fim do pre­con­cei­to

Acei­tar que a de­pres­são é uma do­en­ça co­mo qual­quer ou­tra é o pri­mei­ro pas­so pa­ra um tra­ta­men­to efe­ti­vo

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

IN­FOR­MA­ÇÕES SO­BRE DE­PRES­SÃO NÃO FAL­TAM. Ho­je, já é pos­sí­vel sa­ber quem es­tá mais pre­dis­pos­to a de­sen­vol­ver a do­en­ça e quais as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra re­du­zir os ris­cos. Tam­bém já exis­tem di­ver­sas te­ra­pi­as que com­ple­men­tam o tra­ta­men­to da de­pres­são e as pesquisas avan­çam em bus­ca de medicamentos que pro­vo­quem o mí­ni­mo de efei­tos co­la­te­rais pos­sí­vel. Ape­sar de tu­do is­so, ain­da existe pre­con­cei­to em re­la­ção à do­en­ça, o que di­fi­cul­ta ain­da mais o tra­ta­men­to. Pri­mei­ro, im­pe­de o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce e, de­pois, que o tra­ta­men­to ade­qua­do se­ja se­gui­do. Is­so por­que, em mui­tos ca­sos, pes­so­as que con­vi­vem com o in­di­ví­duo de­pres­si­vo acre­di­tam que a do­en­ça po­de ser “fres­cu­ra” e que, com um sim­ples es­for­ço, é pos­sí­vel sair de­la. Na de­pres­são, con­tu­do, há um de­se­qui­lí­brio de neu­ro­trans­mis­so­res e, pa­ra que o pa­ci­en­te pos­sa vol­tar a se sen­tir bem, é ne­ces­sá­rio que es­sas subs­tân­ci­as se equi­li­brem no­va­men­te. Ima­gi­ne, por exem­plo, que al­guém es­te­ja com uma do­en­ça co­mo um cân­cer ou uma in­fec­ção. Nin­guém es­pe­ra que es­sa pes­soa vá se cu­rar so­zi­nha, ape­nas com a pró­pria for­ça de von­ta­de; pe­lo con­trá­rio: a bus­ca por pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos e a ado­ção de tra­ta­men­tos avan­ça­dos é in­cen­ti­va­da elas pes­so­as pró­xi­mas. A de­pres­são e ou­tras do­en­ças men­tais de­vem ser vis­tas co­mo qual­quer ou­tra do­en­ça: al­go que pre­ci­sa ser tra­ta­do pa­ra de­vol­ver à qua­li­da­de de vi­da ao pa­ci­en­te.

CON­VER­SAR É FUN­DA­MEN­TAL

Fa­lar so­bre o pro­ble­ma, bus­car pesquisas ci­en­tí­fi­cas, sa­ber so­bre opi­niões dos mé­di­cos e tam­bém his­tó­ri­as de

quem já pas­sou pela de­pres­são é es­sen­ci­al pa­ra com­pre­en­der me­lhor o pro­ble­ma e, as­sim, di­mi­nuir o pre­con­cei­to em tor­no de­le. “Com tan­tas in­for­ma­ções cir­cu­lan­do so­bre a de­pres­são, o pre­con­cei­to vem di­mi­nuin­do, mas ain­da en­con­tra­mos pes­so­as que ten­dem a jul­gar ou ro­tu­lar o que não co­nhe­cem. Exis­tem

ex­pli­ca­ções em al­guns ca­sos, co­mo al­te­ra­ção hor­mo­nal, es­tres­se, per­das, de­se­qui­lí­brio na quí­mi­ca ce­re­bral, en­tre ou­tros fa­to­res, mas exis­tem tam­bém aque­les que apa­re­cem sem ne­nhu­ma ra­zão, de man­si­nho ou de re­pen­te. En­tão, é im­por­tan­te que quem es­te­ja con­vi­ven­do com al­guém com de­pres­são bus­que co­nhe­cer bem a do­en­ça pa­ra acei­tar sem jul­ga­men­to, aju­dan­do se pos­sí­vel, mas pe­lo me­nos abs­ten­do-se de jul­gar”, ori­en­ta a psi­có­lo­ga Po­e­ma Ri­bei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.