com psi­qui­a­tras, psi­có­lo­gos e te­ra­peu­tas ocu­pa­ci­o­nais pa­ra aten­der pes­so­as com trans­tor­nos emo­ci­o­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.