Ou­tros trans­tor­nos men­tais

A de­pres­são é ape­nas uma das do­en­ças emo­ci­o­nais. Co­nhe­ça al­guns ou­tros exem­plos

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE - CON­SUL­TO­RIA Ju­li­a­na Bi­ze­to e Lu­ci­a­na Ko­ta­ka, psi­có­lo­gas; Vir­gí­nia Ferreira, psi­ca­na­lis­ta FO­TOS GettyP­re­mium.com

DE ACOR­DO COM DA­DOS DA OR­GA­NI­ZA­ÇÃO MUN­DI­AL DA SAÍDE (OMS), os trans­tor­nos men­tais afe­tam cer­ca de 700 mi­lhões de pes­so­as no mun­do, re­pre­sen­tan­do 13% de to­das as do­en­ças. De­pres­são e an­si­e­da­de fi­gu­ram co­mo os mais fre­quen­tes, ape­sar de, nes­se nú­me­ro, tam­bém es­ta­rem in­cluí­dos ou­tros pro­ble­mas, co­mo a es­qui­zo­fre­nia. Se­gun­do in­for­ma­ções da Se­cre­ta­ria de Pre­vi­dên­cia, eles tam­bém são al­guns dos prin­ci­pais mo­ti­vos que le­vam a afas­ta­men­tos no tra­ba­lho: de 2012 a 2016, as con­ces­sões de au­xí­lio-do­en­ça por trans­tor­nos de an­si­e­da­de, por exem­plo, cres­ce­ram 17%, pas­san­do de 22,6 mil pa­ra 26,5 mil. Es­ses trans­tor­nos são tão di­ver­sos que, na Clas­si­fi­ca­ção dos Trans­tor­nos Men­tais e de Com­por­ta­men­to do CID10 (Có­di­go In­ter­na­ci­o­nal de Do­en­ças), eles são di­vi­di­dos por ca­te­go­ri­as, atu­a­li­za­das de acor­do com no­vas pesquisas. Os tra­ta­men­tos são in­di­ca­dos de acor­do com os sin­to­mas que ca­da um apre­sen­ta. Por is­so, a ava­li­a­ção de um pro­fis­si­o­nal ca­pa­ci­ta­do é fun­da­men­tal. Vo­cê viu, nas pá­gi­nas an­te­ri­o­res, que con­fun­dir o trans­tor­no bi­po­lar com o trans­tor­no de­pres­si­vo mai­or e tra­tá-lo co­mo tal, por exem­plo, po­de tra­zer sé­ri­os pro­ble­mas. En­tão, ter aten­ção ao his­tó­ri­co de saú­de do pa­ci­en­te e bus­car um di­ag­nós­ti­co pre­ci­so é in­dis­pen­sá­vel. Con­fi­ra as ca­rac­te­rís­ti­cas de al­guns dos trans­tor­nos men­tais mais co­muns, além da de­pres­são:

TRANS­TOR­NO DE AN­SI­E­DA­DE GE­NE­RA­LI­ZA­DA (TAG)

Ter um pou­co de an­si­e­da­de no dia a dia é nor­mal. É

uma re­a­ção na­tu­ral do cor­po di­an­te de al­gum acon­te­ci­men­to im­por­tan­te ou de uma ame­a­ça: é co­mo se ele se pre­pa­ras­se pa­ra lu­tar ou fu­gir e, em es­ta­do de aler­ta, cau­sa sin­to­mas co­mo ace­le­ra­ção dos ba­ti­men­tos car­día­cos, tre­mo­res, su­do­re­se, res­pi­ra­ção ofe­gan­te e sen­sa­ção de de­ses­pe­ro. Po­rém, pen­se na pos­si­bi­li­da­de de es­ses sin­to­mas sur­gi­rem do na­da, sem mo­ti­vo apa­ren­te e, o pi­or: re­a­pa­re­ce­rem fre­quen­te­men­te. Quan­do is­so acon­te­ce, a an­si­e­da­de não de­ve ser con­si­de­ra­da nor­mal. A pre­o­cu­pa­ção ex­ces­si­va ou ex­pec­ta­ti­va apre­en­si­va é ca­rac­te­rís­ti­ca do trans­tor­no de an­si­e­da­de ge­ne­ra­li­za­da (TAG), ape­nas um dos ti­pos de trans­tor­no que apre­sen­tam a an­si­e­da­de co­mo sin­to­ma. A TAG po­de pro­vo­car pro­ble­mas sé­ri­os e pre­ci­sa de tra­ta­men­to, por­tan­to, é im­por­tan­te ficar aler­ta aos

si­nais. “Mu­dan­ça de com­por­ta­men­to ali­men­tar (co­mer em ex­ces­so ou per­der a fo­me), insô­nia fre­quen­te, fal­ta de con­cen­tra­ção nas ati­vi­da­des ou mes­mo pa­ra con­ver­sar e ou­vir, além de fal­ta de ar, são im­por­tan­tes si­nais pa­ra se bus­car aju­da o quan­to an­tes”, lis­ta a psi­có­lo­ga Lu­ci­a­na Ko­ta­ka. O tra­ta­men­to po­de en­vol­ver psi­co­te­ra­pia e me­di­ca­ção ca­so ne­ces­sá­rio, e as mu­dan­ças de há­bi­to são fun­da­men­tais, in­cluin­do te­ra­pi­as re­la­xan­tes co­mo io­ga e me­di­ta­ção.

TRANS­TOR­NO DE P­NI­CO

“Ca­rac­te­ri­za-se pela ocor­rên­cia sú­bi­ta, ines­pe­ra­da e re­cor­ren­te de cri­ses agu­das de an­si­e­da­de, mar­ca­das por um me­do exa­cer­ba­do e de­ses­pe­ro, ne­ces­sa­ri­a­men­te as­so­ci­a­das a sin­to­mas fí­si­cos e emo­ci­o­nais ater­ro­ri­zan­tes, que che­gam ao au­ge em pou­cos mi­nu­tos, com du­ra­ção de 10 a 30 mi­nu­tos em mé­dia”, de­fi­ne a psi­ca­na­lis­ta Vir­gí­nia Ferreira. Um dos sin­to­mas mais co­nhe­ci­dos do trans­tor­no é a sen­sa­ção de mor­te ou de per­da de con­tro­le so­bre si mes­mo. Os sin­to­mas fí­si­cos po­dem ser tão in­ten­sos a pon­to de fa­zer o pa­ci­en­te bus­car aju­da mé­di­ca por achar que es­tá ten­do um in­far­to, por exem­plo, ou um pro­ble­ma no estô­ma­go. Pa­ra que o di­ag­nós­ti­co se­ja fei­to, é pre­ci­so que a pes­soa apre­sen­te pe­lo me­nos qua­tro dos se­guin­tes sin­to­mas: me­do de mor­rer, me­do de per­der o con­tro­le ou a cons­ci­ên­cia e en­lou­que­cer; im­pres­são de des­li­ga­men­to da re­a­li­da­de e dis­tor­ção da vi­são de mun­do e de si mes­mo; des­con­for­to e/ou dor no pei­to; pal­pi­ta­ções ou ta­qui­car­dia; ondas de ca­lor ou frio. “En­tre­tan­to, não se po­de des­con­si­de­rar o fa­to de

que, em mui­tos ca­sos, to­dos os sin­to­mas aci­ma men­ci­o­na­dos são ex­pe­ri­men­ta­dos pe­lo su­jei­to du­ran­te um ata­que de pâ­ni­co”, acres­cen­ta a psi­ca­na­lis­ta. Após a pri­mei­ra crise, o in­di­ví­duo se sen­te se­gu­ro e com me­do de sen­tir tu­do no­va­men­te e, as­sim que o pri­mei­ro sin­to­ma se ini­cia, de­sen­ca­deia to­dos os ou­tros.

TRANS­TOR­NO OBSESSIVO COM­PUL­SI­VO (TOC)

Um sin­to­ma mui­to co­nhe­ci­do do TOC é a ne­ces­si­da­de de ri­tu­ais e com­por­ta­men­tos in­co­muns, co­mo la­var as mãos vá­ri­as ve­zes ao dia, che­car se tran­cou a por­ta de ca­sa mui­tas ve­zes ou or­ga­ni­zar e re­or­ga­ni­zar os ob­je­tos na me­sa. Con­tu­do, os dis­túr­bi­os de ob­ses­são com­pul­si­va não se ca­rac­te­ri­zam ape­nas por es­ses com­por­ta­men­tos, mas tam­bém por idei­as que a pes­soa não ti­ra da ca­be­ça, co­mo as su­pers­ti­ções as­so­ci­a­das ao azar: cru­zar a fren­te de um ga­to pre­to, pas­sar em­bai­xo de es­ca­das ou des­vi­rar sapatos. O di­ag­nós­ti­co de TOC é de­sa­fi­a­dor e, as­sim co­mo em ou­tros trans­tor­nos, é pre­ci­so le­var em con­ta ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas do in­di­ví­duo. “É pos­sí­vel per­ce­ber que exis­tem al­guns qua­dros mais apa­ren­tes do que ou­tros. Às ve­zes, a ques­tão de lim­pe­za, por exem­plo, é mui­to mais cla­ra de no­tar o que idei­as ob­ses­si­vas, pois a pes­soa pre­ci­sa co­mu­ni­cá-las pa­ra o di­ag­nós­ti­co”, diz a psi­có­lo­ga Ju­li­a­na Bi­ze­to. Em ge­ral, o com­por­ta­men­to no TOC é in­de­se­ja­do e al­ta­men­te an­gus­ti­an­te: o pa­ci­en­te nao apre­sen­ta pra­zer ou re­com­pen­sa com ele. As­sim, es­ses com­por­ta­men­tos re­pe­ti­ti­vos ou com­pul­si­vos tra­zem sé­ri­os prejuízos à vi­da do in­di­ví­duo.

TRANS­TOR­NO DO ES­TRES­SE PÓS-TRAU­MÁ­TI­CO

Pa­ra quem so­fre de TEPT, o tem­po pa­re­ce não ter pas­sa­do. O aci­den­te de car­ro, o as­sal­to ou o abu­so se­xu­al re­cu­sam-se a ficar pa­ra trás ao dei­xa­rem mar­cas que in­sis­tem em res­sus­ci­tar. São ver­da­dei­ros flash­backs que re­vi­vem o trau­ma, re­sul­tan­do nos mes­mos sin­to­mas fí­si­cos per­ce­bi­dos nos ata­ques de pâ­ni­co, além de ou­tros mais, co­mo pro­ble­mas no so­no, di­fi­cul­da­des de con­cen­tra­ção e ir­ri­ta­bi­li­da­de. Com o tem­po, vem o iso­la­men­to so­ci­al, vi­san­do evi­tar si­tu­a­ções em que o epi­só­dio pos­sa ser lem­bra­do. O trau­ma, por mais que se­ja as­so­ci­a­do a sen­sa­ções co­mo a dor fí­si­ca, te­rá de ser tra­ba­lha­do em um pro­ces­so de Te­ra­pia Cog­ni­ti­vo-Com­por­ta­men­tal (TCC). Es­sa li­nha tem co­mo prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca jus­ta­men­te en­si­nar ao pa­ci­en­te co­mo as­si­mi­lar o seu pas­sa­do e a fa­zer, a par­tir da­li, uma lei­tu­ra di­fe­ren­te da sua vi­da. Não é uma re­gra, mas an­ti­de­pres­si­vos e an­si­o­lí­ti­cos po­dem ser ne­ces­sá­ri­os ao lon­go do pro­ces­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.