Apoio fa­mi­li­ar

Com a aju­da de fa­mi­li­a­res e ami­gos, o tra­ta­men­to se tor­na mais fá­cil

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

EN­FREN­TAR UMA DO­EN­ÇA SO­ZI­NHO dei­xa o tra­ta­men­to mais di­fí­cil: sem apoio, o pa­ci­en­te po­de ter re­sis­tên­cia pa­ra bus­car aju­da mé­di­ca e man­ter o tra­ta­men­to cor­re­to. As­sim, é ide­al que fa­mi­li­a­res, ami­gos e ou­tras pes­so­as pró­xi­mas fa­çam par­te do pro­ces­so de me­lho­ra do pa­ci­en­te com de­pres­são, aju­dan­do a bus­car um pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­do e até con­fe­rin­do, quan­do pos­sí­vel, se o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so e psi­co­te­ra­pêu­ti­co es­tá sen­do se­gui­do cor­re­ta­men­te.

COM­PRE­EN­DEN­DO O PRO­BLE­MA

Tan­to o pa­ci­en­te quan­to seus fa­mi­li­a­res pre­ci­sam con­ver­sar bas­tan­te de for­ma fran­ca com o psi­qui­a­tra e/ ou psi­có­lo­go, a fim de en­ten­der as cau­sas, os sin­to­mas e as con­sequên­ci­as da do­en­ça. En­ten­der co­mo ela fun­ci­o­na é o pri­mei­ro pas­so pa­ra con­se­guir aju­dar o pa­ci­en­te de al­gu­ma for­ma. E o pró­prio pa­ci­en­te tam­bém pre­ci­sa acei­tar que es­tá do­en­te, mas que es­sa do­en­ça tem tra­ta­men­to. “Por mais que as pes­so­as amem o in­di­ví­duo com de­pres­são, elas po­dem não en­ten­der a do­en­ça e, mui­tas ve­zes, não acei­tar. São inú­me­ros ca­sos em que a fa­mí­lia ou os ami­gos ig­no­ram quem es­tá em de­pres­são. A prin­cí­pio, até en­ten­dem que ele es­tá tris­te, mas após al­guns di­as, ini­cia-se o pro­ces­so de co­bran­ça e in­cen­ti­vo pa­ra que me­lho­re”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Már­cia San­do.

GRU­POS DE APOIO

Pa­ra que es­se pro­ces­so de com­pre­en­são se­ja fa­ci­li­ta­do, a fa­mí­lia po­de fre­quen­tar gru­pos de apoio, on­de vão tro­car ex­pe­ri­ên­ci­as e re­ce­ber ori­en­ta­ções pa­ra bus­ca­rem

so­lu­ções. Em São Pau­lo, a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Fa­mi­li­a­res, Ami­gos e Por­ta­do­res de Trans­tor­nos Afe­ti­vos (Abra­ta) man­tém um des­ses gru­pos, for­ma­dos por pes­so­as com de­pres­são e bi­po­la­ri­da­de e fa­mi­li­a­res, em sa­las se­pa­ra­das, que se aju­dam de for­ma so­li­dá­ria e ofe­re­cem apoio e con­for­to uns aos ou­tros. Con­fi­ra o tra­ba­lho da Abra­ta no si­te www.abra­ta.org.br.

IN­CEN­TI­VO NA ME­DI­DA CER­TA

Em al­guns ca­sos, o pa­ci­en­te po­de ter di­fi­cul­da­de pa­ra acei­tar sua pró­pria do­en­ça e se re­cu­sar a bus­ca aju­da mé­di­ca. As pes­so­as queridas po­dem, en­tão, in­cen­ti­vá-lo a pro­cu­rar um es­pe­ci­a­lis­ta e até acom­pa­nhá-lo na pri­mei­ra con­sul­ta. Con­tu­do, é pre­ci­so en­ten­der tam­bém que, mes­mo após o tra­ta­men­to ser ini­ci­a­do, os sin­to­mas po­dem pi­o­rar em al­guns di­as. “Mui­tas ve­zes a ener­gia cai e o pa­ci­en­te pre­ci­sa dei­tar, des­can­sar, pois se sen­te in­ca­paz de fa­zer qual­quer ta­re­fa. E é co­mum que pa­ren­tes e ami­gos ve­nham sor­rin­do com or­dens de co­man­do: ‘le­van­te!’, ‘va­mos pas­se­ar’, ‘vo­cê pre­ci­sa se es­for­çar!’. Às ve­zes, é pos­sí­vel acom­pa­nhar os in­cen­ti­va­do­res, mas ou­tras, não há co­mo pen­sar em le­van­tar da cama”, avi­sa a psi­có­lo­ga. A es­pe­ci­a­lis­ta ori­en­ta pa­ra que o pa­ci­en­te não se cul­pe, pois é al­go que es­tá fo­ra do con­tro­le. Se o can­sa­ço ba­ter, des­can­sar é a me­lhor so­lu­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.